Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Natal é em Dezembro. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Natal é em Dezembro. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Uma história no Natal ou talvez não

Sentada no café à espera que desse a hora para ir ao dentista aproxima-se um pobrezinho (como se diz por aqui) e, olhando para a mesa aponta para a bica que eu acabara de beber. "Pode me oferecer um cafezinho?", pergunta ele.
Claro que sim, disse-lhe. E fazia já menção de se sentar à mesa comigo. Alertei que já ia levantar-me por isso, não valia a pena sentar-se e que fosse comigo ao interior, ao balcão. Em chegando lá, a empregada ou dona, brasileira e com ares de antipática, olha de revés para ele, pois que entrara antes de mim. Disse-lhe logo: "ele está comigo."
Eu sei que o alerta está lá prevenindo que não deve permanecer quando aparentar estar alcoolizado, só que poderia ter problemas mentais, não sei. Mas é Natal, e isso desculpa-se e apela-se à solidariedade.
Serviu-lhe o café, mas de grosso modo sempre com uma antipatia extrema. Fiquei ao seu lado até beber e certificar-me que não ia permanecer dentro do estabelecimento, também porque não queria que uma vez lá dentro mudasse de ideias e pedisse um copo de vinho.
Pronto, podia ser uma história de Natal, mas não, é somente um acto de boa-vontade nesta quadra.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Decididamente Dezembro é o meu mês

Ora, eu sou mulher para amar este mês sobre tudo e defendê-lo com o peito. É o mês das Festas, da lapinha, do pinheiro. É o mês dos cheiros da tangerina, do bolo de mel e dos pickles. É o mês das prendas, das (des)arrumações. É Natal, caramba, só isso deixa uma rapariga de sorriso à banda! Mas, acima de tudo é o meu mês. Como não adorar Dezembro?!
Sou Dezembrina e Sagitariana, uorelse?
Que comece a contagem decrescente...

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Dá-me uma volta no estrampalho

Ainda há dias fui a uma loja que na porta tem um Pai Natal bem grande e dentro está toda preparada para receber as pessoas com dinheiro e estômago para adquirir os cacarecos da Festa. Ora, a mim, fez-me uma certa confusão no miolo uma vez que Natal é sinónimo de lareira, frio, chuva, cachecóis, luvas, barrete de orelhas e eu entrei na bendita da loja de chinelas, calções e top sem mangas. Eu e mais uma vintena de pessoas.
Acho que o Pai Natal olhou para mim e para os outros de olhos atravessados. Problema dele que vá para a Lapónia e venha quando por aqui nevar.

E hoje pela primeira vez...

...desejei Feliz Natal.
Nem me reconheço, está não sou eu. A mais de um mês do dia de Natal e eu já comecei a desejar as Meéééri Cristemaaaaaaaas? Mas pronto, há uma justificação, só verei a pessoa lá para meados do ano novo. Natal é em Dezembro e não quando um homem quiser, deixem-se de histórias, não acreditem no que dizia o Paulo de Carvalho.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Não, não e não, por favor...

Dizem por aí que as montras já estão enfeitadas para o Natal. Disse a minha irmã que Londres já faz tempo que as lojas estão com decorações alusivas. Eu cá não sei não mas acho uma sobreposição de datas. Para mim Natal é em Dezembro e não quando um lojista quiser. Para mim ainda falta comer as castanhas assadas e o bacalhau, as nozes e a jerupiga, as romãs e diospiros. Ainda não se provou o vinho nem se fez a água-pé.
Cada coisa a seu tempo, e digo que se eu tivesse uma decoração que fosse já de natal era certo e sabido que no dia de Festa ia-me disfarçar de carnaval e comer malassadas com mel.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Só de pensar sobe um arrepio!

Saber que daqui a dois meses já passou o natal, arrepia-me. Arrepia-me, também, saber o quanto se espera por esta data e o quanto ela foge por entre os dedos. Arrepio-me só de pensar que não tenho dinheiro suficiente para oferecer todas as prendas que as minhas Pulgas já falam que vão pedir ao Pai-Natal.
Estou arrepiada, portanto!

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Mas quem havia de dizer...

...que Fevereiro está de saída.
Ainda há dias foi Natal, ainda nem acabei de comer o bolo de mel e de beber todos os licores e Março já está à porta para entrar?
Como o tempo passa. Daqui a dias vai ser Natal outra vez...

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Diz que é o fim

E, esperava que, a partir de hoje encerrasse as festividades gastronómicas do Natal, mas não é bem assim, pois que falta o Varrer dos Armários que, aqui no meu rural é dia de comer os restos da Festa e aí sim, damos por encerrado o período festivo.
Enquanto não vem o dia, sirvam-se de uma fatia de bolo...
 ...e de um licor caseiro.
 Não se envergonhem, vá lá.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Depois desta cena, o que fazer?

Cha-cha-cha que rico cha-cha-cha, e não é uma modalidade de dança mas sim, uma modalidade de líquido. De preferencia frio. Estou a rebentar pelas costuras. Malvado Cozido com todos que se acumulou nas ancas e nas "nalgas"...

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Hoje já se trabalha, não é?

Uora se é! Eu que o diga! É que daqui a pouco tenho mais de vinte pessoas a entrar p'la casa dentro para degustar um brutal, um divinal, um estrondoso Cozido à Portuguesa com todos...
Se estão de descanso vinde, pois é aqui que se está bem. Já agora, por uma questão logística, levantem o dedo para confirmar o lugar...esse dedinho não, por favor, há crianças...
Conto com mais quantos?
As portas abrem às catorze horas...

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

E ainda não comprei os ingredientes

Mazeu cá sou uma atrasadinha para quem dá sempre tempo e nada de pressas. Deixem que vos diga: tenho um brutal Cozido à Portuguesa para estar pronto à hora de almoço do dia 26 de Dezembro, que aqui, no meu rural, é feriado por ser a primeira oitava do natal  - dia santo de guarda e, esta escriba que vos escreve todos os dias que Deus deita à Terra ainda não se prontificou a comprar as tretas para o almoço. Só espero que no dia 25 haja algum supermercado aberto para Moi-Même ir de cesta no braço às compras.
Canão vai haver Sopa de Ar Encanado e para segundo prato Cozido Sem Nada no Prato em cima da mesa.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

É oficial

Estamos no Inverno e como tal no tempo do frio e dos dias curtos e, sendo eu uma rapariga que gosta de dormir, detesto estes dias escuros e sombrios. Mas sei que Janeiro fora cresce uma hora e isso deixa-me bem-disposta.
Oficialmente eu decreto que Dezembro seja só o dia dos meus anos (19), de Natal, Primeira- Oitava e Fim do Ano.

domingo, 21 de dezembro de 2014

O pior da festa...

 ...é ter que lavar, enxugar, arrumar...e saber que daqui a oito dias volta ao mesmo. Mas com uma certeza porém, faço-o com enorme prazer.
E não há dúvida de que o melhor da festa é esperar por ela.
Para o ano há mais e melhor.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Gingó beles gingó beles

Eu cá não sei vocezes, mas eu sou apanhada pelo Natal. É assim, custa a entrar, mas depois já custa a sair. Tou desejando, prontus, é aquela magia que anda no ar como a poeira, é as iguarias que provocam largura na zancas, mas nada importa, pois que este é o mês da engorda. Enfardar sandes de vinh' alhos e pão frito na banha de porco é a meta, abrir as prendas e ter aquele almoço de família que nos faz dormir toda a tarde uns em cima dos outros é o desejo.
Mas estou ansiosa para ver pela milésima vez o "Sozinho em casa" e "O amor acontece", e ver circo ainda com animais. Estou a caçoar, detesto um como o outro e circo. Por isso, enquanto dá estes filmes eu durmo com Morfeu. Ai, sou pior qu' a canalha.
Gingo Beles...Gingo Beles..

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Mas nesta altura toda a gente tem pressa?

É que é um ai-nos-acuda andar nas ruas da cidade. Toda a gente apressada cheia de sacos, num entra e sai das lojas, carros e mais carros a tentar um lugar para estacionar, mal-parados em cima de passeios, atravessados na rua a obstruir outros...
Enfim, neste mês toda a gente tem pressa.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Prendas de Natal para todos os gostos

Muito se fala de prendas por esta blogolândia a fora. Há para todos os gostos e preços: os que só dão às crianças, os que sorteiam um membro da família do género "o amigo secreto" e só compram uma prenda, os que já receberam ou que vão recebendo antes e no dia de Natal não esperam nada, os que fazem uma (grande) lista para si, os que, sendo esquisitos, preferem dinheiro e compram a seu gosto, os que não gostam de nada do que os outros oferecem e preferem não receber nada, enfim....há quem só dê ao marido (nem pai nem mãe?!) e conheço quem nem ao marido dá. Há os que não dão mas também não recebem, "que me importa", como me responderam. Portantus, há de tudo.

Ora, meus e minhas darlingues vou aqui dizer como a nossa família resolve o assunto das prendas. Todos dão a todos. Sim, leram bem, ninguém fica de fora. Somos mais ou menos vinte pessoas e todos recebem mais do que uma prenda. E  estamos juntos no dia de Natal na mesma casa e abrem-se as prendas começando pelo membro mais novo, ou seja o mê Gugu, o que equivale dizer que, neste momento eu sou a matriarca da família e por conseguinte sou a última a abrir as prendas. E desespero, porque eu adoro prendas.
Ainda há para amigos a quem vamos visitar, mais compadres, comadres e afilhados.
Em desabafo digo que ficaria muito triste se só recebesse uma prenda no Natal.
Eu já disse que esta é a época que mais gosto? Se não disse digo outra vez: "esta é a minha praia, esta é a minha onda."

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

No ano passado foi assim

Este ano ainda não sei. A ver vamos.

Onde posso comprar isto?

Isto refiro-me a pozinhos de perlim pim pim para inalar como se fosse uma dose de cocaína que me dê uma pedalada forte para deitar mãos à obra. Caramba. Meu povo o Natal está quase a chegar e não cheiro vontade de fazer seja o que for (e não tenho nariz entupido, não pensem que é por isso) nem me deu o frenesim. Mas digo, quando me der a febre ninguém m' apilha.