Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 7 de março de 2016

Tal qual eu

O mê Gugu, neto de seis anos, esperto que nem um alho (não percebo a lógica desta frase, mas adiante), disse-me que tinha um cromo do Cristiano Ronaldo, contente que estava (afinal este craque move corações), e que ia escondê-lo "bem escondido para ninguém roubar, tão bem escondido que passados dez dias nem eu vou saber onde o escondi, avó".
Ri-me porque, afinal isto toca a todos: novos e velhos, está mania de esconder e passados "dez dias", como diz o meu Gugu, não saber onde se escondeu o dito.

3 comentários:

  1. Olá
    Fino que nem um alho, é uma expressão portuense, como foi parar à Madeira?
    Afonso Martins Alho foi procurador do concelho, mas foi ao serviço do país que Afonso Martins Alho se notabilizou. D. Afonso IV enviou-o a Londres, à Corte de Eduardo III, em 1352, para negociar e firmar o primeiro tratado comercial anglo-luso. Voltou a Londres para a celebração do tratado de comércio, assinado a 20 de Outubro de 1353. Afonso Martins Alho foi tão hábil nas suas negociações que associada a ele se popularizou a expressão "fino que nem um alho".
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dulce
      Obrigada amiga, não conhecia a lógica.
      Agora sim, posso afirmar com certeza quando do usar esta expressão.
      Kis:=)

      Eliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...