Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta a minha cabeça já não é o que era. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta a minha cabeça já não é o que era. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 17 de março de 2017

Ai, povo enganado! "Vaiam" mas é vestir a gabardina e calçar as botas d' água!

Julgavam vocês que o sol vinha para ficar? Julgavam que iam colocar a bela da tamanca no pé e caminhar porta fora até à babuginha do calhau e espalhar-se ao comprido num metro quadrado de cimento, ai era? Desenganem-se meus e minhas, hoje aqui chove facas e canivetes do céu e o Pedrocas anda a fazer churrasco e a deitar o fumo cá para baixo. E que belo churrasco! A julgar pelo fumo a lenha estava molhada. Pudera, se chove e volta a chover...
Mas adiante.
Atão, as minhas lindas mulheres cá do burgo até arranjaram as unhinhas dos pés para poder arejar os dedinhos? Vão mazé ao baú buscar o sobretudo, as luvas, cachecol e as meias tricotada pelas mãos da avó que isto ainda vem muito frio.
Sabem o adágio popular: "Abril águas mil" que em madeirense se diz: "abrilhe águas milhe?" A água ainda vai cair antes do fim deste mês, palavra de quem nunca mente.
Ui, que frio aqui, no meu rural, deixa-me fazer um chá de limão com sumo, deitar mel de cana e um cálice de aguardente a ver se aqueço.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Seria o milagre que tanto espero

Para dormir, como um anjo, nada melhor que juntar três factores no quarto: arejado, escuro, silêncio.
Eu, rapariga que sentada no sofá dormita mesmo que o filme seja de acção e faz aquele esforço mórbido para ver até final e quando dá por si tem a baba a escorrer pelos cantos da boca e os óculos dependurados no nariz mas virados para Marrocos (que fica ali em frente), assim que desperta do sono, olha para a televisão e fica como que perdida pois que no seu cérebro de abóbora amarela cheia de pevides, não percebe que o filme que começara a ver já acabara há, sensivelmente, uma hora e três quartos e que este já é outro.
Atão, a rapariga que sou eu levanta este corpo que já foi danone, mas agora é Michelin, agarra nele ainda cansado e todo torcido que mais parece uma rosca, devido a estar sentado no sofá, e leva-o até à casa de banho para fazer o que tem a fazer neste sítio, despe-o, ou melhor tira o robe, fica com o rico pijama de bordado Madeira e deita-o. Assim que o deita no quarto arejado, escuro ...descobre que não há silêncio. E porque não há silêncio?, perguntam vocês que tudo querem saber? E eu respondo porque não sou de meias palavras. Por que alguém, que não me atrevo a dizer quem, toca piano. E saem uns acordes musicais, tipo tum tum tum tum acompanhados de uns suspiros como se competisse com Bitoven.
Mas a rapariga que para dormir precisa dos três factores juntos, e só tem dois, decide acompanhar o ritmo mas a dançar o fandango, desatando a dar pontapés no pianista. Pelo menos, durante um instante deixou de tocar piano.

terça-feira, 14 de março de 2017

Nunca vos aconteceu?

Não. Não digam que não que começo logo a chorar com pena de mim! Não digam que não porque eu, que já tenho a mórbida ideia que esta cabeça só tem pevides de abóbora amarela, vou ali tomar um copo de antidepressivos acompanhado com uma caneca de poncha de Madeira e um cálice de Porto Vintage.
Não digam: "ah, cá nada, cá a mim nunca me aconteceu" que eu garanto a nossa amizade termina com este poste.
Posto estas referências vamilhá à pergunta:
Nunca vos aconteceu chegar à arca congeladora para tirar, neste caso bacalhau demolhado, para fazer uma receita pela qual pensaram a noite toda e chegar lá constatar que o dito bacalhau tinha evaporado? Ou usado noutro prato? Ou, quiçá, nunca existiu?
Não?! Ou eu é que sou a descompensada cá do burgo?

quinta-feira, 9 de março de 2017

Eu, ele e ela - a outra

Esta noite éramos três na cama. Eu, ele e ela - a outra - a que de vez em quando aparece para partilhar o leito conjugal.
Assim que me deitei percebi logo que ela viria aninhar-se entre nós dois. Lentamente, meteu uma perna, depois um braço quando dei por ela já se instalara e, depois, é ela quem toma as rédeas.
Eu sabia que um dia ela voltava. Há muito tempo que não aparecia. Esteve ausente em parte incerta, perdida nos braços de um outro qualquer, mas esta noite veio para ficar.
Quando não é uma é outra. Perdi a conta de quantas vezes somos três na cama.
E se viessem as duas ao mesmo tempo? Impossível quatro às voltas na cama!
Na semana passada "a outra" veio enroscar-se no mê senhor, que noite, mês dês, que noite!, Memorável! Hoje, esta agarrou-se a mim.
Não há quem durma com esta insónia e "a  outra" a enxaqueca.

terça-feira, 7 de março de 2017

Deixem-me desabafar, canão sufoco! Diz ela que não faço nada

Não tenho tempo para nada nem para uma coçadura no lombo, e a minha Pulga - a Maivelha diz que passo o dia sentada a jogar Candy Crush...Que sou uma sortuda, que não tenho de estudar nem de ir para a escola, que posso me levantar tarde e passar o dia sem fazer nada, que queria ser reformada, que os reformados é que estão bem porque não fazem nada, e ela tem de estudar.
Mas onde já se viu?! É a ideia que estes gasguitos têm de mim. "Avó, tu não fazes nada".

Pois olhem, a minha vida não é fácil, não senhora, a minha vida é um pião, um rodopio valente.
De manhã faço os meus abdominais, coisa que comecei há muito tempo e ainda não acabei; é assim como bordar uma toalha de bordado madeira, depois dá-me aquela roeza no estômago e meto lá para dentro quase meio litro de café. Sento-me. Levanto-me para alimentar cachorros e gatos, faço o almoço para os netos e sento-me. Eles chegam almoçamos e sento-me para comer, depois levanto-me para me sentar, desta vez no sofá. Dou umas volitnhas a fim de digerir a quantidade de calorias injetadas e ...sento-me. Cansada, caramba!
Passo a tarde sentada pois que de pé canso-me.
Ali pelas cinco horas levanto para me sentar à mesa da cozinha para o lanche. Levanto-me, dirijo-me à padaria e, pasmem-se, sento-me na "minha poltrona", se não estiver ocupada. Venho para casa e cansada, sento-me.
Mais tarde o jantar e adivinhem.... sento-me. E que faço depois?
Claro, acertaram. Sento-me. E ainda diz a minha neta que passo o dia sem fazer nada! Só sei que à noite estou cansada e vou dormir mas deitada porque estou cansada de estar sentada.
Não ficaram cansados de ler? Atão sentem-se.

domingo, 5 de março de 2017

E é amar-te assim perdidamente

Sou uma apaixonada pelo Porto (mas isso já toda a gente sabe), desde que o mê Bisalho (meu filho), optou por estudar nesta cidade. E, assim que posso, meto-me ao mar.
Porque ama ela o Porto? Perguntam vocês enquanto batem com as pontas dos dedos no tampo da mesa e franzem o sobrolho.
Não sei, só sei que é um amor correspondido. É uma relação para durar.

Uns e outros

Há filhos que ao tornarem-se pais esquecem-se que são filhos. Dali para a frente só a família que constituiu é que passa a ser "a sua família", passando os pais a serem parentes, alguns muito afastados.
E depois...
Depois, há os outros...Os que tratam os pais como sendo família e não parentes...com o respeito que merecem, nunca os pondo de lado, tornando-os presentes em todos os bons e maus momentos da sua vida.

sábado, 4 de março de 2017

Uma comichãozinha...

Tenho comichão na garganta, o que faço? Não é por fora, se assim fosse, ora bem, era só meter as unhas acabadas de pintar com vermelho vivo e coçar até arranhar. Mas não, senhores, mas não. É por dentro!
Coçar está fora de questão pois não meto os dedos (com as unhas acabadas de pintar com vermelho vivo), nem a mão pela goela abaixo; depois, a minha garganta é funda, e, de certeza que me dará "engulhos", pois sempre que o senhor doutor - aquele que tem um nome comprido - me punha o pau de gelado lambido na língua dava-me umas ganas de "rabiçar".
Vou ter de esfregar a língua no céu da boca e dar estalinhos a ver se passa a comichão, esquisito, não é? Que raio de sítio para dar comichão!
Com tanto corpo onde posso pôr as unhas (acabadas de pintar com vermelho vivo), calhou-me logo este: dentro do corpo!

quinta-feira, 2 de março de 2017

Já vai em quinze dias e nada

Tomei uma resolução e vou tentar seguir à risca.
Meteu-se na cabeça reduzir os quilos de trago alojados nas nádegas, na cintura, na barriga, nos ombros...
Adiante...
É mais ou menos assim: sou rapariga de ideias fixas e se me mete uma coisa na cabeça dou a volta ao mundo mas tenho de a concretizar. Agora é esta, daqui a dias pode ser outra, enfim... Quero tirar estas lombas e valetas que possuo.
Atão, eu, de ideias fixas, escrevi num grande cartaz uma frase e colei-a com fita-cola atrás da porta. E cada dia quando acordo, leio a frase e fico tão feliz porque...
"Amanhã começo a dieta, hoje não".
E dou um pulinho de contente. "Ah, é amanhã! Não é hoje!" Digo satisfeita.
Já há mais de quinze dias que leio ainda não emagreci, mas já sei dar pulinhos.

Sempre desejei ter um conjunto de lençóis cor-de-rosa

A sério, era um desejo que nunca realizei, a falta de dinheiro aliada a uma falta de pachorra para comprar e, o facto de não haver aquilo que pretende dia, fez com que fosse ficando em desejo nunca concretizado.
Mas já os tenho. E que lindos que são! Uma cor diferente: um cor-de-rosa a puxar para o vermelho. Uma coisa fora de série (depois mostro, sim?)
Pena tenho de não ter uma cor homogénea. Tem umas partes mais rosadas... outras mais avermelhadas...E outras brancas.

E a custo zero. Não, não me ofereceram...
A minha máquina de lavar que faz tudo desde encolher a esticar passando por desbotar, amarelar e que sabia que eu andava louca para comprar fez o obséquio de transformar um jogo de lençóis branco em cor de rosa, a puxar o vermelho, com manchas...
Como estão lindos! Não tarda nada vai máquina e vão lençóis de carrinho, naquele que passa às terças e sextas...
Ora agora!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

E cookies com canela também gosto

Prontes, fiz o que disseram. Limpei o pó, passei a esfregona debaixo dos móveis, e falaram nos cookies, tive de ir ao sabe-tudo e dizia: cookies= bolachas. Atão fui ao armário da cozinha e munida de uma terrina cheia de cookies limpei o barraco. Também pelo caminho aviei umas malassadas cheias de mel de cana sacarina assim como quem vai levar muito tempo na limpeza e não pretende passar fome.
Depois, sentei-me. Sabem enfardar cookies dá uma sensação de embolada.
Espero que agora possa andar a viajar pelo mundo fora já que limpei o barraco e mandei pó lixo "aquilho" que não fazia falta. Ou seja a lata de cookies uma vez que já está vazia.

Aviso à navegação

Bom, estou retida...Não consigo navegar e visitar o mundo através dos olhos de quem escreve. Dá sempre erro e pede para recarregar a página porque "não é possível aceder a este site". Chatice.
Será que é castigo só para mim? Mais alguém que pretenda navegar e não sai do lugar por mais que reme?
Por isso se não virem esta que vos escreve por aí é sinal que o mar continua tenebroso e não navego.
A gerência agradece e pede desculpa pelo incómodo.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

E, depois, há aqueles altos, espadaúdos, lindos como Apolo

Se há coisas que me faz saltar a brotoeja é, precisamente, alguém me cumprimentar com toda a gentileza com um rasgado sorriso e eu....Oh, mas quem é? Tungas, uma branquinha.
E por mais voltas que dê ao miolo não conheço. Não sei quem seja! Já abri todas as gavetas da memória e não consigo localizar nem encaixar em nenhum sítio este belo exemplar masculino, alto e espadaúdo, de cabelo grisalho que, quase se debruçava sobre si mesmo para me fazer um cumprimento digno de realeza?
Irritante, esta falta de memória!
Mas quem será este Apolo da Era Moderna que me deixa de cabeça à banda a pensar: mas quem será....E a cantar "mas quem será este lindo Apolo eu seilhá seilhá..."
E volvidas umas horas ainda penso nele. Mas quem será?

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Para quem nunca viu a Torre Eiffel...

... é mais ou menos assim. Muito muito parecida com esta torre. Só que em ferro. Está em Paris e foi concebida pelo senhor Eiffel.
Esta foi concebida por mim, é de farinha e está aqui no meu rural....
Sirvam-se, uma de cada vez e besuntem no prato que tem mel de cana. É Carnaval...

Apaixonado

O meu frigorífico anda a fazer uns barulhos esquisitos. Uns murmúrios, uns sussurros que mais parece água a ferver. Ou o som das ondas do mar. É aqueles suspiros que vêm do coração, é isso.
Será que se apaixonou pela arca enquanto eu estive passeando pelo Funchal?
Olha o maroto! Não posso deixar estes dois sozinhos...
Não quero ser de intrigas mas cá para mim já vejo a arca arredondada...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

E o prémio simpatia vai para...

Vejo ao longe um lugar vazio e preparo-me para estacionar. Vejo, também, ao longe, alguém que intenta subir a ladeira onde tem o lugar vago. Para não atrasar a pessoa e para que não assista à minha azelhice a estacionar num caminho inclinado, faço sinal a ele para subir para que, depois, possa eu azelhar à vontade, sem mirones.
Atão não é que o dito senhor estaciona no sítio que ia ser meu? Atão não é que de tão simpática perdi o lugar e tive de gastar uma porrada de gasolina a procurar um sítio largo, espaçoso e plano?
Este letreiro que ostento na testa, que toda a gente vê, menos vocês, não é de simpática mas sim de otária.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Antigamente...

...quando uma rapariga engravidava recorria à mãe, à tia, à avó para lhe explicar como proceder com um bebé. O que fazer, como dar banho...qualquer dúvida esclarecia com as mulheres da família.
Presentemente, recorre à internet, à barra de endereços do Google, frequenta uorqueshoopes e fórum de futuras mamãs. E lê, devora todos as páginas dos livros.
Sabem para que servem as mães hoje em dia? Para serem contrariadas em tudo o que dizem sobre o assunto. Porque não percebem nada e tudo o que fizeram estava errado.
Como mudou!

Por vezes, muitas vezes nem tudo o que parece é

Por vezes escrevemos um texto e quem lê sente como se fosse escrito a pensar em si. Por vezes identificamo-nos com determinados temas.
Por vezes, porque estamos sensíveis o pensamento viaja e sai textos mais lamechas os quais são escritos com o coração na mão.
Por vezes e só por vezes os textos são direccionados.
Por vezes escrevemos aquilo que nos dói, tomando pelo princípio que quem lê interpreta como nós escrevemos. Porque, por vezes, os textos têm um fundo de verdade e são tidos por mentira. Outros há que, por vezes, não têm nada de verdadeiro e quem lê dá um sentido que não é aquele pelo qual foi escrito.
Por vezes, fazemos um bicho de sete cabeças quando, afinal, o bicho nem cabeça tem.
Por vezes quem lê coloca maldade onde não existe, porque, por vezes, consegue ler nas entrelinhas.
Por vezes, algumas vezes nem tudo o que parece é.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Na minha cama com elas

É motivo de festa estar na cama da avó (aqui é tudo da avó) nós as três.
As Pulgas são mesmo pulgas. É saltos com as pernas, é rabos no ar, é conversas entre as duas. E eu a pedir para que sosseguem...
É a historia que eu só conto se houver silêncio, bem eu diria que é um arraial assim como o da Nossa Senhora da Agonia. Agoniada fico eu de brigar com estes estrepelas.
Mas hoje subiu-me uns calores pelo corpo e só se estivessem caladas e quietas é que ia sair a história.
Mas a festa continuou, já que ninguém tinha nada a perder...a não ser eu.
A páginas tantas digo, do alto do meu olhar sério:
"Se continuam assim eu saio daqui da cama e já não volto. Vou contar até três"
1....
Continuou o reboliço.
2...
E antes que eu dissesse 3, diz a Pulga toda arrebitada com a crista no ar.
- Se sais daqui faço uma birra.
Mas onde já se viu? E eu com medo da birra, fiquei.
Brincadeira, fiquei porque adoro estas Pulgas e as suas tiradas de mandonas....

É o horror, é o descalabro

Um pêlo, um pêlo pelo meu queixo sobe.
Sabem, aqueles pêlos de velha? Aqueles que nascem sem ninguém plantar?
Não, não, não, recuso-me a ver este pêlo hirsuto, esticado aqui na minha cara. Pior, agora ao olhar para o espelho para arrancá-lo vejo mais um. São dois! Isto não fica assim...
Que faço? Terei de fazer a barba?
Ai A velhice vem devagar...Devagarinho a instalar-se...