Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Enxaqueca

Não há vez nenhuma que se faça férias que não se leve a...enxaqueca.
É a companheira inseparável do mê senhor.
E hoje estou aqui, sentada ao lado do "meu amigo Gaspar" e o mê senhor deitado com ela, na cama.
"Na minha cama com ela" é o título de uma pimbalhada cantiga, cantada pela pimbalhona Mónica Sintra. De certeza que ela não se refere à enxaqueca!
(Tenho de dizer que o mê senhor tem enxaqueca, sempre. Não é só quando estamos de férias.)

Pensamento meu:novas técnologias

Há alguns anos atrás, eu acharia impensável levar para a casa-de-banho... o computador.
Eu levo o livro (romance), o Aranha - o mê Bisalho leva o computador, portátil claro.

Ser ilhéu é...

Ser ilhéu é...
ter o horizonte nos olhos
o sal no corpo
a ilha no coração
e nas veias o mar.

e...
falar
com aquele sotaque
só nosso
que se confunde
e os confunde.

é....
amar a ilha
o sol
o mar
as gentes

e
precisar de sentir
tocar,
olhar e
cheirar a maresia

Ser ilhéu é...
estar perto
mesmo estando longe

O velhinho

Vou contar uma anedota. Sóri (inglês) se ofende a palavrinha que vou utilizar, mas se não for assim não tem piada.
Eu já me rio, só de me lembrar.
Cá vai.

Pai e filho foram a um lar. Era ideia do filho deixar o pai lá e por conseguinte foi com o velhinho a ver qual o que melhores condições tinha.
Deixa o pai sentado num banco enquanto conversa com o pessoal.
O velhinho começa a cair para a esquerda e logo vêm as enfermeiras e com cuidado, colocam um monte de almofadas nesse lado.
Daí a pouco o velhinho escorrega para a direita e logo vêm as enfermeiras e colocam almofadas, não deixando o velhinho escorregar.
O velhinho começa a cair para a frente e logo colocam almofadas, à frente.
Diz o filho.
- Hem pai? Este lar é bom. Não acha?
- Sim é.- Diz o velhinho - Muito bom. Só que ainda não consegui dar o peido que tenho p´ra dar...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Uma pequena diferença

A partir de Outubro, cada bebé português que nasça vai ter direito a duzentos euros.
Uma medida para provocar a natalidade.
Em Espanha cada bebé tem direito a dois mil e quinhentos euros.
Só...dez vezes mais.
E é mesmo ali, ao lado.
Portugal...sempre, na cauda da Europa. Até nisto os "nuestros hermanos" vão na dianteira.
Haja muitos meninos a nascer.
O Pulguito nasce em Setembro. Não haverá dinheirinho para ele.

Eu e as TIC's

É um facto: "burro velho não aprende línguas". No meu caso :"burra velha não aprende a lidar com Novas Tecnologias".
O laptop do Aranha, como todos os laptop, para "trabalhar" com ele é necessário escorregar o dedo no rectângulo para movimentar o cursor.
Facto um: não me ajeito com isso. Prefiro o mouse, o tradicional rato.
E lá o "meu senhor" me fez a vontade (mais uma) e comprou-me um mouse.
Somente um rato era o que eu queria.
- Compra sem fios - diz o Aranha.
- Ok, mas tens de me explicar como funciona- peço-lhe .
- Tão simples. Tiras a "pen", colocas na porta USB, dás um click no rato e já está.
Percebi e bem. Tirei a pen, coloquei na entrada, ela pisca e ando eu para cima e para baixo com o dito e ...nada.
Há dois dias que não funciona nas minhas mãos, que nas mãos do Aranha funciona.
Ah, esqueci-me de dizer...não funcionava nas minhas mãos porque... eu não virei o dito e por conseguinte, não reparei num minúsculo perninho que precisa de estar "on" para funcionar.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Pensamento meu: crianças animais

Porque será que a maior incidência de meninas tratadas como cães ou melhor tratadas com os cães são da Rússia?
Mais uma menina que ladra, anda a quatro patas, come e lambe a tigela como os cães.
Na Rússia pois então.
Os vizinhos nem sabiam da existência da criança. Os pais tinham por hábito passear os cães, mas a filha nem saía de casa.
Em que mundo nós vivemos!

Vai um pinguinho?

Julguei estar a ouvir mal, quando hoje no café da Paulinha oiço uma senhora pedir "um pinguinho", um galão e dois bolos.
Até aqui nada de mal, mas eis que reparo é uma senhora e uma criança com 3/4 anos.
Continuei estupefacta, mas pensei:"DEVE CHEGAR MAIS UM ADULTO!".
Aguardo e... a criança começa a tomar o "pinguinho" e a senhora o galão.
Fiquei estarrecida! Só pensei nas Pulgas. Nunca eu daria um garoto às Pulgas.
Mas parece que por aqui é hábito. Não foi a 1ª vez que eu vi. Depois queixam-se que as crianças são rebeldes e hiperactivas. Pudera, com cafeína no corpo o que podem ser se não hiper...activas?
Até eu fico hiper...activa se bebo café.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Outros falares

Não são só os madeirenses que têm uma forma característica de falar. Por aqui também as há.
Na terra do pai das Pulgas é a troca do som s pelo ch. Por exemplo: a cerejeira=a cheredeira, o pessegueiro=o pechedeiro.
Na terra do projecto-nora é a junção do artido definido no plural, ao substantivo, por exemplo: vou aos Arcos=vou aujarcos. (Só depois é que percebi que se referiam aos Arcos de Valdevez), as horas=a joras e o trocar o ã, an e ão por on e torná-lo num som muito nasalado ex: crianças=crionnnnnnnnças; bandido=bonnnnnndido e além deste todas as palavras terminadas em ão,dizê-las em on, ex: algodão=algodon, sabão=sabon, alcatrão=alcatron.
Não importa a forma como se pronuncia as palavras ou até mesmo o sotaque com que falamos.
O que importa é fazer-se entender e ser entendido.
E isso nós portugueses fazemos bem.

Manona e amadornada

Hoje tou meia amadornada. Tou mais pó manono. É que o dia não me acordou bem. Ou eu não acordei bem pó dia.
Tenho sono e o sono pôe-me manona. Fico sem jeito para nada. E fico aqui, olhando o meu amigo Gaspar que não prcisa de muito para amadornar.
Ai vida de gato! Comer, brincar, saltar, correr e....amadornar no sofá.

domingo, 26 de julho de 2009

Adenda

Esqueci-me de referir que além do grão de bico, feijão frade e branco, bacalhau e azeite também veio de Monte do Bispo: pêssegos, beberas, ameixa, abrunhos, queijo da serra, chocolates, limões, vinho e ovos.
De Ponte de Lima , na semana passada, levámos para o Porto: nectarinas, pêras, leite creme, vinho, laranjas (não me recordo de mais).
A acrescentar a isto tudo, mais uns quilos no corpo.
Eu pus-me em cima da balança, mas não tive coragem de abrir os olhos e olhar para baixo.
É que se come...e come...e come.
Ah, estou em Ponte de Lima e acabei de comer um robalo grelhado com batatas a murro e salada. Para sobremesa um...leite creme. AiAiAi (e já levo a receita).
Ontem um churrasquinho feito pelo Aranha.
Mham, mham, mham, soube tãããããããããããããõ bem!!!!!!
Desta vez nem me ponho na balança. (Ai que a gata quer água).

E isto são férias?

O nosso apartamento no Porto é mais um aperta....mento.
Com 55 m2 de área está todo comprensado. E devido a ser reduzido tudo está colocado ao milímetro. Mas ontem transpirei rios de águas salgadas ao arrumar e limpar, não por esta ordem. É que os pais dos genro e nora atacam-nos de comida e ...bebida (para levar).
Ora no aperta...mento o feijão, o azeite, o grão de bico e o bacalhau (da casa dos compadres da Covilhã) ficaram numa caixa no quarto de dormir, bem arrumados, bem colocados na caixa entre o roupeiro e a cama.
Tudo estaria bem, não fosse o Gaspar adorar...bacalhau.
E ,enquanto estivemos em Ponte de Lima, o Gaspar comeu bacalhau e espalhou os feijões (frade e branco) e os grãos de bico pelo aperta...mento, principalmente para debaixo da cama.
Então ontem eu, mim, moi, je, I, me and myself toca a ajoelhar e de rabo pó ar juntar os ditos cujos grãos, tanto de feijão como de bico, que o amigo Gaspar tinha espalhado.
FÉRIAS???????

Pensamento meu: tão curtas!

De hoje a oito dias estarei, por esta hora, com as malas de cartão aviadas para regressar.
Três semanas!!!
Passaram a correr.................para mim.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Saudade

Se estou cá...tenho saudades dos de lá. Se estou lá... tenho saudades dos de cá.

Ti...mor

Hoje estou só de raspão e partilho esta anedota.

Um casal de namorados vão de carro e ela (loura) pergunta-lhe:
- Onde vamos, mor?
Ele responde:
- Ao café, mor.
Mais adiante, uma manifestação no meio da rua...
- O que é aquilo, mor?
- Não sei, mor.
- Tanta gente, mor!
- Ah, deve ser uma manifestação, mor.
- Uma manifestação? Porquê, mor?
- Por Timor.
- Por mim, mor?

Tá pronto?

Já disse, mas volto a dizer que o meu filho vive só com o seu companheiro.
Naturalmente que é ele quem cozinha. E gosta de cozinhar. Mas quando estou cá, dá férias ao avental e aos tachos e quem cozinha sou eu.
E "sabe-lhe pela vida".
Ainda hoje mal entrou em casa, pelas 9h da noite, perguntou:
- Tá pronto?
E eu que me tinha descuidado nas horas e pensava que eram 8h....ainda não tinha feito a janta!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Pior do que...

Pior do que bater com o carro dos futuros sogros é......bater com o carro da empresa.
Foi o que aconteceu com o Aranha ontem.
Chuva. Chuva. Muita chuva.
Conduzir e a pensar na morte da bezerra é o que dá:
cheirar o rabo do que vai à frente,
ou melhor, encostar no rabo do que vai à frente,
ou ainda, travar no da frente.
Foi o que lhe aconteceu.

De volta (parte 2)

Em Fornelos (Ponte de Lima) os lugares a visitar já não foram os castelos, nem aldeias históricas.
Um saltinho até Vigo, pois adoro Espanha, tanto a insular como a continental.
Sou ibérica.
Gosto de visitar as aldeias raianas tanto as espanholas como as portuguesas.
Portugal é lindo! Sou fã de Portugal, mas também gosto de Espanha, principalmente da Galícia.
É uma continuação do nosso Minho.
Claro que ao subir e entrar na Galícia o que de melhor ela tem para nos oferecer senão as praias?
Baiona, Samil, La Guardia estas são algumas de Vigo.
E que prazer atravessar os rios que demarcam a fronteira entre Portugal e Espanha!
E que prazer ver Portugal do lado espanhol!
Nestes dias visitei serras (Peneda, Soajo, Gerês e Larouco) e rios ( Minho, Homem, Caldo, Cávado, Gerês, Lima, Trancoso, etc... ) e ainda Montalegre e vi mais um.....castelo.
Castro Laboreiro, Póvoa do Lanhoso, Vieira do Minho, Melgaço, Monção e Valença e.... Brufe, uma aldeia bucólica que eu não visitava há 18 anos.
Que diferença, Meu Deus. Está mais humanizada e até há um restaurante "O Abocanhado".
Se há rios há barragens e é cartaz turístico no norte, pois vi....muitas.
E como não se pode gostar de Espanha, quando se pede ao "TOMTOM" (GPS) o caminho mais curto para ir do Gerês à Peneda e ele nos diz: "saia em Portela do Homem, vá pelo Ou (Ourense)
e entre em Amexoeira?AhAhAh.
E como se constata, com pena, que os caminhos espanhóis são, mas de longe, melhores do que os portugueses, sendo eles uma continuação de rota!
E para terminar...
Eu já disse que adoro, mas adoro mesmo, percorrer, de carro obviamente, os caminhos pelas margens dos rios?

Amor é....

O meu filho vive há quatro anos com um companheiro. É o Gaspar. Ele acompanha o "meu bisalho" desde essa altura. Viajam juntos de/e para a Madeira.
O Gaspar é caseiro. Adora estar em casa e é lá que espera pelo meu filho. Fica à janela a olhar para a rua. Assim que ele chega corre para junto dele. Depois dos carinhos iniciais, vão para o sofá e juntos vêem TV. Se o meu filho se levanta o Gaspar acompanha-o. À noite dormem juntos, partilhando a mesma cama.
Nas longas noites de estudo e "clausura", o Gaspar ficava sentado em frente ao "meu bisalho", com a cabeça apoiada na mesa de trabalho a contemplá-lo, cheio de sono, mas mantinha-se à espera que ele se deitasse.
De vez em quando acariciava a sua mão, manifestando todo o seu amor e a lembrar que era hora de deitar.
Quando o meu filho veio estudar para o Porto (há sete anos) teve por companheira a Margarida.
Era linda, de olhos verdes amendoados, mas nada caseira, aliás muito libertina. Adorava sair e viajar.
Foi muitas vezes à Madeira, mas não parava em casa. Foi numa dessas saídas que foi atropelada e morreu.
Que grande desgosto!
Era o oposto do Gaspar.
Este companheiro é muito ciumento, além disso não gosta de dividir o seu espaço com ninguém, principalmente a cama onde dorme com o seu companheiro.
É também muito envergonhado e esconde-se de nós.
Mas começa a gostar de mim. Esta manhã dormiu comigo, mas arranhou-me os braços.
O Gaspar é....um gato.

De volta

De volta.... ao Porto.
Depois de uns dias passados em Fornelos (Ponte de Lima) eis-me aqui, na sede.
Das mini-férias pelo nosso Portugal deu para constactar que este Portugal é um país de: "Novas Oportunidades"(política educativa), "Energias Renováveis" (hidraulica e eólica) e desertificação.
Nem as barragens conseguem segurar as pessoas e regar os campos.
Mas Portugal tem muita História.
Os castros, as citânias, as aldeias históricas.
Há muito para ver.
Os rios, as serras o oceano tudo é de uma beleza impar.
Respira-se História.
A Idade do Ferro trouxe os celtas e com eles surgiram os castros ou citânias ou como o povo lhes chama "os crastos".
A minha visita a este lado português do oceano foi para visitar estes vestigios e outros tais como as aldeias bucólicas, castelos, rios e serrras.
Nos dias em que estive sedeada em Monte do Bispo visitei:
Monsanto, Castelo Rodrigo , Almeida, Pinhel, Sabugal, Sortelha, Castelo Mendo, Belmonte, Caria , Idanha-a-Velha, Castelo Bom, Marvão e Castelo de Vide. Todas elas são aldeias pitorescas e históricas.
Todas são lindas.
Todas da cor da pedra granítica, excepto esta e o Marvão. São brancas, de ferir os olhos de tanta brancura, pintada como as casas alentejanas. E esta presenteou-nos com um pôr do sol fantástico.
Para mim foi a mais bela de todas.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Férias

Este blogue está em modo: Dolce Fare Niente...

Depois volto para contar umas quantas coisas que eu sei.
Estou a escrever directamente do Monte do Bispo.
Uma aldeia do distrito de Castelo Branco.
Uma terrinha no sopé da Serra da Estrela.
Vim cá visitar os compadres (pais do genro).
Para a semana é a visita de outros compadres (pais da nora) em Ponte de Lima.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Bater com o carro do sogro é...

O meu filho trabalha de sol a sol (bem podia ter ido para professor, agora estava em relax).
Quem nos foi buscar ao aeroporto foi a sua namorada (projecto-nora).
Ao aterrarmos liguei para ela a dizer que estávamos em terra firme, que já nos podia ir buscar.
Diz-me ela:
- Tenho uma coisa grave para vos dizer....
- Hum.... diz... o que é? (pensei em tantas coisas num curto espaço de tempo).
Percebi que estava aflita e a chorar.
- Bati com o carro (o carro é nosso, ela é quem anda com ele pois o Aranha tem carro da empresa).
- Hã?
E contou que estava a sair da garagem e ao fazer a manobra bateu num carro estacionado.
- Ok. Depois falamos sobre isso, não te preocupes.
Imaginei que o carro estava todo amolgado.
Ao chegar perto de nós vinha inchada de chorar e a tremer. Agarrou-se a nós, pedindo desculpa.
Castigo: conduzir de volta à cidade, pois não o queria fazer.
Conclusão:
"bater com o meu carro ... grave"
"bater com o carro dos meus pais... muito grave"
"bater com o carro do meu namorado... gravíssimo"
"mas bater com o carro dos meus futuros sogros ..."

Cá estou

É verdade.
Cá estou na minha segunda casa, no meu segundo lar.
Aqui sinto-me tão bem como me sinto no meu primeiro lar.
E como sempre tenho imensas coisas para fazer. Porque rapaz solteiro a viver sozinho, não tem tempo para: limpar, arrumar, engomar. E parece que deixa tudo para eu fazer!

Tá bem!

Os sapatos da Pulga estavam a magoar-lhe os pés.
E ela disse ao avô.
- Quando chegares a casa dizes à avó que os sapatos magoam. - Sugeriu ele.
- Sim... e a avó vai dizer: "tá bem."
Bem que ela já sabe que eu não ligo quando se queixa.
A peste!!!...
Já me conhece, já.
É que... quando começa com a frase: "mas eu quero" e repete "mas eu quero" e diz várias vezes de seguida; conforme ela vai dizendo, eu digo: "tá bem!"

Coração despedaçado

Ontem a Pulga convenceu-se que também vinha connosco.
Pela manhã só falava na mala, nas chinelas (ao ver colocar as minhas no saco), e nós sempre a lhe dizermos que não era desta vez que íamos de férias, que não era desta vez que ela ia com os avós, mas nada, continuava empenhada nas suas conversas como se viesse connosco.
Na hora de se despedir da titia, ainda em casa, dava a entender que vinha no avião.
Pelo caminha voltei a dizer que "só vou ao Porto dar as laranjadas ao Aranha", "vou e volto para irmos passear", "que ainda há muitas actividades na escola", "que não se tinha despedido dos amigos", mas a sua carinha reflectia bem o desgosto de não vir.
E claro, a mim corta-me o coração...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

E porquê?

E hoje começou os "porquês" da Pulga.
Logo pela manhã....
- Avó? Avó? (como se eu não ouvisse à primeira e porque não dá tempo a que eu responda) É hoje que vais com o Duio? (é como chama o padrinho)
- Sim - respondo.
- E eu!!! Eu tamtém vou!
- Não. Tu ficas.
- Sotinha?(sozinha)
- Não. Ficas com a mãe, o pai e a mana.
- E poquê?
- Porque vais para a escola.
- E poquê?
- Porque tens lá muitos amigos e muitos trabalhos...
- E poquê?
- Porque todos gostam de ti.
-E poquê?
-Ai Pulga...(já não sabia o que inventar...)
E retoma ao assunto.
- E poquê não bou com a avó e o avô?
- Olha, não é agora que vamos de férias. Eu vou ver o "Aranha" e volto para irmos todos passear.
- E poquê?
Bem, o melhor é não dar corda...

A Saudade

É hoje que vou aqui
matar a saudade
antes que esta malvada
me mate.

Mesmo distante
estarei em contacto
pois na minha ilha
fica a fatia maior
da minha família.

As Pulgas
levo-as comigo
no coração
e no pensamento.

Vou sentir saudades
das suas diabruras
e da companhia.
Mas o meu coração
neste momento está dividido
e quando a saudade aperta...

Pensamento (muito) meu

Eu ainda não fui... e já tenho saudades das Pulgas.

Entramelada

Hoje tou meia entramelada.
É que vou viajar de avião (sim, porque a nado demoraria muito tempo) e não gosto.
Bem! Vou admitir. Tenho medo.
É que não me sinto segura lá em cima nas nuvens. E eu muitas vezes ando nas nuvens, mas com os pés em terra firme.
Então de véspera começa: a chorrica, os engulhos, as pernas trôpegas, as dores de chaqueca e mais. Mas vou.
E fui... ao dicionário ver o significado de entramelada.
Afinal é:
entaramelar - Conjugar
v. tr.
1. Pop. Embaraçar; enredar.
2. Tornar hesitante, fazer titubear.
v. pron.
3. Enredar-se; emaranhar-se.

Primavera das molas e dos sapatos

Quando estávamos a chegar a casa, no momento em que saíamos do carro, começa a Pulga:
- Eu queio os teus titapos (isto dito a cantar com uma melodia agradável parecida à da "Primavera das Flores").
Viro as costas e diz ela:
- Queio a tua mola (também a cantar)
- E não queres as minhas cuecas?
- Queio as tuas tuétas (idem)

De sua justiça

Ontem foi lida a sentença.
Hoje passei pelo Tribunal.
Estou feliz com o resultado.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Pensamento meu: Ronaldo

Irra!
Só se fala no R(EI)onaldo.
E nos milhões....
Mas gosto de ouvi-lo falar da sua nacionalidade, da sua família, da sua terra.
Vai pequeno....  mas não deixes que o sucesso te suba à cabeça....

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Ter as netas em casa é...

....acordar de noite para ver se está tapada
....levantar cedo para o pequeno almoço
....ficar a olhar para elas
....ter a casa cheia de bonecas
....ouvir cantar toda a manhã
....ouvir gritos e guinchos
....dar banho antes do jantar
....molhar a casa de banho e achar divertido
....não comer descansada
....dar de comer a duas ao mesmo tempo
....gerir birras
....brincar, brincar, brincar
....convencer a mais velha a emprestar os brinquedos à mais nova
....acordar e ver.... sorrisos aos molhos
....comer a horas certas
....voltar a contar histórias
....andar com bonecas ao colo
....ter sempre: bolachas, sumos, frutas e bombons
....ouvir todo o dia: avó...avó...avó
....relembrar outros momentos de outras crianças
....recordar que afinal nunca estivemos sem crianças em casa!

Como se despe?

Ao andar pelo iutube  deparo-me com este video.
Tem piada.

Quando a saudade aperta!

Quando a saudade aperta não há outro remédio senão matá-la antes que ela nos mate a nós.
Por isso vou estar alguns dias a prestar cuidados a outra pessoa que , embora adulta também precisa de mim: o meu filho.
Mas o "meu calcanhar de Aquiles" é a minha tia.
O meu genro responsabilizou-se por ela. A minha prima também.
Ele vem cá a casa trazer a comida. A minha prima estará com ela para supervisioná-la(nos medicamentos, banhos, etc).
Ainda há gente com um coração do tamanho do Mundo e estas duas pessoas sensibilizaram-me pela sua estima e preocupação.
Assim vou, mas vou confiante que a minha tia fica bem entregue.
Obrigada

Resta dizer...

Há muito tempo que a minha tia pedia para ir a casa. Ela está aqui comigo, mas naturalmente dá-lhe saudades do "seu cantinho".
Fui deixá-la em casa com comida já em tacinhas para durar até quarta-feira; altura em vou buscá-la para voltar a estar aqui na minha casa.
Logo à chegada não conseguia abrir a porta. E dizia:" esta chave não é daqui". claro que era. Só que é outra feita, depois de ter perdido a anterior que possuía.
Dei-lhe o porta-moedas (com 5€), e ao olhar para a nota diz:- Só? Para que é que me dá 5 €?
- Sim, porque só vai estar aqui até depois de amanhã...
- E se eu precisar? É que eu posso precisar....
Bem, resta dizer que ela não sai de casa sem a minha companhia,
Resta dizer que não anda só,
Resta dizer que cada vez que precisa de algo, liga-me,
Resta dizer que é dependente de mim até dizer "chega",
Resta dizer.....
enfim, tantas coisas que ficam por dizer.
Uma delas é que não tarde muito, toca o telefone para perguntar algo.

ADENDA
E já tocou o telefone. (Eu acabei de dizer que ela vem para minha casa depois de amanhã)
Era para pedir à minha empregada para ir lá fazer a limpeza (já não se lembrava que vinha para cá).
Ai esta tia velha........
Ao mesmo tempo agradeceu-me por tudo (novamente) o que faço por ela. E estava a chorar....

E, sonhei

É que agora sonho e lembro-me daquilo que sonhei....
Desta vez sonhei com........sapatos velhos.
Eu que adoro sapatos e já incuti esta tara e mania à minha neta Pulga, venho agora sonhar com sapatos velhos que não é nada o estilo dos meus que nunca chegam a ficar como os do sonho.
É que eram velhos, rotos, estragados e com a biqueira aberta.
 E outras cenas que nem me lembro.
Terá algum significado?
Algum aviso?
É que vou andar de avião e tenho...........medo.
Será um presságio?
Gostava de saber o que significa sonhar com sapatos velhos!

domingo, 5 de julho de 2009

Pensamento meu: humildade

Neste mundo de Deus, ainda há pessoas reconhecidas, gratas.
A minha tia é uma delas. Todas as noites quando vou à cama lhe dar um beijo de boa-noite ela agradece-me, dizendo: "obrigada por tudo".
E isto comove-me...
Porque eu não faço mais do que retribuir o que ela fez por mim e pelos meus filhos.

Pensamento meu: conduzir

Cada vez mais tenho receio (ou poderei dizer medo?) de conduzir.
Não é por mim, não me considero aselha, nem pela idade (embora ache que devia haver limite de idade para conduzir), mas sim pelos outros que possa encontrar em sentido contrário em excesso de velocidade e/ou fora de mão.
Na via rápida, onde antes andava no limite máximo, ando agora a 60km/h; até porque esta via, não tem limite mínimo de velocidade.

Pensamento meu: Verão

Que delícia!
Que Paz!
Que encanto!
Estar na babuginha do mar, a beber umas bejecas.
Ai, que saudades eu tenho...

Pulgas na cama

Esta manhã acordei com uma Pulga na cama. Não estava à espera que viesse me "picar".
Mas veio. E ficou comigo na cama, a tentar dormir. Mas Pulga que é pulga não sossega.
E começa...
- Afó.....(e eu fingia dormir), afó......(nada, nem olhava) ... inda não comi nada.
- Já comeste um iogurte. O pai disse-me.
- Mas inda não tomi nada ati..... na táta afó! (sim, a Pulga tem de comer em todos os sítios).
- A cozinha tá fechada. Ainda não abriu....

Mas eu tomi nada....
eu tomi nada
eu não tomi nada
eu tomi nada
eu não tomi nada

E já cantava. E chorava.
E chorava a cantar
E cantava a chorar
Até que me virei de rabo p´ra ela.
Sentou-se na cama. Nana na boca, a chorar e a cantar: "eu tomi nada"....
E eu?...Continuei de rabo virado p´ra ela.
Passavam das oito horas alguns minutos.....

sábado, 4 de julho de 2009

Irra que sonho!

Esta noite sonhei. É estranho lembrar-me do sonho porque geralmente não me lembro.
"Matei o Tom Jones". Foi este o cerne do sonho. Matei-o sim, e o meu desespero era enterrá-lo sem ninguém ver.
Então meti-o no carro, à frente, no chão, junto aos meus pés.
E fui até à Alemanha para o enterrar. Pelo caminho a cabeça dele caía para fora do carro, mas ninguém via. E eu aos sobressaltos. Na Alemanha encontrei a minha amiga Teresa (que faleceu há 1 mês). Chamei por ela, várias vezes. Ela olhava, mas não me reconhecia. Eu pensava...."ela morreu....como pode estar aqui"? "Ah, deve ser alguém parecido com ela! Algum sósia". Mas o meu desespero era enorme, pois tinha o corpo do Tom Jones para lançar ao rio.
Pedi ajuda a uma pessoa que passava e lá o jogamos (ao rio).
"Não, não me lembro o nome do rio", mas talvez fosse o Danúbio.
Tenho de ir lá e fazer um cruzeiro fluvial.
Pode ser que o corpo do Tom Jones apareça.....

Vai um cafezinho?

O médico aconselhou a minha tia a não abusar do café e do açúcar. Hoje dei-lhe a sopa e para mim foi REDON(RE=restos D=de DON=ontem), e por conseguinte comi o tal atum (em sandes) que me põe a boca a cheirar mal, acompanhado de um café (xícara grande).
Os olhos da velhota miravam....
Ao finalizar olha para mim e...
-Menham!Menham! Menham!Tenho um gosto na boca.... E fazia umas caretas.
- Sim?
- Deve ter sido do atum. Menham! Menham! Fazes-me um cafezinho?
Claro, não resisti e fiz-lhe o tal que lhe soube pela vida.

Pensamento meu: Hiperactividade

Será que a PHDA é sinónimo de má-educação?
Tenho lido alguns blogues em que há crianças com esta Perturbação, mas o que me parece é que há uma grande falta de regras e educação.
São hiperactivos. Logo, deixa-se fazer o que bem lhes apetece porque tudo o que fazem é uma característica da PHDA.
A frase:"esta criança é mal-educada" caíu em desuso. Agora usa-se:"esta criança é hiperactiva".
É a desculpa para justificar o injustificável.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Com cebola, não

Ao chegar à cama a Pulga chega-se para o meu lado, mas logo de seguida afasta-se.
Eu estava deitada sobre o braço esquerdo, já esticado à espera que se colocasse como sempre se coloca.
- Não te chegas para aqui?-perguntei ao vê-la afastada o mais que podia.
- Tu cheias mau!
- Eu cheiro mal? Mas tu dizes que eu cheiro bem!
- Mas cheias mau.Desato a rir. Ela tinha razão.... Eu estava com mau hálito... Tinha jantado atum salpresado com imeeeeeeeensa cebola (adoro) e ainda não havia escovado os dentes....
Levantei-me. Escovei os dentes. Chego à cama. Expiro o ar pela boca.........
E veio logo enroscar-se no meu braço.

Ai se era de dia!.....

"Espelho meu, espelho meu, há alguém no mundo mais belo que eu?"- perguntava a madrasta todas a noites, olhando-se ao espelho.
Eu não preciso de perguntar....
A Pulga quando chega à cama enrosca-se no meu braço que está esticado e começa .
- Avó, és uinnnnnnnnnnnnnnnnnda (linda)! Avó, cheias (cheiras) bem!
E repete vezes sem conta.
Mas pus-me a reflectir no que diz:
1º- Se o quarto está às escuras,
2º- se ela tem os olhos fechados,
3º- se está com sono.
Só pode ser engodo (quer algo) ou está a delirar.
Bem, vou mas é comprar um espelho à minha neta para vermo-nos as duas: de dia, de olhos abertos e sem sono.

Festa de encerramento

Hoje foi a festa de encerramento do ano lectivo na escola da Pulga.
Não tenho por hábito assistir às festas da minha neta porque acho que isso compete aos pais, e também porque enquanto estive no activo não gostava quando convidava os pais e aparecia a família toda, até à 5º geração.
Mas... adiante.
Estive, porque além de me fazer convidada (entendo que hoje em dia os avós têm um papel preponderante na educação dos netos e estão mais presentes do que até a algum tempo atrás) também mereço porque muitas vezes vou buscá-la à escola e como sou tão acarinhada por todos, sinto que a escola vê com bons olhos esta intromissão.
Pude observar que eu não era a única avó. Muitas estavam lá, felizes como eu, a ver o seu descendente em cima do palco.
E o mais engraçado é que se ouvia as crianças chamar: avó, ou a apontar para a sua avó ou até mesmo agarradas à avó como as minhas Pulgas.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Sopinha de massa

E a propósito da Pulga substituir o som sss por ch, lembrei-me que a sua mãe também era chopinha de macha.
Até que deixou de ser depois de terapia de fala.

Na minha cama com ela

Na cama a Pulga pede-me para contar a história do "Mono mau"(a do Capuchinho Vermelho). Quando chega à parte em que o Capuchinho leva o cestinho de géneros à avó, ela vai enumerando o que lá dentro contém: bouos, afachi, tomati, chinouas, adoish, macha, reparo que ela já diz o som ch, quando se refere a sss. E como ela diz titapos referindo-se aos sapatos comecei.
- Então diz: sa...pa...tos.
- Xa...pa...tos
- Muito bem. Mais uma vez: sa...pa..tos
- Xa..pa...tos.
- E agora: os meus sapatos.
- Os mios.......titapos.

Pensamento meu: Anda ver o sol

Este tempo abatumado entende-me com a cabeça. Irra!
Sol, meu querido amigo, onde andam os teus raios?
Já procurei e não os encontro.
Será que podes dar-me o prazer de te ver?
Afasta essas nuvens e ... aparece.
Vá lá. Fazes-me essa gentileza, fazes?

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Pensamento meu: Família

Ao olhar para a interacção da minha tia com as Pulgas, penso se eu...
...chegarei aos 84 anos,
...terei bisnetos à minha volta,
...me sentarei numa cadeira a receber e levar com bolas jogadas por eles,
...terei tanta paciência como ela,
...farei bolas de sabão, não me importando de ficar molhada,
...me rirei de tudo, mesmo sem perceber de que se fala,
...estarei sempre disponível às brincadeiras,
...me importarei de saber que dia é da semana,
...estarei sempre bem disposta como ela,
...contarei histórias,
...se cantarei com eles e para eles,
...brincarei todo o dia,
...estarei sempre falando, falando...
...responderei a todas as perguntas que eles me façam sempre a gracejar,
...os farei rir tal como minha tia faz a estas,
...estarei predisposta a tudo,
...aceitarei estar sentada sem incomodar ninguém,
...gostarei tanto deles como ela gosta destas.

E.... peço a Deus que me conceda o privilégio de estar com eles. E de lhes dar o prazer da minha companhia.

O balão das Pulgas

De momento estão três pulgas: uma a saltitar (Pulguinha), uma sentada (a idosa) e uma em cima de uma cadeira (Pulga).
A que está sentada recebe as jogadas de balão de praia, da Pulga.
E juro, juro, que nunca ouvi a Pulga rir tanto como hoje.
É que o balão não acerta nas mãos (embora a Pulga peça para pôr as mãos em posição) , mas na cabeça, regaço, na cara, etc
Ontem foi a vez de fazer bolas de sabão. A velhota fazia as bolas e a Pulga ria, ria, ria....A rir dobrado.

De manhã começa o dia, certo?

Ainda o galo não cantava (pelas 9:30) e já a Pulga acordava. E assim que ela acorda mais ninguém dorme.
E fez por acordar a Pulguinha. Claro, acordou mal disposta, porque também tem o seu taimingue para abrir os olhos.
Pulga começa: "chichi", "chichi" e a saltar como o seu estatuto de Pulga assim o permite.
O que não permite, é que faça o dito pelas pernas abaixo. Foi a saltar e a correr para o dablio cê, mas não chegou atempadamente. Pelo menos agachou-se....., sem tirar o pijama.

Era líquido amarelo no chão , no tapete, na roupa...enfim, empoçando o quarto de banho.
Que havia a fazer? Nada, senão limpar! ...
Com a Pulguinha ao colo, dei-lhe um banho de chuveiro ligeiro (só às partes incluídas no chichi porque com a Pulguinha ao colo mais não podia fazer), começa a birra (não sabia que as Pulgas faziam birras até conhece estas): é a mola que a Pulguinha tem na mão que também quer; é o colo que a Pulguinha tem que também quer.
E lá foi à mão da irmã e... zás, tira-lha.
Começa o choro desta vez em estereofonia.
-Não dás a molinha à mana?- pergunto.- Não- responde ela.
-Então vou dar-lhe outra.
-Nããããããããããããããooooooooo.
E dei.

Birra e gritos (logo de manhã começa o dia e pulga que se preza começa cedo).
Pus a mola no reduzido cabelo da Pulguinha e lá convenci a Pulga a colocar a que tinha tirado à irmã.
Com os olhos inchados de chorar pedia "a nana".-Ok, se queres a nana, deita-te- disse-lhe.
- Nããããããããããooooo , quero banana, não é a nana- dizia a disfarçar.
Gerir choros e birras é o meu forte.
Pego na Pulga , pego na Pulguinha e ala para a cozinha.
Pequeno-almoço: iogurte (como manda a mãe).
(E que afinal não mandou)
Lá comeram a duas.
Acabou a birra.
Mas também....
Acabou o silêncio.
Acabou o sossego.
Neste momento, dorme a Pulguinha.
E a Pulga? Anda feliz (porque estou só com ela) a saltar e a se empoleirar nas cadeiras e mesas.
Ai se a tua mãe imaginasse o que tu aqui fazes.....

Barrilhinho

Alguém hoje dizia, olhando para a Pulguinha.
- Ela é um barrilhinho.
- Hum - pensei eu - e quando crescer vai ser um barrilhe.

Pensamento meu: Quem trabalha mais?

Hoje ao ler o Diário de Notícias, fico estarrecida quando numa carta do leitor diz:" as educadoras trabalham mais que as professoras".
Não estou aqui para quantificar o trabalho de ninguém, principalmente dos docentes, mas alguém anda mal informado.

Desnaturadas

Devia haver um blogue de "Avós Desnaturadas".
Eu seria a primeira a subscrevê-lo.
A pensar na cara que a mãe das Pulgas fez quando lhe disse que a filha tinha usado a tesoura.....
Jesus, só posso ser "avó desnaturada".

Brasileira

Julgo que a Pulga é "brasilheira".
Ou então anda a ver novelas.
Por uma razão. Acaba todas as palavras em i
Tomati, carni, alfaci, arrois, e outros