Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 24 de julho de 2011

A tia-velha está melhor

Fui falar com a médica para me inteirar da situação da tia-velha. Ela disse-me estas palavras: "a sua tia entrou aqui no hospital para morrer, com uma infecção muito grave. Posso dizer-lhe que ela deu um pontapé na Morte". Também comunicou-me que teve alta. Ainda lhe disse que devido a não comer ao vir para casa ficaria sub-nutrida e desidratada. A médica responde-me que quando/ou se isso  acontecer volta a trazê-la ao que eu respondi: "Mas ela já está cá! Para que vou levá-la e trazê-la?"
A alta foi dada, e segundo a médica, "por ter mostrado vontade em ir para casa". E se ela mostrasse vontade em ir para o Brasil? A tia-velha que nem sabe onde está. 

Nesse mesmo momento em que teve alta, eu passei-lhe a baixa. Sim, que ao ver a tia-velha constatei que estava igual. Ou seja, não vi melhoras. A médica tinha suspendido toda a medicação, o oxigénio, o soro, o antibiótico porque: "estava boa para regressar ao seio familiar". Até me ri da situação. Ela que não comia, não engolia as pastilhas; que cuspia a pouca a comida que lhe metíamos na boca, que vomitava quando se insistia para comer (tudo dado pela minha mão ou pela mão das enfermeiras), que estava debilitada sem forças nem para se mexer, que era necessário imobilizada para tratamento, que estava dependente para tudo... De manhã foi suspendido o soro, de tarde foi reposto mandado por outro médico devido a recusar-se a comer e a não conseguir engolir a medicação.

Por isso, fica no hospital até eu ver que apresenta melhoras. Neste momento faz número na lista das altas problemáticas.
Teve alta na quarta feira passada e continua lá, até não ter os pés e pernas inchados,até ter autonomia; porque entendo que deve sair melhor do que quando entrou e não igual ou pior.

Fotografia: tia-velha pela mão do mê bisalho

21 comentários:

  1. É impressionante a falta de bom senso de alguns médicos. É o querer despachar a toda a força... Beijinhos e melhoras.

    ResponderEliminar
  2. Fazes bem! As pessoas não são apenas um registo numa cama de hospital! Devem ter alta se estiverem em condições de estar em casa com alguma qualidade de vida!
    Continuação das melhoras! :)**

    ResponderEliminar
  3. É mesmo... afinal as pessoas devem sair dos hospitais melhor do que quando chegaram, para isso é que há toda uma equipa médica e de enfermeiros a trabalhar lá!

    ResponderEliminar
  4. Querida Avogi, infelizmente está na ordem do dia, "despacharem-se" as pessoas idosas, o mais rápido possível. Perto de mim (sentimentalmente), está a decorrer um caso idêntico. Considero de uma grande desumanidade, tratarem-se as pessoas de idade como um encargo ao estado, logo há que fazer com que os familiares se desenvencilhem.
    Fico a pensar como será quando chegar a nossa altura em que iremos perfazer 50%, da população total...
    Coragem, amiga!

    ResponderEliminar
  5. Nem sei que diga, mas é mesmo assim que funciona o serviço de sáúde. Está na moda o ambulatório nem nas cirurgias despacham antes das 24h da anestesia. Até as amputações dois idosos que foram amputados às pernas tiveram alta no dia seguinte, os familiares tem de ter cursos de enfermagem. Enfim..
    As melhoras da tia velha...
    bjinhos

    ResponderEliminar
  6. Estás mais do que certa!

    Tomara que, ao final, dê tudo certo, pois essa situação é muito complicada!

    Tenho certeza que queres o melhor para ela, e, ao visto, no momento, o melhor é que ela continue mesmo internada.

    Que a semana te corra mais leve!

    Beijinhos,

    Cid@

    ResponderEliminar
  7. E fizeste tu muito bem e não fiques com remorsos.

    É por estas e por outras que quando oiço a dizerem "que os velhos são abandonados nos hospitais" retiro sempre 90% dos números que apresentam por serem casos como os da tua tia. Ela ainda te tem a ti que podes estar sempre ao lado dela, mas e quem trabalha e tem filhos pequenos...como é? e tu terás arcaboiço para aguentares dia e noite?

    Força amiga e coragem!

    ResponderEliminar
  8. E tens carradas de razão!
    Tem mesmo que se bater o pé...
    Agora, com este economicismo, até da saúde fazem negócio!!

    ResponderEliminar
  9. É indicritível a falta de sensibilidade destes médicos. É por estas que sinto vergonha do sistema português. Fez muito bem em não levar a tia para casa. Se eu há uns anos atrás tivesse levado a minha mãe, ela hoje de certeza que não estava viva.
    Bj** e boa sorte.

    ResponderEliminar
  10. fez-me tanto lembrar a minha avo.. do lar para o hospital, do hospital para o lar.
    mas ela ainda tinha alg autonomia (e cabeça!), e às tantas estava no lar e queria ir p o hospital, estava no hospital já estava farta e queria ir para o lar.
    coitadita.

    só não percebi como é que conseguiste que lá ficasse para a tarde e que depois fosse vista pelo outro medico que repor a medicação, soro, etc? chegaste a leva-la, não?

    ResponderEliminar
  11. LOUCURA
    ela teve alta na quarta feira de manhã. a enfermeira telefonou-me a comunicar a decisão da médica.
    Eu recusei-me a trazê-la para casa e comuniquei à equipa de enfermagem (que tb não concordavam com a decisão da medica).

    como ela não comia os níveis da glicemia baixaram até 45(e ela é diabética, imagina!)chamaram o médico. Eu ria-me com a situação e só perguntava: e se a tivesse trazido para casa?
    A médica nao deve ter gostado da decisão do médico (ainda por cima é novo e a doutora é das velhas)e das palavras da enfermeira que justificavam que a doente nao estava em condições físicas e mentais para ter alta e, reforçou que mantinha a alta. eu disse que nao levava a minha tia naquelas condições.
    A enfermeira pediu-me, e como a medica retirou a medicação, para que eu levasse os medicamentos de casa para o hospital. então está a tia a tomar as pastilhas, não as do hospital, mas as de casa as que tomava antes de se hospitalizada.
    não é caricato? e continua lá e fiz ver à senhora enfermeira aliás às senhoras enfermeiras que não me recuso a trazê-la para casa, (aliás estava aos meus cuidados e estará assim que vier) mas SÓ quando estiver em condições físicas.

    ontem tinha as pernas e pés inchados e segundo a enfermeira pode ser a parte renal. ora se está no hospital que lhe façam exames para descobrirem o foco que culmina com o inchamento das pernas.

    Tb disse que não é um favor nem o serviço é de borla uma vez que a minha tia sempre descontou para a segurança social, por isso estes serviços já foram pagos durante uma vida em que fez os descontos.
    por tanto é assim continua lá até melhorar.
    Todos as tardes estou no hospital e dou-lhe o lanche e o jantar só venho para casa com a certeza de que comeu o suficiente para uma refeição e tomou a medicação estipulado pelo médico de família( uma vez que os medicamentos não são facultados pelo hospital).

    Obrigada pela vossa preocupação e palavras de apoio
    Grata por isso
    sou, com a mais elevada consideração e estima
    Giselda ou somente Gi
    kis :=(

    ResponderEliminar
  12. Avogi nem sabe o quanto me custa saber que ela não está melhor. Essa médica devia levar uns bons socos para ver se abre a pestana, afinal dá alta a uma paciente que está igual ou pior do que quando lá entrou? onde já se viu isto!!!
    Felizmente a Tia Velha tem-na a si. Que se preocupa com ela, e não larga ali ao abandono total.
    Desejo sinceramente que ela melhore e que possa voltar ao aconchego do lar.
    Beijo enorme para si e para ela.

    Ps: Obrigada pelos parabéns, por ter tirado um bocadinho do seu tempo que agora é escasso para me visitar. Obrigada do fundo do coração.

    ResponderEliminar
  13. Muito bem AvoGi.
    Se não fazemos finca pé enrolam-nos à grande.
    Um abraço e as melhoras da tia.
    Kao.

    ResponderEliminar
  14. Olá Avogi.
    A história da sua tia, faz-me lembrar a do meu avô. No domingo passado foi internado no hospital de Beja, onde me disseram que estava em fase terminal. É verdade que o meu avo esta muito doente, mas dai a dizerem-me que durava apenas algumas horas... Afinal tinha uma infeção respiratória, fez tratamento e hoje ja teve alta do hospital. Eu sei que ele não esta curado, pois ja tem 80 anos, tem Alzeimer, e cada vez vai estando pior. Peço desculpa pelo desabafo, mas a situação é parecida.
    Um beijinho e as melhoras a sua tia
    Ana Isabel

    ResponderEliminar
  15. infelizmente, alguns medico pensam mais nas despesas do que nos doentes

    as melhoras para ela

    Bjinhos
    paula

    ResponderEliminar
  16. bem... que loucura! vale-lhe tê-la a si, para lutar por ela, qd ela não pode...que bênção. força Gi,
    boa sorte e as melhoras para a tia

    ResponderEliminar
  17. Vou te ensinar uma reza: Senhor, livra-me dos dentistas, que dos médicos eu dou um jeito.
    São um mal necessário, mas cá entre nós, deles quero a maior distância.
    Continue firme e arranje uma ajudante quando ela for pra casa. Vê lá se não acabas estressada!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  18. Concordo plenamente contigo, acho que deviam dar alta quando está considerável e significativamente melhor; de qualquer forma ainda bem que está a melhorar.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  19. Afinal , a tia velha está num hospital? E tem como assistente uma veterinária? Mas isso é inadmissível! Lamento profundamente, mas se fosse comigo teria posto a boca no trombone.
    Não há dinheiro para um hospital, mas há para as farras do AJJ e para dar ao futebol.
    Ah mundo cruel!!!
    Votos de melhoras para a tua tia.
    Para ti e o avô Jorge , bj& Ab de F&J

    ResponderEliminar
  20. Era para morrer e não morre, enquanto morre em casa, liberta uma cama. Está a ver a linha de pensamento dessa médica? Os nossos hospitais são do terceiro-mundo. Uma vergonha!

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...