Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Fico possessa com determinados progenitores

E mais uma vez sinto-me a otária.
Hora de ponta na rua do colégio das Minhas Pulgas tudo porque os papás têm um ritual de manejo que, a mim, salta-me a brotoeja. Uma ocasião que podia ser rápida sem entupir o trânsito, mas que por força da etiqueta se torna complexa. Os papás de fato e gravata abrem a porta do carro, saem do lugar do volante, ficam de pé a olhar para a fila infindável de carros, abotoam os botões do casaco e só depois é que abrem a porta para o menino sair. Tadito do crianço já com dez aninhos mas não sabe abrir a porta do bólide! E vem a cena dos abraços e beijos...
Depois estica o pescoço, endireita a gravata, abre os botões do casaco e mete-se no carro mas não arranca o diacho da viatura, fica ali parado a ver o menino, tadito!,  a acenar e a jogar beijinhos ao papá de fato e gravata, e casaco desabotoado sentado ao volante.
Caramba, com tanta etiqueta não seria melhor ter um motorista?

Beber ou não beber leite eis a questão

É tanta a contradição que se ouve, é tal a dúvida que se instala que, digo de verdade, eu já não sei em que acreditar.
Chegou a vez do leite. Se por um lado haja quem diga que o leite é um condicionante a ter bons ossos por outro há quem afirme que é desnecessário nos adultos.
Segundo a minha médica os nórdicos bebem leite desde que nascem até que morrem e, por isso, são altos e espadaúdos, e aconselha a beber leite. Depois li que é um alimentos substituível e, como disse, desnecessário.
Uma pessoa até fica sem saber o que fazer para poder viver mais uns aninhos rija que nem um pêro e consciente, com ossos fortes para segurar toda a estrutura do corpo.
E fica a pergunta: afinal, devemos ou não beber leite?

Adoro segundas-feiras

Há quem não goste do segundo dia da semana, eu, como não gosto do primeiro, certamente, não ia detestar também o segundo. Era demais. Sendo assim adoro as segundas-feiras, principalmente, aquelas que começam com boas notícias. Foi o caso. Esta tem um sabor especial.
E não pensem em Bisalhos e Pulgas, nada disso. Atão, boa semaninha. Façam por isso. E vamilhá a produzir para este país ficar com os cofres cheios.

domingo, 29 de novembro de 2015

Quebra de confiança, o filme

Querem um bom filme? Gostam de espionagem e baseado em factos verídicos? Pois que seja e assistam a este "Quebra de confiança". Merece a pena.
É um filme de espionagem contemporânea baseado na história verídica de Robert Hanssen, um agente do FBI que foi preso por ser espião em Fevereiro de 2001. E continua preso...
Ei-lho (como se diz em madeirense) Robert Hanssen.

Chorar é o melhor remédio

Há momento da nossa vida em que as lágrimas correm, velozmente, pela cara abaixo e, por mais que se reprima elas continuam. Já aqui disse que detesto o domingo e, quando choro faz-me odiá-lo.
E, hoje, choro. Choro sem querer. Tudo porque...
Ela é a culpada. Já lhe disse, já a ofendi, mandando-a para sítios onde também já me mandaram. Mesmo assim continuei a chorar, e a limpar as lágrimas, mas sinto-me aliviada.
Ela, ela sempre a fazer-me chorar...
Mas porque raio lembrei-me de num domingo choco, sombrio e silencioso de cortar cebolas? Porquê cabeça, porquê? Já não bastava ser domingo? Tu já fostes uma boa cabeça agora só vestígios.

Tanto quanto

Tanto quanto adoro dióspiros detesto domingos. O diospiro tem um sabor diferente, e só a pronúncia do seu nome deixa-me desejosa. O domingo é, precisamente, o oposto. Por mim riscava-os do calendário, principalmente aqueles domingos chochos, sem sol, em que até parece que o tempo está triste (quiçá, por ser domingo, na volta até pode ser).
E hoje é assim. Escuro, silencioso (não tenho Pulgas a falar, a saltar), amorfo.
Pensando bem vou tentar convencer-me que é sábado, porque mesmo sem Pulgas, o sábado é sempre bom.
Não, não há volta a dar, não deixa de ser amorfo, escuro, chocho.

sábado, 28 de novembro de 2015

Amor de perdição

E, hoje, comi dois, assim, de uma assentada.

Não aprecio

Filmes franceses...eso no me gusta como diz o Henriquinho, filho do Julinho de mi coracon.
Estava prestes a ver um filme que, pelo nome, parecia coisa boa, quando leio a frase na apresentação "avec le soutien de"...Ora soutien é aquele acessório que uso para segurar as " domingas" e não tem nada a ver com filmes, embora, às vezes, faça filmes...
Não estimei de ver a palavra e por isso não vi o filme. Mudei para outro sem soutien.
Ah, o nome do filme era "Cliente" antes que me perguntem...

Acabou-se o azedume

Estou aliviada. Até vou gozar o fim de semana na sua plenitude. E venha o sol, o bom tempo, as saídas em grupo. É venham as amizades, cumplicidades e gargalhadas que o que eu vou levar quando partir é mesmo isto: o companheirismo, as alegrias, as risadas, as conversas em família e as noitadas. Ai, as noitadas! Essas é que me matam!
E ontem foi o pontapé de saída. Grande noite! E era SÓ uma ponchinha e mainadinha, mas acabámos a comer açorda às quatro da manhã.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Ressabiada. Quem? Eu?!

Passei por isso há pouco tempo. De repente eu era a ressabiada cá da urbe. E quem chamou ressabiada, quem?
Uma saloia, uma frustrada que não assume aquilo que é, que se julga esperta, que tenta encobrir as suas tendências achou de me chamar ressabiada e brincar/gozar comigo. Eram frases, eram fotografias, sempre com a palavra "ressabiada" (ou não sabe outra ou então aprendera no dia anterior e toca a aplicar em tudo, mesmo sem saber o seu significado).
Ressabiada, eu?  Enganaste-te na porta, darlingue, porque ressabiados há, há alguns, mas é ali mais ao lado, onde o vento faz a curva e os pintos saltam no muro dos coelhos.

Ressabiada

A propósito de ter sido chamada de "ressabiada", gostaria de saber o verdadeiro significado desta palavra, é que, segundo tenho lido, aplica-se em muitas situações.
Se diz a verdade é ressabiada, se mente é ressabiada, se contradiz a pessoa é ressabiada, se expõe as suas ideias é ressabiada, se escreve é ressabiada, se comenta é ressabiada, e por aí fora...
De repente, esta palavra serve para tudo: para terminar uma conversa, para ofender, para desdenhar (o que outra pessoa tem), mas muito e quase sempre para humilhar ou massacrar outra pessoa.
Afinal qual o verdadeiro sentido da palavra "ressabiada"?

A excelência do nosso jornalismo

Que falta de educação e sensibilidade na escolha de determinados título dos jornais. Só faltou dizer que também chamou uma preta. Por ser magristrada tiveram medo, foi?
Não há palavras! Ninguém merece! Senhores escolham melhor as palavras e voltem a ler o código deontológico da sua profissão. Menos já era demasiado!

E que me dizem àcerca...

Há pessoas que não gostam que se mexa nas suas coisas e, para mexer é necessário pedido de licença em papel timbrado de vinte e cinco linhas com assinatura reconhecida e autenticada pelo notário, mas mexem nas dos outros sem uma palavra sequer, só porque está em sua casa.
Mas espera lá, porque o determinado objecto está na sua casa passa a ser dessa pessoa e pode tirar e pôr a seu bel-prazer, é isso?! E os outros são os otários que até pedem licença para mexer os olhinhos!
Ai gente, há cada estupidez! Tudo numa boa, tudo boa gente.

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Mais de uma hora

Uma amiga que não falava há muito tempo liga-me, diz ela e passo a citar" tenho saudades de dar uma boa gargalhada, vou telefonar à Gi".
E assim foi. Uma hora a falar dos outros que de nós os outros que falem, bem ou mal mas, por favor, falem. E bilhardou-se de todos e de tudo, desde aqui a Bagdad. É bom falar de nós, mas dos outros ainda melhor. Eu não sou d' intrigas, mas há muita gente mal-parida.

Doutor preciso de ajuda...

Com este sol a bater nas costas, com esta temperatura amena de vinte graus, com esta falta de pachorra para tarefas domésticas a não ser o almoço das "Minhas Pulgas", com este olhar a janela e morta por bater as asas e voar...voar, ver os barcos na Pontinha, imaginar os turistas de papo pó ar a servir-se do sol, imaginar locais distantes, que devo fazer, doutor?
Certamente dirá que preciso de internamento na casa dos louquinhos ou somente parar de voar e poisar onde há tarefas para fazer...
Mas esta cabeça, mesmo assim, não pára...

Só uma perguntinha porque perguntar não ofende

Tenho umas perguntinhas para responder e ninguém me liga?
É aqui, Entrai pastores, e é Só uma perguntinha...

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

No mesmo sítio à mesma hora

Pela tarde fui ver as Pulgas a aprender a nadar, escusado será dizer que no sítio é um calor tremendo. A mim dá-me uma brotoeja quando vejo pessoas que costumam ir despir e vestir as suas crianças e optam por usar botas de pêlo, camisolonas grossas e calças cardadas. Outras há, como eu, que usam somente uma blusinha leve, umas calças e sabrinas embora os pés fervam, mas isso, é defeito dos meus pés. Também há as outras que estão de topes de alças, barriguinha ao léu, calças descidas nas ancas e chinelas de meter o dedo.
Com um clima sempre prazeroso sem chuva há mais de duas semanas mesmo que de manhã esteja frio nada justifica collantes, botas quentes e pulover, principalmente, se for dia de levar e trazer crianças à natação. Mas isto sou eu e não tenho de me meter nos trajes dos outros. Cada um veste-se consoante o calor/frio que tem no corpo mas atão não transpirem como eu hoje vi. Nem limpem com a gola que têm à volta do pescoço.

Inocente ou culpado?

Um filme a não perder. Retrata a pena de morte no estado do Texas e coloca em causa o Estado, advogados e toda a sua envolvência. E de como nas cadeias há inocentes mas também de culpados. Um filme que nos agarra do princípio e, chegando ao fim fica a pergunta: "Inocente ou Culpado"? É melhor verem e tirem a sua conclusão.

Sinopse:
David Gale é um fervoroso activista contra a pena de morte, que depois de uma acusação de violação e assassínio de Constance Harraway, companheira na mesma luta, vai parar ao corredor da morte. A poucos dias da execução, David aceita dar uma entrevista a Bitsey Bloom, uma jornalista premiada. Mas Bitsey depressa se apercebe que não tem apenas um exclusivo nas mãos, tem também a vida de David. Ela vai ter de perceber se ele é inocente ou culpado e reunir as peças do puzzle que faltam sobre a morte de Constance antes que seja tarde demais.

Parece que sim que a vida vai melhorar

Parece que a vida dos portugueses vai melhorar, segundo as palavras de quem só mente às vezes, vai daí já mandei um email a uma amiga, gestora de viagens, para me mandar destinos a visitar. Destinos onde ainda haja segurança que sair pelas minhas pernas, de pé e a andar, e voltar numa caixa de pinho deitada ou nem voltar, vá de rastos satanás pó inferno!,  não está, seguramente, nos meus planos. Haverá algum sítio onde se possa estar a ver as vistas e a fotografar sem se preocupar que possa rebentar um petardo ao lado e olhar com desconfiança pra os demais? Aceitam-se ideias...

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Não entendo

A p' ssoa diz que tem medo de viajar de avião, a p' ssoa treme só de falar em viajar, a p' ssoa arrepia-se e mostra a pele de galinha nos braços e depois vai de férias para República Dominicana? E diz que já foi ao México, Cuba...
Expliquem onde é que está o "tal pavor"!?

É muita gente

Diz o Jornal de Notícias que, por ano, desaparecem 3500 pessoas de Portugal. É um número preocupante tendo em conta que uma percentagem são desaparecimentos voluntários.
Há quem não queira estar ligado à família e simplesmente afasta-se, desaparece, sem dar uma satisfação ficando os seus familiares numa dúvida constante, sobre o seu paradeiro sem saber se está vivo ou morto. Sabe-se que quando há suspeitas de crime a polícia abre um inquérito quando não o processo fica em aberto.
Não sei as razões que levam as pessoas a sumir sem deixar rasto, mas deve ser um desespero e um sobressalto de cada vez que toca o telefone para quem tem um familiar nestas condições. Então se fôr um filho!

"O amor supera tudo"

Pois supera até as vergastas com o cinto de nós que as freiras usam à cintura.
E como diz o outro "enquanto o pau vai e vem sempre alivia as costas", era isso que acontecia às noviças, e pela boca da freira sai assim uma coisa como "não eram castigos por aí aléééééémmmmm, e o amor supera tudo". O amor a quê, irmã? A Deus? Amar a Deus é escravizar os mais frágeis?
 Freiras, as pessoas que mais deviam distribuir amor e afinal foi o que se ouviu. Não sei se viram o padre à entrada ou saída do tribunal, mas cá pra mim o homem nem consegue se pôr de pé mas tem força nos braços, como se viu na televisão. E na língua, também. Mal-encarado!

Mais um

Já perdi a conta de quantos turistas perdem a vida quando passeiam pelas levadas.
Um alemão de 62 anos esvarou e pela ribança abaixo foi um regalo. A minha dúvida é se foi que escorregou ou se teve a ajuda da sua querida esposa, naquela de "querido- vê-que-linda-paisagem-ali-aproxima-te-um-pouco-mais-que-daí-não-vês" e tumgas, por lá abaixo. Tem sido voz corrente que aproveitam a caminhada pela levada para....enfim....preciso de dizer tudo, preciso?

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Para pior já basta assim. Mais lixada não.

Fui fazer o exame aos ouvidos ou seja a audiometria para vir de lá cabisbaixa, acabrunhada e mais lixada que uma penteadeira em véspera de Natal.
Atão não é que estou mais surda? Atão não é que vou ficar totalmente surda? Bem, isso é só daqui a uns quarenta anos, quiçá quando tiver cem, mas o que é certo é que por este andar ainda vou passar a ler as beiças aos oitenta. Diz a audiometrista que há uns aparelhos que me garantem oitenta por cento da audição perdida. Disse-lhe que me telefone quando houver uns que me garantam cem por cento.
Riu-se e eu ri-me, também.

Prontus...

Mais uma semana se inicia, mais uma semana cavalgante para o Natal, tão próximo!, e aqueles pózinhos de perilimpimpim ainda não desceram como um manto de alegria!
Mas vim cá de raspão só para desejar uma boa semana. Caramba, alegrem essas caras, sim? Uma semana passa depressa e daqui a dias ainda é pior, com aquele frenezim dos jantares, das prendas, das dúvidas...
Prontinho, tenham uma Boa Semana, se faz favor. E começa a contagem para o fim de semana.
Menos um...

domingo, 22 de novembro de 2015

Quinze anos e já suicida!

Com esta idade seria melhor brincar com bonecas do que com armas.
Enfim!

Já decidi

Hoje não faço mais nada. A Baixinha aspirou a casa enquanto os outros brincavam e eu fazia o almoço. Casa limpa e lençóis frescos. Basta. Ináfe.
Agora só vou preparar o lanche para as Pulgas, meter os lençóis na máquina, tirar a que está no estendal, limpar as folhas da vinha-virgem que o vento achou de trazer para a entrada da porta e....
Bolas, está vida doméstica não acaba!?

Muçulmanas europeias e fundamentalistas

Vi ainda há pouco uma fotografia que circula nas redes sociais que me deixou a pensar. São duas fotos de raparigas: na primeira estão todas de biquíni numa praia e a outra é um grupo de jovens muçulmanas na praia mas usando a burka ou "abaya". A frase resume-se a isto:" se o biquíni é proibido na Arábia Saudita, a burka devia ser proibida na Europa."
E eu, não sendo fundamentalista, nalguns hábitos sou radical.
Os se nós ao visitarmos a Arábica Saudita logo na alfândega do aeroporto somos refundeados a ver se levamos biquíni, carne de porco, tabaco, bebidas alcoólica ou seja, em busca de produtos proibidos, ee logo temos de cobrir o corpo com a tal "abaya" ou burka e somos obrigados a respeitar as diferenças porque não em sentido contrário? Por que se permite que na Europa as mulheres se comportem como se vivessem no seu país de origem? Se querem viver na Europa comportem-se como tal.

sábado, 21 de novembro de 2015

Uma perguntinha...

Porque perguntar não ofende. Mais uma loucura minha.
 Entrai, é por aqui.

Duas na Terra uma no Céu

O mê Gugu falava que temos duas mães: a Mãe do Céu que é de todos e a nossa mãe na Terra, e desenhava com o dedo um semi-círculo em frente das suas duas manas, indicando que a mãe era dos três.
A Maiveilha diz que até "pode haver quem tenha três".
- Como assim, mana?!
"Então, se duas mulheres casarem o filho terá duas mães na Terra e mais a do Céu".
Fiquei sensibilizada, como aos olhos de uma criança o amor não escolhe sexos e tudo é claro.
E ainda nesta semana foi assinado...

A blogosfera deixou de ser a blogolândia

Nota-se pela quantidade de blogues a fechar.
Será que este blogocírculo de repente tornou-se bicudo? Faz pena que a maioria seja por difamações, por palavras ofensivas, por comentários jocosos. Um espaço que devia ser para relaxar, desabafar e criar amizades, seja um antro de provocações é, realmente, frustrante. Pena, daquelas blogueiras, quiçá, por falta de coragem abandonam a blogoesfera, deixando os anónimos a ser rir. Mas tantos blogues de portas fechadas que mete dó!
Vamos continuar a ser uma blogolândia? Que nada nem ninguém nos afaste do propósito com que iniciámos está brincadeira.
Como se costuma dizer: "deixai-os eles não sabem o que fazem".

Fotografia: Porto da Cruz, zona norte da ilha.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Melhor

É melhor ter dois pais ou duas mães do que não ter nenhum, melhor do que estar institucionalizado em busca do casal perfeito para se concretizar a adopção. A ver se daqui para a frente há menos tempo de espera para dar a quem manifeste vontade em ter um filho de coração.
Aos poucos o nosso país caminha para a igualdade entre as pessoas. Mas será difícil agora e sempre mudar mentalidades. Aos poucos com passinhos de formiga...

Nada de confusões

Uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa. O facto de eu desejar Feliz Natal hoje à minha médica não quer dizer que aceite colocar o pinheirinho e a lapinha dentro de casa. Para mim essas coisas entram assim que desça em mim o espírito natalício, e isso ainda vem loooooonge. Dei votos de feliz natal como quem deseja bom fim de semana por uma questão de delicadeza e, aliás, foi a doutora a primeira a ser educada, que eu cá nem "malembrava".
Nada de confusões por aqui, sim? Não digam que me contradigo.
Lave, pice ande rapinésse, e dedinhos em forma de V...

Dá-me uma volta no estrampalho

Ainda há dias fui a uma loja que na porta tem um Pai Natal bem grande e dentro está toda preparada para receber as pessoas com dinheiro e estômago para adquirir os cacarecos da Festa. Ora, a mim, fez-me uma certa confusão no miolo uma vez que Natal é sinónimo de lareira, frio, chuva, cachecóis, luvas, barrete de orelhas e eu entrei na bendita da loja de chinelas, calções e top sem mangas. Eu e mais uma vintena de pessoas.
Acho que o Pai Natal olhou para mim e para os outros de olhos atravessados. Problema dele que vá para a Lapónia e venha quando por aqui nevar.

E hoje pela primeira vez...

...desejei Feliz Natal.
Nem me reconheço, está não sou eu. A mais de um mês do dia de Natal e eu já comecei a desejar as Meéééri Cristemaaaaaaaas? Mas pronto, há uma justificação, só verei a pessoa lá para meados do ano novo. Natal é em Dezembro e não quando um homem quiser, deixem-se de histórias, não acreditem no que dizia o Paulo de Carvalho.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Somos Portugal

Epá (escrito assim como o gelado), somos mesmo Portugal.
No domingo pasado o programa "Somos Portugal" foi até Terras de Bouro e foi uma festa total. Uma festa garantida como anunciaram na tv e foi isso mesmo, até onze pessoas serem roubadas por carteiristas que, aproveitando a onde de alegria "deram um bailhe", como se diz em madeirense. Enquanto uns bailavam e divertiam-se outros houve que trabalharam naquilo que melhor sabem fazer: roubar.
Atão não Somos Portugal? Claro que sim. E que melhor forma de o demonstrar!

Quem está no convento é que sabe o que se passa lá dentro

Sabem da notícia de escravidão e maus tratos a freiras, sabem não sabem? Sim, cá em Portugal, neste país de brandos costumes.
Atão não é que numa casa (nem era convento) viviam freiras e um padre que escravizavam as noviças. Ora toma para aprenderes a amar a Cristo através de fustigadas no corpo, assim, a modos como na altura da Inquisição.
Mas o que faz nascer brotoeja é  que falam das outras religiões com desprezo. Pois, os outros, os outros é que são os maus, porque matam em nome do seu Deus, que por acaso não é o nosso, mas maltratar em nome do nosso Deus, isso sim, é uma atitude comum, normal no Cristianismo. Quem andou num colégio de freiras sabe do que fala...

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Está interligado

Diz que nós, portugueses, somos os terceiros do mundo no que toca ao consumo de antidepressivos.
Na mimha óptica acho que está interligado às muitas horas de trabalho e ao facto de se ganhar pouco conforme estudo levado a cabo.
Se a pessoa ganha pouco e trabalha muito desmotiva e quando acontece a desmotivação resolve-se com um comprimido que nos faça esquecer os problemas, o cansaço e a falta de dinheiro. Quem não deprime quando se aproxima a época natalícia e o dinheiro não se multiplica e as horas de trabalho aumentam!

Podem ter a certeza

Assim que chegue a velha, pois que ainda não sou, com sessenta anos não me sinto com idade avançada mas, adiante, quando eu chegar aos setenta se ainda estiver aqui a escrever avisem-me que neste dia, deste mês e deste ano da graça disse para toda a gente ouvir que: "não agarrarei o guiador do carro entre as mãos, nem porei os sapatos nos pedais e muito menos ligarei o motor para colocar o carro em andamento."
Tenho visto tanta asneira da parte de velhotes a conduzir que até tenho medo de andar na rua.
Lembram-me do que disse hoje aqui, daqui a dez anos?

Eu vi

Vi, com estes que o fogo há-de arder, uma freira de unhas pintadas. E de saia curta, a mascar chicletes dentro da capela e, pasme-se quem puder, a roubar flores das coroas oferecidas ao meu amigo.
Mas onde já se viu? E onde está o decoro? Irmã, isso não se faz principalmente à vista de todos. Ai se Deus descesse à Terra certamente não reconheceria os profectas.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Esta sim uma grande novidade

Que os madeirenses são os mais satisfeitos com a sua vida já se sabe agora que os portugueses são, de entre todos os europeus, os que ganham menos e trabalham mais esta sim, ninguém sabia.
E era preciso fazer-se um estudo, era?

À procura da menina

Seis gravidezes, seis filhos, seis rapazes, seis cesarianas. E a menina não vem. Será que vai tentar a sétima gravidez a ver se é dessa que vem a menina tão desejada?? Falo de uma mulher norte-americana e ontem vi o programa dedicado a ela.

Não se admirem

Se forem até Filadélfia em viagem de recreio ou negócios não se admirem de ver zebras a passear pelas ruas da cidade. É que fugiram duas do circo e, porque não?, pensaram elas, porque não darmos uma volta e visitar os monumentos? E lá andam elas...

Diz ele...

François Hollande diz que "a França está em guerra e vai destruir o terrorismo".
Ora, na minha parca maneira de ver as coisas acho que esta guerra contra a guerra só os fortalece, tornando-os, ainda, mais desejosos de vingança e de retaliar as bombas lançadas sobre o seu território. Para eles, Estado Islâmico, nada os detém nem, como vimos, a morte de civis que nada têm a ver com a tomada de posição de quem os governa. Só sei que os terroristas estão muito bem prreparados e acima de tudo mentalizados para a morte e, quantos mais levar na sua caminhada para o Além, melhor serão recebidos por Alá. Matar em nome do Corão só os torna mártires e heróis.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Mas vai ter que ser

O meu amigo, pessoa integra e educada, vai a enterrar quarta-feira. Com quarenta e tais anos havia de viver mais tempo. Duas filhas, uma com cinco outra com onze, ficam orfãs e uma mulher destroçada, com uma fé inabalável na cura que tudo fez para retardar o momento.
Quarta-feira lá estarei para o acompanhar até à sua última morada.

A propósito de...

Ao escrever a mensagem de baixo lembrei-me de certa vez que um grupo de professoras, eu incluída, levou um grupo de alunos do Ensino Recorrente Nocturno, ou seja homens e mulheres adultos a visitar cidades de Portugal. Em todas as paragens tirámos fotografias, para mais tarde recordar os lugares por onde passámos. O problema, o grande problema é que eles só queriam fotografias de grupo, tipo jogadores de futebol, uns em pé outros de joelhos, ao longo do autocarro e sempre, mas sempre com o chofer e as professoras, claro. Portanto nenhuma se percebe onde foi mas o carro e chofer sou capaz de identificar até no fim do mundo. E o grupo todo, também. Agora os sítios...difícil, muito difícil.

Não é o único

Um irlandês foi de férias a Nova Iorque e, em vez de filmar as paisagens que via filmava-se a si próprio. O vídeo tornou-se viral, depois do filho o colocar no iutube.
Nada que não se saiba e nada que, presentemente, não se faça, com esta moda das selfis, (a si próprios, como diz o outro). Porque o mais importante é colocar no feicebuque e esperar pelos laiques, mas, acima de tudo mostrar-se. Mostrar aos outros os lugares onde esteve fazendo as caretas habituais, tais como cara de pato, língua de fora, fazer beicinho, arregalar os olhos, admiração, boca aberta, nariz franzido, e outras. Caretas (ou modilhos em madeirense) tornaram-se banais e divertidas nas selfis, a si próprios, como diz o outro, segundo um artigo que li.
O vídeo está aqui.

domingo, 15 de novembro de 2015

A partir de hoje...

A juntar ao medo de andar de avião está, agora, o pânico de aglomerados populacionais. É o olhar de esgueira para as pessoas, é o pavor a instalar-se entre os povos, é a insegurança que se vive nas grandes capitais...medo, acho que esta palavra agora faz sentido. Muito mesmo. Medo do mundo. Das pessoas. De todos. E de qualquer um que se atravesse no caminho.

Segredo para uma vida longa

O segredo está nas nossas mãos: evitar os homens. Quem o afirma é uma mulher de cento e nove anos. Diz ela que chegou a esta iade por isso mesmo.
Vamilhá a entender estas mulheres que vivem até depois dos cem. Uma diz que é por beber um grogue todas as manhãs, outra porque não consumia certos alimentos e esta agora por evitar os homens.  Olhem, eu vou viver até morrer, isso sei-o bem.

É sempre com muita dor...

...que assistimos à partida de um jovem.
Esse doença malvada que ceifa vidas a todo o momento, um guerreiro numa luta durante um ano e cinco meses. Já sem forças mas com esperança de melhoras submete-se a mais um tratamento. Elimina num lado aparece no outro. Mas Ela espreitava na esquina da Vida sem dar tréguas. Partiu ontem ao final da tarde, calmamente. Deixa uma mulher e duas crianças destroçadas que tudo fizeram para que permanecesse junto da família.
Amigo muito querido cá da casa, amigo muito querido há anos, desde que ainda era um adolescente à procura de adolescente. Fui testemunha deste amor desde o início, e tanto que lutou para o conseguir.
Descansa nas asas de um anjo, meu amigo.

sábado, 14 de novembro de 2015

Digam-me...

Há presentemente um lugar seguro no mundo?
Ainda hoje alguém dizia que, estamos, e referia-se a nós que vivemos na Madeira, num lugar seguro.
Será? Já não sei.

Tenho cá uma sorte!

Aposto desde há muitos anos no Totoloto, desde deixa cá ver....desde que o mê Bisalho tinha 3 anos e já tem 31, portantus, há bué, no Euromilhões desde que apareceu e a sorte é sempre a mesma. Uma semana sai dois euros três semanas de míngua.
Ora, o que me faz confusão é num universo de milhões de pessoas a apostar não houve uma viva-alma que acertasse nos números e estrelas.
Será mesmo azar de todos nós? Será que a chave está viciada? Será assim tão difícil? Fica sempre a pulga atrás da orelha. Eu já não sei o que pensar, só sei que sorte é coisa que não abunda por aqui.
Rásparta! E Terça-feira é assim a modos que uma pequena fortuna. 144 milhões.

Dava alcoól ao bebé para ele parar de chorar

Uma norte-americana, de 28 anos, mãe de um bebé de dez meses colocava burbom nos biberões para acalmar as dores nas gengivas devido ao nascimento de dentes. Caramba, ninguém acreditou nela, foi com boa intenção, a polícia é que não estava de acordo e meteu-a no calaboiço. Ingratos! Atão, deixa-se um bebé chorar por causa dos dentes? Não. Dá-se alcoól. Louca esta!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Pois eu acho muito bem, Ronaldo

Ronaldo revelou que nunca dirá publicamente a identidade da mãe biológica do seu filho.
Mas que prazer têm as pessoas de querer saber pormenores da vida alheia? Quem é, onde vive, que faz na vida...bem, aqui escusado saber pois que deve ter recebido lotes de euros, dólares ou reais, para manter a boca calada e, por isso, não faz nada na vida. Ou será que foi in vitro?
Mal-empregado, não sabem! Bem-feito. Nem eu, caramba. Mas dava um bolo do caco com manteiga d' alho para saber quem é a mãe do busico. E vocês não? Ai Ronaldo, que agonia!

Estava ali fora a regar...

...e em vez de rezar (até rima), pensava o quanto as pessoas mudam. Pessoas que conheci e que podia afirmar serem espectaculares, sinceras, bem-humoradas, com a idade tendem a mostrar o lado obscuro do seu ser.
Naão sei o que serei daqui a dez anos quando a idade pesar mais que os quilos, mas desejo ser uma velhinha feliz, sempre sorridente, sem ser um impecilho para ninguém. Não permitirei mostrar o meu lado negro (sim, também tenho maus pensamentos, não se admirem), também sou rabuja, mas só desejo ser "tão fofinha!", como dizem as "Minhas Pulgas".
Para que fui regar as flores? Pergunto e respondo: para pensar na minha velhice!

Sexta-feira, 13 - dia do azar

Até pode ser dia da sorte para quem acertar nas malfadadas estrelas e números do Euromilhões. Eu joguei a ver se é desta que arrumo a minha vida, faço umas limpezas antes e parto para a aventura.
Se amanhã não estiver por aqui considerem-se envitadas para a grande festa de boas-vindas ao dinheiro. Mas se estiver....é sinal que...
A ver se é desta. Oremos.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

A Natureza tem destas coisas

Cogumelos e erva nasceram numa pinha que havia no quintal. Coisas da Mãe Natureza...

Desce-me um nervoso muidinho

Verdade. Desce e aloja-se na zona das ancas e por mais que choca-lhe não sai quando digo algo e que me comtradizem, só por que sim. E isto agrava-se quando estou num grupo de amigos e fazem-no à frente de todos.
A minha mãe, que Deus a tenha sempre num bom lugar disse quando eu, um dia, armada em espírito de contradição, refiz ou melhor corrigi a frase que ela estava a dizer à minha tia-velha, atentem que só disse "não, mãe, não é assim..."
Darlingues, a mão voou e caiu nei beiças juntamente com a frase que passo a citar: "mesmo que eu esteja a mentir tu não me contradizes".
Hoje em dia lembro-me sempre quando digo algo e logo sai "não é bem assim..."
E as beiças ainda ardem, mas desta feita por não deixar voar a mão. Não, eu não sou violenta, mas, às vezes, apetece-me...

Quem pode pode

Ronaldo já tem avião, li no jornal. Tendo em conta o preço das viagens de e para a Madeira nos períodos de Natal, Fim do Ano, Páscoa e fins de semana compridos é capaz de ser mais barato comprar um avião, quiçá foi a solução mais barata que encontrou para sua mãe vir comemorar o seu aniversário, na terra onde a viu nascer, a saber é na noite da Passagem de Ano. Se calhar vou fazer o mesmo. Certamente não sabem, mas as viagens de e para Lisbos, no Natal estão a um preço pornográfico, desculpem a expressão, mas agora usa-se. Setecentos euros é uma obscenidade. Fazendo contas de merceeiro setecentos para ele, mãe, filho, mais a comitiva que o acompanha dá uma coisa para cima de vinte mil. Mais vale comprar um avião. Ora bem!
Se pretendem ler entrem aqui

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Acabou

Aquele momento só meu acabou. Chegou marido, netos, e o sossego foi-se. Foi banhos vezes três, roupas vezes três, enxugar vezes três, jantar vezes cinco, pratos vezes cinco, talheres vezes dez, arrasta cadeiras, prepara frutas, formam fila, correm, e ainda têm tempo de se baloiçar na rede, vezes duas e tem sido o pomo de discórdia.
Chega pai vezes um e leva filhos vezes três e ficam dois velhos entregues a si próprios.
Agora jazo embuseirada no canapé, depois de pintar unhas vezes dez, secar vezes dez, e, comássim, bebo café, dos grandes, vezes uma caneca que depois será jogada para dentro da pia vezes uma....
Acabou o momento zen começa o momento de reflexão. E faz-se silêncio.

Aquele momento do dia...

Aquele momento em que é só teu, depois de despachares marido, netos e filha, tudo para a escola e, olhas em redor e tens o espaço todo para ti. Mil tarefas para fazer, mil desejos a concretizar, mil pensamemtos te afloram e tu, mulher da vida, doméstica, aposentada, fazes um café, dos grandes, puxas a banca, esticas as pernas, colocas uma almofada nas costas, unes pestana om pestana num torpor desmedido e...
Pastas. Relaxas. Descansas.
Bendito seja o descanso agora e para sempre, amém.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Sindroma de Estocolmo

Sou incapaz de gostar de alguém que me maltrate. Não posso ter simpatia por um governo que me roubou. Fui submetida a um desgaste psicológico, a intimidação da parte do agressor. Este governo que agora caíu agrediu-me, por isso, não sei o que virá, mas uma certeza eu tenho: a esperança é a última a morrer. Eu estou com esperança que este dia histórico fique para sempre lembrado como o dia em que "o povo saiu à rua com a alegria que costumava ter"

Portugal no limbo

Tudo pronto para a viragem? De repente só me lembro da cantiga: " pra melhor tá bem tá bem pra pior já basta assim"
A ver vamos...e continuo a ver o canal Parlamento, como nunca vi.

E caíu.

Como água para chocolate

Vi, ontem. Embora conhecesse a história, pois que já tinha lido o livro, é sempre um prazer ler ou ver em filme Laura Esquivel.

Sinopse
Tita nasceu na cozinha da casa da família, quando sua mãe estava cortando cebolas. Logo em seguida, seu pai morreu de umataque cardíaco ao ter sua paternidadequestionada. Por essa razão, Tita tornou-se vítima de uma tradição local, que dizia que a filha mais nova não poderia casar para cuidar da mãe até a sua morte.
Ao crescer, Tita se apaixona por Pedro Muzquiz, que corresponde e quer casar com ela, mas a mãe da moça proíbe o casamento, e sugere que ele se case com Rosaura, a irmã dois anos mais velha de Tita. O rapaz aceita, pois esta é a única maneira de se manter perto de Tita.

A Boa Nova veio do Oriente

Àcerca dos seguidores cujo avatar desaparece do sítio, ali à direita, deste meu humilde casebre, a resposta veio do Oriente, mais precisamente de Macau, onde vive o meu vizinho Pedro Coimbra. Diz ele que, muitas vezes, são pessoas que se desligam da blogoesfera. Como sempre não sabia que ao anular o blogue pessoal, anulava também o avatar da lista de blogues a seguir.
Andando e aprendendo. E, como costumo dizer: a blogoesfera deixou de ser uma blogolândia.....já não é o que era, aquele sítio divertido onde nos apetecia deixar umas larachas, onde havia boas-maneiras, camaradagem. Eu, ainda, sou desse tempo em que "quase" nos conhecíamos! Presentemente, tudo é ofensivo, tudo é criticado, tudo tem um duplo sentido. Assertividade é palavra riscada do blogodicionário.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Não tenho jeito nenhum

Sinceramente, não sei mover montanhas nem sei andar em cima do mar e muito menos ser líder. Falo de seguidores que desaparecem. Difícil mantê-los. Não tenho jeito e, por isso, vou-os perdendo como se fossem amendoins. Tinha 1032 e, de repente, perdi 7. Olhem que sete são muitos. O pior é não saber onde é que os perdi. Nem como...Pfummmmmm, foice...
Até me deu dó olhar e não ver.... Por isso digo que se pertencesse a uma seita, os seguidores fugiriam de mim como o diabo da cruz. Não sei mostrar o caminho da luz...ou ando a afugentar gente. Que seja feita a vossa vontade.

Detesto

Eu e falta de palavra não somos, propriamente, as melhores amigas.
Ainda há pouco liguei para a companhia de seguros e, além de me porem a ouvir uma violinada que a vareta do violino quase me fura os tímpanos dizem que, o colega que trata desse assunto está ocupado, e se (eu) podia ligar daí a dez minutos. Ora, se o colega está ocupado eu também estou e digo "o senhor (fulano de tal) que me ligue, se faz favor". Diz que "assim que terminar a pessoa com quem está a falar liga".
Não sei se já terminou é que há mais de uma hora que espero. E olho para o telefone a ver se, por transmissão de pensamento, o senhor faz o obséquio...
Gente maravilhosa esta que se marimba para os outros como que só eles tivessem vida própria. E bufa, mulher do demo, e deixa sairo ar malvado dos pulmões.

Peço desculpa

Isto de publicar e ir à vida dá que nem me apercebi a quantidade de erros de sintaxe que tinha na mensagem abaixo.
Por isso, peço desculpa, porque se há quem lhe cresça pêlos no céu da boca ao ler frases com erros, essa sou eu. E, por aqui dei que, com sinceridade, até eu tive dificuldade em me orientar.
Desculpas aceites,sim? E, já emendei.

Nada a fazer

Ora bem, aquele desejo por "comida de plástico" vem com o nosso código genético está, como se costuma dizer, "na massa do sangue" e não há volta a dar. O cérebro está assim, a modos que, programado para desejos por comida menos saudável, gordurosa e calórica.
A resposta científica foi dada em forma de estudo e investigação por um grupo de investigadores britânicos.
Por isso minhas darlingues, aquela vontade mórbida por pizzas, hamburgueres, bolachas e outras pré-feitas já nasceu convosco, e comigo também que, embora não goste de pizza, hamburgures gosto de batatas fritas de saco com sabor a vinagre e cebola. Não há volta a dar depois disto só aceitar com resignação a vontade dos nossos genes de comer "porcarias".
ADN esse malvado que nos faz desejar por um bom prato mesmo de olhos fechados.

domingo, 8 de novembro de 2015

Não é bem mas é quase

Hoje, no carro, eu e mê senhor nos bancos da frente e logo atrás três Pulgas irrequietas além de atentas ao desenrolar da conversa de adultos.
A Baixinha, a mais mexida, a que mais se parece comigo no humor repentino, nas aluações, mete carta ao baralho dando continuidade ao assunto de adultos. Digo-lhe para imahinar que tem um reposteiro, ou cortina a separar a parte da frente da de trás. E com a mão esquerda imagino que corro o cortinado.
"Mas, ó avó, achas que isto é uma limusine, achas!?
E segue-se a explicação pormenorizada...
Palavra de honra, às vezes, não sei onde vai buscar estas ideias.

Será acto de coragem, cobardia, egoísmo, nobreza ou desespero?

Leiam, entrem por aqui.
As opiniões dividem-se. E eu que, geralmente, tenho opinião para qualquer assunto quedo-me, espantada. Incrédula! Nem sei o que dizer.
Pais morrem junto com o filho que morreu de cancro. O pai foi encontrado junto ao corpo do filho a mãe na cozinha. Ambos enforcados.
Mas será um acto de....?

sábado, 7 de novembro de 2015

Quem diz a verdade não merece castigo

E foi isso que aconteceu. Disse umas verdades e a coisa amainou. Farta, fartinha de gente a me ofender.
É inadmissível que uma catraia de trinta e muitos anos me trate como se fosse da sua laia. Caramba, se algum dia um dos meus filhos ofendesse uma pessoa da minha idade e sob a minha conivência. E que eu soubesse!
Abomino catraiada nova que se julga suprema-superior e desata a ofender quem nunca a ofendeu, principalmente. E que toma as dores alheias como sendo suas. Menina, vá ver se as galinhas têm ovo, se os cães têm carraças ou pulgas, cuide dos seus pais, e eduque-os, se calhar, também precisam.
Não se aguenta com tanta mal-criação!

Porque hoje é sábado

Ao sábado lava-se a roupa de cama, toalhas de banho, de cozinha e tapetes, não tudo na mesma máquina como a louca da Rita, a minha empregada fazia. Ela misturava os lençóis com os tapetes do chão. Além de louca, porca. Mas isso é outra conversa...
Agora, com Moi-Même é outra conversa, esta minha empregada é imigrante do Caribe, mas sabe muito bem que roupas colocar ao mesmo tempo na máquina. É assim a modos que pra lá de Bagdad....
E, hoje, lembro que a minha mana trouxe estas embalagens de "Lenor", amaciador que adoro e não é comercializado em Portugal, pelo menos que eu saiba.
Minhas darlingues, se vocês lavarem com Ariel e amaciarem com Lenor digo que é algo fora do comum. O cheiro entra nas narinas e permanece durante dias na cama. E na roupa.
E se pensam que este poste é patrocinado pelas marcas acima faladas estão mal-enganadas. Aliás, foi patrocinado pela minha irmã, pois foi ela que me ofereceu.
Tenham um bom sábado, e não esqueçam de lavar lençóis e tapetes, não ao mesmo tempo, na mesma máquina, sim?

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Como é possível?

Uma mulher enceta uma relação há pouco tempo, tem poucos dias, e já fala do companheiro como se o conhecesse a fundo. Conhece os seus gostos dando, até, opinião sobre ele com alguém que lida com essa pessoa desde que veio ao mundo.
Fico admirada, pois que num casamento de quase quarenta anos - que é o meu -, ainda estou a conhecer a pessoa com quem casei, como é possível em apenas dias já se opinar de alguém?
Bem, eu não posso dizer que conheço o meu companheiiro de viagem, pois que, com a idade mudam de gostos, comportamentos, humor (ai as mudanças repentinas de humor tão comum nas pessoas que entram na menopausa!) e até de atitudes.
Conhecer alguém somente com uma convivência de poucos dias, hummmmm, deixa- me surpresa. Dúvidas, só dúvidas!

Meu rico filho!

Quando um filho bate num pai idoso, puxa-lhe até, quase, arrancar os genitais, alastra os maus-tratos também, à mãe, e quando perguntam à progenitora a sua opinião, o que acha de toda a situação, se ele merece castigo, ir preso pelos maus-tratos e ela responde: "não senhor, filho é filho", eu, mera cidadã deste país, fico de boca à banda, pensativa e, um pensamento debita-se e foge-me para a certeza de que "há pais que merecem os filhos que têm".

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Uma certa ciumeira nasce

Nasce e cresce, não consigo controlar, que querem?, sou invejosa até dizer chega. E tudo porquê?, perguntam vocês. Tudo porque ouvi falar em férias, viagens, cruzeiros...
Se por um lado tenho um filho de mini-férias, tenho outro a pensar em grandes férias. E eu? Atão e eu? Será que não me incluem nestes projectos? Certamente, que não. São coisas a dois, a cinco...
Pois, mas como não sou rapariga de ficar "a mamar no dedo", e, só de pensar em viagens, cruzeiros, dá-me uma vontade mórbida de partir, já falei com o cabeça de casal e nozes também vamos dar uma volta, ali para o final do mês.
Está ainda no forno a cozer...

Emprestado é dado?

Fico possessa quando empresto algo a alguém e a pessoa não me devolve. Sejam livros, coisas de criança, taças (ai a minha rica taça de loiça branca!) ou até um lenço de se assoar.
Agora adoptei o sistema de escrever num caderno toda esta actividade. O nome do objecto, a quem empresto, e a data.
Consultei a lista e pasmem-se, além de livros, tenho até uma cadeira de bebé. Uma cadeira que é das "Minhas Pulgas".

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A minha taça de loiça branca

Aquintrodia levei a taça de loiça branca com acepipes para a casa de alguém. Até aqui nada de mal não era a primeira vez que acontecia. O que me fez ficar aborrecida foi, dias depois, ver a minha taça na mesa com comida pronta a ser servida na dita casa. Olhei e reconheci a bendita da taça que havia levado dias antes. Disse que era "a minha taça" e até fiz-lhe ver que dias cheguei com algo para o jantar. Tua? Não, é minha, foi um presente de casamento.
Voltei à carga mas fez orelhas moucas e desviou a atenção, mas o pior foi quando me disse que, até, tem duas iguais. Mas quem no seu perfeito juízo dá uma resposta destas, no desenrolar da conversa!? Mais valia ser sincera.
Duas iguais. Então não se vê? Está de caras: uma é "a minha taça de loiça branca!". E, agora, tenho o jogo de loiça descasado por causa de alguém sem escrúpulos que usa, indevidamente, o que não lhe pertence.

Queijo sem leite, bifes sem carne e uvas do centro a fazer vinho do norte

Mas esta coisa vai de mal a pior. O queijo era vegetal, os bifes eram de soja e as uvas do centro. Mas nada chega aos calcanhares dos chineses. Eles conseguem fazer arroz a partir de plástico, bem como carne moída a partir de cartão amolecido em água que é depois esfarelado para fazer preparado de carne moída. Isto sim, comida boa é a chinesa. Sai um crepe? Ou preferem um Arroz Xau Xau? É que a massa chinesa e o porco Xangai acabou.

Aquietem-se pessoas adúlteras

Diz-se que "quem trai uma vez volta a fazê-lo" e que se perde a confiança no outro quando um dos membros do casal tem uma relação extra-conjugal.
Afinal, não têm culpa. Veio a descobrir-se que é um problema genético e da hormona Dopamina. Ufa, devem estar a dizer em desabafo, aqueles que dão "uma no cravo outra na ferradura". Aquietai-vos.
Mas, e há sempre um "mas"para tudo, a culpa não é só da hormona, mas também do dinheiro (como se não soubessemos, não é?), porque, segundo o que li, aquele que no casal ganhe mais é propenso ao adultério.
Fiquem-se com estas desculpas, mas cá pra mim não tem a ver com hormonas, nem dinheiro. É genético. Tem a ver com o carácter, e esse nasce connosco.
O que eu leio e descubro!

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Carta de uma mãe a um filho desaparecido

Entrai por aqui. E leiam.
Deixo um excerto da linda carta da mãe ao seu filho perdido, na esperança que ele volte aos seus braços.

"Eu sou a tua mãe. Tu és o meu caçula lourinho, o meu Benny de Bernardo, o meu leãozinho. Ninguém garante a quem tenha o Caetano dedicado a música, se ao filho se a um amante. Eu cantei-a sempre para ti, enquanto te tinha enroscado no meu colo. Sempre que ouvir essa música, seja realmente tocada ou ouvida apenas na minha cabeça, sei que estás a pensar em mim, filhote. Não vou desistir de ti nunca, de te procurar nunca, de te esperar jamais. Mas tenho de tirar aquele apelo desesperado dali. Tenho de enfrentar a desesperança com todo o colossal amor que te tenho. Tenho de voltar a respirar com a cadência da normalidade cardíaca. Por isso tenho de deixar o coração desencostar-se das costas e reconstruir-se. Nunca me custou tanto perder alguém como me custa ter-te perdido. Porque foi inesperado. Porque te obriguei a prometer que ficavas comigo até aos 20. Porque sou eu a tua mãe Benny. Não de barriga. De coração todo. Porque sou a tua mãe, leãozinho. À tua espera sempre, neste tempo, nesta vida e em todas,

Mãe


P.S. O Manuel saiu das nossas vidas. Foi ele que te deixou fugir, apesar de o ter avisado até à exaustão. Não consegui perdoá-lo. Tentei, mas não consegui. Mesmo que só tenha a tua mantinha e a tua taça azul, és biliões de vezes mais importante do que qualquer namorado. Filho é bocado de nós e é para sempre. Homem é bicho que passa, e só fica se a gente quiser. E eu não quis. Hoje vou tirar a tua caixinha da casa de banho. Mas guardá-la, preciosa, se voltares."


Eu sabia que, um dia, isto ia acontecer

Gosto de café quente, bem quente, daquele que borbulha, ainda, na chávena, mas hoje, caramba, queimei a língua. Será praga? É que inveja de pessoas ressabiadas (ai, como adoro esta palavra!) é terrível e, infelizmente, andam por aqui a meter o bedelho, sempre.
Neste momento devem estar a reprimir o riso, o 45, o do gozo, claro, e a estremecer com os ombros devido ao esforço.
Li há dias que "o que é mau destroi-se sozinho" é essa a minha certeza. Vai-se auto-destruindo...lentamente.
Olarilha, esta língua quando queimada solta-se.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Vou ter de ir ao médico

Aquietem-se, não estou doente (bato na madeira e faço cruzes para afugentar o mau-agoiro), mas aqui a "raspariga" que vos escreve faz, no próximo mês, calquercoisa como sessenta anos e, vai daí, é necessário renovar a carta. Oras, minha gente, pagar sessenta "eros", como diz o senhor José - o Venezulano da venda da esquina, por uma consulta só porque preciso que um médico ateste por sua honra que não sou um perigo quando boto as mãos no guiador do carro, não é de ânimo leve. Atão, já pensei em inventar umas coisinhas para justificar o dinheiro gasto.
Que devo inventar: Gripe? Brotoeja? Uma dor nas aduelas? Comichão no céu da boca? Bexigas loucas? Amargos de boca? Cabeça que já não é o que era?
Dúvidas, só dúvidas...

Um certo calor nos pés

Sou rapariga de extremos, tanto tenho os pés gelados como os tenho a ferver. À noite arrefecem durante o dia aquecem. Vou ter comprar um termostato mas, adiante...
Hoje calcei umas sabrininhas lindas de morrer que me custaram poucos euros, naquela loja que começa com "Pri" e acaba no mark e, assim que saí à rua só me apeteceu jogar-elas pá ribeira. Estava um calor do demo e os pés desataram a ferver. Desejosa de chegar a casa para calçar as chinelas e de poder arejar os pés nem curti o passeio e o café tomado à pressa.
Assim que entrei à porta "ala que faz-se tarde" mudar de calçado. Agora elas jazem quentes à janela para tirar o cheiro próprio de quem tem os pés a verter águas.
Mas que calor ali pela hora do meio-dia!

Quem sai aos seus não degenera

E quando ao fim de um tempo vens a descobrir que tudo aquilo que diziam sobre uma pessoa confirma-se? Que, na realidade, a pessoa é como era retratada pela família e não como eu pensava que era. Quantas vezes fiz ver que, por vezes, temos de dar o braço a torcer para que a relação prevaleça. Não há necessidade de ressentimentos com os membros da família por que acima de tudo família é o bem mais precioso que temos. Tanto contrariei quando me falavam sobre o feitio dessa pessoa, quando me diziam "cobras e lagartos" ... "Tenta falar com ela", "pode não ser bem assim", "esclarece o assunto", pois é a falar que nos entendemos. "Eu também tenho filhos e, por vezes, temos de engolir sapinhos, sapos e sapões", dizia-lhe...
Estou decepcionada! É como diziam. Comprova-se...Faz-me ver que, realmente, a família conhece bem os seus. Só uma mãe conhece bem as suas crias.

A propósito de

A sério, minha gente, detesto dormir de meias.
Sim, sei que com este tempo virado a norte sabe bem umas meiinhas nos pés de gelo, sim, também sei que com pés frios ninguém consegue fechar os olhos, salvo seja, claro que os gatos também fazem a vez de meias eu sei, e os cachorros aquecem, sei disso, mas aqui, nesta mansão, cachorros e gatos dormem na rua.
E, como estava a dizer antes de me perder nos conformes, não durmo de meias por uma simples razão: não quero que o manda-chuva do céu se lembre que, em virtude de eu estar de meias estou preparada para bater as solas.
Sabem que os mortos é que vão de meias no caixão e, cada vez que alguém me fala em dormir com esse acessório sobe o arrepio pela espinha acima só de me lembrar defuntos e, olha, quingraçado!, hoje é o dia deles...
Por isso, nada de meias não quero criar expectativas lá no céu.
Manias, só manias...

domingo, 1 de novembro de 2015

A noite passada dormi mal

Mas esta noite vou dormir melhor.
Deitei-me. Tinha duas pedras de gelo em vez de pés, movimentava mas não aquecia. Levantei-me e fui buscar um robe turco e coloquei-o sobre as pernas. Os blocos de gelo não derretiam. Os pés continuavam gelados. Vira e que trambulha e nada os aquecia. Diacho! "Ah, pois, já sei o que dá aconchego." Novamente levanto-me e procuro no escuro através do tacto. Encontrei. Fui para a cama e coloquei o objecto sobre mim.
Eu sei, sempre soube, que o robe da minha mãe faz milagres.
Esta noite dormirei melhor com o seu aconchego...

Quando os pais não aceitam a homossexualidade dos filhos

Presentemente, assiste-se ao aceitar os filhos como eles são, refiro-me às relações entre pessoas do mesmo sexo. Mas, ainda há os que são relutantes, fazendo com que os filhos se afastem da família para viverem a sua relação longe de quem os devia aceitar e  que reage de forma contrária. E estes filhos tornam-se duros, secos, com uma carapaça que os protege.
E os pais tornam-se amargos. E para não cairem na falácia da sociedade, arranjam desculpas espatafúrdias para justificar o afastamemto dos filhos. E tornam-se emperdenidos na relação com eles, deixando até de lhes falar, chegando ao ponto de mudar de sentido quando se cruzam com eles na rua.
Para desviar atenções atacam as relações entre pessoas do mesmo sexo, relatando momentos presenciados com uma total repugnância digna de quem acha serem seres abjectos, quiçá, para desviar atenções ou, até, saber a opinião dos interlocutores. E apontam o dedo quando vêem momentos de carinho entre homossexuais, "olha, dois de mãos dada, que pouca vergonha!", "olha aquelas duas", sem pensar que, nesse momento, na sua família poderá haver duas mulheres ou dois homens se beijando.