Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Pulga. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Pulga. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Passei, passei a ser avó

Há nove anos atrás nascia a Pulga, a primeira, a mais velha, e a partir desse dia a minha vida mudou. Passei para outro clube, passei a brincar mais, passei a ser mais permissiva. Mais tolerante.
Há nove anos atrás passei a ser a avoGi.
Parabéns, Pulga, minha pequena flor.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Isto de ser "a mana"...

...Não tem nada a acrescentar, só que, confirma-se que os mais velhos adoram mandar nos mais novos.
A minha mãe era a mais velha, por isso era merecedora do respeito e obediência dos quatro irmãos mais novos e, por isso era "a mana". O meu sogro era o mais velho e único filho de sete e, por isso, as manas não agiam sem antes pedir a sua opinião. Era "o mano" que decidia e organizava.
A minha irmã, a mais velha de cinco e já agora, que Deus a guarde, era uma mandona do catano. Era "a mana". Os meus irmãos tinam medo dela e da sua língua viperina. Eu, por ser a mais nova e por ter nascido quando ela já estava noiva, não sofri na pele, antes pelo contrário, fui sempre a sua menina e protegida.
Trinta anos depois, senti isso mesmo quando a minha filha - a mãe das Pulgas, por ser a mais velha mandava no irmão. Era "a mana".
Volvidos cinquenta e nove anos o mundo continua a girar no mesmo sentido e os mais velhos continuam a mandar nos mais novos; as minhas Pulgas são o exemplo vivo disso mesmo. A maiveilha sai à bisavó, à tia-avó, à mãe... É a "a mana" e coitado do mê Gu-gu e da Baixinha.
Há que prestar vassalagem "à mana"...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

É preciso meter requerimento?

Oiça lá, oh senhor São Pedro, que, certamente, é o responsável pelas chuvadas que caem do céu, será que pode fazer um intervalo entre as três e trinta e quatro e trinta da tarde? Será pedir muito que por essa hora não chova, é que, passo a expor o assunto, essa é a hora em que esta avó de três Pulgas, sai de casa para ir apanhá-las à escola e tem de levar dois regedores, ou guarda-chuvas, melhor dizendo, e estacionar, e descer e subir, e agarra um, outro foge, agarra dois e um já deslargou, quando consegue agarrar os três, salvo seja, a chuva continua a cair impiedosa e, esta avó fica num pinto molhado.
Será mecessário fazer um ofício-circular ou um desenho chega? Atão cá vai o da Pulga - a maiveilha.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Cansada, eu?

Diz a Pulga -a maiveilha que estava cansada, quando subia as escadas depois de ter ido buscar as fichas para executar.
- Cansada? De quê? - pergunto-lhe eu, sentada de perna esticada a jogar Candy Crush esperando por ela para a tradicional ajuda.
- Ora, de subir as escadas a correr. - diz, deitando o fôlego pela boca fora.
- Olha, também estou cansada! - digo, em solidariedade.
- De jogar. Só se for...

terça-feira, 11 de março de 2014

Tão bom viver nos suburbios

E ter uma mão-cheia de abraços ao regressar a casa, daqueles que apertam o pescoço e não nos deixam espaço para respirar, daqueles que se dependuram ao esticar, daqueles de saudades sentidas. São assim as minhas Pulgas, principalmente, a maiveilha que se colou e, repetia vezes sem conta, agarrada ao pescoço: "saudades tuas!"
É tão bom sentir-se amada, querida. Sou abençoada.
E nem falo no dia de sol e, pelas sete de uma tarde, o sol a fazer o seu ocaso no horizonte. Sou abençoada.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Uma acima uma abaixo

Dizia a minha Pulga - a maiveilha, que está bronquiolética (cheia de bronquite), com o frasco do meu perfume e a inspirar, mesmo constipada lá fungava e inalava o doce odor..
- Avó, este perfume cheira a ti. É o cheirinho que tu tens quando te dou um beijo.
Esta foi a de acima.

Agora a do deita abaixo.
Pulga com os meus óculos enfiados no nariz, enquanto eu fazia a limpeza da cara. Olha para mim perdida de riso e diz.
- Avó, vejo tudo desfocado. Pois, estes óculos é para senhoras cegas.
Conclusão: cheirar bem eu ainda cheiro, agora ver...

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Fazer anos na cama

A Pulga, a que faz, hoje, 8 anos, está com broquite, e, em vez de passar o dia de anos na escola com as amigas a brincar, passou-o com a avó. Também é agradável, digo eu. É tamanha a tosse que, eu que sou surda, oiço em boas condições.
Parabéns, minha Pulga maiveilha e, já agora, melhoras.


Parabéns à minha Pulga

A minha Pulga - a mais velha faz hoje 8 anos. Com ela começou a saga da AvoGi. Com ela adquiri um novo estatuto, com ela tornei-me avó. Por isso, só desejo estar cá para apoiá-la sempre que de mim precisar. E espero que precise muito, pois é para isso que vivo.
Adoro-te, quando dizes "adoro-te, minha avó" e me apertas o pescoço que quase não respiro.
Parabéns, minha Pulga.

Fotografia: Na casa da avó há momentos em que parece Carnaval, Natal e Verão. Com muita desarrumação.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

A inocência da Pulga

Digo à Pulga - a maivelha - para seguir o meu dedo com olhar e ver um terreno em frente à baía do Funchal com uma vista surpreendentemente panorâmica, por isso, deve abrasar como lume para quem quiser comprar, e diga-se em abono da verdade, é espectacular e se eu, mulher pobre mas honrada tivesse o dinheiro que não tenho, seria lá que ia acabar os meus dias.
- É aqui que a avó vai construir uma casa.
- Sozinha?! - pergunta ela, admirada e incrédula.
Ri-me, pois que para ela, eu seria a mulher que ia pegar nos materiais e fazer a casa. E iria eu fazê-la sozinha?



domingo, 10 de novembro de 2013

À maneira antiga também é bom


 A Pulga pediu-me para escrever no computador, ora, eu sou uma avó que satisfaz os pedidos das Pulgas, mas, e como tudo tem um mas, quero que elas liguem o presente ao passado e percorram o caminho correctamente, isto é, que percebam que antes de existir o computador existia a máquina de escrever, e que eu, avó querida, fui uma amante da máquina e até tenho curso de caligrafia, dactilografia, estenografia, e pasmem-se de estenodactilografia.

Ninguém me batia em tempo a dactilografar tanto que fui convidada para trabalhar ainda quando estava a estudar. Comecei no Curso Geral de Comércio e acabei o Complementar de Secretariado e Relações Públicas, antes de me dedicar às criancinhas. E tenho uma máquina de escrever. Ainda. Velha relíquia!
Novidade para ela que aqui ao meu lado, ainda não parou de bater teclas. Mas com tanta força que, penso que daqui a pouco, tem as cabeças dos dedos em sangue ou calejadas.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

E já dizia o outro: Mudastes?

Mudei sim, e...?

A minha Pulga adora todas as tonalidades do cor de rosa, desde o fuchsia, passando pelo magenta e ficando no pink, rosa pink, ultra pink, light pink, hot pink, dark pink e todos familiares de pink-pink-pink; por isso, e como ela embeleza o cabeçalho daqui do burgo em homenagem ao seu gosto mudei. E, lá está ela a bordo de um rabelo a contemplar o rio Douro, nas férias de verão.

sábado, 8 de junho de 2013

Isto de ser aposentada...

..Tem o seu quê de descuido, de esquecimento dos dias.
Ontem, diz-me a Pulga toda satisfeita que segunda- feira não há escola. Julgava eu que era por haver missa, passeio, visita de estudo, porque as crianças têm a mania, ou melhor a ideia, que estas actividades não são importantes, ou tão importantes, como o estar dentro da sala de aula a aprender, e quando acontece uma destas actividades é um dia de brincadeira para elas.
Mas digo, foi preciso a Pulga - a maiveilha, me alertar que é feriado, que não havia escola.
Alto lá, atão é mesmo feriado e não uma actividade fora de portas!

Mas feriado de quê ou porquê? Andei a pôr os meus parcos neurónios já cansados a pensar, e até lhe disse que não, feriado é só em Julho no dia 1 (Dia da Região Autónoma da Madeira, para quem não saiba). "Avó, é mesmo feriado. Foi a professora que disse." 
E só depois de contar pelos dedos os dias da semana, só depois de perguntar a ela que dia é hoje, quantos são do mês e em que mês estamos é que...
"Malembrei-me" que é Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades, mas acima de tudo um feriado que não nos foi roubado, surripiado e transformando em dia de trabalho.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Tão simples quanto isto!

Ao almoço, ouvindo as notícias sobre a Ria de Aveiro, aproveito, como sempre, para fazer uma breve lição de geografia à Pulga - a maiveilha.
- Há rio e ria. Sabes qual é a diferença? - Pergunta mais idiota (digo agora depois de ouvir a resposta), para uma criança de sete anos que vive numa ilha sem rios nem rias e somente conhece Portugal Continental de breves férias.
Sei - diz peremptória - o "o" e o "a" no fim.
Toma para não fazeres perguntas parvas. Mas a resposta, essa, foi tão simples e certeira.
Linda Pulga, coisa mailhinda de sua avó!

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Atão eu ia ficar em casa?

- Avó, tu vais com esses sapatos!? - perguntava-me a Pulga - a maiveilha, com o dedo esticado, apontando para os meus sapatos; quando, depois do almoço, entrava no carro para regressar à escola. Com os olhos tão abertos de surpresa por eu ter nos pés uns sapatos velhos de andar por casa que por sinal até eram da tia-velha.
- Não servem? - E olho para os sapatos ao mesmo tempo que faço uns passos de bailarina e coloco um à frente outro atrás como se estivesse numa passerelle. 

 Ela ri-se. Digo-lhe que não vou sair do carro que regresso logo a casa por isso não há necessidade de levar os sapatos de ir à missa (por que antigamente os melhores sapatos eram os de levar à missa no domingo).
- São sapatos de velhinha! - diz-me com cara de remédio, encolhendo os ombros como quem diz: não há remédio com esta minha avó!, e para terminar sem ofender, remata com - Mas ficam-te bem.
Pudera, se continuasse a reclamar dos sapatos ia a pé...

Fotografia: E ia eu mostrar os tais sapatos? Não, ofecorsse note (inglês).

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Mas por que razão?

- Avó, por que é que as senhoras usam soutien? - perguntou-me a Pulga - a maiveilha numa sessão de perguntas.
Bem, imaginei tantas respostas para dar...

Para sustentação dos seios,
para não abanarem quando andam de  carro,
para puxarem para cima quando estão descaídos,
para dar volume quando os seios são pequenos, colocando uns enchumaços,
para não descaírem, se são grandes e evitar que cheguem aos joelhos,
para não andarem soltas, e ajeitá-las
para proteger de cotoveladas.

A cada resposta dada ela rematava a rir: " não é! Não é nada disso! Não sabes? - por fim, perguntou-me e respondi que não  já sem saber a razão de se usar um sutião (como se dizia por cá)
- Para não apanharem frio - continuei a olhar para ela à espera de mais... - As maminhas! - e apontando para as suas, sorriu.
Tão claro como água cristalina da ribeira. Nós, adultos é que complicamos.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Pensar eu até penso e demasiado se calhar!

Ao almoço estávamos sentados à mesa: eu o Mê senhor e a Pulga, a maiveilha e com a televisão ligada nas notícias.
Abre parêntesis (Sim, eu sei que não se come a ver televisão. Sim, também sei que é o momento de reunião da família.  Sim, eu sei isso tudo e também sei que devo usar o que tenho por isso vai daí a como sobra televisões foi uma para a cozinha. Eu só digo isto pois antevejo os comentos maliciosos que aqui me deixam. Não, não são todos vocês... Valha-me Santa Justa dos Madeirenses...
Fecha parêntesis)

A noticia era sobre o mesmo: cortes, IRS, pensões...
Até que digo: - Lá vai o  gajo cortar nos pensionistas outra vez!
- Avó, o que são pensionistas? - pergunta a curiosa da pequena. Respondo que são aqueles que recebem uma pensão.
- Ah! - Diz ela muito admirada. - Julgava que "pensionista" - e soletra bem a palavra - é a pessoa que pensa muito!

sábado, 6 de abril de 2013

E não é que dizem...

...Que é fim de semana!?

Dizem que o Tribunal chumbou umas normas do OE. Também ouvi dizer que vai haver uma frente fria em todo o Portugal e por isso as temperaturas vão baixar (outra vez? Mas quando chega a Primavera?) e, não me disseram, mas eu vi com estes olhinhos cheios de curiosidade, os jacarandás a florir e a Pulga - a maiveilha, a se pôr a jeito para a fotografia; há quem diga por aí que a vida vai melhorar, outros dizem que temos o sábado e o domingo para descansar; por isso...
Ide, ide rápido descansar e levem os meus votos de Bom Fim de Semana, pois então!

sexta-feira, 8 de março de 2013

Isto é Arte (dia 08)

E não poderia falar de arte sem apresentar as obras da Pulga - a maiveilha - quando tinha cinco e seis anos (agora tem sete), relacionados com a família ou com personagens dos desenhos animados.
Para mim, cada desenho é uma autêntica obra de arte. Porque arte significa técnica e/ou habilidade e  está ligada a manifestações de ordem estética realizada através da comunicação, da percepção, das emoções e das ideias, dando um significado único a cada obra.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

E depois há aquelas mensagens...

...Que nos fazem bem à alma.

E esta foi em dúvida. Chego à secretária onde se me sento para as minhas reflexões e vejo colocado na mesa esta mensagem da Pulga, a maiveilha.
Claro que enche a alma e o coração, e nem mesmo os senhores da troika me destroikam do reconforto que é: saber-se amada.
Ainda está no 1º ano, daí os erros. E foi feito assim à papo-seco, ou seja à pressa.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Fim de semana, pois então!


Fim de semana de Carnaval.
Hoje, nas escolas, foi dia de festa. De entre os piratas, os vampiros, as Brancas de Neve,  as Carochinhas, os Capuchinhos, os pilotos, os palhaços destaco esta: A dama antiga. A Pulga - a maiveilha.
Bom fim de semana, pois então!