Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Neste momento, neste preciso momento...

....estou de copo na mão a saborear um Tim-tam-tum. Um néctar dos deuses, uma delícia de licor feito com passas, figos, vinho Madeira, chá preto sem esquecer o alcool para dar aquele calor, vendo as luzinhas do pinheiro a piscar e o Menino Jesus nas palhinhas sem poder provar este licor.
Pena, pena tenho de não conseguir mandar via net um cálice a quem me visita. Mas saibam que bebo a pensar em vocês. Isso chega, não é?

1 comentário:

  1. Este blog é uma enciclopédia de lembranças boas :) que por vezes o tempo já vai esquecendo

    Mande lá esse tim-tam-tum para mim :)
    Xavelhinha

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...