Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Comeu demasiado no Natal?

Recebi um email com este título, escusado será dizer que corri a abrir à procura da dica ideal para parar de comer no Natal.
Ora bem, em nenhum parágrafo encontrei a resposta à pergunta.
Por isso, nada de novo. Toca a enfardar enquanto se pode... E depois uns pulinhos, uns cortes, uma certa moderação, umas litradas d'água, prontes, e tudo vai ao sítio. Ou talvez não.
Mas no Natal não há quem resista à boa mesa. E come-se muito, mas a culpa  não é nossa, não senhor e não senhora, a culpa é dela. Ela é que é a culpada.
A tradição. Sim, cá por mim não comia tanto, mas é tradição, por isso...
E vocês meus darlingues e minhas darlingues também comeram muito para manter a tradição?
Ou assim-assim?....

3 comentários:

  1. Não há como resistir-lhe!!! E, se não fossem as tradições, seríamos humanos?
    Bjinho :)

    ResponderEliminar
  2. Como passei o Natal na Austrália este ano nem abusei.
    Mas esses abusos em época natalícia são perdoáveis.

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...