Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 31 de março de 2010

Boa Páscoa

AvoGi

A todos os que me visitam desejo uma Feliz Semana Santa e um doce Domingo de Páscoa com muito amor no coração.
Obrigada por me visitarem. A todos ofereço a azálea do meu jardim.

Páscoa

Toda a época é boa para se vender produtos. No Natal é o que se sabe além das roupas, das comidas há as campanhas nas lojas de electrodomésticos e diga-se em abono da verdade quem é que não tem um aparelho estragado desde Janeiro e espera para comprar no Natal ?(Quem não for assim que se manifeste, levante o dedo para eu ver).

Mas a Páscoa é a época dos estabelecimentos comercias (as grandes superfícies). Digo isto por que fui às compras e fiquei abismada com os preços praticados nos produtos característicos da Pascoa: ovos de chocolate, amêndoas e torrões.
Ovos de Páscoa do Noddy da Barbie do Mickey, da Hello Kitty (que deles só têm o papel ainda se trouxessem algo mais) são caros.

O cabrito, animal sacrificado nesta altura está pela hora da morte (coitado, já morreu há algum tempo atrás).
Mas Páscoa sem cabrito é como... um jardim sem flores.
E claro, no cesto das compras vieram dois ovos de Páscoa e cabrito. Poça, como a vida tá cara.

Cheiro a peixe

Esta tarde fomos em bando buscar o meu bisalho que vem cá passar este período da Páscoa.
No aeroporto a Pulga funga, funga e diz que está a cheirar a peixe, mas com uma cara de enjoada.
E pergunto eu.
- Frito ou cru?- mas também tenho de apurar tudo e sai-me cada resposta...
- Cu - responde ela com toda a certeza do mundo.
Houve espaço para gargalhada da minha parte. Logo eu que a tenho entalada na garganta. É que cu não cheira a peixe, cheira antes a bacalhau. E bacalhau não é peixe como dizia uma pessoa amiga.

A Pulga por vezes nalgumas palavras esquece-se de dizer o "r". Ela pretendia dizer cru. Eu é que tenho a maldade toda.

Demitado

Hoje fui "demitado" à cidade a ver se encontrava doses de ...paciência. É que ultimamente têm-me recomendado para ter paciência. Afinal estava esgotada. E apercebi-me que anda muita gente sem paciência ou à procura dela.
Fui de balde e vim de seira.
Paciência!!!

demitado= de propósito

terça-feira, 30 de março de 2010

Porque...

AVOGI
..É que mexo no que está quieto?
AVOGI

Arranjei as phalaenopsis. Estão em flor e é necessário colocar estacas para se segurarem.

Tanto mexi que parti. Agora a branca está a embelezar a mesa da sala.

É a "ieito" o que vier à mão vai

Esta manhã a minha tia levantou-se antes de mim. Geralmente sou eu quem a acorda e assim controlo os medicamentos. Mas hoje... quando me levantei já estava com roupa vestida (de sair) e já tinha tomado café.
Pergunto-lhe.
- Tomou as pastilhas?
- Sim. Tomei uma.
- Qual? - perguntei contente (a dar saltinhos de alegria) que pela 1ª vez tinha tomado o de jejum que é branco como a neve. (O do coração)
- O amarelo - responde. Ai Meu Deus!!! Esta cabeça não funciona mesmo. (O amarelo é para a tensão.)

Engoli o sapo de não ter acertado e todo o contentamento se desvaneceu dando lugar ao descontentamento e preocupação. Daí a pouco pergunto novamente.
- Qual foi o que tomou?
- O cor de rosa - Jesus Virgem Santíssima agora foi o de cor rosa!!!(Este é para a memória. Memória? Mas onde estará ela?)

Bem, esqueci o assunto e, rebobinei tudo de novo; fingi que não tinha tomado nenhum e por minha conta tomou todos novamente: o cor de rosa, o amarelo, o branco, mais um branco e mais um branco.
Se daqui a pouco andar por aqui a subir paredes "porta-me lá" que as suba. Já agora leve o limpa teias e limpe as que estão no tecto.
E ainda me pede todos os dias para ir para casa!!! Já lhe disse que vai (vai sim senhora) quando souber em que dia estamos (porque para ela é sempre segunda) e quando tomar os medicamentos correctamente.
Quem espera, desespera.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Balamento ou balamente?

Na Madeira há muitas tradições que tendem a desaparecer ou a cair no esquecimento.
É o caso do jogo do "balamento" ou como muita gente por aqui diz: "Belamente". É o jogo da Páscoa cujo prémio são amêndoas ou torrões de açúcar. É uma brincadeira entre duas pessoas que consiste em dizer a palavra "balamento" numa hora combinada. Em vez de se dizer olá à pessoa dizemos balamento.
É necessário esconder-se para apanhar desprevenido o outro jogador. Cada vez que se diz a palavra, ganha-se um ponto. Só se diz uma vez por dia.
Passado o tempo previsto para o jogo que pode ser a semana anterior à da Páscoa (o jogo termina na Sexta feira Santa) o jogador que perder oferece as amêndoas e os torrões ao ganhador que passa o Domingo de Páscoa a chupar, roer e a mastigar as amêndoas.

Etimologia

A palavra «Balamento», embora não conste dos dicionários, significa o acto ou a acção de fazer «balas» e poderá ser tão antiga como a nossa época áurea da produção do açúcar, durante a qual, segundo o historiador, Alberto Vieira, houve madeirenses que foram para o Brasil e lá iniciaram aquela indústria com engenhos também construídos por madeirenses. Portanto, quem perdesse o jogo, teria de fabricar «balas». Por isso, o ganhador dizia alto: «Balamento!», normalmente, apontando com o dedo - sinal de obrigação.

Ora «bala», no português do Brasil é, segundo Antenor Nascentes :
- pedacinho de açúcar em ponto vítreo, podendo levar suco de frutos, essências ou não
- também conhecido por: «bola», «caramelo», «queimado» e «rebuçado».

Rabo aluga-se

As Pulgas depois de saírem da escola vieram para casa da avó. Após as brincadeiras no quintal, fomos como de hábito à padaria comprar pão fresquinho. Aprovitámos para dar uma volta de jipe (carro que elas adoram).
A meio da viagem um cheiro intenso a cocó...
Viro-me para trás. Perguntei à Pulguinha que dá cada um que temos de pôr a cabeça fora do carro para respira o ar puro se tinha dado um fó...fó, um flato, um traque, um pum, em suma um peidinho.
- Não. O jipe - resposta pronta.
Claro! Ela não dá destes mal-cheirosos, dá dos outros, dos que fazem destroço, dos que me deixam sem respirar durante um tempo.
Se um dia precisarem de alguém que afugente alguém é só pedirem que eu alugo o rabo desta minha neta.
Não sei como um "rabichol" tão pequeno dá peidinhos tão grandes e (mal) cheirosos.

Manhã de primavera


Domingo fez uma manha como há muito não fazia com Sol e calor. Avó e Pulgas na rua a fazer uma tarefa que elas adoram: brincar.

E claro a foto para registar o momento.

Enquanto

...Não chega o fruto vou deliciar-me com a beleza da flor. Do morangueiro, obviamente.

 morangueiro do meu quintal

Talho

O "talho " que fiz no dedo sangrou. Cortei-me com uma navalhinha. Credo, como o meu sangue é vermelho!!! Vermelho-vivo.
Assim que vi que sangrava fui buscar uma "curita".
Agora, ando com uma boneca no dedo.
Mas tá lindo!

(Talho por aqui, no meu rural, não se aplica só ao lugar onde se vende carne, mas também a uma ferida.)

sábado, 27 de março de 2010

Porquê? Mas porquê?

- Porque é que as senhoras usam soutien? - perguntou a Pulga.
Dei-lhe imensas respostas: para proteger os seios, por segurança, a fim de evitar que as magoemos, para não andarem soltas, para levantar, não caírem ...
Cada vez que dava uma resposta ela dizia: "não é nada" ou "não é"...
Já não sabia que mais dizer. E a resposta veio com uma simplicidade como só uma criança de quatro nos consegue surpreender!
- Para não apanharem frio.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Sabem o que é...?

...Procurar uma determinada coisa (neste caso um lenço de colocar na cabeça ou pescoço), desarrumar toda a prateleira onde supostamente deveria estar (pois estão os outros); deitar tudo ao chão para procurar um a um, com a certeza de que está lá entre os outros; depois arrumar um a um novamente e ficar a cismar: "Onde estará?"
E dormir a pensar nele. Acordar a pensar nele, voltar ao sítio (à prateleira) usar outro (que remédio) por ao pescoço (lindo, também serve) e ao fechar a porta do quarto, à saída, ele está ali, à nossa frente com olhos marotos a olhar e a gozar? Ali à vista. Sempre esteve ali. E sem o procurar apareceu. A rir ainda por cima!!!
Pois aconteceu comigo.
Não é que o lindinho estava no chapéu (à volta dele) que geralmente uso quando vou de férias?

Bai de uei, estou a precisar de ......?

Cuidar cuida, mas de quem?

- Vou estender a roupa na rua. Se o bebé acordar, chame-me. Esteja atenta. - Digo para minha tia ao sair à porta da cozinha.
- Tá bem.
Coloquei a roupa no estendal. Regresso ao ponto de partida.
- Ele acordou? - pergunto.
- Quem?
Esta minha tia se não existisse teria de a fazer...em barro... ou gesso.

Engulhos

Dia de sopa na casa da avó para o bebé Pulguito. É um massacre para ele e para mim. Ele esperneia, cospe, estica-se, rebola, mas ao gritar e já que está de bico aberto qual passarinho, lá vai uma colher de sopa. Nem cantando se a coisa ajeita. "A Joana come a papa" não salva esta situação.
Hoje deu-lhe para os "engulhos". Sim, que o rapaz já aprendeu como se provoca. Faz-se uma força no estômago, metendo-o para dentro; puxa-se, abre-se as goelas e "chama-se o Gregório".
Mas não não "rabiçou" só intentou. Daí os engulhos.
Qualquer dia, não hoje, vai levar nai ventas pa nã me sujar a roupa ao comer. É que sempre que lhe dou a sopa tenho de mudar logo de roupa!!

Tradução
Engulhos (foneticamente= ingulhos) - vómitos
rabiçar- vomitar

Mosca-cão

Andava uma mosca, das grandes, na cozinha. Ao vê-la digo:
-Mas que moscão! Já vais ver o que é bom! - enquanto procurava o mata-moscas.
Pulga que está sempre atenta a todas as conversas...
- Moscão? O que é um moscão?
- Moscão - digo acentuando bem a silaba tónica para dar a ideia de grandeza. - é uma mosca....? - esperando que ela dissesse grande...
- Cão!
Ora nem mais. Isso mesmo uma aglutinação de mosca com um cão.

Como é bom estar doente!

A Pulga esteve doente. Febre. Uma virose qualquer que a impossibilitou de estar na escola mas não de extravasar o dia inteiro aqui comigo. Como não foi à escola, veio para minha casa.
E cantava, cantava. Não me apercebi do que dizia, mas um escutar mais atento...
"Ontem e hoje não fui à escola. Vim pá casa da avó. Dois dias na casa da avó. Dormi dois dias na casa da avó". Dizia cantarolando.
Intervim.
- Vieste para aqui porque estás doente senão estavas na escola.
Entoando a cantiga, aproveitando a mesma melodia...
"Como é bom tar doente"

quinta-feira, 25 de março de 2010

E agora?

É que a Fatyly achou de desafiar os seus leitores e o prémio era um caralhinho. (Adoro esta troca de saberes e poder transmitir os usos e desusos da minha terra.)
E hoje logo p´la matina e nem me deu tempo a meter o dedo no cu da galinha pa ver se tinha ovo, só deitei as sarralhas ao boi e caminhei de casa pa ir mercar dez quilhos de caralhinhos.
Quando entrei na venda do senhor José, ele tinha o dele dependurado à vista de toda a gente. Olha, era igual ao do mê senhor.
Quando eu lhe pedi os quilhos, o hôme até coçou o carrolo que nunca nã tinha visto tanto caralhinho junto.
Atão, pedi a ele pa me fiar os coisinhos e ele aprantou do rol.
Agora vou mandar-eles à Fatyly pa ela dar eles a vacês que acertaram na resposta. Mas cuidado nã bebam muito que dá da churrica.

quarta-feira, 24 de março de 2010

O Caralhinho

Não há casa madeirense que não tenha...1, 2, 3 ou mais.
Todo o madeirense que se preze tem o seu caralhinho bem guardado. Há de vários tamanhos e feitios: grossos, finos, largos, estreitos, compridos, curtos. Na minha casa existem dois: um grande e grosso e um fino e pequeno.
Por aqui vêem-se muitos, dependurados.
É mais usado à noite e em dias de festa. Aliás, não há festa nenhuma que não se vejam os caralhinhos todos na rua e uma multidão à roda deles. Então esta malta nova fica eufórica quando vê algum. Já sabe o que vem a seguir: uma noite de prazer!

Devo dizer que o do meu senhor também sai à rua em dias de festa cá no rural. Geralmente ele pede a um amigo que o sabe manusear muito bem para se servir dele.
O meu bisalho quando foi estudar fez-se acompanhar do seu caralhinho que na altura era pequeno, mas agora tem um grande.

Como usar o caralhinho:
Tire-o do sítio onde está, segure-o com ambas as mãos, agarre-o delicadamente a principio, coloque-o na posição vertical.
Com ambas as mãos faça movimentos para cima e para baixo. Quando o tiver bem seguro bata com força só com uma mão. Para ter o efeito desejado deve ser bem batido. Pode até segurar na extremidade e fazer movimentos circulares. Nunca o deixa da mão, agarre-o sempre com as duas e com força.
Bata bem sempre em movimento seguro de cima para baixo, usando uma só mão. Descanse. Mude de mão se isso lhe der jeito ou se já estiver cansada. Pare um pouco. Limpe o suor que se acumulou na testa.

Recomece e sempre com ele entre as mãos faça-o deslizar da ponta dos dedos até à palma das suas mãos (como se estivesse a bater palmas). Movimentos rápidos e enérgicos até ver um liquido começar a se formar. Quando tiver um quantidade considerável entorne-o em copos pequenos e sirva aos seus convidados.
Contemple a maravilha de sabor.
Oh, não sobrou para si? Pena, não há como metê-lo na boca e lamber.
Depois de usar o caralhinho lave-o bem lavado e sacuda. Não o guarde molhado pois pode inchar.

Eis o caralhinho (cuidado ao abrir) E com ele se faz a deliciosa poncha.

Esquecida, mas não tento . Ou sim?

- Que dia é hoje? Segunda? - perguntava a tia-velha (aliás pergunta todos os dias).
- Que dia foi ontem? - respondi perguntando, e como já tinha perguntado ontem, a ver se fixou...
- Ontem? Ontem foi domingo. Então hoje é segunda.
- Não! Hoje é quarta!
- Ahhhh, tou muito esquecida...!! Posso me esquecer de muita coisa, mas da minha idade não me esqueço. Tenho 84 anos. - E olhando para mim... - não é?

Tem falta de vista?


Roubei esta foto, mas a dona deu licença. Obrigada Dri.

Ora reparem bem. Vêem o "rabichol" (rabinho) da menina que está de costas?

Se realmente o vêem, aconselho a ir ao oftalmologista.

Eu já marquei consulta para mim.

terça-feira, 23 de março de 2010

Sabia que...

...O meu teclado está a perder as letras? Já não tenho o E, A, S. Isto já vai por intuição e memória fotográfica. Devem ser as letras mais usadas. Ou pelo menos as que uso mais.
Mas como sou desenrascada, desenhei as letras com corretor, mas...há sempre um mas...já caiu tudo.
Olha, afinal não dei erros. Pensei que ia sair um texto sem nexo.
Perfeito!
Já não vou dar mais corrector afinal sei onde se situam. Reparei agora que o corretor está todo na ponta dos dedos!

Smarties

Blusa de smarties AVOGI
Chego à casa da família Pulguedo para o jantar de anos do pai, com a blusa que está na foto acima.
Pulguinha vem logo ter comigo. Pego-a ao colo. Ela olha para a blusa e exclama com os olhos brilhantes de desejo.
- Smarties. Smarties. Smarties.

Realmente a blusa, parece aquelas bolinhas deliciosas de chocolate que faz arregalar os olhos da minha Pulguinha!

Parabéns

Pulgão, genro da AVOGI

Faz 31 anos que nasceu este rapazinho numa aldeia do concelho de Belmonte. Ao fim de alguns anos imigrou para a Madeira a fim de prosseguir os estudos.
 Por cá ficou.
Pela ilha se apaixonou.

Na Universidade da Madeira conheceu uma jovem.
Com o andar do tempo foi apresentado aos seus pais.
Na casa deles foi aceite como um filho (mais um).
E... como diz a canção: "daqui não saio daqui ninguém me tira".
E ninguém o tira do lugar onde está. Bem junto ao coração.

Parabéns ...ó piqueno.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Médico de família

Já aqui falei e muito sobre o serviço público de medicina familiar. E falarei até que a voz me doa (como dizia a Amália).
Dia de consulta no médico da Caixa é igual a dia de stress e irritabilidade. Levei a tia-velha. Não demora nada, parece que o senhor doutor tem uma mola no rabo que salta de doente em doente. Mal entro já saio. É só passar a receita. E é aí que me irrito: A receita.
Ora bem, sempre ouvi dizer que para cursar medicina a matemática é importante.
Mas será realmente esta disciplina importante?
Acompanhem-me no raciocínio.

Um determinado medicamento contém 60 cápsulas. É tomado duas vezes ao dia. Portanto (2x30=60) dá para um mês de 30 dias que se for de 31 já não dá..
Matemática da vida diária não é preciso curso para fazer estas contas!
A consulta é de 2 em 2 meses.
Falta uma? Pois ...falta uma caixa!!!
Porque é que o senhor doutor passa uma caixa do medicamento, sabendo que marca a consulta para daí a 2 meses?
Não sabe fazer contas? Distracção? Excesso de trabalho? Irresponsabilidade? Ou está-se maribando para os utentes?
E mais caricato: para passar medicamentos (ou mostrar exames) é necessário marcar consulta. Como? Não perceberam?
Então peçam na farmácia para adiantar os medicamentos até à próxima consulta. Esta foi a resposta dada por uma funcionaria do dito centro.
Venham mais e melhores médicos!!! Mas com responsabilidade, fazendo um serviço público como merecemos!!!
É que nesta consulta nem uma auscultação nem nada é só prescrever a receita de há 10 anos. Nem análises, NADA!
(Foi descoberto que a tia tinha diabetes numas análises mandadas fazer por outro médico numa consulta de urgência.) E ainda hoje disse ao senhor doutor que ela tinha a pele a escamar.
"Um creme hidratante" responde ele.
E porque não passou o creme hidratante?
E porque não pedi eu?
Porque o senhor de bata branca parece que estava apressado! Uma partida de golfe? Ou um aparte na medicina desportiva?
Poça!!!! Para não dizer aquele palavrão parecido.

Balamento

Estou a jogar ao Balamento com o João do Espaço do João. Mas ao que se chegou! Jogar sem ser presencial.
Nem sei onde isto vai dar, mas estou morta por ver. Neste momento está 1-1.
Este é um jogo característico da época da Páscoa.
Quem perder oferece as amêndoas.
Já tou a amolar ui dentes!

A partir de amanhã, adeus moscas!

Ainda há dia escrevi sobre as moscas. Esqueci-me de dizer foi que detesto-as. Logo que chego ao quintal agarro no mata-moscas e zumba, toca a desancar em todas elas. Algumas apanho-as outras não.
Mas a Noris falou-me de umas raquetes (e passo a publicidade gratuita) que comprou na loja dos chineses.
Esta tarde fui à loja. Parece que o chinês já sabia ao que ia. Assim que lhe falei de raquetes apontou para um cesto à entrada. Ainda lhe disse "para matar moscas", não fosse ele pensar que eram para o ténis mas ele continuava a apontar para o ditoso cesto.
Agora queridas moscas, venham. Estarei de braços abertos, bem de braço esticado, com a raquete na mão. Vamos a uma partida de ténis. Vamos?
A ver quem ganha!
E já agora ...

Quando tiver a cabeça boa, avise

- Em que mês tamos? - Perguntava-me a tia-velha com um calendário na mão.
-Pense! - peço-lhe
Olhou, mirou e ...
- 6 de Abril. Dia em que fui ao médico.(Não sei onde foi buscar esta data, pois hoje é que foi ao médico. Alguma facto guardado na gaveta da memória)
- Errado.
- Agosto não é. O Bruno faz anos. E nã tamos em Agosto! (Deve ter visto o tempo carrancudo!!!)
E continuava com o calendário na mão.
E termina com a frase feita, usada sempre que não sabe responder ou engana-se:
-"Eu hoje mesmo nã tenho a cabeça boa!"
Mas ...quando é que tem?

As duas e porque não?

Hoje de manhã digo para a minha tia.
- Vamos tomar banho.
- As duas?
Havia de ser bonito as duas dentro do poliban...
Mas uma coisa é certa. Sempre que lhe dou banho, ela fica dentro do poliban e eu fora, mas apanho com água também.

Olha, ouvi dizer...

...Que a Federação Nacional de Professores (Fenprof) anunciou no sábado que vai propor à tutela que a violência exercida sobre os professores seja considerada crime público, deixando assim, por exemplo, de ser necessária uma queixa do professor agredido para que tenha lugar qualquer acção criminal.

A ministra da Educação Isabel Alçada afirmou hoje que a proposta da Fenprof de tipificar como crime público a violência exercida sobre professores “é uma possibilidade”.

Junto excertos de uma sentença num caso onde eu fui a ofendida.

domingo, 21 de março de 2010

Gira gira gira range range range

A noite passada dormimos todas três na mesma cama. Eu e as minhas netas. Tarefa difícil pois se uma gosta de dormir abafada até ao pescoço a outra dorme desabafada. Uma range os dentes a outra fala; se uma fica quieta a outra gira na cama. Primeiro fica de barriga para o ar, volta-se e forma um ângulo de 90º. Logo de seguida faz um de 180º (barriga para baixo). Um nadinha mais 270º, mantêm-se assim durante dois segundos; por fim um ângulo giro (360º) e leva a noite neste girar!
Ambas dormem a noite toda, mas assim que acordam, Jesus Maria José, começa a guerra para ficarem ao meu lado. E fico estrangulada sem poder respirar devido à força com que a Pulga aperta o meu pescoço com os braços enquanto a mais nova chora por não poder competir com a irmã nesta guerra de cabeceira.

Gavetas abertas = mau presságio?

Mas que coisa, dizem e é verdade: "Mania é pior que louco."
A minha tia não pode ver gavetas abertas ou entreabertas. Mas também não levanta o "rabichol" ou rabo ou cuzinho para as fechar.
Nestes dias de chuva mantenho-as abertas, algumas, por causa do cheiro a mofo.
Estávamos a ver televisão sentadas uma ao lado da outra e ela...
- Podes fechar as gavetas?
- Não.
- "Gavetas abertas, sepulturas abertas". Dizem que as gavetas abertas chamam as pessoas para a morte.- Explica-me.- Alguém vai morrer!
Basta ver a página dos mortos do diário.

Aqui não, ali

As Pulgas (velhas e novas) estavam todas na cozinha para o pequeno almoço. A tia-velha sentado ao lado da Pulguinha, pergunta-lhe.
- Dormiste aqui hoje? - referindo-se ao facto de ela ter passado a noite na casa da avó.
Resposta dela.
- Não?! Na cama. - E aponta para o quarto de dormir.

sábado, 20 de março de 2010

Manias de rico

O meu gato "O Fuscas" (não é meu, é da minha filha, mas como está aqui há muito tempo já perdeu os direitos de visita) tem manias de rico. Só come comida de ração, mas de nome; aquele do "reclame".
"Aquintrodia" o meu senhor comprou um saco de marca branca (era mais amarela) e deitou.
Assim que viu comer lá foi ele todo lampeiro. Chegou, viu, cheirou e rodou nos calcanhares. Não tocou na taça nem no que lá estava.
A comida na taça e o gato com fome. Esteve uns dias sem comer. É que não tocou na ração.
Miau!! Dizia ele. E olhava para nós.
O "mê senhor" todo penoso foi comprar o tal do anúncio.
Avançou de rabo no ar qual eléctrico em andamento e lambeu até as migalhas.
Manias. De rico.

Moscas

Chego à rua. Um dia lindo de sol primaveril, fazendo jus à estação.
Mas, muitas moscas a voar.
Moscas é sinal de chuva.
Não tardou muito a cair um "pé d´água".
Estes nossos micro-climas!

Não sei se será sono ou um "camadão"

No post abaixo digo que a Pulguinha está "manona" (com sono), mas é estranho e sabendo o que por aí vai, acho que pode ser "um camadão" que deram na "piquena".
Vou à horta buscar um galho de alecrim. Corto em dois, cruzo-os e ....vou curá-la de ...olhado.

A piquena tá manona!

É verdade, a Pulguinha hoje anda esquisita. Ela que é toda activa hoje "tá meia pó manono."

(manona-com sono)

Primavera


É hoje pelas 11horas 44 minutos que chega a tão esperada Primavera. A prima de todos. A primeira e por isso a mais bela. E vamos tê-la entre nós até ao dia 21 de Junho quando partirá para dar lugar ao Verão.
Seja bem-vinda.

sexta-feira, 19 de março de 2010

O dia está a acabar, mas.....

...Quero aqui deixar um abraço especial aos pais neste Dia do Pai. Àqueles que são verdadeiros e que sabem o significado da palavra PAI. Neste grupo incluo o pai dos meus netos.
Um beijo sentido e sincero para ti...ó pequeno grande homem.

Deve ter chegado papa de bolacha ao cais

A minha filha disse-me para fazer papa de bolacha com fruta para o bebé. Obediente que sou, fiz a papinha.
O rapaz esperneou, gritou, esbaforiu, abanou a cabeça e não sei que mais.
Atirava a cabeça para trás de cada vez que eu tentava meter a fruta na boca.
Eu já estava toda suja. E ele não abria a boca senão para gritar.
Liguei à minha filha e contei que já devia ter chegado ao cais a papa de tanta que ele jogou.
- Olha, faz-lhe papa cérelac.
Voltei à cozinha, sentei-o na cadeira e fiz um "fundinho" pensando que ele não ia comer.
Nem dava tempo a ir ao prato encher a colher. A boca estava aberta assim como a dos passarinhos. E tive de repetir a dose que o rapaz sempre que olhava para a colher abria a boca, faminto.

Eu reforço o que disse na publicação anterior

"Hoje não dá uma para a Caixa". Esta minha tia está pior da cabeça.
Dizia ela para o Pulguito assim que as irmãs chegaram.
- Sim senhor, agora já tem as primas para brincar.

Esta expressão acima citada refere-se ao antigamente quando as pessoas bordavam o bordado Madeira ou tapeçaria (tela) e os pontos que davam revertiam para a reforma. Assim quantos mais pontos dessem mais acumulava. E além disso eram pagas pela casa dos bordados, mas esses pontos descontavam na Segurança Social (antiga Caixa de Previdência).
Quando não bordavam não davam uma (um ponto) para a Caixa.
Ainda nos nossos dias há quem use esta expressão.

Hoje pior que ontem

A tia-velha hoje não dá uma para a "Caixa" como se diz por . Hoje havia de cismar que eu sou a tia das minhas netas. E todo o santo dia que ainda por cima está sombrio devido à chuva para falar em sobrinhos e tia.
-Quem vai buscar hoje as meninas? O pai? Ou a tia?- Perguntava ela.
- Que tia? -Sabendo bem a quem se referia.
- Tu. Não és tia delas?
- Pense bem, elas o que são a mim?
- Sobrinhas.
Ora nem mais se eu sou a tia elas são as sobrinhas.

A rainha das azáleas

(esta faz parte do meu reino)
Segundo a minha tia-velha esta é a rainha das azáleas. Mas para rainha tem pouco reinado. Pois assim que nos encostamos a ela, cai.

É muito frágil.
A rainha devia ser mais forte, mais consistente e não tão sensível ao toque. Aqui está a prova que nem todos as rainhas reinam muito tempo.

Neste caso é só até alguém se aproximar e roçar...

quinta-feira, 18 de março de 2010

Adorei

Adorei chegar ao blogue da Pepper e ver este artigo. Bem Pepper, de onde essa expressão veio há mais. Muito mais.
Obrigada.
Adoro esta troca de culturas que os blogues nos proporcionam.
Fiquei estupefacta. E sorrio de agradecimento.

A dona da casa

No sábado passado foi dia de festa aqui na minha casa. A festa de anos da Pulguinha.
Um amigo cá da casa, por sinal compadre da minha filha ao chegar e ver o mar de gente resolveu dizer que só cumprimentava a dona da casa.
Eu (a dona da casa) estava sentada ao lado da minha filha. E já pensava eu: "Hummmm, beijinhos, beijinhos vou receber e mais ninguém vai. Vou ser a única (e já entoava: lá..lá..lá...) vão ficar roídos de inveja!"
Ele dirige-se a ela e dá-lhe dois estrondosos beijos nas bochechas e mai nada.

"Ora ora o que se há-de ver! Ainda não fechei os olhos (morri) nem fiz testamento e a minha filha já é a dona da casa? "Pensei eu cá comigo. Mas se pensei melhor o disse.
- Oh, amigo meu e compadre da minha filha, afinal quem é a dona da casa? Eu ainda não morri, ou já? E a casa não é só dela há mais herdeiros!

Claro que isto tudo foi dito a rir e a brincar devido à confiança que temos um com o outro.
Ele ficou vermelho que nem um tomate maduro e podre.
E ofereceu-me uns sonoros beijos e uns abracinhos. E um pedido de desculpas.
Mas, dizia ele, como quem tinha feito o convite tinha sido a comadre...
Vá lá, vá lá...desta safaste-te.

Mulher e sardinha

Lá diz o ditado:" Mulher e sardinha quer-se da mais pequenina".
A Pulguinha tem uma diferença de 18 meses do Pulguito. Mas é pequenina, "baixinha" (como eu carinhosamente a chamo). Ontem resolvemos colocar os manos lado a lado. E a diferença de tamanho é de mais ou menos 13 cm. Ele dá-lhe pelo ombro!
Ela com 2 anos ele com 6 meses.
Ou ela é "baixinha" ou ele é "comprido".
O que falta nela sobra nele. É a compensação.

Olha que até foi bom desabafar!

A propósito de sonhar a noite toda. Foi bom este desabafo. Esta noite não sonhei. Dormi as minha horas de sono. Acordei sem me preocupar com nada a não ser me levantar e "matinar" (bem, não foi bem de manhã já o sol ia a meio do seu percurso). Mas foi deveras reconfortante.
De certeza que não sonhei. Ou sonhei e não me lembro? É e será um enigma. Serei eu uma pessoa enigmática?

Ultimamente...

...Sonho todas as noites com coisas estúpidas, estapafúrdias. E ao acordar não me lembro daquilo que sonhei. Por mais que faça esforço não me lembro.
Por mais que esforce o meu cérebro (já cansado).E fico irritada por não me lembrar.
E novamente irrito-me por te feito esse esforço em vão. E por estar a pensar nessa treta de sonho.
Mas porque é que esta cabeça não pára! Nem de noite!

quarta-feira, 17 de março de 2010

Olha, ouvi dizer...

...Que os bispos portugueses vão discutir "Possíveis" casos de abusos sexuais por parte dos membros do clero?
Então senhores bispos, os diáconos, padres, arcebispos e cardeais do clero portugueses são diferentes dos outros membros?
Ou vamos voltar a fingir que aqui nada acontece? Que é só na Alemanha, Brasil, Estados Unidos...
Bem, vou rezar que por pensar mal dos senhores padres, pequei.

Machona

Esta expressão que tanto ouvia em miúda deixei de ouvi-la. Será que caiu em desuso?
Antigamente qualquer rapariga que usasse calças, brincasse na rua, saltasse ou pulasse era "machona".
Eu também era uma machona!
(Se calhar presentemente tem outra conotação, será?

Hoje...

...Não me vão ouvir queixar do tempo. Adorei estes "peneiros" que deu. Poupou-me trabalho de regar as alfaces.
Senhor São Pedro (manda-chuva do tempo), obrigada. Só tu sabes o quanto eu estou agradecida. Fizeste por mim? Deve ter sido das minhas lamurias e do processo em tribunal que eu aprontei. Tiveste medo? Ou vergonha?
Bem, recebe um agradecimento mas não abuses da minha boa vontade e carinho. Agora manda chuva só para a semana porque esta já tiveram água que chegue.
Aqui vai um sorrisinho dos meus. Vês?
És um queriducho (um bocadinho de graxa a ver se resulta)!

As arcas

Tenho "as arcas" (foneticamente: a zarcas) a doer! Passei a tarde a tirar ervas da horta e a plantar alfaces e tomateiros.
Poça como dói passar o dia (com sua licença) de rabo para o ar.

E claro "as arcas" são as costas.

terça-feira, 16 de março de 2010

À Terça, à Quarta à Quinta... É quando fôr

O meu senhor tem por hábito ao destapar a panela perguntar o que é a refeição.
Hoje não foi excepção.
- É frango à quê? - perguntou ele.
Resposta pronta daqui da faxineira de serviço.
- "Frango à... Terça- feira."
Por fim rimos os dois.

Tão bom como o chocolate

Recebi este selo da Olga que vem com as seguintes regras: mencionarmos 5 coisas pelas quais somos viciadas e passar a 5 blogueiras.

1- ver televisão (filmes)
2 - dormir
3- acordar tarde
4- deitar tarde
5- viajar
Passo para a :
Quicas
Angela
Matilde
Noris
Mina

Cada um é como cada qual

Os meus netos cada um tem a sua forma peculiar de adormecer.
A Pulga usa a nana (fralda pano). Todas as noites o mesmo ritual: tira uma da gaveta, desdobra, sacode, traça as diagonais do quadrado mentalmente, acha o centro do mesmo e transforma o quadrado numa pirâmide. Usa o vértice que formou.
A Pulguinha segue o mesmo ritual , mas não usa o centro do quadrado, nem forma a pirâmide. Usa sim os vértices. Agarra num e mete na boca. Qualquer um serve, mas usa os quatro vértices.
O Pulguito é uma nana de flanela ( o Berlim) quadrada com a forma de um fantoche. Esfrega, esfrega na cara até adormecer ao mesmo tempo que choraminga.
Acho um mimo cada um com a sua forma de adormecer!

Cuidado com a alimentação!

Alguns médicos de Saúde Pública, os outrora médicos da Caixa, julgam que todos os utentes tiraram o curso de medicina. É que falam como se as pessoas soubessem por antecipação a doença que têm e a forma de tratamento a prescrever.
Isto a propósito do médico de família da minha tia-velha. Sempre que vamos lá: "tenha cuidado com a alimentação".
Ora para minha tia ter cuidado com a alimentação não é propriamente o cuidado a que ele se refere. Para ela é guardar a comida no armário, no frigorífico, coisas básicas e não o facto de ter de comer sem sal ou pouco, sem açúcar e comida diversificada.
- Tem de ter cuidado com a alimentação - diz-lhe.

Bem me apetece a dizer ao senhor doutor médico para explicar como se fosse uma criança de 4 anos o que isso implica. Mas calo-me e em casa faço o papel do médico no que respeita aos cuidados a ter.
Bem (andando para a frente que atrás vem gente), na sexta feira passada foi a vez do meu senhor ouvir o mesmo "ter cuidado" da médica de recurso.
- O senhor agora é doente. Tem de ter cuidado. - Disse-lhe.
Nova observação do exame feito...
- Muito cuidado com a alimentação. É diabético por isso tenha cuidado.

Mas afinal? Que papel têm os médicos além dos habituais: diagnóstico e prescrição de medicamentos? O seu papel não será também informar o doente desses "tais cuidados a ter com a alimentação"?
Ou informar o local onde se encontram os prospectos da diabetes?
E se o utente da medicina familiar não souber ler?
Já aborrece ouvir esta frase:"tenha cuidado com a alimentação!"
Explique Senhor Doutor.

A traição ou a descoberta dela: da outra

Adoro este "reclame" ou publicidade em português corrente que por cá, no meu rural, diz-se reclame.
Não sou fâ da Rita Blanco e a expressão do rapazinho é que me faz gostar. O ar de quem já sabe que foi apanhado numa trama.Também o olhar de reprovação pela descoberta da traição por parte da mãe.
Acho o enredo próprio da época em que vivemos: a preocupação da mãe por querer que o filho escolha a mulher ideal. A traição do namorado. O ar desenvolto da rapariga ao descobrir que não era dela o artigo. E a "outra" sem saber onde se meter. Enfim adoro.
http://www.youtube.com/watch?v=qPzatkvdBpA

segunda-feira, 15 de março de 2010

Caduquice velhice ou afins

Tenho imensa dificuldade em reconhecer uma pessoa que a tenha conhecido num determinado contexto. Se eu a vejo sempre com um uniforme (bata por exemplo) no dia em que a vejo à civil, com roupa normal não a conheço.
Aliás conheço, mas não sei de onde. E fico a cismar na pessoas depois de a ter cumprimentado e a entabuar conversa sem saber de onde e como a conheço. Nem se tem filhos, marido. Depois há aquelas situações em que mando cumprimentos para o marido e afinal a pessoa em questão já se divorciou ou é solteira.
Ainda hoje vi uma senhora no café que costumo frequentar e ela sorriu e depois da boa tarde, como está, lá vem a pergunta: de onde a conheço?
Só em casa, uma hora depois, é que me lembrei de onde a conhecia.
E thanks God for that tinha feito as perguntas da praxe correctas. Livra!

Olha, ouvi dizer...

...Aliás, constatei que perdi o templeite do blogue. E mais caricato é que não sei onde o perdi. Nem sei de onde é que o roubei.
E agora? Fica assim para eu aprender a não mexer onde não sei.

Fim de semana/início de semana

E mais um fim de semana se passou. Outra semana virá. Esta vida passa a correr que nem conseguimos agarrá-la. As crianças crescem. Foi o caso da minha neta. Num instante quase sem nos apercebemos já se passaram dois anos. A outra com quatro anos quase a iniciar a entrada na pré escolar. O bebé com seis meses ou meio ano.
E eu? Faço um ano no meu novo estatuto: aposentação. Também sou jovem com muito para aprender.
E elas, as minhas netas é que me vão ensinar.
Boa semana de trabalho! Porque embora aposentada trabalho não me falta. Até sobra.

domingo, 14 de março de 2010

Na idade das perguntas

A minha tia-velha está nesta etapa da vida: "A idade das perguntas". Que dia é hoje e tenta adivinhar (mas nunca acerta, claro)
Ela vê-me aqui no computador (todos os dias). Embora ela saiba que eu estou reformada, pergunta-me se "amanha" vou para escola.
Digo que não que já estou reformada, mas não vale a pena; esquece-se e, repete vezes sem conta, a mesma pergunta.
- É um trabalho para a escola? - Disse lhe que sim (não vale a pena explicar o funcionamento e utilidade de um computador).
- Tens sempre muito trabalho. Todos os dias.
(Mas hoje está terrivelmente esquecida. Já não há quem a ature. Só pede para ir para casa). Perguntas do dia:
Onde está a chave... a roupa...o porta moedas...a carteira...quem a vai levar a casa...é hoje que eu vou...
Hoje é a minha sombra!
Mas noto-a deprimida também!
Toneladas de paciência precisam-se.
E de medicamentos para avivar a memória.

Falar inglês

A Pulga tem aulas de inglês e como aluna aplicada faz trabalho de casa. Claro que a teacher não manda, mas ela pratica com as bonecas ou comigo.
- Sabes como se diz "beranco " em inglês?
- Não - faço-me de tola.
- uaite. É a minha vez de perguntar e pergunto se sabe como se diz azul.
- Berú -responde. E verde? - pergunta ela. Digo-lhe que é o som "gue" e começo: gue...gue.... para ajudá-la a dizer green.
- Gue...rú.

Sempre...

...Que rolo uma unha, não tenho por perto nem a lima nem a tesoura. Poça, lá vão os dentes fazer de serrote. Calha bem que os tenho...na boca senão também tinha de esperar chegar a casa para usar.

sábado, 13 de março de 2010

Serão as madrastas sempre más?

Fui para a cama com as duas para dormirem a sesta. "Conta uma história" pede a Pulga.
- Tá bem, mas hoje não é a do Capuchinho Vermelho. É outra.
- A da Banca de Neve. Pode ser?
Na cama já tinha contado a história e os olhos não fechavam. Eu já bocejava!
- Conta outra.
Todos nós conhecemos a história da Branca de Neve com a madrasta reles que infernizou a vida da Branquinha. eu não conto como reza a história meto sempre umas nuances à minha moda porque acho algumas cenas um pouco rudes para as crianças, ex: a madrasta que manda matar a Branca. A maçã envenenada.
Conto a da Gata Borralheira.
Quando falo na madrasta reles...
- Mais um madrasta má?- pergunta ela com os olhos arregalados e a testa enrugada!
É por estas e por outras que eu altero as histórias.

Um pouco de chantagem. Só um pouco, vá lá

Depois do almoço decidi que seria melhor que as Pulgas dormissem um pouco antes da festa da Pulguinha que é aqui na casa dos avós. Vai daí comecei a ladainha que "hoje é dia de festa, é melhor dormirem um pouco".
A mai nova coitada nem reclama, mas a maiveielha que tem a "ronha" toda disse logo: "eu não quero dormir" (ainda por cima está na fase da egocentrismo e é: eu não quero, eu não faço, eu não vou...eu...eu...eu).

Mas afinal quem manda aqui nesta casa? Vou deixar que duas Pulgas tomem conta de mim?
Mas que afronta! Desafiarem-me!
E digo à Pulga.
- Se não dormes não vais à festa da mana.
Não sei onde ia ficar se não dormisse (como referi a festa é aqui), mas enfim, a chantagem funcionou e ....já dormem as duas.
Que sossego!

Ajuda e ajuda bem

A minha tia agora gosta de se sentir útil. Então ajuda-me nalgumas tarefas básicas como colocar o leite no frigorífico (sempre no lugar errado) lavar a loiça (deixando resto de comida) e sacudir as bases que coloco na mesa para o pequeno almoço.
Ao acabar ela faz um montinho com as migalhas do pão, arrasta para a beira da mesa e tenta, digo tenta  recolher com a outra mão.
Resultado: as migalhas espalham-se pelo chão e quem vai passar o aspirador?
Exactamente. Eu. Ora quem havia de ser?

Vais vir? Ou vais ir?

Ontem enquanto estava na Caixa à espera de ser atendida e como leva muito tempo a gente fica a ouvir o que os outros dizem como forma de passar o tempo.
E como há pessoas que falam ao telemóvel como se estivessem a falar para a Venezuela mas sem o usar...e falam alto, altíssimo, gesticulando, esbracejando...
Uma senhora atendeu o seu móvel e...
- ...
- Olha, e a "qu´horas é que vais vir" me buscar?
-...
- Hãããã? E já "vais ir"? (dito depressa como nós falamos soa a: va zir)
- ...
- iste tá demorando . Ela (referindo-se à médica) ainda só atendeu 3 pessoas.
Depois fez o relato da conversa à idosa que estava com ela.
- Olhe, ele "nã vai vir" buscar a gente. É p´ra quando acabar a gente ir "simbora"

Ouvido ou ouvisto?

Ultimamente tenho "ouvisto" (como alguns madeirense dizem em vez de ouvido) muita coisa acerca de amas que cuidam de crianças em casa.
Colocar fita-cola na boca da criança para não fazer barulho é de mais. Amarrar também.
Não sei o que faria se tivesse conhecimento duma situação destas.

LPDCECDA

Hoje festa de anos da Pulguinha achei de dar uma limpeza a fundo :aspirar, varrer e foi nesta situação de varredora que as Pulgas ajudaram-me. Ora como estava a dizer, de vassoura empunho e pá para recolher o lixo que ia amontoando, dou pelas meninas a ajudar a espalhá-lo. Muito sorrateiras estavam agachadas e sopravam como quem sopra os velas dos bolos de aniversário. Deve ser treino para a noite, mas aqui a avó é que achou estranho que o lixo não se mantivessem unido.
Cada uma levou uma vergastada com fio de luz e agora estão a assoprar os vergões que ficaram nas pernas. E se continuarem a chorar e a gritar pela mãe levam mais uma saraivada de "pancume".

(Ei, e não venha Liga Protectora Das Crianças Em Casa Da Avó que este relato não é verídico, mas podia ter sido)

quinta-feira, 11 de março de 2010

Tudo por amor!

O que não faz um homem por amor?
O homem faz tanta coisa por amor ...a uma mulher...a uma criança...a uma namorada...a uma amante...a um/a filho/a.
E a um clube? Também faz . Por amor a um clube sai do Porto, conduz até Lisboa...só para o ver.
É assim o amor do meu bisalho pelo SLB

De manhã começa o dia

Verdade. Como já referi a minha filha foi trabalhar e eu acordo cedo a pensar neles.
Depois de uma noite quase em claro (passei pelas brasas pouco tempo) acordo e vejo no relógio 7:17. Por momentos esqueci-me de que estou aposentada, retrocedi um ano e vejo-me a levantar para ir trabalhar, mas depressa com a velocidade de um raio como se ele me caísse na cabeça, refaço os pensamentos e digo para mim:"mulher, tás reformada. Para onde vais?
Olho o número digo: "capicua". (pensamentos de trabalho esquecidos)
Imagino a vida na casa dos Pulguedo´s.
Acorda, veste duas, dá mama a um, arranja pequeno almoço, veste-se, controla birras, sempre olhando para o relógio.
A rotina instalou-se hoje e deve ter sido complicado.

Adoro, mas adoro mesmo esta frase!

..."Já liguei tantas vezes para ti e não atendes"

A minha prima ligou-me ainda há pouco para saber da tia. "A vizinha da tia já te ligou tantas vezes para saber da tia e não atendes".
Aceitei a crítica e vou ao telemóvel e ...

"Nenhuma chamada não atendida"
Vou ao fixo..idem...
Mas que coisa!
Apetece-me ligar e "rezondar-ela". Que grandessíssima mentirosa! Vai-lhe cair os dentes todos de tanto mentir.

Ontem...

...Foi dia de jantar na casa dos Pulguedo´s. Foram os avós a bi a tia-avó e a madrinha.
O jantar estava delicioso! (Aquele meu genro tem umas mãos de fada!)
O pior foi o cafezinho que ele me ofereceu.
C´um caneco! Não preguei olho durante a noite.
Contei carneiros até mil. Não resultou. Resolvi contar de trás para a frente:1000...999...998...997.... Os carneiros já estavam amontoados à espera para eu os contar. E contei..996...995...e continuava... 994...993...Não resultou.

Rezei a ver se me dava o sono. Rezava mas ao mesmo tempo pensava noutras situações. Nada de nada.
Cantei, não foi desta. Pensamentos tontos assolaram ao meu subconsciente.
Ao meu lado uma música suave a acompanhar a insónia.
Mas que raio de café foi esse?

Ao fim de algum tempo em casa a mãe regressa ao trabalho

Depois de 9 meses em casa a mãe Pulguedo regressa ao trabalho, ficando a avó a fazer voluntariado. Sim, eu faço voluntariado. Cuido do Pulguito de livre e espontânea vontade.
Hoje foi o primeiro de muitos dias em que o rapaz ficará comigo.
Ao dar-lhe a papa sentei-o no meu colo em vez de na cadeira. Como é a primeira vez quero agraciá-lo e mimá-lo para se sentir confortável.
Mas, a cada colherada de papa que eu metia na sua boca, virava cabeça e mirava-me.
Estávamos em sintonia de olhar, pois eu também olhava para ele.

Obrigada...

... A todos os que deixaram mensagem de Parabéns. Em nome da Pulguinha e da família agradeço. Aproveito para convidá-los para a festa que vai realizar-se no próximo sábado.
Serão bem vindos os que vierem com a barriga cheia e oferta debaixo do braço.

Todos têm menos eu

Dois amigos conversavam.
Dizia um.
- Sabes, na minha aldeia todas as pessoas são conhecidas não pelos nomes, mas pelos apelidos (alcunhas). É a filha do "Cabeças", o marido da "Baixinha", o irmão do "Fura-Bolos", a prima do Zé do "Gabão", o filho do "Trinca-Espinhas". Até eu sou conhecido pelo "Patudo"...
- Engraçado! Também na minha aldeia todos têm apelido menos o meu tio - o Cambado.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Preciso de um advogado

O meu descontentamento transformou-se num processo em tribunal.
Vou processar o tempo. Vou colocá-lo na barra do tribunal. Vou desmascará-lo na presença de toda a gente. Vou acusá-lo de: falso, enganoso, traidor, fingido, simulado e outros.
Ontem fez-me olhinhos bonitos. Fez-me crer que ia mudar. Prometeu sol e deu chuva. Fez-me viver na ilusão de que tudo ia ser diferente. Mas hoje voltou ao que era dantes.
Não posso viver assim com esta incerteza de que vai melhorar. Não posso acreditar que tudo irá ser diferente.
Tempo, és um grande mentiroso.
Preciso de um advogado para dar início ao processo.
Preciso de testemunhas que corroborem o que digo.

Dois anos. JÁ?

Esta cara laroca faz hoje dois anos.

Pequenina, robusta, alegre, reconchuda e sempre com um sorriso na cara.

Além de espertalhona, doce, meiga. Ninguém te supera a falar.
Pulguinha, muitos parabéns.

terça-feira, 9 de março de 2010

Depois...

...De velhas é que minha tia e minha sogra dedicam-se à leitura. A minha tia lê as histórias de Sophia de Mello Breyner Andersen e da Disney (que eram da mãe das Pulgas). Minha sogra lê romances da Jodi Picoult e do Nicholas Sparks.
Uma acabou de ler: "Dumbo". A outra: "As palavras que nunca te direi".

Rás...pira. De tanto saltar...

Linda tarde. As Pulgas chegaram da escola. Não querem passear nem andar de carro. Na padaria depois do gelado (partilhado a meias) começa a mais velha.
- Vamos. Vamos para casa.
- Já queres ir para casa? -admirada, perguntei.
- Para a casa da avó - diz quase a se engasgar com um naco de pão.
Em casa, na rua, saltam. E pulam.
- Avó. Avó. Já tou a rás...pirar.
E estava.
Mas também como não havia de estar depois de tanto saltar?

Sim...

...Li todos os comentários/ideias que me deixaram/deram sobre os pés frios à noite. Juro que experimentei todas as maneiras que me aconselharam. Não, não levei o Fuscas (gato) para a cama. Ele bem pediu, mas expliquei-lhe que não podia ser por que larga pêlo. Ele concordou e miou de consentimento.
Mas a solução foi deitar-me esticadinha, bem esticadinha, quieta, sem mexer e...colocar mais um peso (cobertor) em cima de mim.
Deitei-me sobre o lado direito e acordei sobre o mesmo lado. Não me mexi durante a noite.
Afinal era falta de peso!

A conspiração da aranha

Este filme é essencialmente para quem adora filmes de assassinos psicopatas.
Já o vi várias vezes e embora sabendo o principio o meio e o final, fico grudada ao ecran por uma simples razão: Morgan Freeman.

Depois...

...Da tragédia que se abateu sobre a Madeira noto as pessoas mais desorganizadas e indisciplinadas ao andarem pelo Funchal. Julgo que a falta de sinalização luminosa e a as passadeiras que perderam a cor contribuem para que isto esteja a acontecer.
Ainda hoje notei muitas pessoas (incluindo turistas) a se aventurarem a passar sem cuidado de um lado para o outro da rua.
Julgam que por terem sobrevivido à catástrofe estão imunizados contra todos os riscos?

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia da Mãe ou da Mulher? Não importa. É pá mãe na mesma

Fui buscar a Pulga à escola (uma tarefa que adoro fazer). Assim que cheguei a senhora educadora ofereceu-me uma rosa feita em papel.
Mas a Pulga disse logo que era para mãe.
- Para a mãe? Porquê? Porque não pode ser para mim?
- Porque hoje é o dia da mãe.
E automaticamente tirou-me. Levou-a sempre até ficar com a mão borrada de verde (do papel crepe).
E nem a queria deixar no carro enquanto ia ao ballet. Deve ter pensado que eu ia tirar, esconder ou usar...
Esta pequena não tem confiança em mim...

E sai um...

Enquanto a Pulga estava na actividade extra curricular eu e o meu senhor aproveitámos para andar pela cidade (do Funchal) a ver os estragos. E perto do Mercado, uma das zonas mais afectadas, o cheiro era tão intenso que fiquei inebriada. Era demais para mim!
Quando mais me aproximava mais entrava pelas narinas!
Não podia evitar de respirar. Quanto mais inspirava mais entrava aquele odor.
Estava a ficar mal-disposta!
Por isso, sentei-me na esplanada e...
Pedi um Brisol e uma sandes de carne de vinho e alhos.
E pronto o odor entrou pelo estômago e acomodou-se.
E o desejo desapareceu com o vento assim como o cheiro.
E... soube-me.
(E se me lembrar dela ainda me sabe e bem!)

domingo, 7 de março de 2010

Para os pés frios...

Fuscas. AVOGI
...Nada melhor que um gato para os aquecer.
E cá está.
O Fuscas. Uma bola de pêlo, simpático e quente.
Qual aquecedor, qual botija. Vivo e a duas cores ( preto no pêlo, verde nos olhos).
Fuscas. AVOGI

Festival da canção

É com esta canção que vamos ganhar?
"Há dias assim".
Lá dizia jovem que a cantou com a voz embargada, ao saber que tinha ganho o festival. Depois dos "amo-te pai", "amo-te mãe" a voz nem saiu.

Problema resolvido

Ainda há dias escrevi que a minha tia-velha quando desliga um interruptor da luz, liga o outro que está junto.
Pois bem, acabou-se o facto de ter de ir todas as vezes de seguida atrás dela apagar a luz que havia deixado acesa.
Coloquei fita-cola num. Estético não está, mas assim não tenho de controlar as entradas e saídas dela da casa de banho.

Pés frios à noite

Quando chego à cama tenho sempre os pés frios. Frios é pouco, gelados é o termo certo. Não há como para aquecê-los calçar umas meias. Mas assim que aquecem, retiro-as dos pés. Não sei porquê, mas não consigo dormir toda a noite com elas calçadas.
Mas ontem foi excepção. De manhã ao acordar ainda as tinha calçadas. Nada de anormal não fosse o facto de acordar toda esticada a prumo, de barriga para o ar e os dedos entrelaçados no regaço.
Só abri os olhos.
E logo que pressenti que estava nesta posição lembrei-me dos mortos. Que coisa parva para se lembrar num domingo de manhã. Mas é certo, lembrei-me que os mortos é que vão de meias e com as mãos exactamente como eu as tinha.
Um pulo pela cama fora. Antes que... ela - a Morte se lembrasse que eu já estava em posição de ir.

sábado, 6 de março de 2010

Então...

...Não é que eu falei e afinal tenho uma quinta virtual? "Quem fala, paga" e eu paguei e bem caro a ofensa de ouvir dizer:" Afinal aquele post da fazenda virtual, falou e também tem?
- Quem tem? Eu? Não sei...Não tenho não.-Digo com cara de estúpida, arregalando os olhos.
- Tem tem. Uma fazenda e um café.
- O quê? Uma fazenda e um café? Deves estar enganado! Eu não tenho nada disso.
E continuava o pai Pulguedo a dizer a mesma coisa: que tinha uma fazenda e um café e .. blá blá blá.

E que lhe apeteceu desmascarar-me... (ria-se e ficava vermelho como um pimento. Ele fica corado quando fala comigo. Deve ser medo, muito medo. Ou vergonha. Deixa-me rir...)
- Impossível! -Digo eu com a certeza daquilo que dizia.
- Deve ter aceite algum pedido da quinta e de um café e por isso tem.
E deve ter sido. Como aquilo é tudo em inglês; eu aceitei e bimba, paguei por falar demais.
Afinal está abandonado. E vai continuar assim...
Olarilha

Alguém...

...Abriu a torneira da constipação à minha Pulguinha?
É que desde ontem desde que veio da escola só deita água... em ranho e lágrimas.
Ainda há pouco estava deitada de lado (a brincar note-se) tão distraída que o "monco" tinha já 5 cm a prumo, escorrendo pelo nariz em direcção ao chão.
Só se ouve.
- xujo. - E lá vem ela com o nariz esticado para limpar. Dá meia volta e regressa à base para nova limpeza.
Nunca vi tanta água a sair do nariz! Quase que não dá tempo a brincar! Tem o nariz que faz inveja aos palhaços de tão vermelho...natural.
De verdade que já começa a ficar com o nariz assado.

"Hoje..

...Vai ser um grande dia".
Frase repetida vezes sem conta pela Pulga desde manhã.
Já lhe perguntei porquê, mas responde" porque eu gosto".

Dormi duas vezes

Ontem as Pulgas foram para a cama uma antes da outra que as duas ao mesmo tempo há brigas. Ambas querem ficar ao meu lado. E miminhos. E eu a meio não dá jeito. Tenho receio que alguma possa cair.
Então ontem a estratégia foi diferente.
Vou com uma para a cama. A mais nova. (A Pulga ficou satisfeita pois podia brincar mais um bocadinho).
Dormi com ela. Acordei em sobressalto a pensar na outra.
Levo a mais velha. Agarra-se a mim. Quase que me afoga. Mete os pés (gelados) nas minha pernas."Para aquecer " diz ela.
Pega logo no sono. Perdida que já estava.
Mas logo de manhã antes das 9 horas já estavam com a genica toda. Ainda convenci a Pulga a ficar mais um pouco, mas a frase repetia-se.
- Já são horas de acordar? Avó, vamos acordar.
Como se estivesse a dormir... a peste.
Quem estava a dormir era...eu.

E pra mim não há nada?

Quando nos levantámos pedi à Pulga para não falar alto pois a irmã tinha ficado a dormir.
Na cozinha faço os cereais e coloco os desenhos animados.
Não tardou muito. Olho para a porta a abrir-se e rapidamente entra a Pulguinha já de sapatos na mão.
- Cereais. Cereais.
Olha para a mesa e vê torradas.
- Torradas com doce. Torradas com doce.
Deve ter sido o cheiro da torradeira que a despertou e acelerou a vontade que tem de comer.
E....dormir? Quem?
A tia-velha e o avô sim dormiam, mas por pouco tempo que as Pulgas querem é retoiça.
Nesta casa não há quem durma num sábado de manhã.
Benditas Pulgas . Só vocês para me porem a pé tão cedo.

De modo que...

A minha filha diz-me que as Pulgas dormem sempre durante a tarde quando estão em casa. Acredito. Não podia duvidar. O problema é que quando estão na minha casa não dormem.
Ainda há pouco fui para cama com as duas. A Pulga decidiu não usar a nana."Vou experimentar disse ela. Fechou os olhos; diria que por cinco minutos enquanto a outra saltava em cima da cama, mexia nas gavetas, calçava os sapatos (que eu havia tirado). E começou com: "Táááááááá´. Começou de mansinho. Continuou: "Táaáááááá´. Como não lhe dávamos atenção (eu fingia dormir) Veio para o meu ouvido e: "Táááááááááááá, bem dentro do meu pobre ouvido já em estado ofe . Não me contive e ri.
A Pulga aproveitou para dizer que "já dormi um bocadinho."
A Pulguinha aproveitou, calçou os sapatos e em debandada pela porta fora deu de frosques.
E... estamos a brincar que "na casa da avó não se dorme". Mas deviam.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Amanhã que dia é?

Uma conversa entre Pulgas.
A Pulga perguntava à Pulguinha que dia é amanhã. Como a irmã não respondeu, pergunta à outra Pulga (a de 85 anos).
Minha tia olha para mim...
-Domingo...?
- ...
-Segunda...?
- ...
-Terça...?
- ...
-Quarta...?
- ...
-Quinta...?
- ...
-Sexta...?
- ... (de cada vez eu abanava a cabeça em sinal de negação!)
- Sábado...?
Quando referiu sábado eu concordei.
Olhou para a Pulga e diz.
- Olha, amanhã é sábado.- Com a satisfação de ter respondido acertadamente à pergunta.

A quem está entregue o país?

O Presidente da República está em Barcelona.
O Primeiro Ministro em Moçambique.
A quem está entregue o país?
Ou está em modo de piloto automático?

Mas será possível?

Uma manhã de sol. Linda! "Vou pôr os tapetes na rua".
Pensado e feito. "Hum, parece que vai pingar!"- digo, olhando para o céu.
"Não. Com este sol, não pinga não. Vou mas é pôr também a roupa no estendal. Aproveitar os seus raios quentes e o vento"!

Não pinga não? Não foram pingas, nem gotas. Foram bátegas. Foi uma chuvada valente.
E agora além da roupa molhada tenho os tapetes.
Mas será possível?

Olho de repente para a rua através da janela. Faz sol e parou a chuva.
Será possível que o tempo esteja a gozar comigo?
Deixa-me a roupa molhada e ...sorri!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Pensamento meu: farmevilhe

É por esta hora da noite que toda a gente está a cuidar das vacas, das galinhas, dos bisalhos, das hortaliças e frutos na sua quinta virtual. E eu digo para os meus botões: isso não se faz durante o dia?

Olha, ouvi dizer...

...Que também se briga virtualmente? Pensei que só se mandava prás urtigas de cara a cara, afinal o blogue serve para mandar bitaites. E que bitaites!
Seguindo as regras de educação, as pessoas ao brigarem umas com as outras devem evitar que haja quorum. Neste caso a zanga estende-se, com direito a caixa de comentários.
Como diria o diácono Remédios: "não havia nexexidade."

Holter

"O Holter é o registo continuo de 24 horas do electrocardiograma, durante a actividade diária normal. Destina-se a detectar anomalias intermitentes e a correlacionar os seus sintomas com eventuais alterações do electrocardiograma".
A minha tia foi hoje colocar um. Quando foi feita a marcação perguntei se era pago este exame. A funcionária da clínica disse que não.
Mas hoje...
- São 20 euros.
- Como? - perguntei. - Então quando marquei disseram que não era pago.
- Ah, a minha colega deve te pensado que queria pagar no acto da marcação. Por isso disse que não. Mas é.
Há realmente situações que me deixam indignada. Não é por pagar 20 euros que se é necessário fazer há que pagar, mas por não haver unanimidade na resposta.
E depois é ver taparem o rabinho umas das outras. (Coisa que não existe na classe a que pertenço: a docência).

Qual é coisa qual é ela?

Coisas softs que disseram, mas foi pior que isso. Qual lama (Noris) e espelho partido (Fatyly)! Qual bosta pisada (Observador)! Qual pés sujos (Mina)! Foi mesmo merdice da grossa como disse a Sandra! E a filha deste senhor que o conhece bem acertou num ponto (ou porque lhe cheirou ou lhe disseram que cheirava)!
Depois do meu palácio (como diz o Observador) limpo vai daí o meu senhor resolveu....resolveu...pintar um roupeiro que está desde o século passado para pintar.
Mas o problema não foi só pintar até porque eu adoro o cheiro da tinta, petróleo, gasolina (sou estúpida já sei, devem estar a franzir o nariz e a inspirar o cheiro da gasolina etc, mas eu gosto e o meu bisalho também) o pior veio depois, quando acabou de pintar e passou uma lixa para ficar macio. Macia não fiquei (não senhora nem não senhor); fiquei áspera como a lixa. Conseguem imaginar a nuvem de poeirinha? Eu consigo imaginar e ver...ainda!

quarta-feira, 3 de março de 2010

Tenho tido muito trabalho

A minha tia vê-me aqui no PC , mas claro não atinge que é puro entretenimento. Então ainda há pouco me dizia.
- Vais trabalhar mais?
Eu respondi que sim. E continuei sentada. Ela a meu lado.
- Tens tido muito trabalho! - Disse com cara de pena por mim devido ao excesso de trabalho.
"Ai titia! Tanto, mas tanto que tu nem imaginas a trabalheira que me dá estar aqui a ....trabalhar!

Qual é coisa qual é ela...

...Cai no chão e fica amarela. Amarela? Vermelha. Vermelha foi como fiquei, mas de zanga. Vou pôr-lhe o nariz à Benfica (piada madeirense).
Ando sem empregada doméstica há alguns tempos. Aliás a empregada sou eu e economizo uns trocos. Na segunda feira dei uma limpeza a fundo na casa depois de ter vindo de férias.
Ficou num "brinquinho". Casa limpa a brilhar. Nem precisei de espelho para me ver!
E agora a adivinha: Sabem o que o meu senhor fez?
Aceito respostas.

Olha, ouvi dizer...

...Que o tempo volta a piorar na sexta-feira.
"sexta feira voltará a ser um dia bastante complicado". Chuva forte irá marcar presença na Madeira e no continente.

(In Público)

Desliga um liga outro

Na parede da entrada da casa de banho há uma tomada com dois interruptores que se referem às luzes do tecto e do lava mãos.
Minha tia entra liga um só interruptor.
À saída desliga esse e liga o outro.
E lá vou eu ...eu ...eu ...a caminho de ... interruptor para desligar.

Um passito pa delante um passito pa trás

A minha tia faz tudo com calma assim como a idade e a saúde o permitem.
Mas tem o hábito de não fechar portas nem apagar luzes nem...outras coisas mais.
Estava sentada na sala e de lá observo que saiu da casa de banho e não fechou a porta. Dirige-se para mim...
- Feche a porta- digo-lhe.
- Hã? - E continua a andar na minha direcção.
- Feche a porta - digo mais alto.
- Hã? - E continua a andar...
Mais perto de mim...mais distante da porta.
- Não fechou a porta da casa de banho.- E já está à minha frente.
Direita-volver-voltar atrás para fechar a porta.

terça-feira, 2 de março de 2010

Para bom entendedor...

Serra d´Água. AVOGI
...Uma imagem basta...(para pensar...)
Serra D´Água-Madeira vista do Miradouro do Espigão.

Foto tirada pelo  meu bisalho. Na imagem: Avogi, me senhor e a minha filha no Verão de 2006.)

Por acaso..

...Alguém conhece o tempo?
Se alguém conhece o tempo diga que já é tempo de mudar de tempo que este tempo já teve o seu tempo.

Porque...

...É que os polícias colocam a mão na cabeça da pessoa que estão a meter no carro quando é detida?
É prática comum em todos os filmes.
É por terem as mãos algemadas?
Na realidade também é assim?

segunda-feira, 1 de março de 2010

Pensamento meu: Creme nívea

Tenho de saber o número de telefone ou de telemóvel do João Simão da Silva.
É que ele é mais velho que eu dez anos e tem a pele melhor que a minha. Mas que pele acetinada! E disse-me uma amiga cá do rural que ele só usa creme nívea.
 E dá-lhe aquele aspecto...sedoso...brilhante?
Tenho de saber o que usa...

A minha homenagem singela ao meu rural- Madeira

AVOGI
Flores para a ilha das flores.
Pérola do Atlântico como é chamada.
Que voltem a florir as árvores do meu rural.

Eu já me ri, agora riam (s.f.f..)

Um pastor apascentava as suas ovelhas. Era uma figura da cidade. Todos os turistas adoravam vê-lo. Um dia uma rapariga antes de lhe tirar a fotografia meteu conversa com ele. Ele que geralmente não respondia nesse dia respondeu às perguntas.
- O senhor é pastor?
-Sim. E a menina o que é?
- Eu sou lésbica. Só penso em mulheres. Deito-me a pensar em mulheres, acordo a pensar em mulheres e todo o dia só penso em mulheres e em dormir com mulheres.
No dia seguinte uma nova excursão passou por ele. Uma rapariga fez-lhe a tradicional pergunta.
- O senhor é pastor?
- Olhe menina toda a minha vida pensei que sim, mas ontem descobri que sou lésbica.