Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Mas que grande mentiroso!

Se há defeitos que me transcendem e me deixam com a brotoeja à flor da pele é, sem sombra de dúvidas, a mentira. É assim um estado que me faz ficar com os nervos à flor da pele e a transpirar ...
Atão não dá que o antigo primeiro ministro o falecido, perdão o deposto PPC disse que "nunca convidou ninguém a procurar emprego fora de Portugal"?
Ora, ou o senhor gajo é mentiroso ou sofre da doença da mentira, porque se bem me lembro o senhor dos passos disse com todos os dentes arreganhados que era uma opção para os muitos desempregados em Portugal.
Realmente ele não empurrou ninguém nem obrigou mas a sua governação sugeriu e eu, avoGi da Costa Coelho e Herédia Passos de Coelho ouvi, li e vi muito bem.
Grandessíssimo filho de uma senhora virtuosa, vá mazé mentir para as Caraíbas!

Um dia extra ou a menos?

Hoje é o dia a mais no calendário diz o Feicebuque. Pois eu que sou do contra acho que é um dia a menos, uma vez que o calendario está cheio de meses a 30 e 31 dias, e Fevereiro é a excepção à regra. Mas não importa e vamos ao que praqui vim.
Tenho uma festa de anos de uma jovem que faz vinte anos ou melhor vinte vezes quatro. Isto de fazer anos de quatro em quatro é deveras aborrecido.
Eu, por mim, não permitiria que filho ou filha minha fosse registado neste dia, uma vez que, presentemente, se pode acelerar o parto (até nem sei se se regista ainda neste dia). É traumatizante para uma criança não festejar o seu dia de anos cada ano.
Não se justifica registar um bebe no dia 29 de Fevereiro. Que se antecipe o parto que se prolongue umas horas, tão mais fácil e evita-se que um ser fique triste e, já que os pais optam por festejar a um de Março que fique com este dia como sendo o do seu aniversário.
Mas enfim, está sou eu que como disse sou manienta.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Corto cabelo e pinto

Hoje tirei a tarde para cortar e pintar. Sim, minha e meus aqueles que pululam por aqui, eu corto cabelo e pinto em casa.
Assim c' as Pulgas foram para casa meti mãos ao cabelo. Ao cabelo e à tesoura ementes fazia a mistura da tinta para pintar o cabelo de vermelho, mentira foi de verde.
Agora repouso com a cabeça dentro da touca à espera c' coisa se mescle e ó depois vou mter-me na banheira de espuma para um banho relaxado, perdão relaxante.
Hoje tirei o dia para estar comigo. Hoje eu comigo fiz miminhos a mim em vez de mimar outros.
E querem que diga a verdade? Adoro-me!

À noite no museu

Um filme com legendas passado no canal Disney e que pôs as Pulgas sossegadas durante uma hora e meia.
Não percebem inglês mas a animação e fantasia é perceptível tornando o filme num espectáculo, porque à noite as estátuas e figuras de cera ganham vida transformando o museu numa euforia épica cheia de magia.
Até eu adorei.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

E se a vossa casa fosse assaltada por crianças?

Eu nem digo o que faria, só escrevo! E ainda mais conhecendo as crianças como a palma das minhas mãos era logo chapada velha e uns murros e pontapés no rabo. Adoro quando os meus netos tomam de assalto o interior e despejam no exterior. Calha que, de seguida, arrumam tudo. "Uora" se arrumam!
Mas fazem-me cada surpresa, os pestes!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O que faria se visse um homem de 65 anos a casar com uma menina de doze?

É o vídeo que está a circular nas redes sociais,como forma de consciencialização para o casamento de crianças com homens adultos e idosos acrescento.
Em pleno praça em Nova Iorque um homem passeia de braço dado com uma menina de doze anos vestida de noiva mas, com cara de quem está a ser obrigada ao acto.
As pessoas olham incrédulas e há até quem se intrometa fazendo perguntas.
Assistam ao video (aqui).
"De acordo com as estimativas mais recentes, a cada dia que passa há 33 mil meninas a serem casadas contra a vontade, perdendo a hipótese de serem crianças e vendo negados os seus direitos à educação e a toda uma vida em liberdade."

E isso quer dizer o quê?

Sonhei com aspiradores. Estava a escolher de entre tantos um adequado para casa. Isto significa o quê? Que o meu subconsciente sabe que hoje é sexta, dia de limpezas!? O que ele não sabe é que todos os dias luto (com ele) para não me lembrar cenas e trabalhos a executar. O que ele não sabe é que já fiz o que ainda não tinha feito embora não inclua aspirações. Por isso meu subconsciente aquieta-te que como se dizia antigamente "o que é para ti os ratos não roem" e, agora, pára de me lembrar que ainda não aspirei a casa. Pára, já! É uma ordem não há lugar a negociação!
"Dilhemas", como se diz em bom madeirense, cheia de " dilhemas" esta minha vida!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Eu sempre disse que o pepino não era bom

Uma mulher alemã morreu depois de ter-se engasgado com um pepino. Era hábito o casal depois de fazer sexo, não satisfeitos, usavam legumes para brincarem. Que querem?!, há quem seja fiel às cenouras, garrafas, bananas, eles variavam, pelo menos; só que, desta vez, algo correu mal e ela engasgou-se.
Eu adoro pepino (mas não inteiro e com casca), cortado longitudinalmente e com uma pitada de sal.
Há cada uma! Conseguem imaginar até que ponto as fantasias sexuais vão? Eu sempre disse que pepino com casca e inteiro não servia para o efeito. Mais vale uma banana da Madeira: pequena, saborosa e ligeiramente curva.

Enquanto não chega...

...à idade de trabalhar e fazer escolhas vai esfolando joelhos e cotovelos a fazer aquilo que mais gosta: brincar.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

E vai mudar o nome para Cristiano Ronaldo

Diz o mê Gugu que quando for grande vai ser jogador de futebol e homem do lixo. "Vou ter duas profissões, avó". Este meu neto sabe que a vida é dura!
O dilema é que não sabe se vai ser jogador durante a semana e trabalhar com o lixo aos fins de semana se ao contrário: homem do lixo na semana e jogador aos sábados e domimgos que, vendo bem, é isso que acontece.
Mas, como diz ele: "ainda é cedo para decidir".
Tão responsável e inteligente este busico!
E acrescento que trabalhar no carro do lixo está na massa do sangue. Já o tio Bisalho, e o padrinho/primo tinham esta pretensão.

Se há gente com medo eu chego-me à frente

Meus e minhas se há uma pessoa neste mundo redondo com medo de andar de avião essa sou eu. Tenho medo e pavor e sofro por antecipação. Semanas antes ao mesmo tempo que arrumo a valise vou às carreiras visitar a "casinha". É aquela volta nas tripas que faz-me correr...
Ora bem, isto para dizer que também gosto de ver uma série no Discovery sobre desastres aéreos. Isto acontece basicamente antes de viajar. E já vi de corrida uns tantos episódios. É o medo a aumentar juntamente com corridas à casinha de banho e as unhas é que pagam. Já lá vão três!

Implicâncias

Havia um lindo casal, ela dizia ser "o homem da sua vida" bem como toda a família assim achava. Foram namorados, acabaram, cada um seguiu a sua vida e voltaram a reencontrar-se passados uns anos já maduros, com vidas passadas, com filhos.
Mas tudo mudou. Ele que era "uma jóia" tornou-se numa jóia mas não preciosa. Começaram os maus-tratos, as ofensas mútuas, as mãos pelo ar, as vigias a ela e pior as perseguições.
A bebida. Quando ele bebe torna-se violento, dizia ela numa de tentar levar o casamento, como se fosse um barco, até a um bom porto. Não, não havia maneira de ele mudar!
Tomou uma iniciativa e, numa noite de inverno, fugiu. Ele andou perdido à procura dela. Perguntava a todos os amigos se a viram. Ninguém sabia, aliás alguém sabia. Eu sabia, mas guardarei este segredo até ao céu.
Ela está feliz longe dele, pelo menos assim demonstra. Ele continua perdido pelos caminhos à procura dela.
Implicâncias quem não as tem. Implicar com o outro é uma forma de sentir-se superior. E de inferioriar o elo mais fraco.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Por falar em piolhos...

Diz que vão à escola todos os dias. E só por isso crescem fortes e saudáveis além de inteligentes. Quiçá mais inteligentes que algumas cabeças...
"Aquintrodia" apanhei uns mafiosos... Há "canos" não via estes "estapores" a passear numa cabeça! Há canos não me coçava só de pensar neles...
Diz que houve epidemia...

É normal ter sexo aos 11 anos?

Pois, meus e minhas ou eu sou retrógrada ou otária.
Normal ter sexo aos onze anos, diz o juiz; pis para mim, que sou retrógrada e otária, normal é brincar ao pai e à mãe mas sem sexo. Brincar às casinhas, aos coubóis, aos médicos isso sim é normal.
E se...
E se fosse a filha do juíz ele acharia normal?

Às vezes penso qual será a melhor maneira de morrer

Embora fique assente aqui neste pedaço de céu que toda a gente lê, não é bem "toda a gente" mas é meio mundo que eu, AvoGi Bettencourt da Silveira Mortágua e Passos de Coelho Costa não quero morrer e quando isso acontecer vou contrariada, com uma cara de poucos amigos e com o esgar 48, aquele de raiva, na minha linda face rosada mas, por vezes, estes pensamentos saltam-me da cabeça. E porquê estes pensamentos a ferver devem estar a pensar vocês meus e minhas...
Ora porque eu assim que me deito ferro no sono e pode cair pedras, podem tocar bateria acompanhada de tampas de panela bem ao meu lado que não há forma de acordar. Atão pensei que realmente a melhor maneira de partir, já que tenho de partir arrastada pela Morte embora contrariada, é a dormir. Assim a modos que acordar morta lá nas bandas de cima.
Ai queredo, Zazuze, estes pensamentos matam-me! E logo eu que "não quero morrer nem morta".
Trágico!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Mais de 24 horas a jogar

Por aqui, no meu rural há um certame que se intitula "24 a bailar" mas não é sempre o mesmo bailarino, mas adiante...
 Um taiwanês morreu depois de, num cibercafé, ter estado a jogar, ininterruptamente, um jogo de combate. Como era de hábito jogar dias inteiros sem parar, os empregados julgavam que dormia. Também os colegas da jogatina. Só passadas 36 horas é que acharam de acordá-lo quando reparam que, em vez de quentinho do calor do café, estava frio e rígido.
É o segundo do caso que leio de homens que nem para ir à casa de banho se intervalam, e para isso usam fraldas...
Há cada louco...

A Polícia também faz milagres

Lá nas terras das américas do sul a polícia opera milagres que nem Deus nem os Santos conseguem.
Um amputado consegue andar. Um mudo falar...
Vejam o vídeo, (aqui) do cambado (como se diz em madeirense), a andar. Que milagre, Mê Dês!

Dormir nua além de saudável emagrece

Ora aqui está a razão de eu ser gorda. Se há coisas que detesto é dormir nua, com o lençol a sarrafar no corpo, a sentir o desconforto da falta (principalmente das cuecas) da roupa no corpo, nos ombros. Sei de quem é "obrigada" a dormir nua, uma exigência do marido, nas é gorda como um texugo. Portanto deve ser a excepção à regra.
Nunca serei magra, é uma certeza que tenho, não vale a pena fazer exercício, correr, pedalar quando a solução é tão simples, mas sem sucesso para mim.
E juro vou experimentar dormir como nasci, dou o prazo de uma semana ao corpo e, se não emagrecer, volto aos meus lindos pijamas.
E vocês meus e minhas são magrinhos? Em vez de perguntar se dormem nus...

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Palavras santas

Este homem é realmente fora de série.
É o problema de quem sobe um degrau, ignorando os que ficam para trás.

Pensamento meu

Verdade! Infelizmente não se pode evitar que passam por nós e, ainda bem que passam e não ficam. Mas deixam a certeza de que não queremos ser como elas.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Eu também fui à neve

Há quem viaje milhas para ir até à neve, há quem faça férias na neve todos os anos, pois eu, meus e minhas, nunca gastaria um cêntimo para sair da minha zona de conforto para ver branco mais branco. Detesto neve e frio já sabem, mas é agradável subir aos píncaros da Madeira para tocar no granizo. Apanhar frio e regressar ao calor...
Por isso também fui à neve numa de: "veja a neve cá dentro".

Eu sofro deste mal

E não há cura. Caramba, sinto como se tivesse sido eu a escrever este pensamento.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Sou só eu que reparo nestas coisas?

Salta-me aos olhos, estes meus olhos que vêem mais do que é permitido, a beiça insuflada das mulheres que esticam o maxilar superior, numa de atenuar as rugas, Que coisa!, parece que levaram um murro na boca e inchou de seguida,até querem falar e não conseguem, lembro-me daqueles rolinhos de algodão que o dentista collca na nossa boca, parece que têm isso. Pois, é isso! E, atão de lado é mesmo desagradável de ver, aquela protuberância...
Mas se elas acham que ficam lindas deixá-las, tomara eu ter carcanhol e retirava era estas rugas de expressão (pois rio-me muito), dos olhos, mas inchar o maxilar nunca. Jamé!

No Texas é que é!

Atão não dá que no Texas os alunos podem, agora, levar armas para a escola?
"Aquilo" à que vai ser! A modos que os alunos vão trocar armas como trocam cromos e medir perícia. Houve uma altura em que mediam contas bancárias do género: "eu sou mais rico que tu".
Mas digam-me uma coisinha que não entendo: é normal? Será normal uma criança levar uma arma para a escola? Serei eu a tonta parva que está situação vai trazer muitos dissabores aos professores?

Só hoje

Meus e minhas, só hoje é que deitei o edredon na cama. Só está noite é que senti frio, sabem que caiu neve na serra, não sabem?, sabem também que sou friorenta, não sabem?, e sabem que frio e eu não pertencemos ao mesmo círculo de amizades, vai daí só agora pus o dito na cama. Ele até olhou para mim com aqueles olhos ramelosos e quase a perguntar "só agora?!". Antes que dissesse algo expliiquei-lhe como se explica a uma criança de dois anos que "a mamã tem frio, a mamã detesta o frio, atão a mamã permite que ele se estenda ao comprido na cama de casal.
Ele entendeu. Este meu edredon é tão esperto.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Saí de casa

Meus e minhas...saí de casa hoje para ver a neve, coisa rara aqui no meu rural (e, por isso, vai toda a gente até aos píncaros da serra para ver a branca mais branca não há). Cheguei lá ela não estava aliás estava mas não se podia ver. A bófia não permitia.
Olha, de raiva tomei uma poncha de frutos vermelhos, uma canja, e um picado de carne acompanhado por um Dom Ermelinda divinal. Ah, e pão com manteiga d' alho, "quilhos" empastados nele.
Não houve remédio. Fui de balde e vim de ceira ou seja neve cad' ela? Vocês viram? É que eu também não. Aquela coisiquita no lado da estrada, não conta, pois não?!

E, depois, não digam que não avisei

No espaço de uma semana encontrei dois telemóveis da marca Samsung ", ambos foram entregues ao seu legítimo proprietário. Mas, desde já, fica o aviso: o próximo não entrego, aliás, entrego sim, a alguém que sempre desejou ter um Samsung: Moi-Même, a minha empregada doméstica emigrante do Caribe a trabalhar, ilegalmente, na minha mansão. Se ela não quiser ofereço à Euzinha, a outra empregada, brasileira, com um bumbum do tamanho do mundo que às vezes substitui Moi-Même nas tarefas.
Por favor, não percam nenhum ao meu lado. Fica o aviso.

Mundo do avesso: pessoa tratada como cachorro e cachorro tratado como pessoa

Que palavras sábias! Que pérolas de sabedoria! Quem disse isto é realmente conhecedor deste mundo virado do avesso. Estou plenamente de acordo principalmente com a última frase, nunca se assistiu a tanto cachorro tratado como pessoa e pessoa tratada como cachorro. Crianças a decidir o seu dia a dia como se fossem adultos de plenos direitos.
Já os idosos, eles tornam- se por inerência da idade crianças.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Noras: aquelas que tiram a água do poço e as outras as que põem a cabeça a andar à nora

Bem, hoje foi dia de falar através do Feicebuque, com uma amiga de infância. O tema só podia ser: filhos, noras, netos. Não se falou de genros pois que esta minha amiga tem filhos, daí que lhe entrou pela porta dentro, mulheres.
E rásparta o demo, mulheres são complicadas como o catano! E noras..bem, nora é aquela coisa que nos leva o filho e molda-o, transforma-o, embrulha-o, e no final de temporada ainda o devolve já gasto, sem cabelo, sem dentes e com o dobro do tamanho.
Mas continua a ser nosso filho.

A escolher o destino das próximas férias

Porque no ano passado estava aqui.
O feicebuque, esse eterno malandro, fez questão de me lembrar. E hei-de voltar sempre aos lugares que me fazem feliz.

Mais uma prova de que sou inteligente

Rir de mim comigo mesma é o meu lema de vida. E passo a vida nisto. E que seja assim para toda a vida.
Como detesto gente que ri dos outros! E dos que compactuam com as suas gargalhadas!

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Poupe água, ela não cai do céu

Eis a prova de que não é bem assim...
Ela cai do céu ali para os lados da Madalena do Mar. É lindo, não? E tem dupla função: lava o carro e a alma!

Quem muito fala pouco acerta

A minha tia, que já prestou contas a Deus, dizia esta frase. Não sei porquê mas hoje deu-me para pensar nela (bem, todos os dias penso nela), nas frases que dizia, nos seus ensinamentos.
Lembrei-me porque presenciei uma pessoa a falar alto, a gesticular que até julguei que ia bater em alguém devido ao esbracejar em demasia, mas não bateu, por sorte não passou ninguém e, realmente, a pessoa em questão falava consigo mesma, alto sem interromper, mas no findo não dizia coisa com coisa. Expressava-se, atabalhoadamente, sem respirar frases sem nexo. Parecia nervoso. Ainda pensei recomendar um Xanax, passe a publicidade, mas com a exaltação em que se encontrava ainda me mandava lamber sabão. E detesto sabão!
Eu e as minhas manias de que sozinha dou conta do recado.

Levar os filhos a uma morte anunciada

Uma mulher deu a mão às suas filhas, uma de quatro anos e uma de vinte meses e levou-as até à beira-mar numa noite escura e fria. Era sua pretensão desaparecer...
A bebé morreu na praia não tendo sequer hipótese de reanimação, a de 4 anos continua desaparecida no mar. A mãe foi resgatada com vida. Espera-lhe uma vida de arrependimento e dor. Era para morrer, na passada noite. Por uma ironia do destino, e ele faz estas partidas, ela vive, as filhas morreram.
Não imagino o estado de espírito desta mãe, agora, que a tragédia teve lugar. Não consigo sequer imaginar o cenário de vida desta mãe após esta tragédia. Melhor seria ter partido também - era essa sua ideia, porque a partir de ontem a sua vida deixa de fazer sentido.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A ilha da eterna primavera

Não sabem onde fica? A CNN descobriu-a.
Mas eu sou rapariga simpática e gosto de divulgar aquilo que me faz feliz. Daí que essa "ilha da eterna primavera" é...
Exactamente. É onde me encontro. A minha Madeira.

(AQUI) podem ler o artigo todo.

Homem + homem = gravidez

Um indiano, casado e pai de dois filhos, saltou a cerca ou melhor, envolveu-se com outro homem e vai daí desenvolveu uma gravidez psicológica. E, pasmem-se, sentia o bebé a mexer e a barriga a crescer...
Claro que contou à sua esposa que estava grávido de outro homem, e ela, paciente, levou-o ao médico para lhe fazer crer que não estava grávido, aliás, não podia engravidar!
Confiram (AQUI) a notícia e vejam a barriguinha dele tão redondinha!
Há cada patologia!

Criança de nove anos conduziu uma carrinha porque os pais estavam podres de bêbedos

Nem preciso de dizer mainadinha! Lindos pais mas, acima de tudo, linda e pobre criança!

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Assumam-se em vez de disfarçar...

Hoje li uma reportagem sobre o Dia dos Namorados em que falavam duas mulheres madeirenses que eram casadas. Acho que sim, é de uma determinação profunda assumir-se perante a sociedade numa sociedade ainda preconceituosa.
Isto fez-me ver que há mulheres conscientes e sinceras e, nada as demove de se apresentarem como casadas ou como unidas pela união de facto, assumindo a sua orientação sexual e o amor por uma pessoa do mesmo sexo.
E, ao mesmo tempo que lia veio-me ao pensamento certas mulheres que vivem juntas e, para "disfarçar" a sua condição, tentam deitar poeira para os olhos da família e da sociedade, como se todos fossem otários e não percebessem, dizendo que "são primas" ou "trabalham juntas" ou, ainda, são "muito amigas".
Assumam-se é mais correcto do que fingir que o não são. Mas, no fundo, são aquilo que parecem.

O poder da anona

Diz que a anona é 10.000 mais potente que a quimioterapia.
É das frutas que mais gosto e tenho uma anoneira plantada no meu terreno. Sei que, em adolescente, dava-me uma dor no lado direito, ao mesmo tempo que me dava também um medo terrível de ser operada. Tomei litros de chá de folha de anoneira para evitar uma cirurgia ao apêndice.
A sério, nunca mais tive essa tal dor.
Se fez efeito, não sei. Mas mentalizei-me que sim. Por isso, acredito no poder da anona.
Hoje comi estas que a fotografia apresenta.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

E, ontem, perdi as pernas

Verdade! Foram tão intensos os exercícios na aula de ginástica que fiquei com a sensação que deixei as pernas no ginásio.
Foi engraçado ver os alunos à saída com os joelhos a tremelicar, as pernas a bambolear e uns a segurar-se à parede. Eu ria-me de mim comigo.
Lá ontem foi puxado, poxa! E hoje nem tossir nem espirrar que tudo desde a ponta dos pés até aos ilíacos, doía. O professor bem disse que íamos trabalhar as pernas. Estou à espera do dia em que trabalhe os abdominais, é sinal que durante dois dias não me levanto da cama. Nem como.
Tenho, assim, umas manias que só eu entendo.

Há quem não resista a um molhe de grelos

E se vier acompanhado de pimpinelas, vaginha e alface ainda melhor.
Comendo o que a terra dá. Frescos de hoje.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Nem parece que vivemos no mesmo país

Oiço falar em chuva, mau tempo, cheias, frio. Vejo o jogo na Catedral da Luz e chove canivetes. Nas notícias aconselham cuidados que a temperatura vai ficar negativa neste fim de semana.
Ora, eu vivo em Portugal, mas nem parece. Nós, por cá, até temos sol à noite (brincadeira), e uma temperatura que mais parece que estamos no Rio de Janeiro.
Ai querem sol? Só há uma forma de o terem. Vinde até aqui. E deliciem-se com esta temperatura agradável de uns míseros vinte graus e....chuva qu' adela? Niqueles...

O que me mete mais nojo é ter amigos destes

Ora minhas e meus amigos que aqui entram, tenho uma pergunta para vos fazer.
Digam o que mete mais nojo, que seja caso para franzir a testa e com aquela cara de "mete nojo" dizer que repugna e, pegar nela como se fosse um escarro verde: uma mola do cabelo em cima de uma mesa ou os tapetes do chão em cima de sofás colocados lá para varrer o chão?
É que, a pessoa que me disse para tirar a mola de cima da mesa que lhe metia nojo é a mesma que coloca os tapetes em cima dos sofás, e atravessa a cidade com um saco de fezes acabadas de fazer para deitar num balde de lixo.
Acontece-me cada uma!

Nem Nossa Senhora de Fátima está sossegada

Um jovem de 24 anos entrou conduzindo um carro a alta velocidade no recinto do Santuário de Fátima e foi de encontro à Capelinha das Aparições, destruindo o muro. Não satisfeito, o jovem sai do carro e munido de um artefacto tentou destruir a redoma da imagem, mas foi intercedido pelos guarda do santuário.
Seria um acto de vandalismo ou desespero pela não concretização do pedido a Nossa Senhora de Fátima, funcionando como retaliação?
Só ele o saberá. Mas que culpa tem uma imagem de Nossa Senhora? Por não ter alcançado a graça pedida (e vai-se lá saber porquê), não é motivo para tamanha agressividade. Agora peça a Deus que lhe dê juízo já que santos...tá visto, que não fazem milagres.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Até acho que deviam jantar e dormir na escola

Comássim, até podiam facultar cama no mesmo espaço em que estudam. E iam ao fim semana a casa só numa de não se esquecer o caminho.
Isto a propósito das crianças poderem ficar na escola até às sete e meia. Aplaudo de pé o idiota que teve esta brilhante ideia. E aplaudo os pais e mães que não trabalhando são os primeiros a aplaudir de pé esta ideia e neste momento esfregam as mãos de contente.
Coitadas das crianças!

Virgens, deixam de ser virgens!

Atão não dá que agora temos treze signos em vez de doze?
Pois não sabiam. Agora já sabem e o novo situa-se antes de sagitário e chama-se Sepentário. Eu, como sagitariana, mulher fiel, fico no mesmo. Continuo sagitariana. Agora os  carneiros, num de repente passam a peixes...
O pior é para os meus aqueles e as minhas aquelas que fizeram uma tatuagem do seu signo na nádega esquerda, agora vão ter de fazer uma nova na nádega direita.
Cada loucura! Até os signos?!
E sabem, quando a minha filha nasceu a família ofereceu uma medalha em ouro com o signo carneiro, e agora?, prontus, vou derreter e mandar fazer uns peixes.
O pior são as virgens! De repente deixam de ser!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Divisão de bens

Na rua, enquanto passeávamos, as Pulgas - os meus três lindos netos, decidiam o que queriam ter, a modos que uma divisão de bens em vida, mesmo antes daqui da avó bater as botas ou seja, fechar os olhos para o mundo.
O mê Gugu dizia que o jipe era para ele. A Baixinha escolheu a casa, esta é esperta, a Maiveilha estava indecisa...
Eu, a um determinado momento disse que ainda estava viva e queria saber quem vai cuidar de mim quando fôr velhinha, de fralda, a precisar de ajuda para comer, alguém para me levar a passear na cadeira de rodas...
Nem acabei, Baixinha interrompe e disse logo:
- A mana- e apontava, de dedo bem espetado quase a tocar na irmã, para não haver dúvidas.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Poncha da Madeira

Seja ela Regional, de Maracujá, de Hortelã, Tomate Inglês ou Laranja mais que duas dá piela. Mas o amendoim enxuga...
Por isso consumir com moderação. Eu tomei duas: uma de tomate inglês e uma de Hortelã, não sei, mas estou a modos que constipada e a hortelã faz milagres. Não sei é o aguardente!...

Há muito muito tempo era eu...

...uma rapariga que vivia o carnaval em toda a plenitude.
Era com alegria e ansiedade que começávamos logo após o natal a preparar os trajes para o cortejo alegórico do sábado, e desfiles nos hotéis.
Eram dias e dias a trabalhar nos fatos, à noite, pois que durante o dia a vida seguia igual. Era mulher, mãe, docente, dona de casa com todos os trajectos necessários para que as actividades corressem da melhor forma. À noite era outra pessoa.
Durante mais de trinta anos fizemos carnaval. Mesmo grávida participava no cortejo, dançava até ser dia, a barriga nunca me atrapalhou nem pesou (a minha filha nasceu em Abril o mê Bisalho em Agosto, por isso, no carnaval estava grávida). A gravidez não me inibia de dançar e participar no cortejo.
Depois, os caminhos divergiram, o grupo acabou, o bichinho que roía o corpo morreu.
Ontem reunimos alguns membros e foi um reviver de emoções. Saudades que eu tinha de estar no sítio onde tudo começou! Parecia que sempre estiveramos ali, que os anos não tinham passado, que este interregno nunca existiu.
E, passados estes anos chego à conclusão que: não deixei de ser uma rapariga que vive o carnaval em toda a plenitude.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Pronto, estalou o verniz

Mazêu, tonta do demo, sabendo que hoje tenho uma festa de carnaval e preciso das unhas pintadas vou tirar ervas dos cântaros. Sou mesmo tantã. A sério!?, como dizem ass minhas Pulgas!
Agora tenho de retocar uma unha e esta coisa dá maçada. Dá o primer, depois a base, depois o verniz mais uma camada e por fim o top, sendo que se cada vez vai ao catalisador. Posto isto só mesmo eu com esta cabeça de melancia é que tira ervas e mexe na terra sabendo que...

Cão que ladra não morde, só mostra os dentes

Sem dúvida!

domingo, 7 de fevereiro de 2016

As barbas do vizinho a arder

Lá diz o ditado popular: "se vires as barbas do teu vizinho a arder põe as tuas de molho". Nada mais certo. E acrescento: prepara-te que "se rires porque alguém teu amigo goza de uma pessoa de seguida riem-se de ti".
A reter e aprender: nunca gozes de ninguém com alguém que goza de ti.

Eu vi a Eva de mini-saia...

...e também vi as "Minhas Pulgas" de máscara.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

A minha tia é que tinha razão

Há uns tempos tenho me lembrado da minha tia-velha que faleceu há quase cinco anos e que faz-me tanta falta.
Ela e o marido tinham um casamento à maneira antiga, ora o que é um casamento à maneira antiga, perguntam vocês meus amigos, e eu respondo com toda a sinceridade. É um casamento que prima pela longevidade, onde os intervenientes não se falam ou falam muito pouco. O meu tio era um homem reservado, de poucas falas, pouco comunicativo até mesmo para a mulher.
A minha tia dizia que se davam bem e eu, na brincadeira, dizia: "pudera, se vocês pouco ou nada falam!"
Hoje, acho que o segredo de um casamemto duradoiro não é a comunicação mas sim a falta dela. O silêncio. Quanto menos se falar um com o outro menos nos magoamos mutuamente.
Não sei se são as "minhas armonas", ou a falta delas, ou a entrada nos sessenta que me deixa nostálgica!

Língua galega e não me refiro a um prato típico!

Conheço alguém que diz que os galegos falam "portunhol". Por mais que se lhe diga que galego é um idioma juntamente com o catalão, o castelhano e o basco essa criatura continua a dizer, principalmente, quando ouve um galego a falar, que é portunhol.
Ora, eu se fosse galega mandava logo uma "parrillada à la plancha" com umas "patatas a murro ao estilo galego" acompanhado de uma "boteia" de vino da Rioja. Era dose!
Acho desagradável estar a falar com um galego e dizer-lhe que ele "está hablando portunhol".
Ele que experimente dizer isso a um catalão ou a um basco. O catalão era caso para um referendo um basco...bem,  nem quero pensar no que nos etarras...
A reter e não esquecer: galego é galego e não "portunhol".

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Mãos ao ar isto é um assalto

Hoje o meu primeiro assalto de carnaval. Por aqui, no meu rural, dizemos que é "um assalto" quando disfarçados chegamos à casa de alguém.
Por isso só passo aqui de raspão para deixar desejos de Bom Carnaval.
Espera-me uma bela jantarada...e como alguém há dias dizia-me: "ainda bem que gastas o que comes, canão rebolavas tipo bola de catchu."
Agradeci o elogio uma vez que sinto-me bem com aquilo que como e com o que desgasto.
Au revuárre, bai bai, saionara, ofedevidarzê para aqueles e aquelas que não hablam português...só portunhol...

Eis aqui a fotografia daquele amor

E perguntam vocês, meus aqueles e aquelas que me visitam: ainda falas nisso? Mas eu prometi, lembrai-vos? Eu prometi que assim que o galo m'acordasse ia eu a caminho do céu tirar a fotografia do dito.
E como se diz em madeirense: "eilhos", em cima, a encabeçar o poste. Os tais amores de Burro planta daninha que se prega à roupa.

Culpado até se provar inocência

Àcerca do monstro que meteu uma faca no coração do seu bebé de seis meses.
Antes de o fazer manda vídeo à mãe a mostrar como vai matar o bebé, uma forma de a castigar pela separação. Depois...vai à tasca e toma um vinho do Porto. E gaba-se do feito.
Um pai dá a vida não tira a vida de um filho. O papel dele é dar-lhes, amor, segurança e nunca fazer-lhe mal....
Qualquer réu merece advogado de defesa, aceito. Mas este já disse que o fez. Confessou, há dúvidas? Nem atenuantes.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Amor de Burro, ai não sabeis!?

Cunquentão, não sabeis o que é Amor de Burro!
Não estou a chamar burro ao amor nem a dizer que o amor é burro; somente fiquei cheia de amor de burro. Quiçá tem nome científico, eu não sei, mas no meu rural é assim que chamamos a uma erva daninha que por aqui abunda.
Quem sabe o que é estique o dedo, sim?
E digo, em boa verdade vos digo, se eu fosse boa pequena ia já agora tirar a fotografia, mas está escuro, estou de pijama, estou ca manta a aquecer os pés e não sou boa pequena, por isso, estejam atentas e atentos c' amanhã coloco aqui uma fotografia do dito.

Estou cheia dele

Meus aqueles e aquelas que andam por aqui, estou farta dele, ou melhor deles. Se um é terrível dois ou mais nem falo.
Subi na vida, mentira subi mas foi as escadas para chegar ao topo do céu, outra vez mentira, cheguei ao topo do terreno para apanhar umas couvinhas para o jantar e fiquei cheia deles. Era no casaco, nas calças, até nos pêlos do braços. Irra, que irritante. Desci as passadas a correr que quase caía, desejosa de me despir e poder arrancar esta praga que se cola à roupa.
Só sei que é o diabo para tirar, nem sacudi do! Só mesmo tirando um a um. Oras, eu sou uma rapariga ocupada e sem pachorra de me pôr a fazer este trabalho.
Tomei uma resolução: na próxima vez que suba para apanhar umas couves vou nua. Nuínha só com véu. E se mesmo assim esta coisa se colar ao véu?

Ele vai ser ouvido? Mais valia ser fuzilado!

O homem que matou com facadas o filho de seis meses vai ser ouvido hoje. Eu pergunto: para quê? Ele é que devia ouvir e das boas e levar também umas facadinhas.
Quando a equipa chegou ao locar o bebé ainda tinha uma faca espetada no coração. O pai fez uma vídeo chamada para a mãe a mostrar a faca e o bebé na cama. Logo de seguida esfaqueou-o até à morte. Tudo porque a mãe pediu a separação.
Masoquista, este mundo tornou-se um antro de masoquistas? Como pode um pai (acho que nem se deve chamar pai a esta criatura), pegar numa faca e ter a capacidade e a coragem de enfiá-la no coração de um bebé?
Por mim, colocava-o numa cela de criminosos que detestam assassinos de crianças pra que brinquem com ele como se fossem artistas de circo. Lançador de facas: ele no centro de uma roda e os outros a jogar facas tentando não acertar...fora da roda.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Casar com um morto

Estou ainda de boca aberta! E não consigo fechar! Não, não foi jeito, foi o que li e deixou-me, assim a modos, que parva!
Atão não é que na França o casamento póstumo é permitido? Pode-se casar com um morto e passar a ser viúva e se o morto fôr rico além de viúva, rica? Queredo, c' arrepio me dá!
Um mundo louco este onde vivo.
Confira AQUI a notícia.

Mê rico genro

Um genro violou a sogra de 88 anos até à morte. Dizem que, quando estava sério era boa pessoa, mas quando bebia ficava louco. Já tinha dado umas investidas à sogra que, certa vez, saiu nua para a rua, a fim de fugir dele.
As coisas que oiço! E como as pessoas ficam quietas no seu espaço sem acusar!
No meu rural, mais precisamente no Farrobo, São Jorge, no norte da ilha também há cenas destas.
Cada vez mais desmotivada com a humanidade.

Há quem não saiba o que fazer com a vagina

Por isso pergunta. Eu sugeria uma omolete. Ou um cozido. Não, esperem, vai bem com amêijoas...

De pé ainda vá que não vá

Detesto calças de pijama, e se tiveram pensamentos obtusos acerca do título isso deve-se à vossa mente que logo salta para outras paragens. Não me peçam desculpa.
Mazé, minhas e meus aqueles que andam por aqui, de pé ainda sou capaz de dar-lhes o prazer de se colarem às minhas pernas ao mesmo tempo que fazem a sua função: aquecer; agora, quando me coloco na horizontal e, geralmente é na cama, aí a coisa muda de figura. Elas que deviam mantem-se esticadas até ao tornozelo enrolam-se e transformam-se numas bermudas. E ficam ali a roçar os joelhos. Irrita-me. Só me apetece estraçalhá-las, transformá-las em mini calções.
Que shite.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Descalça a bota

Estava eu falando de um avô que leva a neta à natação, e que paciência para a vestir e despir, sempre sozinho, um homem mais velho que eu, quiçá, com mais de sessenta e cinco anos embora tenha um físico de fazer inveja a muita gente mais nova.
Mas dizia eu que falava da sua netinha de apenas quatro anos, criança engraçada, mas um pouco tímida...
E aquele avô que sempre sozinho vai buscar a netinha à escola, vai à natação, despe, veste, lava, enxuga e vai pô-la a casa... Ainda há dias estava com dificuldade em lhe vestir os collants...
Quando a pessoa com quem falava me pergunta se me referia ao senhor que acabara de passar por nós com a criança pela mão. Respondo que sim; era a ele. Admiro-o, sempre com a neta...
Neta!? Neta!? Não. É filha. Filha dele e de uma jovem brasileira que o deixou com a menina...
Há um buraco onde me meter, há?

Animal é honroso

Um padastro tomava conta da enteada de 35 anos enquanto a mãe trabalhava. Bom homem, um coração de ouro, uma vez que a enteada estava confinada a uma cadeira de rodas - era deficiente motora além de deficiente mental.
Numa cadeira sem sem mexer e este animal violou-a repetidamente até que a engravidou.
Poderei chamar-lhe animal que não soube respeitar uma deficiente motora e mental?
Cadeia é pouco, mutilação dos genitais com uma lima afiada era o ideal.

As pessoas andam confusas

Que grande confusão! Mas digo, dei o primeiro sorriso ao mundo quando vi e li.
E ainda o tenho, na cara.
Bom dia, minhas aquelas e meus aqueles que por aqui andam.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Duas gibas é tipo "Areias, o camelo"*

A minha Baixinha, a busica de sete anos, vivaça como só ela, depois de ouvir a mana mais velha pedir uma pen ao avô, para um trabalho de pesquisa, e depois de terem visto várias de vários tamanhos e falado sobre os megas e os baites, diz-me.
-Avó, o avô vai emprestar à mana uma pen grande - e aqui faz com o polegar e indicador o tamanho da dita - mas é de duas "gibas".

* porque em madeirense "giba" é corcunda.

Fevereiro, aqui tão perto e como o detesto!

Não é por nada, mas Fevereiro não é o meu mês. Adoro Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro e, claro, Dezembro.
Detesto Janeiro, Fevereiro, Março, Novembro.
Hummmm, reparo que adoro os meses de Primavera e Verão. Serei eternamente uma amante do Verão.
Dezembro, já devem ter reparado e pensado:"esta velha tá senil, cada vez mais tonta! Pensa que Dezembro é Verão ou Primavera. É mesmo burrinha!"
Não, minhas aqueles e minhas aquelas eu ainda sei que Dezembro é mês de inverno, mas há uma razão. Não, há duas: Natal e anos, os meus claro!

De que falam as mulheres eu sei agora de que falam os homens...

Numa reunião de pessoas amigas, como foi o caso de ontem, pois que a Pulga- a Maiveilha fez 10 anos (JÁ!?!), há uma tendência para se formar dois grupos: o dos homens e o das mulheres.
Será pelo tipo de conversas? Não sei. Sei é que sem querermos lá estão os machos em grupo e as mulheres a formarem um subgrupo também.
De que falam as mulheres sei eu. Falamos de filhos. Sempre este tema tão presente. Falamos dos nossos e sem querer falamos dos outros.
Mas de que falam os homens? Das suas mulheres!? Das dos outros?!
Um dia vou espevitar as orelhas, colocar os aparelhos dos ouvidos no pico mais alto e vou estar com uma orelha no grupo de homens outra no grupo das mulheres.
Depois conto, sim? Ou então, mulheres da minha vida coloquem os vossos ouvidos em posição para depois relatarem a todas nós.