Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sábado, 30 de junho de 2012

30 - Uma palavra que defina o Verão

  
Calor.
Seja do sol ou da amizade. É tão importante. Talvez o que falta na vida seja cultivar boas amizades e sentir o seu calor.

Fotografia: Da minha casa vejo ao sol e sinto o seu calor.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Tenho a a agenda tão cheia

Queredo! Parece que sou assim uma socialaite, é que não chega para as encomendas quanto mais para as ofertas.
Tenho um overbuquingue (inglês). A agenda está tão cheia que rebenta e derrama.

Espetada em pau de louro com bolo do caco e sangria, aí pelas cinco da tarde. Chicharros às oito (e querem que eu vá às sete, mas como?) da noite que é como quem diz, jantar em casa de amigos.
O pior, o pior é mesmo não saber se consigo fazer a digestão da espetada antes da chicharrada!
É esse o meu dilema!
Depois perguntem-me como me ressinto das ancas; é  que combater estas calorias dá cabo do canastro!

29 - Uma paisagem de Verão

Poderia aqui colocar uma fotografia da baía do Funchalpois não me canso de olhar e, cada dia há  uma nova descoberta, uma cor, um tom, uma árvore florida, um barco na Pontinha...
Mas, todos os dias a vejo, pudera, vivo em frente ao mar. Faz parte de mim, da minha vivência, torna-se familiar. 
Mas ao escolher de entre tantas do meu/nosso espólio pessoal, os meus olhos concentram-se no pôr-do-sol. E Porto. 
Por isso, paisagem linda é sem dúvida o entardecer do dia. Não existe dois entardeceres iguais.
O sol tem esse fascínio, esse poder. Sou uma amante assumida do crepúsculo.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

É estranho, aliás um contra-senso

Oh, caramba, feriados que se tiram aos portugueses, transformando em dias úteis para desenvolver e aumentar a produção, correcto? Toda a malta ficou aborrecida, e com razão, pela usurpação de dias que eram de lazer.
E o que me dizem das aulas já terem terminado para alunos de 1º e 2º ciclos?
Atão não é de pequeno que se aprende a trabalhar? Que se aprende a produzir?
Que vão fazer já estes alunos? E quem não tem uma avó com disponibilidade para ficar com os netos? E pais sem possibilidades para os incluírem em actividades extra-escola?
Não deveriam estar na escola até 29 deste mês? E em Julho a escola não deveria oferecer actividades para os alunos?
Sinceramente, não entendo. Por isso tanta interrogação!

28 - Uma sombra de Verão

Uma sombra de verão é sem sombra de dúvida, o meu chapéu ou melhor os meus chapéus. De aba curta, média e larga andam atrelados, colados a mim nas férias; quer seja para proteger a cabeça ou tão somente para enfeitar, dos  mil e quinhentos chapéus (mais ou menos), boinas com pala ou sem pala, palhinhas, panamás, bonés; são os de palha os meus  preferidos. Basta um adereço, um apontamento igual à roupa, ao colar (outro adereço que me acompanha) e vualá um outefite (inglês) de verão.
E parafraseando Vasco Santana: chapéus há muitos...por aqui.

Fotografia: uma mixórdia de chapéus, hats, sombreros, capellos, chapeaus... ande só one (inglês)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Um acrescento...

...Só para dizer que hoje para jantar e somos quinze, a ementa é tão, mas tão sui generis.
Imaginam o que possa ser?
Bem, como não têm tempo para adivinhações, eu digo, mas esperem, deixem-me já começar a saborear a vitória.
Nada melhor que ver um jogo ibérico a comer Paella. 

E este calor?

A culpa é dos nuestros hermanos. De Lanzarote. A névoa que paira acima das nossas cabeças, o vento quente. Ainda há pouco, ali pelas quatro da tarde, no painel marcava 32 graus.
Eu desfaleço e de "rebendita" sento-me e não faço nada. Nada, era isso, nada, AvoGi. Mas porque não posso nadar?
Por que entonces tengo gente a cenar. E ver Portugal a ganar el partido de fútbol. 
Portugal olé 
Portugal, olé

27 - Os meus óculos de sol

Comprados nas feiras por conseguinte dois pelo preço de um; nada de óculos de marca (embora já tivesse uns Police lindos de morrer e graduados, e era um tira e põe óculos em cima do nariz porque uso óculos graduados para enxergar melhor, atão prefiro gastar e investir nesses), por isso os da feira é que são bons, para mim, claro. E até que sou "poipada" e...desleixada também, e sento-me em cima deles e dou às Pulgas para brincarem e esqueço-me em qualquer sítio e abro as hastes e  nunca sei onde os largo e os deixo e...tantas razões para justificar o meu desmazelo. 
Grandes, assim como os da saudosa Amália Rodrigues. 
E, prontes, hoje vai a minha faceira escarrapachada aqui.

Tão bom viver numa ilha!

Se é! Viver na Madeira é assim como viver no paraíso. É o que dizem por aí, e eu não sou rapariga de  contrariar. Mas isto vem a propósito de algo que ia dizer e já me esqueci, a ver se retomo o pensamento.
Ah pois, já retomei. O problema é que, para arranjar passagens mais em conta (não quer dizer baratas que barato não há) para o Natal...Natal, leram bem, é necessário despachar agora, isto é, seis meses antes, e mesmo assim já abrasam, tal a careza.
Quem o diz é o mê bisalho que já marcou, e pagou (que as companhias não fiam) as viagens para o fim do ano na Madeira.
 "Pague agora e viaje seis meses depois" ou "Pague as férias de Inverno sem ainda ter gozado as de Verão" podia ser o slogan para férias na Madeira.

terça-feira, 26 de junho de 2012

E perdeu no exame!

Ora bolas, eu não disse que o jipinho estava doentito, tadito? Foi ao médico e foi operado ao coração; levou uma válvula, mais uns parafusos, e foi à inspecção pelas  mãos do médico-cirurgião.

Chumbou. Chumbou e querem saber a razão? 
Motor? Cá nada! Faróis? Também não.
Frio, muito frio. Mais uma ajudinha. Como? Travões? Nãn, ele trava bem.
Mas primeiro, cheguem-se aqui mais para a frente e preparem-se; antes, vão fazer chichi, podem se mijar de rir (desculpem a forma brejeira); vão lá, eu espero, eu avisei, vão rir.
Já chegaram? Atão agora vai: o jipe chumbou na inspecção porque...
Porque... não tinha os bancos de trás colocados. 

E toca a escarrar mais uns euritos, sim, ca gente tem-se bué de dinheiro nesta altura, para nova inspecção.

Fotografia: O lindão do jipinho conduzido pelo Bisalho e a co-piloto o pai das Pulgas

26 - Um outfit (detesto este nome) de Verão

Prefiro dizer: o meu vestuário/a minha roupa de verão.
Prontes, sou complicada, eu sei, mas é defeito de fabrico, não há nada a fazer. Se embirro com estes termos? Sim, verdade, se há termos em português, uai note?  Eu sei, também adquiri o hábito de contestar e dar a minha opinião mesmo que não me peçam. 

Mas vamos à alínea de hoje: um otefite (inglês) de Verão. Acrescento de piscina, férias fora da ilha; não ando assim nem saio de casa neste molde para ir à praia aqui.  
Mas de férias nem que seja no Porto Santo (com aquela areia fina a entrar nos buracos todos) vale tudo e este é o modelo mais prático para férias de hotel que subentende-se piscina. Um pareo, ou dois ou três.

Fotografia: Porto Santo, Tenerife e  Los Hervideros (Lanzarote)

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Apanhei um susto de morte

Mê senhor chama-me e assim que oiço o meu nome, como esposa submissa deixo logo (daí a um bom bocado depois de acabar) o que estava a fazer e vou assim a modos que cansada para ele pensar e constatar que estava a trabalhar no duro (no PC) e interrompeu-me; e diz-me que o nosso gato amarelo estava a morrer no cimo do terraço.
Aqui sim, subo como uma louca, não sem antes praguejar o vizinho que tem por lema deitar veneno para matar os ratos mas que dá resultado também para os gatos, e mesmo descalça subo, ao mesmo tempo que o mê senhor vai fazendo o relatório da cena, que já tinha abanado o gato, feito cócegas e chamado e...nada.
Vejo-o ao longe e estava prostrado no chão : olhos fechados quase sem respirar. Novamente o "mê maride" faz-lhe brincadeiras. Nada.
De repente...
O estapilha dum raio do gato levanta-se e vai pregar para outra freguesia. Com tranquilidade (e não é Paulinho da Benta).
Afinal era preguiça, sono ou moleza, mas mesmo com 34 graus e abafado como o inferno, não é para menos.

Bandeira do Vaticano?

MÊ Dês, ao ponto que chega a informação!
Bandeira do Vaticano? Ainda estou a rir e não consigo tirar este smailhe (inglês com madeirense) da cara.
Oh, senhora, prego, vá mazé estudar e se documentar antes de dizer asneiras. Atão o Vaticano ia marcar presença num concerto da Madonna? Madona mia!

Olha lá, eu cá por mim até que gostava de viver naquela bota (leia-se Itália) como dizem que vivo, atão, daqui para a frente vai avançar postes em italiano, capito? Arrivederci.  
Não sou eu que digo, é uma repórter da RTP. Vejam aqui o video

25 - No Verão, da minha janela vejo

Mas de qual janela, senhoras do staff, promotoras deste desafio? É que tenho janelas em toda a casa!
Fiquei tão indecisa que pus-me a fotografar a vista de todas elaou de quase todas; e o que vejo eu mais perto que o mar e mais perto que a rua? 
Flores. Aliás, não é só no Verão, pois tenho flores toda a roda do ano.

Mas neste momento vejo as belas buganvilias, da janela dos quartos de dormir; da janela da cozinha vejo a vinha-virgem e as petúnias; de outra janela vejo, além de novelos (ou hortenses) e malvas (ou sardinheiras), um lindo cacto que dá a flor branca, mais linda, mais pura mas, só sobrevive uma noite.
Portantos, flores e mais flores. 

(E como alguém há dias dizia, e eu concordo, buganvilias lembra férias. Atão, estou eu de férias todo o ano, pois tenho sempre esta beleza no jardim).

domingo, 24 de junho de 2012

O vinho branco faz mal à cabeça?

Ouvi dizer (e como não pesquisei não sei se é verdade ou não), que o vinho branco provoca danos cerebrais?
Sabia que, além de deturpar as ideias, fazer com que se faça figuras parvas, emocionar-se, chorar ou rir em demasia, despir-se, cantar, enfim, um manancial de atitudes, faz mal ao cérebro. Quem bebe vinho branco fica, além de bêbeda, tonta, parva, pouco inteligente e com danos cerebrais? 

Há bem pouco tempo sei quem molhava o dedinho dos filhos ainda jovens no copo de vinho, e que passava o dedo nos lábios deles enquanto bebés para dar um gostinho; oquei, se querem, continuem, mas no vinho tinto nunca no branco, sim?
Será que há mais adeptos do vinho branco do que do tinto?

24 - Uma fruta de Verão

Bêberas. Ou figos, como quiserem.
Esta figueira, tão jovem (tem apenas um ano) e sabendo ela que adoro figos, presenteou-me com um.
E todos os dias lhe peço para aguentar a gravidez até ao fim. E espero, desespero até ao dia em que posso arregoar "ei beiças" com ele. E este fruto vai saber-me como uma chuva de estrelas.

sábado, 23 de junho de 2012

De Sexta a Domingo...

...É difícil subir as escadas sem esbarrar nas bonecas, que são as filhas das Pulgas, por conseguinte, minhas bisnetas. Depois, as escadas simbolizam um autocarro e por isso há o motorista e as passageiras que sentadas atendem o telemóvel enquanto não chegam à praia de Machico com os seus filhos para passar o dia. E como é um autocarro tenho de ter cuidado ao passar que ele pode atropelar.
Esse, como está em andamento, tenho de esperar que pare num semáforo para subir (as escadas); até lá, fico estacada no início das "passadas" à espera.

Depois, se entro no salão (como é chamado o espaço onde os brinquedos nascem do chão, sem ninguém plantar) tenho de pedir licença a cada pé pois há um mar de carros, carrinhos, camiões, catrapilhas, tudo (espalhado) no parque de estacionamento.
Além de que os carros estão avariados à espera do mestre que entretanto dá de malho ou martelo, mas pelo som deve ser malho, num carro avariado.

Antes de subirem, de vez, é tudo jogado, literalmente, para dento dos baús para novamente voltarem a sair à rua para tirar o mofo da noite.

23 - Um som de Verão

Podia referir o ressonar do mê senhor mas como é um som que me acompanha em todas estações não vou referir (embora no Verão, não sei porquê, parece mais intenso, mais forte). Mas mesmo assim, ainda prefiro este ao dos grilos; é que este mal começa, tungas, sai uma cotovelada e parou...por pouco tempo, ao passo que o dos grilos....

Mas, som bom, é o dos maxilares e dos dentes a bater ao comer a bela da ceia de São João daqui a pouco, à noite. Esse som inconfundível da mastigação da massaroca entre os dentes. E depois, o "escascar" o feijão com o lamber desde o punho até à ponta dos dedos. As pimpinelas, batata-doce e semilhas tudo cozido com casca...ai, Mês Dês, que sabor! E  acabar com uma graveta de cerejas...
Ai Ceia, espero um ano por ti e vou atestar a "mula" até rebentar!

Fotografias: atum sal-presado e feijão com casca, dois ingredientes da Ceia.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

E um jantarinho...

...Que se previa a dois, aumentou para cinco, depois passou a sete, logo de seguida a nove, adicionou-se um (que não vinha e apareceu), mais cinco (família Pulguedo que por ser dia de semana não compareciam, mas as Pulgas que viram mesa posta e decoração não paravam e pedir para vir) e ficou quinze, antes de começar o jogo passou a dezassete.

Jantar que era só para ser lasanha com saladas (verde e de beterraba) e salada de fruta para sobremesa, foi-lhe adicionado Frango feito à moda da Guia, bolo de requeijão com chocolate e pudim de maracujá, tudo trazido por quem veio.

Assim que terminou o jogo saíram cinco (família Pulguedo), mais quatro (uma criança tinha prova de matemática), depois duas (senhoras), um casal, porque todos trabalhavam e ficaram quatro - três reformados e um trabalhador (que ainda por cima tinha vigilância de exame de matemática, mas por ser da casa teve de gemer e arrumar tudo antes de repoisar).
E assim foi-se cama pelas duas da manhã, cantando calados.

Cristiano Ronaldo - o melhor

Atão? Já estão convencidos?
De quê? Ora essa! De que o Cristiano Ronaldo é o melhor.
O melhor que a ilha produziu. O melhor que sobrepõe-se a outros melhores. E é a salvação da selecção.
"Júnior pai te ama" lia-se na camisola.

Não precisas de dizer para a câmara, quando marcas um golo, que és bom, Ronaldo. Porque és. És o melhor do mundo. Mas tens de afirmar, eu sei, há sempre quem não goste e tens uma necessidade de afirmação impressionante. Queres que todos gostem de ti; mas há quem teime em não acreditar. E a não gostar.
Se ganhas muito? Sim, acho até imoral. Mas tens mérito e isso vale ouro. Tens uma vida de luxo? Atão queriam que vivesses ainda no bairro pobre de Sto António? Queriam que tu andasses a pé e semi-nu?Tomara eu que o meu bisalho desse pontapés na bola como tu!  

Quando te vejo comovo-me, caramba, eu fico com a lágrima no olho e apetece-me saltar ao teu pescoço, pendurar-me e dar-te aquele beijo, de agradecimento, por tudo o que fazes pela tua família. Por nunca te esqueceres das tuas raízes e por teres melhorado a vida de todos eles.
E por isto considero-te o melhor do mundo.
Arrogância? Não. Trabalho, empenho e muito suor.
 



22 - Um cheiro de Verão

O Verão é uma estação repleta de cheiros, odores, aromas. E esta é propícia para um cheiro se destacar, intenso e forte. Que entra pela narinas adentro e fica no ar quando passa uma aragem. O cheiro de cebola frita debaixo dos braços, ou seja mau cheiro na sovaqueria. (Irra, detesto mesmo). Este, também é um cheiro de Verão.
Depois... 
Há os bons e agradáveis que o verão nos dá, há imensos de que gosto. Destaco o aroma do bronzeador no corpo. Do cloro das piscinas. Mas não me posso esquecer do cheiro dos churrascos na serra debaixo dos pinheiros e do peixe frito na praia; e este sim, gosto do cheiro e sabor da cebola frita.

Fotografia: Tenerife. Avó e Pulga.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

A pergunta que se impõe no dia de hoje

- Onde vais ver o jogo?
Cá eu vou ver em casa que tenho gente para jantar.
A mesa está enfeitada, a casa limpa e cheirosa, agora só falta adiantar o jantar que as entradas estão já confeccionadas.
E bai de uei (inglês) - Onde vais ver o jogo?

21 - Uma coisa que vi neste dia de Verão

A verdade verdadeira é que ainda não vi nada pois à hora em que este poste vai para o ar ainda estou a dormir. 
Mas espero, aliás, é o meu maior desejo, ver hoje ao acordar, neste (primeiro) dia de Verão, o dedo grande do pé virado para o céu e a mexer, sinal de que estou viva. Que acordo viva.   
Para poder dizer à boca cheia que: "Uma coisa que vi neste dia de Verão...foi o dedo do pé a mexer."

É hoje é hoje

21 de Junho é o 172º dia do ano no calendário gregoriano (173º em anos bissextos). Faltam 193 para acabar o ano.
É o dia do solstício de Junho, quando começa o Verão no hemisfério Norte e o Inverno no hemisfério Sul. Portanto, é o dia mais longo e a noite mais curta no hemisfério Norte e o dia mais curto e a noite mais longa no hemisfério Sul.

Afinal já começou? É que com esta chuva e nevoeiro... nem parece!
Pedrocas, amigo, vê lá, agora não despejes água cá para baixo, sim?

Gentilmente cedido (copiado) daqui.

Fotografia: Não me canso de dizer que é lá, neste sítio, que já presenciei os mais belos entardeceres. Porto, meu Porto.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

E aqui...

...Na Madeira parece inverno. Chuva e nevoeiro, pelo menos aqui e agora no meu espaço circundante; alternando com sol mas depois lá o senhor São Pedro descarrega o autoclismo e zás, chuvada.
Pelo menos hoje não tenho de regar as plantas. Hoje, foi o dia dele, de São Pedro.

Ouvido de raspão

Alberto João Jardim está desaparecido.
Uóte? Albert Johnny Garden disapiare? uene? Rialii? (inglês)

Não acreditei na nota de rodapé do jornal da Uma. E fiquei ali sentadita, tadita, à espera de ver. E não vi nada! Afinal o que ia ver se o raio do hôme desapareceu?
Mas a sério, alguém sabe do que se trata? É que estou aqui (ia dizer que estou aqui tão perto!), mas ele pode não estar. Quiçá, Bruxelas?

Aqui a notícia 

20 - As minhas leituras de Verão


Estou a meio (isto está a andar pouco) do livro: "A Rainha Branca" e no início do: "Toque de Midas" (prontes, já sabia que iam abrir a boca de admiração! Eu leio dois ao mesmo tempo, e não, não confundo as  personagens, A razão de ler dois? Tenho sempre um no WC e outro anda comigo)
Mas lá para a frente, ou seja, em Julho, vai avançar um livro muito querido e estimado por mim, por ter sido ofertado por um leitor, um anónimo (também há os bons e os delicados) que mandou pelo correio. Hã? E esta? Fiquei assim a modos que contente; nunca tive um livro autografado pelo autor. Um escritor português, amigo deste humilde casebre.
Obrigada, Ludgero Santos ou Pássaro Viajeiro, estou muito, mesmo muito agradecida. Fiquei sensibilizada.

Aqui: O perfume da savana podem saber mais sobre esta obra e já agora, boas leituras.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Eu e o blogger ou o blogger e eu

Atão não é que tive de mudar o modelo? O anterior não me deixava escrever sem ser a sombreado. Caramba, pah! 
Eh, pah, olha eu a falar continental! Prontes, era só isto. 

E se vos disser...

...Que hoje de manhã choveu!? Admirados? Incrédulos? Temperatura de bradar aos céus, quente, abafada que nem fogo, e chuva a cair do céu, aos trambolhões. Mas onde já se viu a um dia ou dois do início do Verão e a chuva a marcar presença. Será para não nos esquecermos dela? Que ela existe?

Chuva, filha, vai mazé pó quinto dos infernos ou para o Brasil, sempre é mais perto, aproveita vai de  férias para o Pantanal e deixa-me com sol, sim? Podes?
Irra, nunca vi coisa mais mal-amada!

19 - Um dia de Verão no campo

 Um dia em que se reúne uma mão-cheia de amigos com motas, moto4, jipes e pela serra dentro resolvem desbravar a terra.

"Do vale à montanha e do mar à serra teu povo humilde, estóico e valente.."
Assim começa o Hino da Região Autónoma da Madeira, e quisemos honrar cada palavra dele. Por assim dizer, este povo humilde, estóico e valente, ou seja nós, de cesta com mantimentos se partiu fazendo jus à letra do hino.
Acrescento que não só se anda pela terra como também pela água da ribeira e caminhos poeirentos ou de cabras como se usa dizer.
E eu que sou daqui, portanto madeirense, rendo-me à beleza desta ilha e aos seus micro-climas que faz com que numa freguesia apresente-se com sol radioso e noutra com inverno invernoso.

Fotografia: O jipe branco ou "jipinho" como calorosamente é chamado pela família está doentito, tadito, mas vai melhorar.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Festival do Atlântico

Sábado à noite fomos em embalagem familiar à cidade ver o Festival do Atlântico .
Ontem, Domingo, a Pulga - a artista da família que sai ao seu avô no que toca às artes, fez logo o registo do que viu.
Não é para me gabar, até porque tem sido gabada aqui, outros já disseram maravilhas da artista, mas este tem vários pontos a observar; entre eles, o muro que corta o corpo e a parte de trás das cabeças, bem como os cabelos. A mãe com pontas mais compridas aos lados, a avó de cabelos compridos, o avô de caracóis. O Gu-Gu, eu e o pai cabelos louros, os outros de cabelo preto.

(Até o seu avô que é crítico neste capítulo não parava de admirar a obra feita por esta "gasguita". E tomara a muitos alunos ter este olho clínico e reproduzir tão objectivamente o que presenciam como esta miúda de apenas seis anos.)

Há uma linha que separa...

...O Cristiano Ronaldo dos outros jogadores da selecção. Não é bem uma linha é mais um oceano. O Atlântico.
 Parabéns pequeno pobre de Santo António.

18 - Amores de Verão

 Quem nunca teve um amor de Verão que levante o dedo, o indicador, por favor.
Atão de que está à espera? Um romance intenso, arrebatador, quem não? Nem sabe o que perdeu! Corra, vá, ainda está a tempo de encetar a procura uma vez que o Verão a sério, ainda não começou. Vale a pena, só digo isto. Um amor que não seja esquecido no Outono. Que dure e perdure.

Porque é que não se consegue esquecer? Até dizem que "não há amor (de Verão) como o primeiro", eu concordo. Fica guardado e, Verão após Verão está ali, a moer a recordar, volta sempre por esta altura a lembrança, e o desejo de encetar um novo amor é quase certo.
O meu (primeiro) amor de verão, aquele a que me refiro, deixou-me enfeitiçada, embeiçada; ainda hoje, passados anos, recordo-o. Ele deixou-me com um amargo de boca e baixinho, pedia: "Que nunca acabe". Mas acabou. Ao fim de uma semana, acabou. Depois dele tive outros, não sou rapariga de um só; mas não tão quente, tão bom, tão memorável como ele, jamé (francês)!
Por muito anos que viva, por outros amores que tenha será sempre catalogado como o amor de verão.
Nunca o esquecerei: "O meu primeiro e inesquecível...cruzeiro".

Fotografias: 1ª) Malta e Vaticano (este passeio de carruagem custou caro, mas foi uma delícia).2ª) A bordo do Barco em Villefranche e Capri.

domingo, 17 de junho de 2012

Patriota é...

...Logo pela manhã estar de tronco nu com o cachecol de Portugal ao pescoço e uma "mamada" no corpo, além da "cangueira" nas pernas, tal era...Não se aguentava de pé. Um dos meus vizinhos daqueles que nada fazem...de útil. Por-tu-gal, Por-tu-gal.

Mamada=bebedeira
cangueira=fraqueza

17 - As melhores férias de Verão?

Bem, para mim não há melhores, todas são boas, pois são férias e são de Verão, a conjugação perfeita.
Mas as melhores das melhores, portanto, a selecção, a escolha, recai sobre as que são passadas com a família. E já temos algumas.

Umas férias que começaram no Porto, passando por Roma, Florença até Veneza, de carrinha, pois éramos mais de sete; e daí para a frente em cruzeiro até às ilhas gregas (Corfu, Creta, Mikonos) Atenas, Split - Croácia  e regresso a Veneza. E Porto. Foi...foi assim a modos que um oásis num deserto.

No ano seguinte repetimos a dose mas desta feita de auto-caravana. Saída do Porto,  sul de Espanha, sul de França e Itália. Regresso novamente pelo sul. Em Barcelona estancámos por uns dias.
Lindo lindo lindo.
Seja de barco, de avião, de gôndola, de vaporetto, de auto-caravana, ou tão somente a pé estar em família é o melhor.

Fotografia: Canal du Midi em Toulouse. Praça de São Marcos, gôndola e vaporetto - Veneza



sábado, 16 de junho de 2012

16 -O meu fato de banho, biquini, tanquini, tanga e etc...etc...

 Prontes, eu sei que estavam à espera de uma mulher de vestido comprido ou toda tapada assim a modos que com uma burka devido à idade, mas não; e pese embora o meu digníssimo pneu barrigal, vulgo, pneu Michelin, ainda visto um biquini. Tanquini (só quando estive de esperanças), e tanga ...bem, ainda tenho um palmo de cara. Não é para mim, mas há tão bons e bonitos biquinis (de gola alta) para mulheres com mais de 50 anos e com uma barriguinha, da idade já se sabe, que a comida não engorda! Nem o sedentarismo. Nem a falta de exercício físico.

Fotografia: Piscina do hotel em Tenerife.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Dos blogues, das intrigas, das ofensas

Quando alguém não tem qualquer poder sobre a sua vida, assume o controlo sobre as maiores insignificâncias e, fica obcecado com a vida dos outros ao ponto de não poder deixar de a vigiar. A sua tarefa é, ou passa a ser, a de tomar a vida - a dos outros, como sua. 
Com pulso de ferro andam pelos blogues a deitar veneno, a derreter insinuações. Sentem prazer em esmigalhar. Por conhecerem a escrita, por acharem que isto por si só já é conhecer a pessoa comentam com frases insinuosas, pérfidas, a atear a fogueira com petróleo e ficam a vê-la a arder. E voltam, voltam para ver as cinzas dessa fogueira espalhadas. E esperam. São os chamados sem vida própria, usurpadores, são os por aqui, no meu rural, nós chamamos de "bilhardeiras* (bisbilhoteiras) de "relaxadas" (devassas) e  "rebenditeiras" (vingativas).
Ter o controlo, o poder da escrita maldizente é como sentir que tem a vida dos outros na mão, por não poder controlar a sua, ou tão somente, porque a sua é miserável; tão miserável que é melhor viver a bisbilhotar a dos outros.

15 - A minha toalha de praia

Na praia de areia eu busco sempre um calhau. Será tendência? Será feitio? Será para estar sempre atenta ao meio envolvente?
Não há nada como uma bela duma piscina. A toalha é tão somente um adereço. Somente para sacudir a areia do corpo que, irra, cola-se como grude. Calhau ou piscina, sempre. Que limpeza!


Fotografia: Na praia de El Caleton Blanco Lanzarote.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Sei-te de cor

Adoro adoro adoro adoro e podia continuar  a escrever e a dizer adoro.
A letra, a voz. Este homem ainda tem uma bela duma voz e sabem, adoro quando ele diz: lhouco.
"Eilha" aqui

E agora não paro de cantar. E ainda há pouco, poucochinho dancei com as Pulgas (as mais velhas). E cantei, sim, que sei (-te) de cor.

14 - A praia do meu Verão

Não sou esquisita neste capítulo, mas a escolher, escolho sempre qualquer uma que não tenha areia.

Sou mulher de piscina, se possível de água tépida que sou friorenta comó caneco; embora haja uma praia que gosto, particularmente, mas se vos disser que não me meto na água, acreditam?
Gosto da envolvência da praia, do shandy, da caipinha, dos "dentinhos" de polvo de cebolada, da companhia, da conversa; gosto de estar em calhau seco a olhar o mar, as ondas, as pessoas, de ouvir as conversas dos adolescentes, das interferências, das misturas de ruído próprio da praia. Sim, mas seca como um calhau.
Piscina sempre, tanto em casa como em um qualquer hotel.

Fotografia: Avó e Pulga em Tenerife, ilhas Canárias.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Eu tenho um amigo que me ama

...Que me ama que me ama
É um amigo que me ama
É um amigo que me ama
é um amigo que me ama
seu nome é...

Todo o dia tenho cantado entre dentes esta cantiga da catequese.
Dedico-a a uma grande amiga, anónima, sem perfil, que me chateia todos os dias com comentários basicamente ofensivos a mim, à minha família (incluindo as Pulgas), e a outros bloggers. Vá, agora em conjunto afinar as vozes e... "vamilhá"

Nós temos um amigo que nos ama
nos temos um amigo que nos ama

E agora de mim para ti
Tu tens um amigo que te ama que te ama...

Digam já rápido

Vocês também enxugam as mãos na roupa que trazem vestida quando estão na cozinha, a cozinhar?
Mas que feitio eu tenho! Acabo de lavar as mãos e mesmo que as passe pela toalha, é instintivo, vou logo às ilhargas e limpo na roupa. Bem que tento melhorar mas já são muitos anos assim; é difícil mudar agora.
Mas digam lá não quero ficar com a consciência pesada por ser a única.

13- O que mais gosto de comer no Verão

Hummmm, difícil escolher e seleccionar uma só comida. A razão da dúvida? Só pode ser porque como de tudo, poça, sou mesmo comilona, caramba, e quando me pedem para escolher um prato, o que mais gosto de comer no Verão fico assim a modos que parada a pensar no que vou escolher. Sinceramente gosto de tudo.
Já se fosse o que não gosto de comer no Verão (nem em nenhuma estação do ano) não hesitaria em dizer: caracóis ou lesmas. Belhac, isso não entra nesta boca, não.
Mas de repente lembrei que sou uma mestra em saladas frias. Sim, é isso, claro! Saladas, escolho saladas. Frias, se possível. Com frutos à mistura.

Fotografia: Saladas feitas por mim, no ano passado para festa de anos do mê bisalho. Agosto 2011

terça-feira, 12 de junho de 2012

É desta, é desta que vou emagrecer

Tenho uma afta na língua, ponto assente. E como tenho a dita no sítio que já disse, dificulta-me a entrada da comida na boca e posterior mastigação. Ora, isto está a doer e muito. De cada vez que como, dói. E choro, choro não por doer, mas, por não poder comer.
Isto anda mau por estes lados, primeiro foi um terçolho agora a afta. O que mais me vai acontecer?
Olho, boca, hummm, cá para mim alguém quer-me de olhos e boca fechada. Duvido que consigam.

E agora eu sou a culpada!

Cheguei ao blogue da Melancia por sinal tem um titulo sui generis: "Ancas largas, pernas gordas" e até arregalei os olhos com este título "A culpa é da AvoGi". Ai jesus, o que fiz eu?
Arregalo os olhos. Comecei a tremer; e com este tempo quente até pensei que estava com frio. Mas não. Era medo. Medo da culpa. E aqui publicamente assumo o veredicto de culpada.
Sou culpada por teres comprado quatro pares de sapatos? Só assumo a culpa por um.
Chiça, Melancia! Manda o recibo que logo se vê.

12 -Noites de Verão

Verão é sinónimo de luar; noites grandes, noites de lua cheia, noites quentes em que apetece a estar à beira-mar olhando o céu.

Fotografia: A Ribeira Brava desde o Lugar de Baixo, Ponta do Sol. 24 Julho 2010.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

E sai uma dose de lapas

Prontes, táqui a dose de lapas que pediram. E digo mais, nem me lembrei que neste dia do entardecer na  praia da Ponta do Sol: "Tardes de Verão" também houve uma dose de camarão (até rima). Como me pude esquecer de algo tão bom? (Bate na cabeça Avogi, tás esquecida!)

IRS

Mas será que só existo eu aqui em Portugal? Se somos 10 555 853 de portugueses por que raio eu sou chamada todos os anos para mostrar a tralhada dos papeis do IRS? E este ano o bisalho também foi. Senhores das Finanças, por favor, esqueçam o meu nome, esqueçam o apelido e vão atrás de outros.
Shite. Quem não deve não teme mas fica-se com o coração aos pulos dentro do peito.

11 - Tardes de Verão

Por mim, e não sou nada exigente, passava todas as tardes de Verão assim: perna estendida ao sol, depois de te ingerido uma dose de lapas e bebido um shandy (ou panachê). E como digo não exijo nada; oferecem-me e eu aceito de boa-vontade. Mas há coisa maiboa que estar ólebaimaiselve (inglês) na praia?
Não é para todos, ter uma praia só para si. E de areia encaroçada. Quando toda a gente sai, eu chego.

Fotografia: Praia da Ponta do Sol, Julho de 2011

Sobrinho-velho

O meu sobrinho-velho faz hoje 47 anos. Depois de ter passado por um longo período de doença (aquela maldita que não larga a minha família); não é que se cura de um, aparece outro mais agressivo? Mas agora felizmente vai poder festejar os seus anos em casa.
Parabéns meu sobrinho-velho. Cada vez mais velho, tu e eu.

Foi o primeiro neto da minha mãe que me fez tia com apenas 9 anos. E eu que não gostava dele por me tirar o protagonismo! É que, as minhas irmãs diziam: "agora, tu passaste à história." Quando elas me diziam isto, eu ia à lua e vinha, daí a bocado  Não gostava nada.
E depois, ao crescer, vingou-se de tudo o que lhe fiz dando-me pontapés com aquelas malditas botas ortopédicas!

domingo, 10 de junho de 2012

Olho à Camões

Tenho um terçolho ou terçol, terçó, terçogo, hordeólo no olho esquerdo. Que melhor maneira de lembrar Camões. Só que ele tinha o olho direito fechado. Eu tenho o esquerdo. Por isso, que melhor maneira de lembrar este dia de Camões de Portugal e das Comunidades.

10 - Manhãs de Verão

Ainda o sol não se espreguiçou e o galo da vizinha não cantou, já as Pulgas madrugadoras como são, começam a  brincar. Aliás acho que não dormem só a pensar na brincadeira.
Atão a avó levanta-se do calor da cama que por ser verão até apetece não estar deitada, e na rua, senta-se a ver as Pulgas a pedalar, a correr, a montar tendas para as suas brincadeiras enquanto desfolha o livro que lê no momento; sempre com um olho nas Pulgas outro no livro e se mais houvesse, certamente, estaria em acção
E hoje falo na terceira pessoa, não sei a razão, mas prontes.

sábado, 9 de junho de 2012

Havia eu de dar esta resposta à minha avó...

...E a colher de mexer o milho desancava nei beiças.

Na hora do almoço peço às Pulgas que se mantenham sossegadas para registar o momento numa fotografia. Almoço na rua, assim a modos que piquenique. Tiro o retrato e digo.
 - É para o pôr no blogue*.
E acrescenta a Pulguinha (a de quatro anos) - Ou no feicebuque.
Hoje em dia esta criançada já nasce com estes termos embutidos.

* a foto é a que acompanha a mensagem do fim de semana.

9 - O meu cabelo de Verão

















Aliás, deixem que vos diga, o cabelo é sempre meu, de Verão, de Inverno; todo o ano, em todas as estações.
Em casa amarrado, para não fugir e quando sai à rua vai solto que nem passarinho, esvoaçante.
Seja solto, amarrado, em rabo de cavalo, com tranças, entrelaçado com lenços, fitas ou bandelete haja cabeço e ideias.
 Posso afirmar que apesar de não me preocupar com ele (só o básico: água, shampoo e carradas de amaciador) tenho um bom cabelo e faço dele o que quero.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Fim de semana, pois então que segredos há muitos

Bem que eu adorava saber destes segredos! O que estarão a combinar? Traquinices? Rebeldias? Brincadeiras?
Não sei, nem imagino; só sei que são cumplicidades entre irmãs. Intransponíveis. Indisfarçáveis.

Bom fim de semana, pois então!

Fotografia: As duas Pulgas mais velhas, de seis e quatro anos, ontem ao almoço, na rua, na azavó (como diz o Gu-Gu).

8 - Festas, arraiais, romarias de Verão



Pois, todos sabemos que é no Verão que acontecem os melhores arraiais, festas, romarias, eventos.
Por cá, no meu rural, há o de São Vicente em pleno Agosto, e geralmente é no dia em que se celebra os anos do mê bisalho.


 Num arraial madeirense há três coisas que não podem faltar: laranjada, bolo do caco e espetada em pau de louro; isto sem falar nos dentinhos* que antecedem a refeição, além  da fartura, o algodão doce (não para mim) os "tramoços" a poncha, o vinho seco a copo, a Coral.
É que, enquanto os homens põem a espetada no braseiro há que dar que fazer aos dentes; só para não criar ferrugem nem habituá-los ao descanso. Estou a falar de dentes qualquer semelhança com os homens é de certeza mal intencionado.

E claro, a maneira mais certa para não sujar a roupa é, certamente, comer assim como o mê bisalho.

*Dentinhos -  algo que acompanha a cerveja, por exemplo: dobrada, jardineira, carne assada, etc (servido em pires).

Fotografias: Ano passado em São Vicente. E, por favor, não se façam finos, sirvam-se.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

O discurso do rei

Sinopse
Desde os 4 anos, George (Colin Firth) é gago. Este é um sério problema para um integrante da realiza britânica, que frequentemente precisa fazer discursos. George procurou diversos médicos, mas nenhum deles trouxe resultados eficazes. Quando sua esposa, Elizabeth (Helena Bonham Carter), o leva até Lionel Logue (Geoffrey Rush), um terapeuta de fala de método pouco convencional, George está desesperançoso. Lionel se coloca de igual para igual com George e atua também como seu psicólogo, de forma a tornar-se seu amigo. Seus exercícios e métodos fazem com que George adquira autoconfiança para cumprir o maior de seus desafios: assumir a coroa, após a abdicação de seu irmão David (Guy Pearce).

Vi e gostei. Disseram-me: "não gostei nada, vi e dormi em todo o filme"; outra pessoa disse-me também que a meio do filme "pescou bodiões" e saiu.
 Arrisquei ver e sabem? Adorei. Tola e sentimental como sou, sempre com a gota no canto do olho até chorei no final. Moi-Même sentada ao meu lado (mas não é que sempre que me sento ela "embuseira"-se também?) olhou de esguelha para mim e entre dentes, resmungou: "esta parva, há-se chorar sempre a ver um filme!" Só depois é que constatei que ela enxugava uma rebelde que teimava em escorrer.

Garapa - sumo de cana de açúcar

Em relação à bebida falada na mensagem anterior - Garapa, deixo aqui as propriedades e valor nutricional da dita. É somente sumo sem álcool, fresco e uma bomba de vitaminas.
Quem nunca teve o prazer de chupar uma cana de  açúcar pode muito bem agora fazê-lo na forma líquida.
Por aqui, no meu rural, era hábito desde criança chupar canas. E roubar, também. Quem nunca chupou cana de açúcar que se acuse.



7 - Bebida de Verão

Mas há bebidas exclusivas de uma estação do ano? Não, para mim não.
Cá está um tema que me é particularmente difícil de escolher.
Tem dias. Depende da ocasião, momento, pessoas, lugar, espaço temporal, estado de espírito, estado de alma.
Sinceramente, estou indecisa em escolher. Cá em casa, nas festas de anos, faz-se muitas ponchas e sangria: de vinho branco, tinto, rosé e de champanhe. A de champanhe... ai, é um néctar, feita pela minha filha, com frutos silvestres, ai, se eu tivesse uma aqui era já.
Mas, há uma bebida que provei há pouco tempo e gostei. Garapa de seu nome. Divinal, próprio dos deuses. Somente cana de açúcar esmagada. Simples ou com gelo uma delicia para matar a sede.

À nossa. Melhor dizendo: "Às nossas" Turista e Scarlet impulsionadoras do desafio.

Fotografia: Garapa. Provado e aprovado em São Vicente, no arraial

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Esta é para ti...

...FATYLY
Obrigada. Tu és única. Uma mulher sensível, sempre atenta, sempre presente.
Obrigada, mulher de branco. É um enorme prazer ter alguém como tu na minha vida. Mesmo sem te conhecer pessoalmente mesmo que os meu lábios não encostem a tua face para o beijo de amizade.
Sabes que sim, sou aquela velha máquina. Obrigada.

Só para registo

Hoje, às 16 horas, em pleno Funchal num mostrador de temperatura, mais precisamente na farmácia Luso -Britânica, acima do Instituto do Vinho, ou melhor, na Rua 5 de Outubro, eu vi com estes olhos que nem a terra os há-de comer, esta temperatura: 31.5º
Prontes, era só para ficar aqui escarrapachado.

Adoro as tardes em que...

...Há lanche.
 Sim, o simples facto de ter os netos, a filha, o genro, aqui na "azavó (casa d´avó como diz o Gu-Gu) a lanchar todas as tardes faz com que elas - as tardes sejam mais preenchidas.
E saber que elas - as Pulgas ficam cá a dormir comigo, literalmente, pois que a cama é quingue saize (inglês) e dá para nós os quatro, ainda tem mais sabor.
O problema é dar a mão a eles; é que só tenho duas. E eles são três.

6 - Calçado de Verão

Podia aqui dizer que eu e a Imelda Marcos partilhamos a mesma tara por sapatos.
Podia aqui colocar os imensos sapatos, sandálias, chinelas que por ali descansam.
Podia também afirmar que não há um Verão em que não compre um ou dois ou até três pares de sapatos e, até já me perguntaram se estava doente, quando num ano estive comedida (e só comprei um parzinho).
Podia aqui referir que sempre que faço férias tenho obrigatoriamente de comprar um par, caramba!
Podia contar que em Palma de Maiorca quase perdia o barco (era viagem de cruzeiro) só porque andei a entrar e sair de sapataria em sapataria à espera do sapato ideal. E sim, comprei.
Podia até acrescentar que na Croácia eu e a projecto-nora agarrámos o mesmo par de sandálias e eram o único par. Ganhei eu.
Podia adicionar que agora são as Pulgas que usam o meu calçado (não me importo nada!)
Podia adir que umas botas (ah, pois nao é verão mas vou dizer à mesma) que usei poucas vezes são as Pulgas que brincam com elas. E estão tão estragadas!
Podia completar que uso todos os meus sapatos e nunca chego a gastá-los.
E para finalizar, podia referenciar que os meus sapatos duram e perduram e guardo-os (ainda tenho sapatos de quando era adolescente). É tão grande o meu amor por eles que não consigo dá-los ou deitar fora
Mas prontes, como podia mencionar até que sou, além de amante do Verão, amante de sapatos e os meus olhos colam-se a eles.
Podia, mas não quero, mostrar todos os meus sapatos.
Podia...

Fotografia: Coisas que gosto: Pôr-do-sol, Verão e sapatos. A bordo do Adventure of the Seas entre Palma de Maiorca e Málaga com os sapatinhos brandeniú (inglês)

terça-feira, 5 de junho de 2012

Perna à Angelina

Mulheres cá da urbe, não se esqueçam quando estiverem em público, perna à Angelina Jolie.
Sabem como é, não sabem? Afastam o vestido para fora, colocam o belo do cabedal à mostra e esperam que haja um paparazi etá feita a pose à Angelina Jolie se não houver um por perto andem sempre com a perna esticada até aparecer, mas nunca, nunca deixem de mostrar o belo do presunto.

Eu já interiorizei, andei a mentalizar-me durante esta noite e vou ao meu roupeiro (ou será closet?) pegar nos vestidos e lascá-los até à cintura, só num lado, claro, assim não só tenho de me lembrar de fazer pose porque a perna, essa, já está ao relento.

5 - Um segredo de Verão

Não, nunca, jamais, em tempo algum e...jamé (francês), eu divulgaria um segredo de Verão. "Uóte rapen ine Samer seteis ine Samer (do original: "What happens in Vegas stays in Vegas")
Um segredo de Verão é para guardar nem que seja até o Outono (atão é melhor esperarem até lá). Eu sou uma danada duma segredeira nem a ferros me arrancam um.

Não te preocupes, Verão, comigo os (teus) segredos estão a salvo, excepto talvez aquele...nã nã nã não vou divulgar, eu jurei que...Segredos guardam-se é por isso que são...segredos.

Fotografia: Segredos entre avoGi e Pulga. Dunas de Corralejo, Fuerteventura - Canárias

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Sugestão precisa-se

Vou começar uma rubrica aqui no blogue para mostrar as milhares de fotografias que tenho ou melhor, que temos, sim, que fotógrafo na verdadeira acepção da palavra é o mê senhor que se levanta, se necessário, às quatro da manhã para captar o nascer do sol. E claro, também é adepto do entardecer.

E esta que hoje está aqui apresentada é a pedido dele que ao ler...(ele lê o blogue, uau! Vou ter mais cuidado quando falar mal dele)...os comentários no post da cor do verão foi logo, às carreiras, buscar mais umas que são tão (ou estão tão) boas como a que coloquei.
E volto a referir que as minhas (nossas) fotos são genuínas isto quer dizer que não são alteradas, somente coloco a marca d´água.

Mas ainda não sei que nome dar à rubrica. Sugestões, há?

fotografia: Albergaria da Serra foto captada pelo mê senhor.

4 - O que não gosto no Verão

Impossível falar daquilo que não gosto pois se assim fosse não seria uma amante do Verão.

Verão! Só a pronuncia do seu nome deixa-me extasiada.
Decididamente, eu gosto de tudo no Verão até das moscas e das lagartixas. E por ele sou até capaz de comer areia. Sim, eu detesto areia (e praias de areia, nem se fala!), mas por ele... e pelas Pulgas também, vá lá, tolero-a. Areia na boca, areia na comida, areia aqui areia ali...

Mas tu, deixas-me morbidamente derretida e deleitada; e até fazes-me esquecer a areia.

Fotografia: Pés da Pulga, avô e avoGI em Fuerteventura, ilha do arquipélago das Canárias.

domingo, 3 de junho de 2012

E só assim para o rapaz chegar até mim

- Avó, olha o que o Gu-Gu fez-me - e a Pulguinha, de quatro anos espevitada como uma cozinheira, mostrava-me uma trilhadela minúscula feita pelo irmão na brincadeira.
Eu olhei e para manter a ordem disse-lhe:
- Vai já chamá-lo e diz-lhe que venha cá que vou-lhe aquecer o pêlo. - E faço com a mão o sinal característico de dar uma palmada.
Ela sai a correr à louca, e julguei que o rapaz não viria quando vejo-os pela janela. Ela à frente ele atrás.
Ao chegar ao meu pé, diz-me baixinho com a mão a tapar a boca, para que ele não ouvisse: eu disse a ele que tu querias dizer-lhe que ele é lindo! E piscou-me o olho. A rir a rir. E ele vinha tão feliz!

Ora esta gasguita mente só para o fazer vir que se lhe dissesse que era para um correlativo ou advertência ele nao viria. Tem espertos na cabeça.

3 - O que não pode faltar no meu Verão

Em absoluto e com toda a certeza que o verão só é verão a sério quando há calor e calor faz-se também com convívio.
Os piqueniques e passeios na serra, os almoços tardios, os churrascos, sim, os churrascos feitos pelo mê senhor (ele é o homem da brasa) tudo servido com uma dose de alegria e diversão.
Com a família e amigos na serra em alegre camaradagem, com Pulgas a saltitar à nossa volta, que mais se pode querer?

Fotografia: No centro, o que melhor fiz: os meus filhos.

sábado, 2 de junho de 2012

2 - O Verão numa cor

Vermelho.
Vermelho sempre.
Do sol poente, do fogo, das brasas da fogueira, do coração. Do calor das tardes solarengas. Vermelho, como só o sol sabe transformar o céu no lusco-fusco do dia.

Fotografia: Entardecer no Porto

Já que não fui ao Rock in Rio...

..Pelo menos vejo em casa sentadinha numa poltrona a meu gosto, pronto, bem sei que não é a mesma coisa, não pulo, não vibro, não esperneio, não arranco cabelos, mas já imaginaram o que me ia sair do bolso só para ir ao Rock in Rio?
E assim ele canta (e encanta) eu como. Uma coisa feita a dois.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Eu não sei, mas cá por mim ...

...Este novo programa do Malato é cá uma parveira. Monótono, e ele fala fala e diz aquelas parvoíces e ri-se e goza, pronto, não gosto dele. Nem do formato.
Olhem, eu ontem vi ao jantar e quase que a cabeça caía dentro do prato. Foi cá um bodeão! Não, não estava a comer bodeão; dei um, ou seja, pesquei, sabendo que em madeirense "pescar bodeões" é o mesmo que pegar no sono ou adormecer. Foi tanto o sono que por pouco não meti o garfo no nariz. Pronto, será por não apreciar o Malato que à partida não vou gostar do concurso?

1 - O Verão da minha infância








Nada melhor começar o desafio, no Dia  Mundial da Criança, falando da infância. E como costumo dizer: eu também fui criança. E adorei sê-lo. E se há coisas que não se apagam na minha memória são as excursões no autocarro da SAM (Sociedade de Automóveis da Madeira) pela ilha.

No primeiro domingo de Agosto era tradição fazer o passeio familiar. Era contratado um acordeonista para animar. Chapéus de papel na cabeça feitos pelo senhor João - o excursionista.

Pela madrugada, pelas cinco horas, reuniamo-nos no largo do Colégio, cestas cheias de comida, sapatos rasos e assim que chegávamos, o senhor João distribuía os chapéus. O autocarro saía pelas sete e, de casa até ao autocarro, íamos a pé.
Assim que a camioneta saía o meu desejo era chegar à primeira paragem (no Monte) para comer uma das sandes de omelete e beber a Laranjada. E era já aqui que enfeitávamos o carro com giesta. Regressávamos pela noite dentro, mas a camioneta levava-nos até à porta de casa.

Fotografia: O grupo de famílias com os chapéus.  A minha avó, mãe tia, tio,irmãos e irmãs e eu.