Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 31 de maio de 2009

Só nós dois

Olhando na mesma direcção ou olhando em direcções diferentes, o nosso caminho é o mesmo. Há 36 anos.

Só nós dois

...No Parque de Santa Catarina
... Numa Quinta-feira de tarde
...A Seis de Junho
...De Mil Novecentos e Setenta e Quatro.
Só nós dois é que sabemos e mais ninguém 

Esta Pulga faz-me lembrar outras Pulgas

Ainda o carro não tinha andado dois quilómetros já a Pulga atrás começa a se queixar.- Abô, eu ainda nã comi nada! - Diz ela com ar de esfomeada.
- E o que queres comer?- pergunta o avô.
- Datatas titas.
Pois avô. Quem sai aos seus.......

Avozinha, eu?

De tanto contar a História do Capuchinho Vermelho, hoje dei por mim a ser chamada de "avozinha".
Logo de manhã perguntei à Pulga, antes de sairmos de casa.
- Já arrumaste os sapatos?
- Tim, abotinha. Anda tá. Anda tá, minha abotinha!

Homofonia

No carro diz a Pulga para o avô referindo-se à sua festa de anos.
- Abô, eu bou téie um bouo de anós!
Diz o avô.- Vais ter um bolo de noz?
- Dah!! Avô? O bolo é de laranja e não de noz. A decoração é que é com os sete anões - digo eu.

sábado, 30 de maio de 2009

Passeio

E porque hoje, Sábado, é dia de passeio pelas serra da Madeira. e lá vou eu a caminho da...terra. Comer terra.

Mas será que não acerta nos dias?

Quando é quinta-feira minha tia pergunta se não é sábado!
E hoje que é Sexta-feira pergunta-me: - Hoje é quarta ou quinta?
Mas será que não acerta nos dias?
Poça!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Na cama

Estávamos na cama. A luz da rua entrava pelos tapa-sóis fechados. Eu vi-a. Ela via-me. Depois da história (sempre a mesma), julgando que já dormia, levanto-me lentamente e sento-me na cama.
- O ti é abó?(O que é avó) - Oiço perguntar. Eu tentei disfarçar, esfrego os olhos e digo.
- Tenho uma coisa no olho!
- Tem eu! (Também eu)- E senta-se ao meu lado, esfregando também o olho.
Ora esta Pulga. Já a sabe toda. Ai sabe, sabe.
Mas eu também sei.
E lá fiquei mais um bocado a fingir que dormia.

Vaidos e cheirosa

Estava a Pulga sentada no meu colo e eu a cheirar o seu cabelo. Inspirava e dizia :
- Hummmmmmmm! - E ia esfregando o nariz no seu cabelo. Pergunta-me ela com ar prazenteiro.
- Eu teio bem? (Eu cheiro bem?)
- teias teias - digo a rir. 
Vaidosa ela.



Tenho Pulgas

Nunca tive tantas pulgas!  Tenho a casa cheia. Para qualquer lado para onde vá, tenho pulgas. A minha cama é o paradeiro delas. Elas não me largam um só momento. Se me sento vêm logo para o meu corpo. É nas pernas. É no colo. É atrás. É à frente.
Se me levanto as pulgas perseguem-me. Na rua então não me deixam.
Eu coço-me , eu evito o contacto, eu fujo delas, mas elas encontram-me e não me deixam.
Estas não se alimentam do sangue, nem transmitem doenças, mas dependem do hospedeiro para se alimentarem e se protegerem.
Estas não dão picadas e são "AS MINHAS PULGAS".
Adoro-as!!!

Birrinhas

E não é que a Pulguinha, quando quer algo e não lhe damos senta-se no chão a berrar?! É. Mas antes ainda na vertical, põe-se em bicos de pé para dar mais impulso à queda.
E lá fica de rabo no chão aos gritos!

Música isto?

A Pulga batendo com os objectos na mesa, fazendo um barulho ensurdecedor.
- Pára!- Peço-lhe.
- Isto é mútita. - E continua a bater na mesa.
- E se fosses fazer música p´ra casa?- Replico a ver o que ia sair dali.
- Não poto. Bou titai ati hoti. (Não posso. Vou ficar aqui hoje) - Responde cantando. E continua: - Poute amamã não há toua io pôdo ater nana ati. (Porque amanhã não há escola eu posso fazer nana aqui).

Tuaios ou joelhos?

Tenho uma pequena plantação de morangos em casa. E todos os dias a Pulga gosta de vê-los e de lhes deitar água.
Hoje de tarde, ouviu-se esta conversa.
- Téio téiê os tuiaos! (Quero ver os morangos).
Diz minha tia.
- Tá-te a doer os joelhos? Os meus também.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Hora do sono

Os meus meninos dormem.
- Tieta, tua touta! Aiiiiiiiiiiiiiiiiii

Bem , este Ai é dito 30 decibéis acima do permitido por lei, com arregalar de olhos.

A cantar em Pulgarês

olare...laré..iu

Tês dadinhas a tantá
tão u tanto tateá
a da tente é a pimeia
totô a outa eu tadeia
tês dadinhas a tantá....

E outra


Tatadaio ôiôu
bita tá iéto
tata ua maumada


papagaio loiro
de bico amarelo (não diz)
quem não está quieto
leva de chinelo (ela diz "leva uma palmada")

Passe, passe sff

 Hoje foi dia de electrocardiograma para a minha tia. Pelas 13 horas dirigimo-nos ao HCF para o exame.Levei a Pulguinha comigo.
Um mar de gente para ser atendida.
Depois de feito o exame perguntei à técnica qual o passo seguinte. Ela disse-me que tinha de aguardar pelo relatório do médico.
- Demora muito?- perguntei.
- Ah, isso depende do médico! - dando a entender que ía demorar um século. - Tem de aguardar.
- É que eu tenho a minha neta com 1 ano lá fora e só gostaria de saber se demora muito para me controlar com as horas.- Expliquei-lhe.
-Hum..., mas tem de aguardar.
Sentámo-nos. Ela saiu atrás de mim e entrou noutra porta.
Ao sair deu-me um papel.
Aceitei e continuei sentada.
- Já pode ir.
- Como? - perguntei com ar de incrédula. - Já posso?
- Sim.
Só então percebi. Ela tinha ido ao gabinete e pedido ao médico para fazer o relatório.
"Há coisas fantásticas, não há?"
Uma delas é ter netos.

Estarei a ficar...?

Acho que a convivência diária com a minha tia está a pôr-me esquecida e baralhada (tal como ela).
Hoje desejei "bom fim de semana" à educadora da Pulga.
É porque todo o dia ouvi esta pergunta: - Hoje não é Sábado?

Como é bom ter netos!

Há alguns dias atrás fui à cidade levantar o reembolso de consultas. Claro, levei a Pulguinha comigo.
Entrei. Um ror de gente, uma fila interminável. O funcionário olha para mim.
- Venha comigo - diz ele.
Fiquei surpreendida. E sem saber para onde me levava, acompanhei-o.
- Com licença! - Dizia ele às pessoas da fila, colocando-me à frente de toda a gente, entre "olhos atravessados" e palavras ditas "em boca pequena".
E dei por mim a pensar....."Como é bom ter netos."
Não, não foi nesta frase que pensei. Foi nesta. "Avogi, p´rá próxima trazes novamente a neta."

Outras Pulgas, mais velhas

 Ao remexer no passado descobri uma fotografia.
Fez-me reviver os passeios em família.
A minha meninice.
Fez-me recordar as excursões que fazíamos.
Em grupo, sempre.
Toda a família junta com outras famílias.
Mais proximidade do que presentemente.
E a união entre todos.
Todos com um chapéu igual.
 Era mais fácil identificar o grupo.
Esta era...
A minha família:
Avó, mãe, irmãs irmãos cunhado e cunhada e obviamente EU.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

A minha senhora

(não tem a ver com as Pulgas, mas por ter falado ontem com uma amiga sobre este assunto lembrei-me).

Há algum tempo atrás vinha a minha casa um jardineiro ,(claro, para cuidar das plantas) de uma zona rural onde os maridos tratam as esposas por "minha senhora" e as esposas os maridos por "meu senhor".
Esta pessoa era muito baixinha (metro e meio), mas muito competente e com uma força brutal.
Quando cá vinha ficava para jantar porque o "meu senhor" é que ía pô-lo a casa, já noite dentro. Certa vez , à mesa a falarmos de plantas diz ele para o meu marido:
- A "MINHA SENHORA" já me disse que a sua "MULHER" deve gostar muito de plantas.

Bem, entreolhamo-nos todos, desejando de rir e a pensar: eu é que sou a"mulher" A dele é a "SENHORA".

Um, dois, três, vamos lá outra vez

Tarde na rua, três crianças [1/3/84 ano(s)] cantavam.

Um, dos, tês
Ua io.ié.iê de cata tês
Uato, tinto teis
eia ua tóia de diôdo
Tóia de diôdo

Tóie a papa tuaia
Toie a papa

e repete
e repete e repete
e não sei onde foi buscar a "toia de diôdo"

R.I.P.



Pelas 20 horas de hoje, dia 27 de Maio, morreu uma pu..ti..ta, estrangulada pela Pulga que não pode ver um bicharoco andar. E era an..iê.

Palavras da Pulga.

Ora descubram lá outra vez.

Escrever ou não esrever eis a questão

Quando a mãe e o tio das pulgas eram pequenos tinha por hábito dar-lhes temas para desenvolverem a imaginação e a sequência lógica numa escrita.
Certa vez era uma frase duma história para continuarem.
"Um grupo de marinheiros iam num barco. De repente surgiu uma onda, virou o barco e..... "

Enquanto que a minha filha desenvolveu uma história em que metia salvamento com os botes, chegada a uma ilha deserta, fome, frio, etc... com muitos pormenores, preenchendo uma folha tamanho A4, o meu filho escreveu ......morreram todos.

Boubúas e dodois

Hoje fui buscar a Pulga à escola. Pelo caminho um chorrilho de queixas.
- Vê, Bó! - diz-me ela, mostrando a bochecha encarnada. - Teio uma boubúa! E um dodoi pito! Poi a Nônônunes!

Ora descubram lá o que são
Que nesta não ponho tradução

Quando eu for grande...

Uma menina, mãe das Pulgas, com seis anos no 2º ano do 1º ciclo começava assim uma composição subordinado ao tema "Quando eu for grande".

"Quando eu for grande quero ser como a minha mãe que não fuma e bebe pouco."

Acabou-se a conversa

Mostro uma foto de quando a mãe era pequena à Pulga e pergunto.
- Sabes quem é?
- É a mãe?..... É a mana?..... É eu?..... perguntava-me de cada vez que olhava a foto.
E eu continuava olhando para ela...
- Nã tei, minha têta! (não sei minha querida) -  responde-me ela.

Outras Pulgas

A mãe destas Pulgas quando tinha nove anos foi para o 2º ciclo. Eu trabalhava distante e então não estava em casa à hora em que ela almoçava. Logo de manhã deixava a comida num "termus"e ela na hora do almoço ia a casa almoçar.
Tentava sempre deixar a comida que ela apreciava, mas variava com alguns ingredientes que ela detestava, dentro desses: o peixe-espada.
Como todas as meninas da sua idade tinha um diário onde registava o seu dia a dia.
Certo dia apanhei a chave e curiosa pus-me a ler, intrigada, o que uma menina de nove anos poderia registar todas as noites e....
Deparo-me com este registo.
" Eu não gosto de peixe-espada. Sempre que a minha mãe deixa para o almoço este peixe eu atiro-o para cima do supermercado (que ficava em frente). Mas hoje aconteceu um acidente.
A taça voou também".
E agora?

Sentimento de culpa?

Estão as duas Pulgas a brincar. De repente a Pulguinha chora. Salta a outra Pulga e diz, antes de eu sequer ter tempo de perguntar o que se tinha passado:
- Não tui ieu! Ieu não tiz nada! (Não fui eu! Eu não fiz nada)

Rétorica (arte de bem falar)

Telefona-me o pai das Pulgas, pela manhã e pergunta:
- Tá acordada?
- Sim- respondo. - Se não estivesse como podia atender o telefone?
- Podia estar a dormir!
- Como? Ia atender o telefone a dormir?
Risos do outro lado.

Arquimedes dos nossos dias

 Princípio de Arquimedes (adaptado)

Todo a Pulguinha mergulhada total ou parcialmente numa espreguiçadeira, a avó recebe da parte desta, uma impulsão vertical, de baixo para cima, de intensidade igual que a sopa derrama toda; devido ao pontapé dado; tendo o peso do volume de sopa sido deslocado pelo corpo.

Resultado: banho

terça-feira, 26 de maio de 2009

Já deu?

Hoje, ainda há pouco pelas 15 horas, liguei para minha tia.
A conversa tal qual se passou.
- Tomou o medicamento? - perguntei.
- Qual medicamento?
- O das onze horas.
- Já deu onze horas?
- Sim, já deu.
- Então já tomei.

Há oito dias que partistes!

Porque faz hoje oito dias que partiste...

Vamos sorrir, imaginando as tuas gargalhadas, com a anedota que costumavas contar com o sotaque de Câmara de Lobos.

Pela altura do São João, as raparigas tiram sortes para saberem com quem vão casar. As de Camara de Lobos não são excepção. Então na véspera a mãe e a filha vão a uma bananeira enfiar uma faca para saberem o nome do futuro noivo.
Na manhã seguinte vão as duas à bananeira e diz a mãe.
- Feilha, a mãe nã te disse...vás ter sorte na veida...vás casar cum anglês...
- Um anglês? O quê tá escrito, mãi? Como se chama ele?
- INOX.

Sorrisos aos molhos

Não há nada mais estimulante ao acordar que ver dois olhos grandes a me fitar e...sorrisos aos molhos.

Ai esta tia...!

Ontem pelas 22 horas telefonei para me certificar que havia tomado os medicamentos da noite, obviamente.
- Sim, já tomei todos - responde-me ela.
- E o das onze da noite já tomou?
- Sim, já tomei esse também.
- Mas, ainda são dez horas!! Era para tomar só às onze!!
- Ah, então vou tomar já. - E desliga o telefone.

Pulgaresmente falando

A Pulga sabe as regras da Boa Educação.
HÁ dias pediu-me "atã"(maçã).
- Como se diz? - pergunto eu.
- Odidada
- Não, antes de dizeres obrigada dever dizer...?
- Tititoi! (faz favor)

- E se quiseres levantar-te da mesa, o que deves pedir?
- Tontenta. (Com licença)
- E quando magoas alguém, o que deves dizer?
- Poupa! (desculpa)

Joaninha já não voa

Uma joaninha passeava, sossegadamente, no quintal da minha casa. Veio um pé 24 calçado num sapato 38 e.....
- Ponto! Tá mota!

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Para quem ainda não saiba...

...É de perna cruzada com Pulgas ao colo, que pretendo passar o resto dos dias, nesta nova etapa da minha vida.

Sssssshhhhhuuuuuu .....e fêz-se silêncio!

Hoje foi dia de festa para as Pulgas. Todo o dia na casa da avó.
Depois do almoço dormiram, mas assim que acordaram não pararam de brincar. É na rua (quintal à frente); é na outra rua (quintal atrás). É assim que a minha neta identifica os espaços. Foi um sobe escadas, desce escadas.

Antes do jantar banho, bem, foi mais "uma lagaceira" na casa de banho porque a Pulga quis banhar-se.
Depois do jantar, cama, mas até que sossegassem levou tempo.
Punha a Pulguinha perto de mim, ela fugia. E a outra...? A outra Pulga saltava em cima da cama entre risos e gritos. Começa a mais pequena também no deita-levanta-foge.
Depois desta retoiça, cama com elas. Foi num ápice. Fez-se silêncio após a história.

Titopau e nhanhas

A Pulga adora brincar com "tito-pau". Ainda hoje pela tarde, pegou num e mostrou toda contente.
Adivinhem. Só digo que é preto.
Ah, e ao sacudir os tapetes aparecem muitas "nhanhas". E não são aranhas.

Filhos de professora sofrem!

Sempre que saíamos, fosse cá dentro (entenda-se RAM) ou lá fora, em todas as viagens estudávamos o Estudo do Meio,(Geografia, História, Ciências). Fazia breves resenhas educativas.
Um dia ao passarmos pelos postes de energia eólica pergunto eu:
-Sabem o que são estes postes?
-Sim - responderam .- É energia eólica.
- E o que é energia eólica? - pergunto, olhando para trás.
Responde o meu filho.
- É para fazer óleo.

Pilhas

O meu filho quando era pequeno teve imensos carros , na altura dos telecomandados, e por conseguinte gastava muitas pilhas. O pai reclamava da despesa.
Ele atento à publicidade (duracell...dura..dura), um dia disse:

-Páá, compra pilhas alcolinas!

Bem dizia a minha fiha que eu aldrabava!...

Estava eu a contar a história do Capuchinho Vermelho às Pulgas, com cantiga à mistura, quando chega à parte do capuchinho encontrar o lobo mau digo eu assim:
- E o lobo diz ao Capuchinho.-Oh! Oh! Oh!
Tira ela a nana da boca e ...
-Bó, o "Pai Tau" diz: oh!oh!oh!
O "momo mau" diz: ah!ah!ah!

Ai avó sofre!

A avó sofre para entender esta neta...

Ela vira-se para mim, eu dentro de casa ela na rua, e pede:
-Bó, dá uaiudoui.
- Hã?- pergunto, sem saber a que se refere.
Lá depois de muitos gestos para se fazer entender, entendi.
Era o aspirador.

Brincar com as palavras

Ontem, dentro do carro, a Pulga olha para mim e pede "a nana".
-Como?- perguntei eu. Ela, olhando bem para mim diz:
-Ba..nana. Io dite banana! (eu disse banana), mas referia-se à nana  para dormir mas disfarçou...e bem.

Os animais da quinta

O dato:P*tas
Os tãos: Tootie, Dódiói, Tatadéua, Titão

Tradução

O gato:Fuscas
Os cães:Cookie,Júnior, Caramela, Simão

Além destes ainda há os pipios (passarinhos).
É assim que a Pulga os chama.

Plágio

Vou plagiar uma frase que ouvi dita por uma pessoa de 84 anos:

HOJE É SEGUNDA-FEIRA. O DIA TODO!

Pulguinha vs Wrestling

A Pulguinha ao chegar ao berço para dormir, senta-se e tira as meias, calças e outras roupas que tenha vestido da cintura para baixo.
Depois levanta-se e começa o wrestling. Coloca-se num canto do berço a baloiçar de braços abertos, segurada ao berço e... cai para o centro. Esta luta livre é sozinha não há mais participantes.
Volta a levantar-se, vai para o outro canto do berço e ...pimba, mais uma queda no centro.
Logo a seguir é a vez de "despejar" o que lá dentro tem: a nana, as meias que havia tirado, as calças, e outros.
Volta a sentar para fazer todas as gracinhas que memorizou: bater palmas, dar beijinhos, dizer "olá" colocando a mão no ouvido. Continuando, ainda sentada começa a bocejar porque está a chegar o "João Pestana". Aqui é que tem graça, ela a perder as forças, bamboleando, esfregando os olhos,bocejando, até que cai para a frente.
Resultado, como cai lá fica. Dorme de rabinho para o ar, com as pernas encolhidas.
Ah, leva neste adormecer perto de 45 minutos.

domingo, 24 de maio de 2009

As Pulgas

Estavam as duas pulgas, na rua a brincar quando de repente a Pulguinha lembrou-se de fechar a porta.
Salta a outra pulga, de olhos arregalados (quase a saírem das órbitas) e com ar autoritário diz:
- Não feita a pota! Io queio a pota abeta! Mas com uns ares de mandona. Intervim dizendo-lhe:
- És muito mandona!
- Io tou mamona?

A modos de dizer

A Pulga adora dar "peidinhos". Não, não são flatos.
São beijinhos.
Mas é como ela diz.

Isto promete, ai promete!

Os domingos de manhã, quando as netas ficam cá, é sempre uma alegria, mas agora com a presença da minha tia ainda melhor.
A Pulga faz de conta que é a educadora e a minha tia a aluna. Mas a pobre da velhinha tem cataratas e glaucoma e não enxerga um palmo adiante do nariz.
A Pulga senta-se em frente dela a cantar e a mimicar. Escusado será dizer que a minha tia tenta gesticular, mas não consegue fazer igual ao que a "educadora Pulga" faz.
E.....há zanga.
- Faz assim -diz a educadora.-Não é assim, é assim. Isto combinado com os gestos correctos da canção.
Esta manhã era esta:

Atiei o pau ao da..to..to
mas o da..to..to
não moeu..eu.eu
doda ti..ta..ta
atustou.ti..ti
do.. bau..do..bau
co dato deu
miau

Em tima da tamoné..é..é
ta..va uma p*..ta..ta
patiu o pé
o eua toia
o eua bita
o bai i toia
dati pa poia.

Eu ria-me.
A tia-bisavó ria-se sem perceber porquê.
E o avô tremia os ombros, de rir...

Porque recordar é viver

Os meus filhos quando pequenos adoravam que lhe contássemos histórias ao deitar. Enquanto dormiram no mesmo quarto, eu contava para os dois, mas assim que cada um teve o seu espaço eu e o pai íamos cada um para o quarto para contarmos uma história.
As histórias que o meu marido contava eram sempre muito relacionadas com o dia a dia deles e de coisas que eles gostavam de fazer (diga-se de verdade que ele não tinha jeito para isto), mas adiante.
Numa noite estava o pai a contar ao pequeno a história do dia e desta vez era relacionada com ...um menino que foi à Marina comer uma sandes. E pergunta ele:- de que era a sandes? Responde o pai.-De queijo. E mais?-pergunta ele. -Com fiambre - responde o pai.
- E mais?
- Com tomate.
- E mais?
- Com chouriço. -E já lhe estava a faltar ingredientes.E ele continuava...
- E mais?
- Com ovo.
- E mais? - reforçava ele.
- Com doce.E já lhe ia dizendo o que lhe vinha à cabeça.
- E mais?
- E mais nada.
- E alface? Não levava?

sábado, 23 de maio de 2009

Escrever um livro

Quando me reformei o meu genro, pai das Pulgas, impulsionou-me a escrever um livro.
- Agora tem tempo para escrever um livro. - Disse-me ele.

Bem, tempo tenho, não tenho é dinheiro para editar um livro.
Por isso decidi criar um blogue.
Não dá dinheiro, mas dá prazer.
Obrigada piqueno pelo "empurrãozinho".

Mana ou nana?

Esta tarde fomos à frutaria. ainda dentro do carro enquanto o avô colocava a Pulga na cadeira e eu a Pulguinha também no seu assento. a Pulga olha para mim e diz:
-A nana!! E eu olhando para ela com ar de reprovação; pois sabe que no carro da avó não há lugar para nanas, pergunto-lhe: - A nana?
Então diz ela com aqueles olhos grandes, cor de azeitona (mailhindos).
-Não Bó. A mana!
-Ah, a mana está ao teu lado.
Sim, quem não te conhece.....

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Depois da tristeza

Depois da tristeza resta a saudade dos bons e muitos momentos passados.
As lágrimas que derramei com as tuas gargalhadas foram as mesmas que derramei com a tua partida.

Amiga, estarás sempre na minha lembrança. Onde quer que estejas, faz-me sorrir.
Adeus Teresa, até um dia

Escritora? Não!

...Somente uma criança de 1 ano a tentar escrever. E esta fotografia tem 28 anos.
E continuou a escrever até aos nossos dias.
E se gostava de escrever!!!
Tanto que as paredes serviam de papel, quando não havia papel à mão.
E aos 5 anos disse-me em tom de autoridade:
-Mã, eu quero ir para a escola!Não quero mais ficar no infantário.
-Mas porque?Não gostas do infantário?
-Sim, gosto, mas quero ler as minhas histórias.
-Mas eu leio-te as histórias!
-Sim, mas tu aldrabas.
(Mãe sofre com estes comentários...)
E lá foi em Outubro para o 1º ano com apenas 5 anos. Ainda ia fazer 6 só em Abril do ano seguinte.
E era a melhor aluna da classe.



Comboio ou camboio?

Quando os meus filhos eram pequenos fomos algumas vezes a Londres visitar a família.
Numa dessas viagens o meu filho, com cinco anos, apercebeu-se que havia outras línguas além do português. E assim começou por fazer muitas perguntas, tentando saber como se dizia em português o que os ingleses diziam.
Na estação do metro ele pergunta-me:
- Mã, como é que os ingleses dizem: é"com...boio" ou "cam...boio"
Respondi-lhe:
-Trem.
Trem...boio?-pergunta ele.

Profissões

Desde pequenas as crianças sonham com a profissão que gostariam de ter quando forem crescidas.Geralmente tem a ver com aquilo que gostam de fazer.
As meninas querem ser cabeleireiras, treinadoras de golfinhos, esteticistas.
Os rapazes sonham com as profissões relacionadas com desporto:jogadores de futebol, piloto de formula 1...

 O meu filho não foi excepção. Também sonhava em ser....bem....em trabalhar, pasmem-se, no carro do lixo. Não a conduzir, mas a recolher o lixo. Só para ir dependurado atrás, agarrado ao varão.
Então era vê-lo agarrado ao suporte do guarda-sol a gritar: arrrrro... irrrrro....
Ainda bem que mudou de ideias. E que não passou de um sonho!

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Adeus Amiga

"Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós"

Que Deus e os anjos te recebam no seu regaço e que enchas de alegria o Céu, com a tua encantadora gargalhada.
Para nós, ficará para sempre a ausência das tuas conversas, da tua delicadeza, dos teus conselhos, do teu humor único e da tua preciosa risada.

Entre nós sempre houve uma grande cumplicidade, cimentada ao longo de todos estes anos de convívio.
Tu, que amavas tanto a vida, deixarás em nós uma saudade eterna, e a tristeza desta despedida toca fundo nos nossos corações, fazendo as lágrimas cair em nossos rostos e as lembranças surgirem no olhar.

Jamais esqueceremos o teu "Bom dia amiga!" E por isso aqui fica o nosso "Até logo, amiga!" .

Dos teus amigos: Alzira Faria - Alzira Sousa - Carlos Duarte - Conceição Pereira - Fátima Alves -Fátima Ferreira - Giselda Gregório - Graça Bettencourt - Helena Rodrigues - Margarida Ornelas - Maria José Tenório - Matilde Gonçalves - Milena Pita - Noélia Gomes - Noémi Ferreira - Teresa Faria.




quarta-feira, 20 de maio de 2009

A minha tia

Para minha tia é sempre domingo. Não há outro dia da semana a que se refira senão ao domingo.
Ainda há pouco (e hoje é quarta-feira) perguntou-me:
- Não vais à casa da tua sogra?.-Não titia -respondi eu.Nem fiz referência a que hoje é quarta-feira.
Esta minha tia vive sozinha, mas como está a tomar antibiótico, e as horas para ela só lhe fazem confusão, está na minha casa.
Daí a pouco......
Voltou a perguntar quando é que eu ia pô-la a casa. E perguntei-lhe eu: - mas já quer ir?
-Não vais a casa da tua sogra? Hoje não é domingo?

Como não só de tristezas vive o homem...

A Pulga - a maiveilha usa nana para dormir (a fralda). Coloca-a na boca, faz um "mazarulho" de pano e ...mama.
Ela sabe que quando sai com os avós não necessita de nana pois não vai dormir.
Num domingo saímos pela tarde e no regresso já pedia a nana.
Eu expliquei-lhe que que no carro da avó/avô não há nanas.
Continuava a pedir e então dissse-lhe:
-Tás quase a chegar a casa. Em casa tens muitas nanas.
-Mas eu não queio muitas, só queio uma.-Respondeu prontamente.



Perdas

Num espaço de quatro meses perdi os meus padrinhos de casamento.

O Céu mais ficou mais brilhante.

Descansem em Paz.

Nunca vos esqueceremos.





A cantar em Pulgarês

"Tititios e titados
Uma poia tititai
Todos taadinhos....

É a letra de uma canção da Pulga.

Tradução

"Caladinhos e sentados
Uma história vou contar
Todos caladinhos.....

Pulguinha

A Pulguinha (1 ano e 2 meses) também já vai fazendo as suas gracinhas.Adora estar na casa de banho, ora a mexer no papel higiénico (a puxar e rasgar) ora a mexer na água.
Ontem experimentou comer sabonete.
Pela "carranca" que fez parece que não gostou.

Novo visual

A pedido dos meus (muitos) leitores assíduos e críticos o blogue tem novo visual.
Espero que gostem.
Pois os comentários eram e passo a transcrever: sem cor, feiinho, pobrezinho, fraquinho, entre outros.
(Ai, mãe sofre para satisfazer os filhos)

Esta é a cidade



 Esta é a cidade que me separou a família.
Esta é a cidade que adoptei como minha.
Esta é a cidade onde reside o meu filho.
Esta é a cidade que eu também gosto.
Esta é a cidade da saudade.
Esta é a cidade onde passo bons momentos.
Esta é a cidade onde espero viver, alternando com a minha cidade.
Esta é a cidade que fica nas costas da minha cidade
Esta é a CIDADE INVICTA.

Esta agora está fora de contexto, mas mesmo assim cá vai

No natal passado andámos a dizer às Pulgas" que o Pai Natal vinha da Lapónia carregado de brinquedos e ia distribuindo pelas casa.
Na minha casa coloquei o velhinho de barbas brancas sentado na lareira.
Acabando o natal e todo o espírito natalício o velhinho continuou sentado na lareira.
Certo dia a Pulga chegou a minha casa e deu por falta do dito cujo.
Então eu disse que ele tinha ido para a Lapónia para poder começar a guardar os brinquedos para o próximo natal.
Dias depois a pulga , subindo as escadas com o avô pergunta pelo pai natal.
Resposta do avô:
-Está lá em baixo na garagem, dentro da caixa.
Ela muito admirada.-Bó, o avô disse que o "Pai Tau" tá uá em baixo!!!
Bem, este avô é mesmo radical!! E verdadeiro também.
E remata ele:- Não se deve mentir às crianças! Sim, disfarça.

Falando em cocó...

Esta mesma Pulga acha que já se governa sozinha. Quando faz cocó agarra no papel higiénico faz uma bola e ....toca a limpar.
Escusado será dizer que chega porcaria quase às costas.
Sim, que a rapariga limpa bem , de baixo para cima.
E não se esquece de lavar as mãos.
Só que depois é necessário lavar outras partes também.
Siga, andando e aprendendo.

Saltos altos

A Pulga saltitona adora sapatos de salto alto. Quando chega a minha casa a primeira coisa que faz é calçar os "titapos" de salto.
Lembra-me a história do "gato das botas".

E porque a esta hora inda não tenho sono...

A Pulga maiveielha sofre de obstipação.E como tal, não deve comer nestum e cerelac (passo a publicidade de borla).
Não há maneira de convencê-la a comer o iogurte logo pela manhã ( na casa da avó), como faz em casa.
Porque na casa da avó é diferente.
Mas a gula é superior ao esforço para evacuar.E então quando está sentada a esforçar-se, ouvindo a ladaínha da mãe com o : tás-a-ver-comes-porcarias-na-casa-da-avó-e-agora-não-fazes-cocó, é que se lembra que não deve comer "pocauias".
No domingo a mãe perguntou-lhe o que tinha comido de manhã.
Resposta pronta e clara.
-Ioute de moango.
"Ai que a gata quer água".
Toma lá para não perguntares.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Novas amizades

Esta coisa dos blogues é mesmo "um espanto" como dizia Jô Soares. De ler o blogue e de deixar comentários, surgiu o convite.
Do convite à conversa foi um passo.
Hoje tivemos a nossa 1ª entrevista onelaine
E...surgiu a amizade.
Volta sempre (ainda me custa tratar-te por tu).
Adorei.

Mais dislalias

A "pulga saltitante" como já referi troca os fonemas. Faz muito uso do P. Ainda há dias em pleno centro da cidade ao visualizar duas pombas que alegremente penicavam migalhas em frente à Sé catedral diz ela: - Vó, duas *utas, aui (ali)!
Bem, toca a dar a mão e andar mais depressa antes que alguém olhasse.

Má(I)s emoções

Ainda o dia ia a meio e novamente o telefone toca. A vizinha da minha tia a me dizer que ela estava letárgica (novamente).
Esta minha tia tem 84 anos.
Foi quem cuidou dos meus filhos até irem para o infantário. Já antes tinha cuidado dos sobrinhos, (eu e os meus irmãos) porque não tinha filhos. Foi sempre muito teimosa, mas muito prestável. Durante cinco anos vivi com ela e sempre que eu saía era ela quem ficava com os meus filhos.
Devo-lhe muito .Ela prescindiu da sua vida para se dedicar aos sobrinhos. E por isso faço por ela o que faria pela minha mãe, mas adiante.
Com a idade veio a senilidade, com a senilidade o esquecimento, com o esquecimento a teimosia.
E hoje estava sonolenta, apática, com dores de cabeça, estonteada. Levei-a ao hospital e diagnóstico: glicémia, anemia.
Neste momento descansa no meu sofá, pois com medicamentos novos para tomar, não a deixo sozinha.



Más emoções

Hoje foi um dia de (más) emoções.
Perdi uma amiga!
Logo pela manhã sou acordada com a notícia.
FALECEU.

Esta palavra tem estado no meu dicionário há uns tempos a esta parte.
Já é a terceira vez que sou acordada com esta palavra. Irra!
Teimosamente teima em não me deixar.
Que Deus te dê o conforto que não encontraste na Terra.
Pois assim que soubeste, nunca mais foste a mesma.
A tua gargalhada outrora tão sonante, deixou-se de a ouvir.
Já não tinhas força para lutar.
Deixaste-te ficar pela palavra de um único charlatão que se apelida de médico.
Médico?
Mais talhante do que médico.
Amiga, sempre que olhar para o céu ouvirei a tua gargalhada.
Sonora.
Como não há outra igual.
Descansa em Paz.

A Pulga saltitante

A minha neta ( a mais velha) tem três anos e tem algumas dislalias (o que nesta idade é perfeitamente normal), e troca o "j" pelo" p" . Ora assim sendo, é deveras cómico certas palavras que ela pronuncia.
Muitas vezes pede ajuda para comer. Com a sua dislalia em vez de :-Avó, aJuda! Ela diz:- avó a*uta! Claro que toda a gente se ri.
Também o som p ela troca pelo m.
Então tem imensa graça ao dizer :- Avó, vais levar umas palmadas.
Imaginem como diz, trocando o p pelo m e retirando o l ( que também não diz).

Netos

Se há coisas que eu sempre desejei foi ter netos.
Principalmente sabendo que estou sem ocupação e que posso cuidar deles, incondicionalmente.
Além disso adoro crianças.
Se não gostasse, estaria estado na profissão errada durante 32 anos 6 meses e 18 dias.
Mas voltando às minhas netas.
Elas são lindas, deliciosas, amorosas, queridas, educadas e acima de tudo adoram-me tal como eu as adoro.
Temos vivido bons momentos.
Desde que elas nasceram a minha vida mudou.
Para melhor, sem dúvida.
Elas vieram preencher um espaço que havia devido à ausência (saída de casa) dos filhos.
Por elas voltei a "começar de novo":mudar fraldas, dar a papa, cantar canções de embalar, entre outras.
Mas acima de tudo o que mais gosto é dos domingos passados cá em casa.
O acordar cedo, ouvindo a frase:" avó, papa" e repete:"avó, papa" (mais alto)
O brincar no quintal com as bonecas (alinhadas e deitadas de barriga para baixo) .
O "dolce fare niente".
E para Setembro terei de começar a dizer no masculino: os meus netos.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Aposentação

Aposentei-me no dia 1 de Abril de 2009.
Sim, não é peta nem foi, embora eu também julgasse, quando me ligaram a dizer para ir assinar a cessação de funções.

Lá fui, sempre com a"a pulga atrás da orelha", julgando ser brincadeira de 1º de Abril.
E a partir desse dia estou aposentada da função pública.
Estou a adorar!!!

É uma leveza, não ter horários para nada.
Nunca mais ouvi o despertador tocar ( já nem me lembro do som).
E como não tenho de cumprir horários, também não tenho relógio, nem horas.

O dia passa a correr.
Antes olhava todo o dia para o relógio.
De manhã: levanta/veste/pega no carro/chega à escola.
Toque de entrada: buscar as crianças/levar para a sala/trabalhos.

Olha o relógio.
Hora de sair:leva as crianças/pega noutra turma/trabalho.

Olha o relógio.
Intervalo: toca a sineta (já não olho para o relógio).
Volta ao mesmo: buscar crianças/trabalho,etc...

Olha o relógio.
Sai da escola:pega no carro/vem para casa/almoço.
Tarde
Toca a campainha.
Ah! Chegou a neta "a Pulguinha". Bom.
À tarde, muito mais tarde chega a" outra pulga saltitante".
Vão para casa.
Prepara o material para o dia seguinte:pasta/lanche/fichas.

Olha o relógio.
Faz jantar/janta/banho/cama
Conto o tempo que vou dormir.

Agora.
Não olho o relógio. NUNCA.

Não sei quantas horas durmo.
Não sei se já são horas de fazer jantar.
Não sei se já são horas de me levantar.
Não sei se já ...enfim. não sei nem quero saber.
Só quero não ter de cumprir horários.

Estou triste!

Hoje estou triste.
Muito triste.
A minha amiga está a morrer no hospital.
Fui visitá-la. Saí de lá com a certeza porém, que foi a última vez que a vi.
Estava com dificuldades respiratórias, sem dar conta do que se passava à sua volta.
Maldita doença. Cancro.
Nestes últimos meses perdi duas pessoas que me eram muito queridas e chegadas. O meu cunhado, em Outubro, a minha irmã em Fevereiro. Além destes uma colega também professora deixou-nos.
Agora esta amiga de há mais de 30 anos vai-nos deixar....
Que Deus a receba no seu regaço e que de lá no Céu nos ajude a viver sem a sua preciosa gargalhada.
Adeus amiga.
Já tenho saudades da tua gargalhada e das nossas conversas sempre com risos à mistura. Que inveja fazia aos outros colegas a nossa amizade e cumplicidade.
Que sonoras gargalhadas!!! Dávamos tantas e tão altas que nos tinham de separar em reuniões. E até diziam:-"Estas juntas não podem ficar".
Triste, muito triste.

Um dois três, experiência,

Bem.....

Neste blogue vou tentar escrever alguns momentos da minha vida no novo estatuto de aposentada.
Para além disso falarei também dos momentos vividos com as minhas netas e não só.
E de outras coisinhas.

O que me vier à cabeça.

Fotografia: Porto