Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Crianças transgénero

"Às vezes a ecografia mente: não são os órgãos genitais a definir o género, é o cérebro."
Sabemos é que há cada vez mais provas de que o género não é determinado pelos órgãos genitais (pelo que está entre as pernas), mas sim pelo cérebro e pela mente (ou seja, pelo que está entre os ouvidos). Na maioria das pessoas há uma concordância entre os dois. Em outras, essa ligação não faz sentido.

Transgénero é o termo comum, mas disforia de género é o termo técnico usado para definir a incompatibilidade entre o género com que nascemos e o género com que nos identificamos.

Eu costumo ver a série "I am Jazz" que acompanha a transição de um rapaz para o género feminino. Jennings foi diagnosticada com Transtorno de Identificação de Género Infantil, fazendo dela uma das mais jovens identificada como transgénero. Tem apenas 16 anos.

Eu, mulher de meia idade sou de opinião que  se mude de sexo se assim o desejar, mas entendo a transição ser precoce para crianças em crescimento. 

6 comentários:

  1. Não imagino como será sentirmo-nos presos a um corpo que não sentimos ser o nosso!

    r: Tal e qual :p ahahah

    ResponderEliminar
  2. Uma mudança demasiado radical para ser tomada por uma criança.
    Vamos com calma.
    Não tem maturidade para votar mas já pode decidir que quer mudar de sexo???
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Não sou a favor dessas mudanças não.

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  4. E será que tem a maturidade necessária para o efeito ensta altura?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes até pode ser uma fase e depois passa. Acho precoce a mudança
      Kis:)

      Eliminar
  5. Também vejo esse programa e acho muito interessante eles acompanharem todas as fazes da transição e do quão complicado é para ela passar por tudo isto em especial na adolescência.

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...