Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O que como, como como e porque como

Como um Bacalhau à Gomes de Sá, à moda da tia-velha (lembram-se dela?). E perguntam vocês entre dentes, que eu daqui vejo bem, como raio será à moda da tia-velha uma vez que só há uma moda?
Ora a moda da tia-velha é com esparguete. Sim, darlingues, ela fazia o bacalhau, assim como a receita manda, e acompanhava com esparguete. Olhem que eu adorava!!
Como como? Como como se fosse hoje o dia do Juízo Final e por conseguinte o mundo, pffffffffffff, foice e, por isso há que comer.
Porque como? Ora bem, aqui está o busílis da questão, como com uma vontade mórbida de saciar esta devassa fome e para alimentar este corpo que já foi Danone e agora é Michellin, como os pneus, entendem?!

2 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...