Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Duas num dia já não aguento

Acalmem-se e aquietem-se que isto ainda nem começou.  Ontem foi a festa de anos do Gu-gu aqui, na casa da avó e, porque o avó faz anos hoje, dia treze de Setembro do ano da graça, resolveu-se juntar o shampoo e amaciador num só, perdão, de repente esqueci-me de que estava a falar de aniversários, ora bem, juntou-se a festa do neto e do avô, como (quase) sempre.
Então foi assim: jantámos ainda no dia doze e a partida do bolo foi a treze, assim que deu as badaladas no relógio da igreja o bolo entrou.
Por isso hoje é dia de arrumação porque ontem foi dia de diversão.
Parabéns ao mê senhor pelas suas 59 primaveras. E pronto, duas num dia é pra rebentar com os intestinos, com o fígado, com o estômago, vesícula, esófago e...com a cabeça porque quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga, não é?

3 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...