Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 14 de dezembro de 2014

Na Festa mata-se o porco

Lido e pedido para trazer até ao meu humilde casebre e veio directamente de Macau, deste blogue: "Devaneios a Oriente". 

Passos Coelho e o motorista passeavam por uma estrada no Alentejo quando, subitamente, atropelaram um porco matando-o instantaneamente.
Passos Coelho disse então ao motorista que fosse até à quinta e explicasse o que tinha acontecido ao dono do animal.
Uma hora mais tarde, Passos Coelho vê o motorista a cambalear em direcção ao carro, com um charuto numa mão e uma garrafa de uísque na outra. 
A roupa estava toda amarrotada.
- O que é que aconteceu? - perguntou Passos Coelho.
O motorista respondeu:
- Bem, o dono da quinta deu-me vinho, a mulher cigarros e a boa da filha de 19 anos fez amor comigo apaixonadamente.
- Meu Deus! Mas o que é que lhes disseste? - perguntou Passos Coelho.

- Sou o motorista do Passos Coelho e acabo de matar o porco!

5 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...