Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

terça-feira, 31 de julho de 2012

Sou uma taça...

...Uma chaleira...Uma colher...um colherão...um prato fundo...um prato raso...
Se não conhecem, não percam tempo,  ide às carreiras por aqui e ...
Oiçam vejam e dancem. Se precisarem de coreografia tenho aqui três Pulgas que conhecem de trás para a frente e de frente para trás. Eu estou por aqui (tenho a mão esquerda na horizontal no alto da cabeça, pena não verem!) com essa música.

Vamilhá a dançar...

E pronto!

(Relatório do dia de ontem.)

Depois de uma tarde bem passada com Pulgas a saltar e a morder as canelas, eis que chega a hora da janta. Lá se jantou que por sinal foi arroz de marisco empapado porque a minha mana telefona mesmo na hora em que ia Moi-Même - a louca da minha empregada francesa, pôr a comida na mesa e, "bilhardice daqui bilhardice" dali, e o arroz esquecido na panela; ficou tão esquecido como empapado.
Mas comeu-se. Que remédio, direi!
A Pulguinha (a de quatro anos) a chupar conchas das ameijoas era até um regalo aos olhos. A outra Pulga que faz "focinho" a tudo o que é novidade lá perguntou à outra se estava a comer as conchas e o animal que lá estava. Resposta pronta da "busica" mais nova. - Conchas não, mana, o arroz!

Mais tarde, mais umas horas de "retoiça" e, depois dos cereais - o alento para ir dormir, vão lavar os dentes que Pulga que é Pulga é asseada e não dorme "cus" dentes sujos de arroz mais raicecrispes (inglês); ementes eu dispo-me, ouço um pum muito forte seguido de um berreiro.
Gu-Gu que adora saltar, como Pulga que é, bate com a testa na parede; é que, além de atleta de saltos para a água acumula funções no trampolim.
E pronto, vai o mê Gu-Gu "cum mamulhão" na testa ou seja um galo para cantar desde aqui até ao Porto.

fotografia: as Pulgas nas escadas, ou melhor no autocarro. (E à hora em que publico esta mensagem ainda os pais não sabem do mamulhão)

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Quem havia de dizer que...

...O Dr. House toca piano!
Amanhã dia 31 de Julho no Coliseu dos Recreios, uma única e exclusiva actuação pelas 21 horas.
Podem ler o resto aqui. E hoje Hugh Laurie está de parabéns pois completa 53 anos de vida.
E deixem que diga: Ai quem me dera lá ir!

Porque me ri...

...Aqui deixo a causa da risada.
Roubado, surripiado gentilmente e cuidadosamente do Facebook da Tukakubana. Uma "cubana" que reside no Porto Moniz- Madeira.

Uma adenda à mensagem da Paciencia

Eu jogo Paciência (ou Solitário) no computador; se não expliquei bem, peço desculpa. Deixe-me  de jogar com cartas assim que fiz o daneloude (inglês) deste jogo. É que nem tenho de virar as cartas, nem mexer com os braços para levar o grupo de um lado para o outro. O computador e o rato fazem tudo.
Não jogo com cartas agora, embora já tivesse passado longos momentos a sós com elas.
E quando viajo passo as horas de voo a fazer paciências.

Hoje tou moída

É pois, hoje tenho uma "moição" nas pernas e não "havera" de saber a razão. Até que parei para pensar porque razão tinha as pernas a pesar mais que um trombone.
Coloquei as mãos no queixo, quando quero pensar coloco-as uma de cada lado da cara e olho para o infinito, que é mesmo ali ao virar da esquina, e fico em transe a reflectir antes de pensar que estou à beira da morte, que tenho uma doença incurável, que vou morrer antes do casamento do mê bisalho, que não vou chegar a ver os meu bisnetos e por aí adiante (e não sou hipocondríaca se estão a pensar nisso esqueçam).
De repente...
Ah, pois! É isso! Mas como não me lembrei do que fiz ontem? Estarei caduca ou esquecida? Ah, pois foi! Só pode ter sido...!
Eu ontem saltei à corda. E que bem que salto, ainda consigo levantar este rabo gordo e as pernas, tanto ao mesmo tempo com alternando-as, que a Pulga de seis anos até me pediu-me para lhe ensinar.
Lá vou eu entrar em exercício físico e em despesas!
E onde compro eu uma corda?

Paciência

Uma virtude que às vezes me falta.

"Diz-se que dentre as sete virtudes a mais difícil de desenvolver é a paciência, mas uma vez desenvolvida, esta traz inúmeros benefícios. É possível exercitar a paciência em diversas áreas, como por exemplo: No trânsito, na fila do banco, na convivência familiar, no trabalho, nos estudos, etc. Uma pessoa paciente sabe que é preciso praticá-la muito até alcançar um objectivo final desejado."

É exactamente isto que tenho feito ultimamente: praticar a paciência. Refiro-me ao jogo de cartas, obviamente. É cá uma "viceira" agora! Que gozo, que relax! Cada vez consigo mais pontos em menos tempo. Desculpem, vim cá só de raspão, não posso estar cá muito tempo, tenho uma paciência para acabar. Paciência, que prazer!

domingo, 29 de julho de 2012

Na minha cama com ...

...Três Pulgas (os netos) e além destas um bigue urso, um mini urso e um anão - o Feliz da Branca de Neve.
Cada Pulga leva um brinquedo, abre parêntesis: oquei Quicas, mai diare dótar (ler em inglês), depois podes brigar comigo, sim? fecha parêntesis, aqui na azavó é assim.
E ela - a avó tem de suportar os arremessos dos ursos e a investida do anão que fica feliz por estar na minha cama com...elas ...e comigo, prontes, já disse.
Avó sofre!

sábado, 28 de julho de 2012

Jogos Olímpicos de Londres


O atleta que ficou de fora na categoria de saltos para a água.

O balão do João

No dia dos avós fomos buscar as Pulgas à escola, e pelo caminho, já dentro do carro, sai a cantoria do costume. Desta vez era o mê Gu-Gu a cantar: "O balão do João sobe sobe pelo ar..."
Pulguinha (a gasguita de quatro anos) de olhos revirados, com as mãos no ar como se as levasse aos ouvidos, olha para ele e...
- Poupa-me! Poupa-me de ouvir-te cantar.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Vejam bem como esta cabeça está

Em vez de publicar os comentários da mensagem abaixo eliminei-os. "Vejem" bem! Eu não disse que ainda não engrenou? Raramente me engano.
Peço desculpa à Flor Guerreira e Flor de Jasmim. Ambas flores para mim. Hummm estou poeta sem querer!
E sabem da melhor? Eu a julgar que já tinha publicado esta mensagem afinal tinha guardado! Chiça, AvoGi, vai-te deitar ou toma um xanax antes que haja perca. É que tens três Pulgas para tomar conta.

Isto ainda não engrenou


A roda dentada que é a minha vida aqui no rural ainda não encaixou nas outras rodas que giram à minha volta. Quer dizer, a cremalheira tem falta de óleo e por isso anda lentamente. Mas nem por isso deixaria de cá vir desejar: Bom fim de semana, seja ele de trabalho diversão ou tão somente de descanso.

Bom fim de semana, pois então.  
O meu vai ser certamente cheio de Pulgas que por aqui já andam em rodopio e a tentar engrenar a cremalheira (que aqui no meu rural, cremalheira  também se aplica aos dentes da boca).

Uma perguntinha

Alguém sabe ou viu onde é que o mê senhor guardou o comando da televisão da cozinha?
É que ele tem por hábito guardar os comandos antes de ir de férias, não vá o diabo roubar as televisões, pelo menos os comando não levam, e agora que se regressou anda-se aqui (ou melhor, ele anda que eu já desisti e tenho mais que fazer) de um lado para outro, de cima para baixo, de dentro para fora e não há maneira de aparecer, nem chamando, o comando da televisão!
Se virem um comando a passear perdido por aí mandem de volta ao meu rural
Relpe! (inglês)

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Dia dos avós

E ainda não parei de brincar com os netos. Já almocei com a Pulga mais velha, já dormimos agarradinhas e abracadinhas a conversar até o queixo cair de cansaço com a promessa de que era só cinco minutos e afinal foram duas horas; já fui receber a prenda das Pulgas mais novas. Já lanchámos  no café de sempre (lanchar o de sempre, acrescento), e como não bastava tinham de vir à azavó lanchar (novamente) e despejar  ao baú dos brinquedos (como sempre) para depois aqui a rapariga "ajuntar" tudo.

E ainda não parei. Já mudei lençóis das camas, comecei a limpar o pó...(chiça, esta casa parece desabitada por uma década) e não conclui pelas razões apresentadas cima supra; tenho as valises para arrumar,mas antes desarrumar, a roupa que parece que se reproduziu na minha ausência e ...
Bem, ainda tenho montes de coisas para fazer, mas agora estou de retiro e de brincadeira com as Pulgas porque hoje é o dia dos avós.
Feliz dia.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Nada muda

 Quando era mãe de filhos pequenos (que entretanto cresceram e agora são maiores que eu), parava nas montras de lojas de criança e ficava a olhar para tudo o que lá estava na esperança de poder comprar a montra, a montra não, o exposto nela, e dar-lhes. Isto acontecia infinitas vezes. Punha sempre as compras para os filhos à frente minhas, chegando até a esquecer-me de mim.

Os anos passaram. Agora, acontece exactamente com os filhos dos filhos, ou seja as Pulgas. Fico horas, desculpem a força de expressão, em frente às mesmas montras, na esperança de poder comprar tudo o que lá está exposto para elas.

E para mim? Somente um vestido (e é porque vai haver casamento canão nem isso).
O que fazemos com os filhos novamente se faz quando temos netos. Nada muda. Mas se disser que estou feliz por poder ver, na altura da entrega das prendas, o sorriso de felicidade delas, é a verdade verdadeira. O mesmo sorriso com o qual era recebida aquando dos meus filhos. Chegar de mãos vazias isso nunca. Jamé.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Mortos ao chão vivos ao pão

Frase bem conhecida do povo português que reflecte a continuação da vida ou ainda, traduzindo à letra, enterrar alguém e logo de seguida alimentar os vivos porque o metabolismo, esse, não pára.

E foi precisamente o que se passou no meu rural - na Madeira; depois de as lágrimas secarem devido à catástrofe dos incêndios, nada melhor que reunir as trupes que desfilaram no Carnaval, na Quinta Vigia - residência oficial do presidente do governo, e oferecer um jantar por serviços prestados (e bem pagos, fecha-te boca, AvoGi antes que leves com uma semilha nei ventas!).
Será que os bombeiros e os particulares que prestaram serviço nos incêndios também vão ter jantar na Quinta Vigia? 

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Sou uma amante do Verão...

...Mas tenho de admitir que ele dá cabo de mim. Do meu corpo, do meu sangue, da minha cabeça.

"Aquintrodia" a falar com o outro meu amante (só tenho estes dois, tá bem?) que acumula as funções de mê senhor, dizia ele que também era amante do verão (por esta é que não esperava! Pensei que o Verão só tinha amantes femininas, afinal, dá para os dois lados) mas, dizia ele, o mê senhor, que não pode tirar a pele quando sente calor e que no Inverno sempre tira o casaco. Eu ainda lhe disse para fechar a boca à comida e abrir à agua, mas não vale a pena.
Bem, estes dois amantes dão-me cabo do canastro.

Fotografia: Praia Norte - Viana. Reflexo numa montra

Eu sou aquela...

...que se senta em frente à ventoinha ou se coloca de pé em frente dela, de braços abertos, tal qual Jesus Cristo na cruz, quase-quase a abraçá-la.
Só assim a veia da cabeça não lateja.

Purificacion Garcia

Purificacion Garcia tu eres una tentancion e yo no lo sabia. Murrer (espanhol) tu matas-me! 

Fiquei petrificada, rendida e perdida de amores pelos vestidos. Baixinho cantava: "Daqui não saio daqui ninguém me tira", passando um cabide ou cruzeta (esta aprendi ainda há pouco) de cada vez. Na porta fiz um escabeche tal, envergonhei quem me acompanhava, esperneei, jurei que matava quem não satisfizesse o meu desejo; mas, assim que colocava a mão na etiqueta do preço, chiça, queimava-me. Um mais caro que o outro.
Mas lá teve de ser. Temos vestido para o casamento.

sábado, 21 de julho de 2012

Mas que chatice é esta!?

(Eu ia escrever: "mas que merda é esta" no título, mas ia ficar feio e agressivo.)

Anda uma rapariga de cabelo ao vento mais o seu rapaz de caracóis, ambos jovens e ainda em estado novo, a comer alcatrão e terra batida por este rectângulo de seu nome Portugal e tem de estar atenta às passagens por onde o bólide descapotável vermelho-fogo passa, e de seguida, andar pelas aldeias à procura da estação dos CTT para despachar as passagens pelas... por essa coisa chamada CSUT? Atão isto faz-se?
E SCUT não quer dizer Sem Custo para os Utilizadores?

Fotografia: A caminho de Caria para pagar a taxa.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

A culpa é do calor que derrete os corpos e aumenta as veias

Mas por aqui as coisas também não correm como desejado, pois o desejo era passar o dia no Vale Glaciar do Zêzere e assim não aconteceu. Logo de manha acordei com uma veia da testa inchada, às lombas, literalmente, parecendo querer rebentar, mais as pernas inchadas o que me fez ir à farmácia, somente para descargo de consciência, mas infelizmente, fui mandada para as urgências. Depois de feita a triagem e como estava com temperatura ainda fiz um electrocardiograma mais o teste da glicemia mais a tensão, enfim, o básico.
E agora ando a fugir do sol como o diabo da cruz, mas digam-me vocês que tudo sabem, onde é que há sombra? É que por aqui tanto no topo como no sopé da Serra da Estrela ando a ver se descubro uma. 

E nem tenho coragem de mostrar a minha veia cheia que vai desde o couro cabeludo até ao olho onde dá uma curva acentuada, tipo cotovelo dobrado, e entra novamente no couro cabeludo, e como disse, às lombas.

Depois de...

...Ter passado mais de duas horas no Hospital da Covilhã e pela primeira vez ter pago as taxas moderadoras (mas isto é assunto para outra mensagem) eis que as férias continuam com o coração tão pequeno pela dimensão da tragédia. Não estive naquele inferno mas acredito que se existe o inverso do Céu há-de ser exactamente como a minha família e amigos se sentiram. E por uma coincidência eu estava no mesmo sitio, longe da tragédia. E aborrece-me pensar que não estava lá para poder ajudar quem precisava.

Nada aconteceu aos meus, mas nem por isso sinto-me aliviada, é assim como um desassossego, uma mágoa, uma dor que penetra no corpo, um não deixar de pensar na mesma frase: não merecemos, ninguém merece.
Se há culpas? Claro que há. Do governo? Das pessoas? Não sei. Só tenho pena que aqueles que usam o fogo para sua satisfação pessoal não se deixem ficar no centro a lamber as labaredas.

Obrigada pela vossa preocupação. Recebam aquele abraço cheio de amizade do tamanho do oceano que nos separa...ou que nos une.
Bem hajam pela amizade.

Fotografia: Vale do Rossim - Serra da Estrela, 19 de Julho 2012

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Não merecemos, ninguém merece

Não merecemos, ninguém merece esta tragédia, não depois do aluvião de 20 de Fevereiro. 
Ainda mal levantámos a cabeça já a desdita nos bate à porta desta feita em forma de fogo.
Tragédia. Mais uma. Se existe o Inferno deve ser assim. Vamos arregaçar as mangas novamente, por que a nossa sina é mesmo essa.
Minha ilha, meu farol, meu rumo, meu rural. Já foste com a água, agora com o fogo...
Renascer é novamente a palavra e ordem.

Fotografia: Freguesia de São  Martinho, Funchal, visto da Caldeira - Câmara de Lobos

Amigos, estou bem

Amigos, obrigada pelo vosso sentimento em relação à minha ilha e a mim; agradeço as mensagens recebidas. De todo o coração.
Estou tão longe, tanto quanto o dia do aluvião - 20 de Fevereiro; estou exactamente no mesmo sitio onde estava quando tudo aconteceu: Serra da Estrela.
O fogo está perto da minha casa, um pouco acima, a minha filha e genro alternam a prevenção.  Amigos meus ficaram sem casa e outros foram evacuados porque alastra rápido.
Obrigada novamente pela vossa preocupação. 

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Por falar em homens...

...(Por que o artigo de baixo a eles se refere), o que me dizem do Paquito Embandeirado ou melhor dizendo: Paco Bandeira?
Sabem, eu gostava das suas canções; ainda me lembro de: "A minha cidade" onde ele gritava: Ó Elvas Ó Elvas, da "Ternura dos Quarenta", que coincidiu quando eu andava a entrar nos quarenta; "Onde o sol castiga mais", "Um livro chamado Inês"...
E agora? Vai ter tempo de gritar e tempo para reflectir. Mas o que mais me incomodou foi o seu ar, (assim a modos que triunfante do género: "mas levaste no focinho!), o seu sorriso ao sair do tribunal. Hipócrita!

Fotografia: não sei o nome, só sei que quando as vejo lembro-me da primeira comunhão.

Será para contrariar?

Debaixo de um sol escaldante dentro do carro e como o meu senhor queria parar para captar um momento único (ele fotografa tudo, tenho de dizer) eu digo-lhe:
- Pára aqui à sombra. - Debaixo de uma árvore à beira da estrada.
E, em vez de "aqui à sombra", ele pára, "acolá ao sol". Irra. Será para contrariar?Teimosia?
Cera nos ouvidos?

Depois a desculpa, quando lhe interroguei. A tal sombra ficava numa curva e vinham camiões e...  tal e coisa. Como se um carro assim a modos que dos bombeiros passasse despercebido
Ai estes homens!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Quem fala paga

- Ah, já que estás aqui (no chopingue) não queres ver vestidos para o casamento? - pergunta-me aquela travessa da minha empregada: Moi-Même quando, ontem íamos juntas, ambas as duas, (como se diz por cá no meu rural) ultimar as compras da semana.
- Boa-ideia, mulher do diacho! Tu és aquela, a tal que se lembra quando a minha cabeça já é só vestígios do passado! De uma boa e excelente cabeça! - rematei, ainda a concluir a minha alocução; ela, vaidosa pelo elogio, solta o sorrisinho 43 - o convencido.
E, prontes, procurei e encontrei o tal (é assim a modos que procurar e encontrar o homem ideal, leva o seu tempo), vestido aquele que me assenta como uma luva aquele lindo-lindo-lindo.
E, como quem fala paga, ela pagou. Toma lá para não teres ideias.

Preciso urgentemente

Alguém tem uma coisa redonda que gira gira gira e ao mesmo tempo faz vento? E pode emprestar ou dar!
Oh coisa, como se chama? Pois, essa mesmo, ou se não tiverem podem abanar o leque enquanto escrevo?
Quem é que  pode com este bafo quente! QueredoE dizem que ainda vai subir mais. De dia, abro a porta do frigorífico para refrescar, e à noite se calhar, vou dormir lá dentro; até já tirei tudo de uma prateleira para poder esticar as pernas. Se por acaso não me virem por aqui é que alguém fechou a porta e...estou a refrescar. Digam-me, não é o que apetece?

Chuva, nevoeiro, frio, lareiras acesas, fogueiras, fiquem onde estão nem se aproximem de mim. Eu prefiro este calor. Inverno, nem vê-lo quanto mais tê-lo! 

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Crise ou opção

Ver as lojas cheias de gente num arranca da mão que eu vi primeiro é crise?
Sacoor, Gant, Globe, Purificacion Garcia filas intermináveis para o pagamento, roupa jogada pelo chão da Mango, carros mal estacionados... gente gente gente: aos cotovelões, empurrões e beliscões, encontrões.
O que acho é que toda a gente aproveitou os saldos, e segundo o que ouvi dizer desde a meia-noite que formavam fila para serem os primeiros a entrar no outlet de Vila do Conde; eu não vi, mas acredito em quem me disse.

Lendo blogues: Falar das outras

Há coisas que me fazem coçar a hemorroida durante um longo dia: as barbaridades que se escrevem nos blogues, nalguns, claro. Falar das outras: das mulheres, da sua conduta, do que fazem, do que dizem...
A mim, salta-me a brotoeja, fico logo com uma erupção em todo o corpo e alastra até ao coração: vermelha por dentro e por fora. 
Falar das mulheres, dizer cobras e lagartos, já chega os homens, eles sim, são diferentes (anatomicamente) de nós, deixai-os falar, mas agora uma mulher falar de outra mulher, denegrir a sua imagem, rebaixá-la...dá-me uma vontade de mudar de sexo.
E agora sei a razão pela qual os professores não são unidos: a classe é composta maioritariamente por mulheres. Que caia um tijolo no dedo mindinho do pé à mulher que aponte o dedo a outra mulher.
Prontes, desabafei, agora vou mimbora. Tenho coisas para fazer: vou chamar a vizinha da esquerda para relatar da da direita.

E valeu a pena


Valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena, lá dizia o meu amigo Pessoa referindo-se aos navegadores portugueses, mas eu cá refiro-me aos figos pretos que vi na figueira.

Se valeu a pena? Claro! A minha alma é grande; é a modos que o cabo Bojador e a vontade de comer uns figos pretos que estavam ali mesmo à beira da rua foi "um-vê-se-te-avias-antes-que-chegue-o-dono". E como não chegou, e eu chegava ao galho, empoleirei-me; estiquei-me quanto mais podia e foi tão bom. Não resisti. E vieram até mim. Era quase como abrir a boca e num ápice eles entravam. Consolou-me, deu-me um alento que, depois de tanto andar, a boca estava seca. 

Fotografia: Ermelo. Momento captado pelo fotógrafo de serviço ao local.

domingo, 15 de julho de 2012

Robalo frito é tão bom!!

E atendendo a que estou de dieta, atendendo a que estou de bico fechado porque quero mete-me num vestido lindo-lindo-lindo, atendendo a que temos de fazer sacrifícios, atão, hoje fiz o sacrifício de comer um robalinho frito, só, e reforço só com salada de alface (frisada e lisa e aicebergue) com rodelas de tomate cacho, cebola, pimento, queijo fresco, alho-francês, queijo ralado, tudo bem regado com azeite e vinagre balsâmico.
Passado uma nica de tempo dá-me uma "roeza" no estômago e tive de injectar uma sandes de queijo e fiambre de peru, canão, ele não parava de roncar.
Desta forma caibo dentro de um saco de batatas e não do belo do vestido!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Passemos às unhas Louboutin

Se já as britânicas pintam a sola de sapatos de vermelho, há que pintar também as unhas à Louboutin.
A cantora Adele foi a pioneira, agora faltam as seguidoras tomarem a ideia e aplicar o verniz como deve ser.
E, como sou amiga e quero que andem à moda, e não como eu, sem verniz nas unhas e como sei que adoram o tal calçado, como eu (embora aqueles saltos é que me matam as  costas), aqui deixo: "como pintar as unhas à Louboutin."
Ora vamilhá espreitar e aprender. Quem é amiga, quem é? Só uma coisinha, está em inglês, pois então! Mas, ru quer (inglês), o fim de semana é grande!

Olha, ouvi dizer...


...Que as fachionistas britânicas andam a pintar as solas dos sapatos (quiçá, comprados na feira de Portobello Road ou em Camden  Market) de vermelho para imitar o calçado Louboutin?
Se a ideia chega a Portugal a tinta vermelha vai esgotar-se.

Desculpem, vou mimbora e já volto. Vou ali comprar uma latinha antes que esgote. Será que chega?
Vamilhaver se a tinta não descasca!

Podem ler tudo aqui (se quiseres, claro!)

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Tudo a um euro

Eu desmancho-me a rir quando vejo o cartaz: "Tudo a 1 euro", só me apetece dizer: "arrematado"; venha cá o recheio que só pago um euro.
Acho que está errada a frase porque se agarrar o conteúdo (neste caso o molhe de roupa que estava dentro da caixa) e chegar à caixa para pagar e apresentar um euro certamente que não vão na onda, e tal, é cada peça, pedimos desculpa, está a interpretar mal... Ai é? Mas a frase é isso: "tudo" eu levo tudo num braçado; "um euro" é precisamente a quantia que tenho na mão, correcto?
Tenho ou não tenho razão? O que não tenho é a distinta lata de seguir o que me diz baixinho aquela vozinha reles.

A minha cabeça já foi em tempos uma boa cabeça, mas a de Moi-Même...

Na cozinha, abro a porta do frigorífico e espero que me lembre do que ia lá fazer.
Desespero!
Entretanto, coloco a mão no queixo e o indicador na boca (sinal de que estou em transe), e pergunto a Moi-Même que, ao meu lado, coçava o rabo por não ter nada que faça: "Sabes o que vinha cá fazer? Sabes porque abri a porta do frigorífico e estou a olhar para dentro há sensivelmente meia hora sem saber para que estou aqui?
Ela, malcriada como uma mula, abana-se, vira o traseiro e sai a assobiar. Abandona-me. Deixar-me ali sozinha com ele - o frigorífico fez-me ter a certeza que ela é bruta.
Fico pasma! "Mal-educada, esta reles empregada francesa!" digo ao mesmo tempo que lhe atravesso os olhos.
Com a "arrabanada" de vento que ela fez ao rodar os calcanhares, a porta do frigorífico fecha-se e com ele as minhas esperanças.
Desisti de olhar e vou procurar o que faça já que me havia esquecido do que fazer.
Assim que dou meia-volta-volver para a esquerda dou com os pés no balde da roupa suja que olhava para mim admirado por saber que a roupa suja não se mete no frigorífico mas na máquina de lavar. Grande balde!

Fotografia: um cacto do meu quintal,lindo, mas efémero.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Trabalho de equipa

Ele pinta as paredes da sala, de pé, em cima de um escadote. Ela, sentada no sofá, de braços cruzados por baixo das "domingas" (leia-se mamas) observo, e cruzo a perna esquerda.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Olha, ouvi dizer...

"Abdicaria de parte do meu ordenado para salvar postos de trabalho." Li hoje numa revista e deu-me um nó nas tripas.
Atão, o que a impede Dona Fátima Lopes? Não permitem que abdique, é isso? Abdicaria se...Qual a condição para renunciar a parte do ordenado?

E bai de uei (inglês) deve ser menina para ganhar praí uns míseros 35 mil euros num mês.
Shite!

O que dá comer e comer sem parar...

...Pêssegos (apanhados da árvore no momento antes de ir para a boca), ameixas vermelhas (idem) cerejas das pretas (estas compradas na banca da esquina) figos roubados da árvore, por mim, enquanto o mê senhor capta o momento... Dá uma diarreia estupenda e fenomenal sem direito a descanso.
Bem-feito, para não seres gulosa e comeres como se nunca tivesses comido. E agora andas com as cuecas na mão.

Eu não digo?

Afinal eu é que sou ultrapassada! Isto a propósito da mensagem escrita abaixo desta. Li os comentários de meninas e, afinal, é comum (comum não direi, mas sim, moda nova), lançarem-se balões num casamento.
Oquei, tenho o braço esticado, a palma da mão aberta e "vamilhá" a bater, dar com o canelo nela, ou seja, dou a mão à palmatoria.
E sabem, depois de ver algumas fotos até gostei. Ai, no meu tempo (há 34 anos atrás) não era assim, não havia balões (nem tostões), ainda se ia de olhos fechados para a igreja (era costume a cerimonia ser de manhã) e...
Virgem, Maria!
Sim, a Virgem Maria estava no altar ao lado do noivo.

Balões e casamento

Ao ver as fotos do casamento da filha do senhor Pinto da Costa numa revista, vejo que cada um dos noivos leva um molhe de balões brancos, quiçá para lançar ao céu que não devem andar com aquilo na mão durante a festa.
De repente, lembrei-me do Natal. Não sei, mas relaciono sempre balões a festas infantis e ao Natal e não a casamentos.
Se calhar sou eu que sou retrógrada e não ando a par de novas modas. Será moderno?

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Chegou a hora

De retribuir os comentários deixados no meu humilde casebre. Tenho andado desaparecida e  não gosto nada; gosto da rotina instalada no corpo; gosto do sossego; gosto de estar assim a modos que de perna cruzada viajando por estes lugares maravilhosos mas, não tenho tido um bocado de sossego. É avoGi práqui, avoGi pralí. Não dou para todos. Mas hoje, tenho uma brecha e vou começar é que já é a seguir, por isso, com licença. Posso?

Olha, ouvi dizer que...

..."Ir numa mota na auto-estrada a 120 km por hora é ...ir parado." No Jornal da Uma.

Portanto é assim a modos que ser apanhado a 220 km/hora na A28. E toca a reclamar porque se a mota dá 240 porque carga d´água há-de andar a 120km?

domingo, 8 de julho de 2012

Se...

...Ao almoço sai carne ao jantar sai peixe. Cru, ainda por cima.
 Eu cá sou rapariga dada ao peixe; comia-o todos os dias: cru, cozido, assado, grelhado... isto de ser ilhéu, e por conseguinte, ter o mar em frente ao nariz, tem muito que se lhe diga. E, se eu pudesse, todos os dias avançava uma sushizada até entujar. Sim, eu deveria mazera  ter casado com um japonês, não me faltaria sushi.
Eu e o sushi temos uma relação para durar.

Chegue-se lá um bocadinho para trás, se faz favor

Ultimamente tenho tido o azar de ter... gente a expirar o ar dos pulmões para o meu pescoço.
Como eu detesto! Principalmente se o ar vem da boca e com cheiro. Não suporto aquele frio no pescoço.

sábado, 7 de julho de 2012

Casinha de gente pequena

Será que uma pessoa alta não bate com a cabeça no umbral da porta?
Eu sou de estatura mediana e certamente teria de agachar a cabeça para entrar. E quem lá vive deve estar sempre atento quando recebe visitas: "Olhe, baixe a cabeça se não quer ficar com um mamulhão no alto!" devem dizer a quem entra.
E... abrir as janelas e colocar a cabeça de fora ao mesmo tempo que levanta e olha para cima? Se estiver a passar algum peão...nunca!

Fotografia: Ponte de Pau, Funchal

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Fim de semana, pois então!

E de verdade estou à espera deste fim de semana desde Janeiro, mal os foguetes da passagem de ano estalavam no céu do Funchal.
Não sei, mas cá para mim, tenho uma fezada por Julho. Adoro este mês (e acho que digo isto de todos, caramba!), mas é a sério.
Julho tem um sabor especial; é o mês em que quando leccionava estávamos na escola durante quinze dias a conviver (e a trabalhar, também, antes que me esfolem, viva), preparávamos o próximo ano lectivo, arrumávamos o armário, além de que era Verão e combinávamos o almoço de final de ano (lectivo, digo).
E, de repente, assim como quem não quer a coisa (e eu não quero a coisa, sabendo que a coisa é voltar a trabalhar), deu-me um aperto de saudade.
Portanto, hoje estou saudosista de ser professora no mês de Julho sem alunos mas com trabalho.

Porque somos tão gabarolas?

"Falarmos de nós próprios instiga o mesmo género de satisfação no cérebro que a comida ou o dinheiro, segundo avançou esta semana uma equipa de investigadores da Universidade de Harvard. Segundo uma ressonância magnética, são activadas as mesmas zonas cerebrais.
Pelo menos 40 por cento das conversas diárias, sejam pessoalmente, através de telefone ou redes sociais, são dedicadas a dizer aos outros como nos sentimos ou o que pensamos. Neuro-cientistas da Universidade de Harvard descobriram a razão para esta prática comum: traz-nos uma sensação de prazer, ao nível das células cerebrais e sinapses."

Ora se eu sei disto! Pois se há tanta gabarolice por este mundo de Deus; nem precisava de ler!  Desconfiar eu até desconfiava, mas agora está provado e prontes, não é para me gabar, mas vou de férias. Estou satisfeita e dá-me uma sensação de prazer enorme; é como se tivesse um prato de caviar ou uma bolsa cheia de notas. Não sei é quando, mas vou, tenho tanto (tempo) para gastar. Era só isto. E, as minhas sinapses andam aos saltos devido ao cheiro delas - as férias.
Podem ler o artigo todo, se quiserem, basta seguir por aqui

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Pensei que ela ia rebentar!

Quando a Pulga, a minha neta mais velha, vem almoçar à azavó (casa d´avó, como diz o Gugu) tento fazer as comidas que a rapariga gosta, prontes, é assim como um pagamento por serviços prestados (aturar-me, entenda-se) e hoje fiz carne assada com palitos de batata (os madeirenses também chamam batatas às semilhas quando estas são em palitos).
E estava bom, com lotes (inglês) de molho fazendo as batatas navegar.
- Avó, tá bom, muito bom - dizia a cada garfada.
Eu até pensei que ela ia rebentar. Tal era a pressa com que comia e a pressa em servir-se de mais.

Piolhos aqui vai Quitoso

Há dias quando fui picápe (inglês) o mê Gu-Gu à escola, a senhora educadora por gestos inconfundíveis disse-me que havia viajantes no telhado das crianças. Pediu-me até para dar a volta à cabeça dele. Eu, ainda assim lhe disse que deve dirigir-se ao fornecedor dos ditos passageiros e pedir para cancelar a remessa habitual.
O pior...o pior foi quando cheguei a casa! Fiz o que a educador a me pediu, andei às voltas da cabeça do rapazito e nada. Mas, acho que voaram para a minha antes de serem espalmados, melhor dizendo, pois que desde esse dia ando a rapar a minha cabeça que "aquase" faço sangue.
Ora, o que me traz aqui é dizer que se quiserem um casal de raça posso oferecer. Com pedigri (inglês). Tenho é de ir à escola pedir. Malditos piolhos!

terça-feira, 3 de julho de 2012

Bom-dia Sol!

Bom-dia Vida. Bom-dia Amigos.
Hoje adorei o espreguiçar, o levantar e o chegar à janela para abrir os tapa-sóis! Tinha o sol a beijar-me a cara. Foi uma sensação delirante. Por isso estou feliz. E fiquei à janela ainda de camisa de dormir a receber os seus raios. Mas que sensação de frescura, de calor, de vida. Sim, que a vida é feita de calor, amizade, bonança, felicidade, benesses e virtudes.
Virtude, gosto particularmente desta palavra; significa exercer o bem e evitar o mal; por isso estou feliz. Considero-me uma pessoa virtuosa.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Acabou-se o quera doce

Assim dei por terminado os comentários anónimos aqui neste meu humilde casebre. Peço desculpa a quem comentava anonimamente (por não ter perfil activo), Pássaro Viajeiro, Sandra/Funchal, Nina, Anónimo das Oito, mas assim já não me preocupo com a moderação e escolha de comentários (se quiserem dizer algo mandem pó imel (inglês). Isto tudo por causa  de uma víbora, serpente, anaconda, lagartixa, (e sabes, Dianinha*?) e quem nasceu para lagartixa nunca chega a jacaré. Agora vais deixar de rastejar por aqui e largar a baba que, assim que vir o teu nick e o teu lindo (horroroso) nome é logo guardado no lixo (just in case de um dia precisar de justificar algo) sim, que esta víbora tem perfil no blogger para poder lançar o seu veneno.

Adenda
E acrescento que...
...Estamos em sintonia. Aqui também se fala do assunto Ovelha Flor e Guerreira
Eis que outra blogger se queixa. Esta vida de blogueira tem dias assim. 

domingo, 1 de julho de 2012

Hoje sou espanhola

Eita, tanto português a torcer por Itália, será por termos perdido com a Espanha? Caramba, enterremos o machado de guerra, deixemos o orgulho português de lado e vamos lá dar uma força à representação da península ibérica.
Já se esqueceram que os nossos antepassados eram espanhóis? Lembram-se que a Teresa (espanhola) casou com o Henrique (francês) e teve um filho nado e criado em Portugal e por conseguinte português?

Portanto, não me crucifiquem, mas hoje sou ibérica. Logo eu que tenho um fascino por Espanha! É a paella, é a parrillada é o flamenco, é a Costa do Sol, é Barcelona, é o Real Madrid (onde está o madeirense Ronaldo), é Santiago de Compostela; agora no plural, são os Picos da Europa, são as ilhas Canárias, são as Baleares, são os escândalos da realeza, são... ou é motivo para eu torcer por Espanha.

Vergonhoso, sem dúvida!

Não há palavras!
(Vejam) ao ponto que chega a política. No dia em que se comemora 36 anos de Autonomia!

Não passa um domingo sem...

...Que as vendedoras de Jeová não batam na minha porta! É todos os domingos, não tiram férias, não fazem descanso semanal; feriados, dias santos, tolerâncias de ponto, não usufruem?
E depois são mais que chatas, irra. Já lhes disse para deitarem o livrinho e dar de frosques, mas elas insistem em tocar; querem mais, querem que eu desça para uma troca de tiros. Ai se eu desço!

Mas é sempre pela manhã de domingo que estão lá como um cão de guarda, e esperam, e olham para as janelas, e eu a ver por detrás das cortinas, qual mulher bilhardeira a vigiar a vida dos outros. E voltam a colocar o dedo no badalo e sem interrupção, sem descanso. Já ameacei soltar os grades. Nada as remove, sou um alvo, mas também sou uma flecha.
Caramba, nem no dia da Região se deixam de vender religião de porta em porta?

Dia da Região

Hoje, 1 de Julho, comemora-se a Autonomia da Madeira.

"A Madeira é a segunda região mais rica de Portugal, com um PIB per capita de 103% (acima da média Europeia). É um arquipélago bastante turístico durante todo o ano, devido ao seu clima com temperaturas amenas tanto no Inverno como no Verão e também famoso pelo seu espectacular fogo-de-artifício no Ano Novo, classificado como o maior espectáculo pirotécnico do mundo na passagem de ano de 2006 para 2007, assim como pelo seu vinho licoroso característico conhecido mundialmente Vinho da Madeira, pelas suas flores e pelas suas paisagens com montanhas abruptas, vales verdejantes e floridos, o panorama do mar e das escarpas do litoral e pelas suas praias de areia dourada da ilha do Porto Santo."

Gentilmente copiado (ou roubado) da wikipédia 

Fotografia: (Já que o texto fala do Porto Santo) Pulga no areal da Calheta, Porto Santo.