Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 31 de maio de 2012

A minha cabeça já foi uma boa cabeça, agora só vestígios

 A Pulga de seis anos acaba de fazer um trabalho, como diz ela, e pede-me para fotografar, com o telemóvel, como faço com todos os seus desenhos. Olho e não o vislumbro por perto.
Peço-lhe para me ajudar a procurar. Ela procura de um lado para outro enquanto eu espero sentada.
- Avó procurei na cozinha, na sala, no teu quarto, em toda a casa e não encontrei.
 Pensei, visto que tinha sido uma procura rápida: "andas a me enganar, sua peste, se calhar fizeste como eu, sentaste-te.
E não é que o "esteporado" do telemóvel esteve sentado comigo enquanto a rapariga procurava!? Sempre ali, caladinho, na algibeira da blusa, só quando ele falou é que me apercebi!
Ai Pulga tens que dar o desconto da cabeça boa que já foi já, mas agora já não é e tende a piorar.
Malvada PDI

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Dificl entender com este peso e medida



Eu a Pulga de seis anos falávamos do dia da Criança e disse-lhe que  na minha altura não havia. Acrescentei que também já fui pequenina que fazia as mesmas asneiras que ela faz porque todos nós, adultos, já fomos crianças. E bebés. E reforcei: eu também fui bebé, sabias?
- E como coubeste na barriga da tua mãe?

Pois difícil não é? Com este peso e medida como caberia? Os avós foram crianças ...grandes.

Fotografia: Mais um trabalho (como diz ela) da Pulga de seis anos.

Se respondesse assim à minha avó levava mazera com a pimenta nei beiças

Ao fazer o jantar cai-me um dente de alho ao chão, e como estavam as duas minúsculas Pulgas e baixinhas como são (estão mais perto do chão) pedi à Pulguinha, a atrevida de 4 anos para me dar, aliás ela estava de cócoras.
- Apanha tu se quiseres.
- Olha lá, podes me dar isso, se faz favor!?
- Apanha tu.- E nem mexeu os olhos muito menos as mãos.
- Tá bem! Estou de relações cortadas contigo. Não fales mais comigo. - E como estava olhando para mim, acrescentei - E nem olhes.

Daí a pouco vem ela toda lampeira; aproxima-se, fica ao meu lado. Digo-lhe: - Já te esqueceste que não falo contigo? Por isso nem te aproximes.
- Avóóóó, tu és linda! - E aquele sorriso maroto é que me adoçou o tempero.
Pois, vai-se lá entender esta canalha. Interesseira digo eu! Prontes, e verdadeira.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Quando o prato do dia é placenta

"Uma novidade no mundo científico pode fazer com que você reveja sua educação alimentar: uma pesquisa da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, sugere que ingerir a placenta logo após o nascimento do bebê — algo comumente visto em documentários sobre o mundo animal — pode trazer diversos benefícios à saúde das mães e, até mesmo, dos pais.

Os cientistas responsáveis por esse estudo querem entender melhor os motivos de outras espécies realizarem a placentofagia e como isso traria vantagens aos serem humanos. Entre os possíveis resultados encontrados está que, ao ingerir partes da bolsa que carrega o bebê, a interação entre a mãe e a criança aumentaria.
Além disso, as substâncias presentes na placenta ajudariam a atenuar a dor — tanto em homens quanto em mulheres — e ainda melhorariam o processo de fertilização." Gentilmente roubado daqui

Os animais comem logo a seguir ao parto, mas posso dar a minha opinião: nunca na vida faria isso. E já agora,
vejam como cozinhar.

Normais somos todos

A Pulga, a neta de seis anos, está a estudar as raças humanas. Esta tarde explicava -me através do desenho que acabara de fazer as diferentes raças existentes.
- Este - e apontava para uma figura cujo rosto estava pintado de vermelho - é os índios. Esta - e com o dedo em cima do boneco com a cara amarela - é os chineses; esta - e seguiu com o dedo para a fila de baixo - é  os negros e esta... - com o dedo em cima da boneca cor-de-rosa -... são os normais.

Estas Pulgas!...

Vou eu buscar a Pulga (a mais velha) ao colégio e antes de pôr o pé na rua olho o espelho a fim de obter a prova final, a aprovação. Achei-me bem: calça de ganga, túnica, cinto por cima, lenço à cabeça, em modo de peixeira e : - estou bem, assim? - pergunto a Moi-Même. Em resposta abana com a cabeça como que a dizer: estou mesmo aqui para te aturar!
E vou.

Logo, mas logo que a Pulga me viu, parou. E ainda antes dos preliminares beijos e abraços de olhos abertos, admirada, sem se aproximar de mim, a modos que envergonhada, exclama:
- Avóóóóó, vieste de chinelas!?
Eu até pensei, quando a vi admirada, que tinha um pêlo na cara, ou pintado os lábios até ao nariz, borrado os dentes, ou as cuecas de fora, sei lá, mas não, era tão somente as chinelas de andar em casa. E fi-la passar uma vergonha!  E foi a maneira de toda a gente ver as minhas chinelas.

Fotografia: Eilhas, as chinelas da vergonha.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Mas que raio de coisa é esta?

Hoje ao fazer um comentário num blogue com verificação de palavras (já disse que detesto e por vezes desisto?) que agora ainda é mais difícil por vir assim a modos que Testemunhas de Jeová (sem ofensa, oquei?): de duas a duas, complicadas e chatas.
Ora, lá escrevi e e na verificação sai-me um triângulo equilátero, invertido, ou seja com o vértice virado para baixo.
Andei com os olhos a percorrer todo o teclado, voltei a percorrer, agora com a ajuda do dedo, para não me perder e nada. É que não encontrei o tal triângulo equilátero de bico pó chão. Claro que desisti (e isso chateia-me, sabiam?) e venho aqui perguntar onde se encontra tal coisa? Eu cá nan vi. E digo, no meu teclado não tenho tal coisa. Ou tenho?
Ou é preciso fazer com riscos?

domingo, 27 de maio de 2012

Irra, tenho cá um azar! Será que só a mim...?

O papel higiénico acaba sempre quando sou eu que estou sentada no trono. E só depois de fazer o que ainda não tinha sido feito é que olho para o lado e cadêle? E toca a levantar o rabo para ir buscar o papel, isto se não quiser sair de lá, do trono, sem limpar.... Ou se não quiser rasgar a folha do livro que estou a ler para... enfim, percebem, não?
Mas que azar de shite (inglês).

Minha tia-velha dizia: "quem vai mar prepara-se em terra", mas como não faço no mar, e não estou na terra, é na sanita, esta frase não se aplica. dito.
Bem sei que vai mar...bem, fiquemos por aqui, mas a não esquecer: na próxima olhar antes de ...oraite (inglês), avoGi?

sábado, 26 de maio de 2012

Hoje é Sabado...

...Amanhã é domingo.
 A vida vem em ondas, como o mar...

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Não há nada como o tempo para passar

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Amanhã não gosta de ver ninguém bem
Hoje é que é o dia do presente
O dia é sábado.

Porque hoje é sábado.
Há a perspectiva do domingo
Porque hoje é Sábado

Neste momento há um casamento
Porque hoje é sábado.
Há um divórcio e um violamento
Porque hoje é sábado.
Há um homem rico que se mata
Porque hoje é sábado.
Há um incesto e uma regata
Porque hoje é sábado.
Há um espectáculo de gala
Porque hoje é sábado.
Há uma mulher que apanha e cala
Porque hoje é sábado.
Há um renovar-se de esperanças
Porque hoje é sábado. 
Há um grande aumento no consumo
Porque hoje é sábado.
...

Do grande Vinicius de Moraes: Dia da Criação

Fotografia: Stella Winks by Pulga

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A quem por aqui passa

Desculpem, mas agora que tinha um tempinho livre e queria retribuir as visitas a quem entrou no meu humilde casebre, o blogger, este excomungado, blasfemo, estafermo, xarnota e mais alguns epítetos não me permite fazer visitas. Dá sempre: serviço indisponível. Erro 503 e nem refrescando.
O peste!  Por isso, resta-me aguardar. Olha-me esta agora! Não é quando se pode e se quer é quando ele-o blogger quer.

Fim de semana, pois então!

Desta feita o último de Maio.
por isso penso não estar atrasada para os desejos de bom, esplêndido, fabuloso, radiante porque o próximo já é Junho.
Como passa depressa! Será que o dia continua a ter 24 horas?
Bem, não importa, de qualquer maneira com 24 ou menos tenham um Bom Fim de Semana, pois então! E já sabem: feliz, sim, desmedido e absolutamente feliz. Merecemos, caramba!

Fotografia: Buganvilia do meu quintal, porque há dias alguém dizia, aqui, que não conhecia nesta cor. Levem e coloquem numa jarra.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Depois do murganho...

...A gata trouxe uma pomba para partilhar com as suas crias.
Ai que nojo, belhac, e logo eu que tenho medo de animais mortos.
Tonta, eu sei, devia mazera ter medo dos vivos, mas não, é mesmo dos mortos. Dá-me aquele arrepio quando vejo algum.
E no supermercado? Devem estar a perguntar em voz baixa (é que não ouvi nada). É mesmo. No supermercado não consigo olhar para as galinhas mortas e expostas com o pescoço dependurado e os olhos abertos. Ou semi-cerrados. E os coelhos? Outros que tais! Nem olho! Fujo.
E logo a gata negra, trouxe uma pomba! Uma pomba sem cabeça, com montes de penas, sem debulho, de asas escancaradas...belhac! 
Ao que eu me sujeito só por gostar de felinos!
Temos de ter uma conversa ó gata do estapor!

Eu cá ainda sou do tempo em que se usava cuecas

Quando vejo fotografias de mulheres somente com um vestido no pêlo sem "soutião" e sem cuecas nem sei o que que pense. Quer dizer, saber eu sei, mas não me aventuro a dizer aqui.
Se calhar agora é assim e eu é que sou antiquada; mas nunca na vida sairia à rua sem cuecas.
Elas, as que dispensam essa indumentária, não ficam com a sensação que lhes falta algo?
Eu ficaria. Eu sentir-me-ia nua. Desprotegida.
É como cuecas de fio dental, faz cá um briol nas "cachadas" do rabo! É aquela sensação de ter as ditas metidas pelo cu, com licença, rabo, dentro. Não consigo. Era para andar com a mão atrás a tirar, a tirar as cuecas de lá.
Cuecas, mas de gola alta, sempre. Sem cuecas, jamé. 

quarta-feira, 23 de maio de 2012

E ninguém acertou

Eu pedi para adivinharem o que tinha nascido numa púcara. Não valia dizer laranjeira, minhocas, ervas, espinhos. Atão que mais nasceu ali?

Dois gatinhos. Sim, aquela púcara com uma laranjeira serviu de maternidade. A gata Mimi pariu dois gatinhos lá dentro. O mais engraçado é que nem me apercebi que estava "prenha" (deve ter disfarçado com uma cinta bem apertada).
A Pulguinha é que muito afogueada me disse: "Avó, tem ali um gatinho pequenino! Lindo! E com as  mãos expressava o tamanho do gato; era bem pequenino por isso não podia ser um de cá da casa. Nem daqueles que por aqui andam.
Ela apontava para a púcara. A princípio pensei: Morto. Algum rato morto.E logo o meu medo por eles atacou-me. Mas cheia de coragem (e de olhos fechados), para não dar parte de fraca afastei a laranjeira e vualá (francês, agora) dois gatinhos iguais à mãe: preto e branco.
A gata estava, nesse momento da descoberta, a amamentar os filhotes. Assim que me viu apresentou-mos e logo se deitou, colocando uma pata por cima deles manifestando o seu amor e satisfeita por me mostrar.
Bem que ela andava a rodear as minhas pernas e a se esfregar em mim dias antes! Agora entendo.


terça-feira, 22 de maio de 2012

Só soube agora...

...Que hoje é o dia Mundial do Abraço.
Vá lá, não se retraiam e toca a abraçar que ainda o dia não acabou.
E de mim para ti toma este abraço bem apertado assim daqueles que parece que falta o ar de tão apertado. Cuidado que hoje tenho uma dor no pescoço não me abracem com muita força.
Que maravilha! Vá, dá-me um abraço que seja forte como diz o outro.

Quem se habilita...

...A adivinhar o que nasceu nesta linda púcara?
Não respondam laranjeira que isso já sei, quero que adivinhem além da laranjeira o que mais tem?
Não vale dizer: terra, minhocas, ervas, espinhos...

Amor de mãe

A minha gata embora não aproveite as promoções do Pingo Doce nem do Continente não faz com que as suas crias se privem do melhor manjar. E ontem houve um belo dum repasto.
Caçou um murganho e trouxe para o sítio onde estão as crias no intuito de lhes mostrar, já que estão em crescimento e em aprendizagem, a arte da caça e e da confecção da comida. E estavam todas satisfeitas à volta da sua vetusta mãe a observá-la na preparação do jantar. E ai delas se se mexiam, ouviam logo uns rosnares entre dentes. Quietas e caladas.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Globos de Ouro

Pensei para mim e como gosto de falar com Moi-Même (a minha empregada francesa) àcerca de tudo o que me vai na alma, aliás, ela é a única que me entende na perfeição, e, como estava a dizer, e vou continuar antes que me perca nas divagações, dizia eu a Moi-Même que tenho de pensar no vestido para o casamento do mê bisalho (em Setembro, já disse).
Atão não é que ela dá-me uma ideia genial? Aliás, ela é um génio em ideias rocambolescas.
- Olha lá, porque não te alastras no sofá e vês os Globos de Ouro? Podes ser que tires ideias para o vestido. E lembra-te, tens de entrar na igreja pelo braço do bisalho tens de ir suprema!
Sentei-me eu e logo de seguida ela também, se abuseirou-me ao mê lado e cada vestido que aparecia ela franzia o focinho. Olhava eu para ela, de esguelha, e nada. Nenhum ela aprovou, uns eram muito decotados mamas quase ao léu, outros muito compridos, outros costas aos vento. Mas de uma coisa tenho a certeza. o limão é que tá a dar.

Vocês acharam assim um trapinho lindo para eu, e já agora para Moi-Même, usar num casamento?
Soltem o estilista que há em vós, a ver se o que viram foi o mesmo que eu vi, sabem, e cá pra nós, eu passei pelas brasas ementes dava o programa.

domingo, 20 de maio de 2012

E se eu vos disser...

 ...Que o dia de hoje, domingo, dia da graça do ano de dois mil e doze está um daqueles dias irritantes que nem chove nem dá sol e  parece que sim parece que não, acreditam? Dia chocho, sombrio, mesmo como não se quer. Nem se deseja a ninguém. Já agora, e se fosses caçar "grilhos" pó norte?
E o pior é que as Pulgas querem ir à praia. À praia, senhores! Só se levar o cobertor!

Será que está assim sombrio em todo o lado ou alguém tem sol de rachar pedras?

sábado, 19 de maio de 2012

Mas porque é que não sou rica?

 E porque é que não tenho rios (rios, mares oceanos) de dinheiro? E porque é que esse malvado não me vem beijar a mão? Mas porque é que só quem tem unhas é que toca guitarra? Eu inté tenho unhas não tenho é guitarra nem guita.
E porque razão está sempre, repito sempre, nas mãos dos que não merecem? E eu mereço tanto!
E, merecia estar no estádio do Dragão! Ao lado do mê bisalho e do projecto-nora. Que inveja, mê Dês!

Agora de momento, e nem tem nada a ver com este assunto, nem sei como ele foi ao Dragão! É que ...isto cá p´ra nós que ninguém nos ouve e até vou dizer baixinho não vá estar alguém a ouvir: ele não gosta da cor. O azul não lhe fica bem, mas já o vermelho!....

Bom fim de semana, pois então!


E prontes, já sabem, desmedidamente e absolutamente felizes. Vá lá é só uma obrigação e não custa nada, e se fosse possível... transbordar e inundar o mundo com a felicidade era uma certeza que de o sorriso estaria na cara de todos nós.
Bom fim de semana pois então e obrigada pelas palavras carinhosas distribuídas no artigo colocado no andar de baixo. É por estas e por outras que daqui não saio daqui ninguém me tira nem de crena, bem a não ser que tragam uma catrapilha. Só se for!

Fotografia: Buganvilias do meu  jardim

sexta-feira, 18 de maio de 2012

É dia de bater palmas

Faz hoje três anos que abri as portas ao meu humilde casebre.

Bem, a principio as portas estavam escancaradas e a entrada era livre, mas depois...mas depois vieram os anónimos, os que implicam, os que distribuem ódio, inveja e...houve necessidade de bater à porta.
Mas não foram todos os anónimos, alguns... já agora se fossem caçar "grilhos" era bom.  Uma que implicou comigo e ameaçava até os meus netos. Que culpa têm eles de terem uma avó assim maluco que diz o que vai na cabeça? Que comenta sem ser anónima e diz o que pensa? (Sim, que eu fiz um comentário àcerca de um poste e a partir daí nunca mais me largou) E foi por isso que coloquei a senha de entrada, ou seja moderação.

Mas não vinha cá falar de maus momentos, nan senhora, mas dos bons, daqueles que me dá este meu humilde casebre.
Por isso, Parabéns a Vocês que me fazem estar aqui dia após dia a escrever as peripécias desta humilde rapariga (quem? perguntam! Eu, claro! Estou a falar de mim) e das suas lindas Pulgas apenas com uma dose de amor, ternura, carinho e humor.
Parabéns, então!

Fotografia: As Pulgas no dia da Mãe. 2012

quinta-feira, 17 de maio de 2012

O Rapaz do pijama às riscas

 Sinopse

Um rapaz de oito anos, Bruno, é o protegido filho de um agente nazi cuja promoção leva a família a sair da sua confortável casa em Berlim para uma despovoada região onde Bruno não encontra nada para fazer nem ninguém com quem brincar. Esmagado pelo aborrecimento e traído pela curiosidade, Bruno ignora os constantes avisos da mãe para não explorar o jardim, por detrás da casa, e dirige-se à quinta que viu ali perto. Nesse local, Bruno conhece Shmuel, um rapaz da sua idade que vive numa realidade paralela, do outro lado da vedação de arame farpado. O encontro de Bruno com este rapaz de pijama às riscas vai arrancá-lo da sua inocência e resultar no despontar da sua consciência sobre o mundo adulto que o rodeia. Os repetidos e secretos encontros com Shmuel desaguam numa amizade com consequências inesperadas e devastadoras.

Passou ontem no canal Hollywood pelas 21:30. Não vi, pois a essa hora há outras riscas para fazer como por exemplo: jantar, mas gravei e, como estava de nada agora mesmo (não, só roubei um pouco de tempo ao trabalho) e visualizei-o. Recomendo a quem ainda não viu. Ainda houve tempo para uma breve reflexão e o coração apertou em vários momentos não deixando soltar a lágrima. Eu sei, sou uma chorona compulsiva e choro por tudo e por nada. Mas este tema - Holocausto bole-me com os nervos.

A cantar em Pulgarês

- Avó, sabes esta cantiga que aprendi hoje na escola? - pergunta a Pulga na hora do almoço enquanto desenhava.
Eu, que não estava olhando para ela nem para o desenho e, esperando ouvir uma cantiga da Shakira, da Jennifer Lopez ou da Adele, e que cantassem na aula de EEMD* sai-se ela com toda a nobreza que a cantiga merece e com todo o sentimento que consegue transmitir e, perdoai-me Senhor que sou pecadora não tanto como a Maria - a Madalena, e ainda espero alcançar o Céu quando descansar as pernas e os pés dentro de uma caixa de pinho, mas não me contive quando oiço...

A treze de Maio
Na Cova da Iria
Apareceu com brilhantes...

Bem, só digo que nem conseguia parar de rir a imaginar Nossa Senhora com brilhantes!

*Expressão e Educação Musical e Dramática

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Verão nos pés

E é assim.
Mal os raios de sol despontam e aquecem, os meus pés fervem em sapatos fechados e o cheiro a chulé  é intenso (não, mentira). Vai daí é altura de pintar as unhas dos pés que as das mãos andam sempre a mexer em tudo, nem vale a pena me preocupar, mas a dos pés...

E prontes, ontem à noite, ementes via "o elo mais fraco" escancarei-me, acocorei-me, "escanchei-me" e deitei as mãos aos pés; ou seja arranjei-os, os meus ricos pezinhos de donzela (número 38).
O mê senhor, ao meu lado, e como é alérgico ao cheiro a verniz, bufou, esperneou, resmungou e alevantou-se do sofá (e eu chateada, ficou só para mim).
Atão aproveitei melhor o espaço, ainda me "escanchei" já que o meiple é grande, é kingue saize. (inglês) e toca lá a dar uma tintinha nas unhas para usar sapatos abertos. E por acaso foi esta a cor. "Adoro-ela". E antes que digam, eu sei que estes sapatinhos são lindos. Mas podem dizer à mesma.

Fotografia: o meu pezinho a calcorrear uma rua no Funchal, no Verão passado. (As unhas então mal  pintadas? Quem se importa!)

Proposta indecente

Não me refiro ao filme com o mesmo nome, mas sim a uma proposta que recebi logo de manhã.
Atão não é que um rapazinho de dois anos e oito meses, de seu nome Gu-gu fez-me uma proposta ...que, infelizmente, tive de recusar.

Vou eu a caminho da casa de banho, podia ser a caminho de Viseu, mas não, foi mesmo a caminho da casinha e como quando tenho netos em casa (e o mê Gu-Gu está febril por isso está cá), tenho o hábito de ir falando com eles, dizendo o que vou fazer, para assim mantermos conversa.
E digo-lhe - A avó vai fazer chichi.
- Poxo ve a tua...inha*?- pergunta-me o rapaz e, temendo que não tivesse ouvido pois fiquei encavacada repete mais alto, sabendo ele que sou surda logo pela manhã.
-Avóóóó, po-xo vê a tua...inha? - E aponta para o sítio onde está a respectiva dele, para que eu entenda bem.

* posso ver a tua ratinha?

terça-feira, 15 de maio de 2012

Os maridos das outras

Toda a gente sabe que os homens são brutos
que deixam camas por fazer
e coisas por dizer...
roupa por apanhar...
nunca deixam a mesa  posta...

Mas os maridos das outras não.
Eles são a perfeição
fazem felizes as amigas da mulher

Tudo o que os homens não
o marido das outras são 

O que me dizem desta cantiga que passa sem parar nas rádios do nosso Portugal, letra, música e voz de Miguel Araújo, fazendo referência aos homens?
Quantas de nós também já fizemos pelo menos uma vez comparações entre o nosso e o de alguém?

É assim como: "a galinha da vizinha é sempre melhor que a minha" Neste caso o galo.

E aqui na Rádio Comercial para quem ainda não a ouviu.(http://www.youtube.com/watch?v=rBB6M0_AlMw)

Fotografia: O sol a esconder-se atrás da ilha de Gran Canária, captada da ilha de Tenerife.

 

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Mês de Maio e dos jacarandás


 Mas o mês de Maio não é só mês das flores, mês de Maria, mês dos amores, mas também o mês do coração, da Europa.
Mas é sobretudo o mês dos jacarandás em flor. Sem dúvida alguma.
E por cá, no meu rural, há muitos a ladear as estradas. E estão em flor. Lindos. Como só o jacarandá sabe ser.

Fotografias: Tanto num dia com nuvens como num dia de céu límpido, como hoje (foto de cima) o  jacarandá impõe-se na paisagem.

E já é Verão?

Mas que dias de sol e noites tão quentes. Eu que adoro o sol e o verão não sei se consigo aguentar muitos dias assim. É que nao saio da cadeira, do sofá digo; dá-me aquela moleza do caracol como quando estamos no Porto Santo, aquela pasmaceira entra e corrói o corpo e não nos deixa pensar. Fico prostrada  sem me mexer.

Mas o Senhor São Pedro vingou-se, ai sim, oura se foi. "Atão não queriam sol e calor? Ora tomem lá esta prenúncio de um Verão e vejam como vai ser!" disse ele lá em cima, no céu, aos seus amigos.
Se em Maio é assim o que fará Junho, Julho, Agosto e Setembro!
Vou passar os dias no sofá alastrada! Chatice! Logo eu que não gosto de dias sem nada para fazer!
Estar ali, deitada ou esticada, a ver um filme ...hum, que maravilha! Que vida!
Quem gosta levante bem alto o dedo e grite: eu gosto!

sábado, 12 de maio de 2012

Antúrio

Se há flores que não aprecio é esta mesmo: o antúrio. Não lhe acho piada alguma a este espeto, espádice ou espiga no ar! Gosto mais do colorido das folhas. No entanto é muito apreciado pelo turistas. 
Por cá (já contei esta) havia um padre que ao receber estas flores, mandava logo cortar este espeto.
E porque seria? Devem estar a perguntar coçando o queixo em sinal de interrogação?
É que lhe lembrava outra coisa, era assim a modos que fálico. E padre não deve ter pensamentos fálicos, não é?
"Tungas, vai-te espeto maldito que me fazes pensar na irmã Virgem Pureza!" pensava o padre.

E cá pra mim o antúrio sem espeto é maizómenos um padre!

Fotografia: Antúrio nascido e criado por mim.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Eu sou uma das amantes do Verão

Eu sou amante do (e no) Verão, por isso, vou participar neste desafio sob a forma de fotografia do meu espólio pessoal.
Tinha de participar! Porque além de amante do Verão assumo-me como amante de fotografia. E esta combinação é perfeita! Cá Outono, Primavera e Inverno!
Verão. Só a pronúncia do nome deixa-me com água na boca!
Parece-me que ele tem muitas amantes! Eu sou uma delas! Não me incomoda mesmo nada partilhá-lo!
Verão, Verão, vem aos meus braços, querido!

Fim de semana, pois então!

A todos os que por aqui passam, desejo um fim de semana tão bom mas tão bom que dificilmente sairá do vosso pensamento para sempre. Aquele que ficará guardado na gaveta da memória como "o tal" em que tudo se concretizou.
Por isso sejam desalmadamente e escandalosamente felizes.
Bom fim de semana, pois então! E dizem que vai ser quente.

Fotografia: petúnias na janela da minha cozinha. Recebam com amizade e com aquele abraço de "estraçalhar" ossos.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Há quem queira ser um gatinho para ronronar...

...Há quem queira ser um passarinho para poder voar; há quem sonhe em ser uma pequena sereia para poder nadar no mar. Eu vou dizer a verdade.
O que eu queria era ser cadela, vaca ou cabra para poder dizer tudo o que está entalado na goela. É assim a modos que uma espinha atravessada que arranha arranha e...só arranha. Mas a gargantilha que trago aperta-me o gargalo. Por isso fica para outra ocasião.
Pronto, era só isto.

E hoje é quinta

Dia de deitar o totoloto, o euro-milhões, o joker, jogar no bicho, raspar a sorte, enfim, o diabo a cem a ver se enriqueço da forma mais rápida, que esta vida está assim pelas pelinhas.
E depois tenho um casamento. E quero estar bem apresentada, mas para isso preciso de mani (inglês).

Tenho de ganhar dinheiro ou fazer por ganhar e a maneira mais prática é acertar, (vou tentar, oquei?) nos excomungados, nos estapores, nos filha da...(cala-te AvoGi, poça, não sejas debochada!) dos números que vão sair no fim de semana. Será assim tão difícil?

"Vamilhá" a pôr a mão na mão do meu senhor e fazer a corrente de oração dos números...

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Há mais alguém ou sou peça única?


Já vos aconteceu, depois de ler o postezinho de um blogue, ir para a caixa de comentários, escrever, escrever e tornar a escrever com tanta pressa porque as palavras saem da mente em catadupa, umas lindas frases, poéticas daquelas que saem lá do fundo; fechar os olhos, levantar a cabeça, sentir cada palavra.
Suspirar.
Do melhor que se consegue. Aquele momento de inspiração sem transpiração que só acontece de cem em cem anos e no final levantar os olhos das teclas, olhar o monitor e ... nada. Nada escrito. Como?

Pumffff, desapareceram? Não! Recuso-me a aceitar! Lá se foi o meu momento de poesia.
Faço uma introspecção. O que falhou? Bater nas teclas eu bati, até com força, reforço, por isso, escrever eu escrevi (sim, eu não consigo escrever sem olhar para as ditas, ainda não as memorizei e não vai ser agora depois de velha...) O que seria?

Ah, já sei. Um pormenor. Um ínfimo, mas importante. Na próxima, tomar atenção: antes de olhar para o teclado, comprovar que o pisca-pisca, aquele risquinho vertical (como se chama mesmo?) está a piscar para assim dar inicio à escrita. Tão simples.

Fotografia: Linha do Tua. Fevereiro 2012

E hoje...

...A tia-velha faria 87 anos se não tivesse sido chamada à presença do Senhor!

Lembro-me de uma frase que me dizia sempre que fazia uma asneira: Não me podes perdoar?
E nem acabava a frase e já fazia outra.

"O perdão é o esquecimento completo e absoluto das ofensas, vem do coração, é sincero, generoso e não fere o amor próprio do ofensor. Não impõe condições humilhantes tampouco é motivado por orgulho ou ostentação. O verdadeiro perdão se reconhece pelos atos e não pelas palavras."

In Wikipédia.

Fotografia: Tia-velha, no quintal, onde passava os seus momentos de lazer. Que descanse em Paz. Nunca a esqueceremos.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Eu e elas: As Serviçais


E o canal TvCine passou na noite de anteontem o filme "As Serviçais" a uma hora bem do agrado de quem gosta de uma boa noite de filme, uma boa sessão de cinema: 2:50.

Hã? Como? Devem estar a perguntar. Exactamente às dez para as três da madrugada (como se diz por cá) ou como se diz no Continente às três menos dez.

Ora, eu que a partir da meia-noite já não funciona muito bem, e por mais que esforçasse os olhos e a mente, não ia aguentar até àquela hora para ver o filme. Atão gravei.
E vi ontem de tarde. Sozinha em casa, com o sofá todo para mim, a lastro, como se diz por cá.
 E gostei, claro. Mas há temas que me deixam com um amargo de boca. E este é um deles.
Se não viram, ainda, recomendo.

Anda o mestre a falar de despenseiro...

...E ando eu a repetir a mesma palavra julgando estar correcta quando vou ao Priberam e ... não existe. Aliás, existe, mas não com a função que o mestre lhe dá.
 Ele chama "despenseiro" ao módulo para guardar as mercearias, utensílios de limpeza (pá, vassoura, esfregona...) ou ainda os produtos de higiene da cozinha.
E era despenseiro para aqui, despenseiro para ali, despenseiro para acolá e afinal...

despenseiro

 1. Pessoa encarregada da despensa e da vigilância da criadagem.
     2. [Figurado]  Distribuidor dos dons da munificência alheia.

Afinal eu sou despenseira e não sabia! Porque aqui neste castelo sou eu quem vigia a criadagem: Moi-Même (a francesa) e Euzinha (a brasileira). E estas bíteches (inglês) são do degredo do piorio para vigiar. 
Mas vão entrar nos eixos "uora" se vão ou eu não seja a Supervisora de Interiores e Exteriores.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Verniz do dia

Acabei de pintar as unhas com o verniz adquirido hoje. Não quis deixar de mostrar a última aquisição. Noto as unhas mais belas, suaves e com uma bela tonalidade. De terra.
A cor? Só podia ser a da moda: Ambiente. Unhas de fava é o nome do verniz.

E prontes!

Acabou o dia da mãe! E nem vim cá desejar votos de venturas para as mães (como eu) e mães das mães (como eu).

E depois de ter recebido uma mensagem no telemóvel de alguém muito, mas muito especial, daqui da blogosfera a me perguntar se não escrevia nada, lá vim às carreiras; nem lavei as ramelas (também ela não as vê), não lavei o resto do meu corpo de sereia, e comássim ninguém vê as unhas pretas que mais parecem favas nem os regos de terra no pescoço que dá para "prantar" uma manta de "semilhas",  mas vim logo.
E cá estou fresca da cabeça, mais que uma alface e pronta para malhar o dia. (E mais parece um poste de horticultura, mas agora vai assim).

E mais um coisinha, a tal amiga - a da Shirley...(Esta rapariga acha-me parecia com a Shirley do Boston  Legal e vai daí trata-me por: Shirlrley, parecida-parecida até sou mas na conta do banco, na casa de campo)...tem um blogue novinho em folha. Ovelha Flor e Guerreira ide em paz, até lá.
E Boa semana a todos.

sábado, 5 de maio de 2012

Fim de semana, pois então!

E afastem-se de mim, estou possessa, tão possessa que nem o diabo se aproxima. Vou esganá-lo, vou cortá-lo às postas e deitar aos leões, vou...vou... é o que me apetece se pudesse! Se eu o visse.
Falo do tempo que tem feito.

Vou desabafar que não sou rapariga de ter espinhas na garganta. Ontem reguei as plantas e lavei-as pois ainda tinha restos de poeira, lavei quintal e benza-o Deus é grande, como Ele. Passei horas na água como uma sereia, e assim que acabo, assim mesmo, pingou na minha tola mas pensei que era respingos da mangueira.

Ai Jesus cu dilúvio! Nem Noé se salvaria! Choveu tanto e toda a noite.
Nem me perguntei pela sujidade que caiu da telha para o quintal, nem me perguntei pela roupa que estava a secar, nem me perguntem pelo estado de espírito, nem me perguntem pelo meu humor, que eu salto daqui e vou-me a quem me afrontar.
Já desabafei e parece que me passou a "fraima" que tinha no corpo.
Atão, Bom Fim de Semana! Pois então! E, já sabem, desmedida e esmagadoramente felizes é o lema!

Fotografia: Praia Formosa e Ponta da Cruz- Funchal. Abril, 2012

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Uma perguntinha

São das que levam um "listrinha" (como se diz por cá) na mão quando vão ao supermercado? E andam de um lado para o outro de papel e caneta na mão?
Ou são tão envergonhadas (falo no feminino, alguém contra?) que levam na cabeça?

Bem, agora vou falar por mim. Eu era assim, também levava na cabeça (e ainda levo, ai se levo!) depois passei a escrever num papel quando a cabeça já não dava para o decoranço, mas, assim que se inventou o telemóvel e assim que me ofereceram um, passei a fazer dele um rol para levar às compras. E ando no supermercado com o telemóvel na mão.
Feichone (inglês) não?

Fotografia: Entardecer na Ponta do Pargo, domingo passado.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Eu não fui ao Pingo Doce

Aliás como podia eu com três Pulgas saltitantes? Se ainda me deixassem passar à frente por ter crianças não hesitaria e punha-me ao caminho.
Mas alguém foi por mim. A minha filha e genro. Foram e compraram a duplicar. Agradeço a eles. No fim, barcos lavados contas arrumadas. E vivó velho.
Por isso, ainda bem que há estas promoções. E se fazemos bicha por um par de sapatos a metade do preço, ficamos na fila da loja por uma peça de roupa com desconto e se ansiamos os saldos porque não esta promoção? Fico a pensar que é chique ou in esperar pelos saldos e promoções (e colocar no blogue as peças compradas a metade do preço original) e é feio ou out aproveitar as promoções do supermercado. Olhem lá, desculpem-me se sou rude, mas meus amigos, eu nao como roupa nem sapatos.

Fotografia: Praia Formosa vista da Caldeira. Ao fundo uma das Desertas

E não me canso de falar na mulher do norte

 A (projecto-)nora - a noiva veio com o bisalho - o noivo entregar os convites para o casamento (já disse ali em baixo). A minha filha fez anos e festejou-se no sábado passado (também disse). A cozinha brande neiú (inglês) foi inaugurada (também disse) só não disse que ela - a noiva, a nora, a mulher do norte arregaçou as mangas e, mesmo de férias, pôs-se a trabalhar para a festa.

A rapariga não pára. Fez chize queique (inglês) e pudim de pêssego. Depois preparou paté, ornamentou as  travessas e ainda andou de um lado para o outro à procura de coisas para fazer. E sem esquecer que brincou com as Pulgas.
Até eu disse aos convivas:
- O rapaz que levar esta rapariga leva uma boa dona de casa.
 E vivá mulher do norte. E digo, se são todas assim são da melhor colheita.

Fotografia: Os noivos na Ponta do Pargo, Madeira, domingo passado.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Diz que choveu...

...Mas eu cá não senti, não vi nem estava para lá virada.
Durmo pró outro lado porque parecendo que não, é pró lado que durmo melhor.
E dormi bem, embora digam que choveu a noite toda. Isto de ser surda ou semi-surda, ou ter só 50 por cento de audição faz com que não oiça nada. Só e exclusivamente os roncos do meu senhor. E se eu ouvisse bem, já teria levado uns "pampolhões" acompanhado de cartão vermelho ou seja expulsão do leito conjugal.

Afinal...

...O primeiro de Maio não é o dia de se fazer pic-nics?

Cá, quando eu era criança e parecendo que não eu também já fui criança e coube na barriga da minha mãe (esta pertence à Pulga que, muito admirada, me perguntava como é que coube na barriga da minha mãe?) e neste dia ia-se para a Quinta do Palheiro Ferreiro escorregar o rabo pela terra, comer sandes de omelete e beber laranjada (do vilhão), além de brincar à cabra-cega, ao pião, ao lenço.
 Mas tudo mudou quando a cadeia de supermercados Pingo Doce lançou a campanha dos cinquenta por cento; quem fizesse compras no valor superior a 100 euros, pagaria metade, ou seja 50 euros, só hoje, neste dia Primeiro de Maio. E assim o pic-nic dos madeirenses foi feito no Pingo Doce.
Uma forma diferente de passar o dia.

De médico e de louco todos temos um pouco

- O Gu-gu tossiu toda a noite. Não sei o que é que ele tem! - Dizia a mãe Pulga, ao pai, logo de manhã.
- Tem tosse. - Responde a Pulguinha, rapariga atenta e atrevida, sempre na crista da onda, elucidando assim qualquer dúvida.