Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Eu e os meus dilemas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Eu e os meus dilemas. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Saiam da frente se faz favor!

Estou com um humor de cão, nada pode tirar este irritamento que tenho em todo o corpo. Hoje estou a modos que "para o diabo me levar" de tanta raiva. Por isso saíam da frente que vou começar a ser agressiva, vai a soco e pontapé, logo eu que sou lave pice ande rapinesse (em inglês, pelise).
Uma raiva poderosa que se alastra minuto após minuto e sempre que olho para a rua.
Atão não é que hoje, aqui, neste pedaço de céu, chove facas e canivetes? E vocês, minhas darlingues, sabem do meu (mau) relacionamento com a estúpida da chuva. Esta parva cai do céu sem um esteio pelo meio. E o meu (mau) humor aumenta consoante a carga d' água que cai das nuvens.
Rásparta, como detesto chuva! E nevoeiro e frio!
Dilemas de quem se acostumou a viver ao sol e assim que vê uma gota de chuva fica possessa como o demo.
Mas isto não fica assim! Ai não não...Vai piorar...o mau humor e a chuva!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Momento "EURECA"

Aquele preciso momento em que percebes que perdeste belas e velhas amizades por teres andado, durante um tempo, com pessoas que não valem nada.
O que é mau desintegra-se sozinho, egoístamente só. Ou a dois.
Ou, então, o momento "Poça, Caramba o que perdi".

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Na minha cama com ela

Ela voltou. Há já algum tempo que não a sentia tão próxima, mas esta noite ela fez-se sentir.
Deitei-me já com o sono nos olhos e depois numa reviravolta ele sai da cama e chega ela: a insónia. E fico ali à espera que ela dê lugar ao sono.
E enquanto ela permanece fico no limbo dos pensamentos. E tantas cenas da minha vida passam por mim, geralmente, aquelas que tento esquecer.
Está noite foi assim, um reviver de feitos passados! Porque a minha vida não é perfeita! Porque a gratidão é uma palavra que não existe no vocabulário de certas pessoas.
Mais valia ter passado a noite na revelia. A rir...

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Julgar pelas aparências - um mal humano

Infelizmente, nós humanos temos esta"deficiência": Julgar os outros por aquilo que nos apresentam. O deslumbramento é tão forte que nos ofusca o discernimento. Depois, é o cair de um mito, não valem nada.
Mas há o oposto, aqueles que mostram tão pouco e têm tanto para dar.
Feitios!

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Ressabiada

A propósito de ter sido chamada de "ressabiada", gostaria de saber o verdadeiro significado desta palavra, é que, segundo tenho lido, aplica-se em muitas situações.
Se diz a verdade é ressabiada, se mente é ressabiada, se contradiz a pessoa é ressabiada, se expõe as suas ideias é ressabiada, se escreve é ressabiada, se comenta é ressabiada, e por aí fora...
De repente, esta palavra serve para tudo: para terminar uma conversa, para ofender, para desdenhar (o que outra pessoa tem), mas muito e quase sempre para humilhar ou massacrar outra pessoa.
Afinal qual o verdadeiro sentido da palavra "ressabiada"?

E que me dizem àcerca...

Há pessoas que não gostam que se mexa nas suas coisas e, para mexer é necessário pedido de licença em papel timbrado de vinte e cinco linhas com assinatura reconhecida e autenticada pelo notário, mas mexem nas dos outros sem uma palavra sequer, só porque está em sua casa.
Mas espera lá, porque o determinado objecto está na sua casa passa a ser dessa pessoa e pode tirar e pôr a seu bel-prazer, é isso?! E os outros são os otários que até pedem licença para mexer os olhinhos!
Ai gente, há cada estupidez! Tudo numa boa, tudo boa gente.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Mais um

Já perdi a conta de quantos turistas perdem a vida quando passeiam pelas levadas.
Um alemão de 62 anos esvarou e pela ribança abaixo foi um regalo. A minha dúvida é se foi que escorregou ou se teve a ajuda da sua querida esposa, naquela de "querido- vê-que-linda-paisagem-ali-aproxima-te-um-pouco-mais-que-daí-não-vês" e tumgas, por lá abaixo. Tem sido voz corrente que aproveitam a caminhada pela levada para....enfim....preciso de dizer tudo, preciso?

domingo, 22 de novembro de 2015

Já decidi

Hoje não faço mais nada. A Baixinha aspirou a casa enquanto os outros brincavam e eu fazia o almoço. Casa limpa e lençóis frescos. Basta. Ináfe.
Agora só vou preparar o lanche para as Pulgas, meter os lençóis na máquina, tirar a que está no estendal, limpar as folhas da vinha-virgem que o vento achou de trazer para a entrada da porta e....
Bolas, está vida doméstica não acaba!?

domingo, 15 de novembro de 2015

Segredo para uma vida longa

O segredo está nas nossas mãos: evitar os homens. Quem o afirma é uma mulher de cento e nove anos. Diz ela que chegou a esta iade por isso mesmo.
Vamilhá a entender estas mulheres que vivem até depois dos cem. Uma diz que é por beber um grogue todas as manhãs, outra porque não consumia certos alimentos e esta agora por evitar os homens.  Olhem, eu vou viver até morrer, isso sei-o bem.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Estava ali fora a regar...

...e em vez de rezar (até rima), pensava o quanto as pessoas mudam. Pessoas que conheci e que podia afirmar serem espectaculares, sinceras, bem-humoradas, com a idade tendem a mostrar o lado obscuro do seu ser.
Naão sei o que serei daqui a dez anos quando a idade pesar mais que os quilos, mas desejo ser uma velhinha feliz, sempre sorridente, sem ser um impecilho para ninguém. Não permitirei mostrar o meu lado negro (sim, também tenho maus pensamentos, não se admirem), também sou rabuja, mas só desejo ser "tão fofinha!", como dizem as "Minhas Pulgas".
Para que fui regar as flores? Pergunto e respondo: para pensar na minha velhice!

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Como é possível?

Uma mulher enceta uma relação há pouco tempo, tem poucos dias, e já fala do companheiro como se o conhecesse a fundo. Conhece os seus gostos dando, até, opinião sobre ele com alguém que lida com essa pessoa desde que veio ao mundo.
Fico admirada, pois que num casamento de quase quarenta anos - que é o meu -, ainda estou a conhecer a pessoa com quem casei, como é possível em apenas dias já se opinar de alguém?
Bem, eu não posso dizer que conheço o meu companheiiro de viagem, pois que, com a idade mudam de gostos, comportamentos, humor (ai as mudanças repentinas de humor tão comum nas pessoas que entram na menopausa!) e até de atitudes.
Conhecer alguém somente com uma convivência de poucos dias, hummmmm, deixa- me surpresa. Dúvidas, só dúvidas!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A minha taça de loiça branca

Aquintrodia levei a taça de loiça branca com acepipes para a casa de alguém. Até aqui nada de mal não era a primeira vez que acontecia. O que me fez ficar aborrecida foi, dias depois, ver a minha taça na mesa com comida pronta a ser servida na dita casa. Olhei e reconheci a bendita da taça que havia levado dias antes. Disse que era "a minha taça" e até fiz-lhe ver que dias cheguei com algo para o jantar. Tua? Não, é minha, foi um presente de casamento.
Voltei à carga mas fez orelhas moucas e desviou a atenção, mas o pior foi quando me disse que, até, tem duas iguais. Mas quem no seu perfeito juízo dá uma resposta destas, no desenrolar da conversa!? Mais valia ser sincera.
Duas iguais. Então não se vê? Está de caras: uma é "a minha taça de loiça branca!". E, agora, tenho o jogo de loiça descasado por causa de alguém sem escrúpulos que usa, indevidamente, o que não lhe pertence.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Vou ter de ir ao médico

Aquietem-se, não estou doente (bato na madeira e faço cruzes para afugentar o mau-agoiro), mas aqui a "raspariga" que vos escreve faz, no próximo mês, calquercoisa como sessenta anos e, vai daí, é necessário renovar a carta. Oras, minha gente, pagar sessenta "eros", como diz o senhor José - o Venezulano da venda da esquina, por uma consulta só porque preciso que um médico ateste por sua honra que não sou um perigo quando boto as mãos no guiador do carro, não é de ânimo leve. Atão, já pensei em inventar umas coisinhas para justificar o dinheiro gasto.
Que devo inventar: Gripe? Brotoeja? Uma dor nas aduelas? Comichão no céu da boca? Bexigas loucas? Amargos de boca? Cabeça que já não é o que era?
Dúvidas, só dúvidas...

sábado, 31 de outubro de 2015

Como as pessoas são

Quando te dizem e recomendam "tem cuidado" referindo-se a uma pessoa, quando se comprovam atitudes, e alertam "um dia vai-te fazer a ti o que fez a mim" e tu teimas em não acreditar e, na certeza de que os outros é que julgam mal, dizes que "não é bem assim, estás enganado"...
Afinal comprovou-se. Eu é que era a estúpida que acredita sempre na boa-vontade, na confiança, nas boas acções. Veio a comprovar-se que "quem é não deixa de ser" por muito que a terra gire...
Pensamentos periclitantes matam-me.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Acabaram-se as lágrimas

Li, algures, na ronda que faço pelo mundo que, colocar a cebola dentro do micro-ondas durante trinta segundos faz com que os gases que nos provocam as lágrimas se dissipem. Ora bem, cá a rapariga do rural que chora sempre que descasca e corta uma cebola, aliás, eu choro só de ver a cebola em cima do mesão da cozinha para ser cortada, vai experimentar esta moda. E se vos disser que até com alho-francês as lágrimas caem pela faceira abaixo, acreditam? Acreditem, eu sou, por natureza, chorona e, aqui, aquela música e cantiga da "mulher chorona" aplica-se na íntegra. Eu choro por tudo e choro por nada, mas se corto cebolas, aí as gotas de orvalho saem dos meus olhos, sem que eu autorize. E escorrem até ao pescoço.
Mas acabou ou melhor, vai acabar. Um, dois, três, seca as lágrimas c' agora elas, as cebolas, vão dar uma volta no micro-ondas antes de serem cortadas. Só trinta segundos, o tempo de limpar uma lágrima!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Vinagre puro e adeus unhas descascadas

Li, na minha passagem pelas dicas onelaine, que uma forma de preservar o verniz mais tempo nas unhas é humedecê-las com vinagre antes de dar a base e o verniz. Ora bem, gostei de saber até porque vinagre é coisa que nunca falta nesta casa.
Mas, uma dúvida me assola e me consome o meu pequeno cérebro, só falam em vinagre. Ora eu tenho vinagre de vinho tinto, vinagre de vinho branco e vinagre de maçã. Mas qual deles é que uso?
Dúvidas e dilemas de quem agora meteu-se a ter unhas sempre pintadas. Manienta que sou!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Como não sou egoísta e quero fazer o bem...

...serve esta para informar que aproveitei a promoção de uma grande superfície, aquela que começa com "con" a meio tem "ti" depois "nen" e acaba em "te", e já tenho a adega cheia de sumo do Baco até à Festa. Caramba, burra era eu se não aproveitasse este néctar com desconto de setenta por cento!
Custou, mas até arregalo as vistas ao olhar para a quantidade que tenho! E, penso: "e... se arranjássemos motivo para comemorar todo os dias?"
É melhor deixar chegar à Festa, é que daqui a nada é Natal; mas natal não é sempre que um homem quiser?
Deixo ou bebo? Dilemas, esta minha curta vida na terra, só dilemas esta minha vida!

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

É isto mesmo. Ou talvez não

Já deu para perceber que hoje estou lamechas. Estou naquelea dias em que todas as atitudes me magoam e vejo um segundo sentido, quiçá onde não há.
Tem dias assim em que equaciono e balanço as emoções. E penso se valerá a pena.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

O quê? Não acredito!

Ai Mê Dês, atão não é que o mundo vai acabar no dia 28 deste mês? Recuso-me a ver o fim dele. E marquei eu passagem para ir visitar o mê Bisalho no início de Outubro. Quiçá só nos vemos no espaço sideral. Quer dizer que se se concretizar o fim já não o vejo, já não viajo. Depois fiz exames e análises e outros tratamemtos para ter saúde e, afinal, vou morrer cheia dela? Ráspartaosacristo!
Não sei a razão do fim mas é qualquer coisa relacionada com a Lua Vermelha e o eclipse.
Prontinho, foi o suficiente para me pôr de mau humor. Será melhor tomar um calmante "quisto" de saber o dia da morte do mundo deixou -me aos saltos.

domingo, 20 de setembro de 2015

E falam dos portugueses? Olha lá se os outros não são piores!

Ontem na viagem que tinha a fazer de catamarã, oferta do SPM (já agora aproveito para agradecer), a guia que nos encaminha para o passadiço de embarque pedia para formar uma fila, disse em inglês, em francês e, claro, em português. Todas as pessoas respeitaram excepto um camone que se colou a meu lado, verdade seja dita que ainda me apeteceu dizer que colou-se à pessoa errada, mas deixei para depois. Continuando a andar, todos em fila, eu com o "bife" ao lado como se fosse tivesse azougue, chegou-se ao passadiço. À minha frente estava um casal e continuou à frente, eu, alargando os ombros (pois percebi que o bife tinha acompanhamento), disse à guia quando ela intentava receber os bilhetes que aquele senhor não tinha respeitado a fila (pois adiantou-se de trás para se colar à frente) e ainda lhe referi se fosse um português era logo apontado com o rótulo de falta de educação e...riscas rabetas verguinhas de chapéu de sol.
Disse ela que "não se pode fazer nada". Bem, aí levantei as dragonas dos ombros e disse-lhe "ai pode pode, pode começar por receber os bilhetes de quem está na fila como pediu e só depois receber os desses camafeus que julgam ser espertos".
Tardou um pouco pois que o catamaran ainda fazia a manobra de atracação, e eu a morder a coisa.
Mas, pronto a guia fez o que havia de ser feito para manter o manual da boa educação e o respeito pelos outros - os que cumprem- em dia e começou por receber pela ordem correcta de chegada deixando os infiltradores de queixo caído.
Ainda pensei que, se calhar, eles - os bifes acharam que os madeirenses são refilões, que não se contentam com o dinheiro que levanta a economia, que são ingratos, por não levarem em ombros estes turistas desrespeitadores das normas de cidadania.
Colar-se a mim, logo eu que nascem rebentos pelo meu corpo ou seja refilos e desato a fazer rabanadas de vento sempre que algo me pisa um pé.