Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

É difícil recomeçar

Seja em que situação for o recomeço custa um pouco, até mesmo na vida virtual. Refiro-me ao blogue. Parece que não é meu. Tenho a sensação que estou a escrever em algo que não me pertence. Eu que tinha está vida tão entranhada em mim agora só to-me como se fosse colocada aqui num sítio estranho. Imagino que os casais que se separam sentem-se exactamente como eu. Pegar em algo nosso e tentar de novo.
Mas vou superar sta sensação de intrusa num espaço que é meu e que em tempo amei mais do que tudo no mundo.
Tempo, preciso de tempo para me habituar.

3 comentários:

  1. E então, pelo contenente, por Braga e não dizias nada ?! ... rsrs

    ResponderEliminar
  2. eu já estava com muitas saudades de vc, moro no Brasil e sempre que possivel te acompanho, bjos

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...