Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta a minha filha. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta a minha filha. Mostrar todas as mensagens

domingo, 18 de abril de 2010

Da festa

A minha filha fez 30 anos e para festejar esta data reunimos família e amigos. Houve surpresas, mas a surpresa das surpresas foi a presença do mano (o meu bisalho)* na festa de anos. Ela ficou "desarmada" "alcançada"(não esperava) quando o viu aqui em casa. As lágrimas que tenta reprimir(mas que feitiozinho ela tem de não querer manifestar os seus sentimentos, irra) saltaram dos olhos. Emocionou-se (a idade, a pré-velhice está a chegar). Mas não acabariam aqui as surpresas.
Ela que só queria uma "coisa pouca" (palavras dela) levou com um ror de gente. Não sei bem, mas perto de 50 contando com crianças.
Por fim a última surpresa: o vídeo que o marido e eu preparámos para presenteá-la (e ao resto do "maralhal") sobre a sua vida nestes trinta anos de existência.
Enfim a festa prolongou-se até de madrugada. Cá se comeu (tudo) se cantou (muito) e lá se espera a próxima.
Agora é sempre a abrir e os 30´s instalaram-se.
Para o ano há mais.
(*veio na sexta e foi hoje, domingo)

sábado, 17 de abril de 2010

Adenda (ao poste de baixo)

Hoje... dia 17 de Abril de 1980 nasceu uma menina...
Cresceu e engordou (já não tem 47 cm nem pesa 3,700kg)
Todo o resto do artigo mantém-se.
Essa menina é a minha filha...
E faz hoje...30 anos... (já?)
(Foi uma brincadeira cá da Gi)

Kikas filha da avoGi
 Obrigada a todos pelos parabéns. Vou entregar-lhe assim que chegue para o grande arraial cá no rural e distribuir os beijinhos. (embora ela já tivesse lido todos os comentários)
E....quem quiser vir...venha.
Obrigada a todos pelos votos de felicidades.


E usando a frase dela (desculpa o plágio):
Filha de 2
Mulher de 1
Mãe de 3 (Pulgas)

Hoje...


...Nasceu uma menina com 3,700 kg e 47 cm de comprimento. Tem cabelos negros e lisos. Veio ao mundo para fazer as delícias do seu pai e mãe bem como a toda a família. Primeira neta pela parte paterna. O acontecimento deu-se no Hospital do Funchal.
Toda a família juntou-se para comemorar o momento.
À família os parabéns e à menina votos de felicidades.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Festa da Flor

AvoGi e kikas
AvoGi e kikas
Em 1984 , grávida de 6 meses participei na festa da Flor. Desde há muito tempo que éramos (eu e o mê senhor) figuras certas nas festas cá da Madeira: Carnaval, Flor e Vindimas. Aliás desde 1978 quando aderirmos aos eventos organizados pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura.

Neste ano de 1984 a gravidez não me impediu de participar. Mas se sempre fazia parte do grupo de dança neste vez devido à barriga tive de me contentar em ir sentada no carro alegórico.
E tive a companhia de uma criança que em vez de estar no chão junto das outras a dançar a coreografia estipulada, fez-me companhia durante todo o trajecto: a minha filha.

(Na Madeira neste fim de semana comemora-se a Festa da Flor.)

sábado, 10 de abril de 2010

Olhos que deitam labaredas!

O Pulguito é um "biqueiro" (faz nariz, carranca) para comer sopa, na casa da avó, (na minha que na casa dele o rapaz abre-a bem). Ainda ontem a minha filha falava sobre o assunto e achou estranho este facto (de não comer na minha casa, de espernear, de "engulhar"(de pretender sim, ele só pretende, vomitar).
A minha cunhada sugeriu deitar maçã. Eu referi que o pai deita maçã ou batata doce.
Mas as sopas do bebé são insossas, não têm sal, nadinha, feitas de propósito para ele e quando fica comigo trás sempre uma já feita.
E como de vez em quando tenho umas coisas que não lembra a ninguém, digo com a maior seriedade possível.
- Eu já deitei sal na sopa. Na próxima deito açúcar a ver se ele come.
Bem, é que os olhos da minha filha não são de dragão não senhora, nem deitam "lavaredas" encarnadas (como se diz aqui) senão da forma que ela olhou para mim eu morria abrasada!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Pensamento meu: Pecado

(Disse ali no poste mais abaixo) há 30 anos atrás era pecado varrer de vassoura, mas se a casa estivesse com poeiras podíamos passar um pano imitando a vassoura. Já não era pecado.
Também não se podia martelar que saía sangue do martelo.
Mas afinal o que podíamos fazer?
NADA!
Hoje em dia toda a gente vive em pecado. Ainda hoje a minha filha foi trabalhar e as netas foram para o infantário.
Não será pecado abrirem os infantários no dia de hoje?

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O que era anormal há 20 anos atrás passou a " perfeitamente normal" actualmente

Não sei se a nova geração de pediatras estudou pelos mesmos manuais que estudaram os seus antecessores. Isto a propósito da pediatra achar "perfeitamente normal" uma criança de 3/anos fazer cocó nas cuecas.
Ora então resta-me achar que eu há 20 anos atrás é que era a "atrasadinha anormal".
A minha filha passou por uma fase de não querer fazer cóco. Eram caganitas de cabra o que evacuava. Comprimia as nádegas e não permitia que as fezes saíssem. Era bebé-gel pelo rabo acima e mesmo assim ela recusava-se a fazer, ou então fazia nas cuecas (as tais bolinhas).
Até que um dia já farta de a convencer com falinhas mansas e ela a medir forças comigo, chegou-me a mostarda ao nariz e bumba...senti-a na sanita, escancarei-lhe as nádegas, palmada no rabo e agora deita cá para fora.
A Pulga sofre do mesmo mal. A mãe que coitada ficou "trumutizada", (como dizem alguns madeirenses) abordou a pediatra que acompanha o crescimento das Pulgas sobre este assunto.
- Perfeitamente normal nesta idade fazerem cocó nas cuecas.
Hã? Normal? Normal para mim é fazerem na sanita.
E lá a Pulga (porque é normal na sua idade?) de vez em quando só se lembra quando o dito já saiu.
"Filha querida, perdoa-me as palmadas que te dei para fazeres o coco na sanita. Tu eras normal, a anormal era eu."

domingo, 24 de janeiro de 2010

Filha da...outra Pulga

Outra Pulga mãe das Pulgas. AvoGi
Pulga olha para esta foto e....
-Avó, esta sou eu?
- Não. É a tua mãe.
- Mas parece eu!?

De verdade lá parecer parece, mas não é.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Agradeço à minha filha

É sempre bom.
Quando fizemos 25 anos anos de casamento a minha filha mobilizou toda a família para participar monetariamente. Juntou o dinheiro para fazermos um cruzeiro.
Lá fomos ao nosso primeiro.
Gostámos e retribuímos quatro anos depois.
Daqui a um ano faremos 33 anos. Vamos jantar? Ou cruzeirar?

Quem sai aos seus

Quando eu pensava que era a única...descubro que a minha filha também é louca como a mãe!
Ontem estávamos a conversar a propósito do frasco de café e da mijadela da minha tia e diz-me ela.
- Não era melhor teres posto um funil? Assim já caía direito no frasquinho!
Bem...eu comecei a imaginar... a tia-velha... escancarada... de pernas abertas... como a porta da Sé...no poliban...com um funil verde... que eu tenho...bem grande...na"boca do corpo"...e o frasquinho minúsculo....na ponta do funil....

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Foi pra isto que caminhei de casa?

Hoje "caminhei de casa", (nós madeirenses usamos o verbo caminhar como acção de sair) para ir buscar a Pulguinha ao infantário. Estava numa loja toca o tmn. Era a Senhora Pulguedo (minha filha) a perguntar se podia ficar com o bebé. -Claro que sim- disse-lhe. E combinámos na porta do referido infantário para receber o Pulguito.
Ao colocar o bebé na cadeira do carro, diz-me ela com ar autoritário e obedeci de imediato (por que sou bem ensinada).
- Vira-te. (Eu estava de frente para ela e virei-me logo).
- Tás a perder o pêlo ...como os cachorros - diz-me tirando os fios de oiro das minhas costas.
Foi para ouvir elogios destes que eu "caminhei" de casa!?

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CPMERDLUP

No carro olho para trás vejo a Pulguinha já sem as tiras da cadeira colocada nos ombros. Zanguei-me e disse-lhe para colocar se não o carro não andava. Ela olhava para mim e continuava já não tinha as tiras e estva em posição de sair da cadeira. Levantada, pronta para descer.
Depois de muito blá blá blá lá se convenceu a estar sentada. Ao chegar a casa dela perguntei à mãe se era hábito ela tirar as tiras e levantar-se.
- Sim. Ainda há dias ela fez isso na via rápida e o pai deu-lhe umas palmadas.
- O quê?
- Sim deu-lhe e chegou a dentro. E se acontecer dá-lhe uma para ela não fazer isso.
Meu Deus! Eu? Dar umas palmadas naquele rabinho fofinho? Nunca. Coitadinha do meu "inção".
Vou mas é fazer queixar à CPMERDLUP (Comissão de Protecção de Menores Em Risco de Levar Umas Palmadas). A "gorgomilha" só tem 20 meses, e já provou?

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Olha, ouvi dizer...

...Que o blogue  Perguntinha voltou? Ao fim de oito meses? Já não era sem tempo.
Então aqui vai uma perguntinha:
Porque estiveste tanto tempo em coma? Não havia perguntas ou não havia pachorra?

domingo, 29 de novembro de 2009

Faz o que eu digo não faças o que eu faço

Todos os domingos vamos em peso jantar a casa da minha sogra. Eu costumo dizer que é ao CDS (Casa Da Sogra). Hoje não foi excepção. Depois do jantar é hora de rumar até casa.
À saída a minha filha manda que as Pulgas dêem beijinhos a todos: "vai dar beijinhos ao tio. Vai dar beijinhos à tia, beijinhos à prima, à avó, ao avô, à bi, à outra tia, à outra prima, a mais uma prima
Certo que as Pulgas bem ensinadas dão beijos a todos conforme é exigido. Mas a minha filha esquece-se ela própria de dar beijos. Eu sou a vítima. Esquece-se sempre de mim. Não recebo um beijinhos dela. (também não reparei se ela deu aos outros e se foi a mim que não deu).
"Paciência" dirá ela ao ler este post.

sábado, 28 de novembro de 2009

Bilhardeira esta Pulga!

A Pulga saiu-me uma bilhardeira. Pior que isso...nem sei como se chama, se calhar bilhardeirona ou bilhardeirão.
Tudo o que se passa quando está comigo vai bilhardar para casa. É que é mesmo tudo!
Então não é que hoje a Pulguinha dormia quando fomos à padaria e ficou no carro? A Pulga que não guarda segredo, bumba, foi logo contar à mãe.
Imaginem se fosse alguma coisa de pior? Já não me atrevo! Qualquer dia "aconchego-lhe o rabo" ou melhor "aqueço-lhe o pêlo" e que vá de "carreira" dizer à mãe.
Já sei, da próxima vez, de castigo, ela fica dentro do carro. E que berre que eu não oiço...
Vai ver o que é bom para a tosse!
Vai levar um xarope de "correia". Enquanto se alembrar não vai "chibar".
E vem a mami tirar perguntas (estou-me a rir, alto lá). Da próxima levam as duas.
Hã? Tás-me a ouvir? Da próxima levas. Atreve-te a ir contar tudo "tim tim por tim tim" (ai ai o que a avó sofre...com estas bilhardices...)
Tou a caçoar. Nem fico zangada...aliás, até sei que a minha filha diz-me porque sabe que eu não fico com "fraima."
E depois...quem sai aos seus... não bebe genebra( hihihi)

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Novo começo

Hoje e porque me levantei cedo das palhinhas o dia pareceu looooonnnnnngo. Mas tive tanta coisa para fazer e acabei por não fazer nada. (Já pareço as bilhardeiras da vizinhança). Em contrapartida fiz algo de tamanha importância: comprei árvores de fruto para o meu rural. A terra está preparada para as culturas. Falta-me comprar as couves, os tomateiros, os pimenteiros. Pareço uma mulher do campo. Daqui a dias começo a olhar o céu, o tempo e a saber que plantar e quando. E... se vai chover... se vai nevar... (aqui nevar?).
Comprei uma laranjeira, uma figueira e uma goiabeira. (Já sinto o sabor dos frutos, principalmente goiabas. E as beiças a arregoar dos figos).
Anoneira já a tenho e que belas anonas dá (há quem diga nonas. Espero poder vir a comer a ...nona ...a décima...a vigésima... etc,).
O mais caricato é que a minha filha tem uma horta...virtual. Poça filha, anda para cá, aqui nada é virtual. É tudo real. E assim deitavas água nas couves, alfaces, tomates. Era mais concreto. E biológico também.

sábado, 7 de novembro de 2009

Já faz um ano

O amor não consiste em olhar um para o outro, mas sim em olhar juntos para a mesma direcção.
(Antoine de Saint-Exupéry)




Faz um ano que se casaram.
Fotos no:http://omeurural.blogspot.com/

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Opsssssssssssss

Nunca, mas nunca me esqueci de ir buscar os meus filhos à escola. Aliás era sempre a primeira mãe a chegar para levá-los para casa. Até fui chamada à directora por ir buscá-los muito cedo. Mas para mim o infantário sempre foi um "apoio à família" e não um "depósito" (atenção, tinha um horário que me permitia ir buscá-los cedo). Isto para dizer que hoje não fui buscar as Pulgas. E era para ir.
Pelas 18 horas recebo um telefonema da minha filha.
- É só para confirmar se tens as miúdas!
- Não. Não as tenho!
- Óóóó. Era para ires buscá-las! Então, é às terças, quartas e quintas!
- Já vou. Coitadas das minhas netas! Esta minha cabeça! Mas não me disseste nada. Coitadinhas, devem pensar que vão dormir lá!
- Deixa eu já estou indo.
Daí a pouco liguei.
Estavam bem.
Amanhã tenho de as compensar. Uma forma de pedir desculpa pelo esquecimento.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

E isso pede-se?

Às quartas feiras sou eu que vou busca a Pulguinha porque a Pulga tem ballet. Então eu levo uma a mãe leva outra.
Mas a tentação é grande. Vou sempre à sala da Pulga! E claro, ela não quer ir ao ballet e pede para vir comigo.
Já tinha pensado em não passar por lá pela sala, mas o "bichinho rói". Hoje fui proibida (e aceita-se, a proibição) de passar pela sala da Pulga.
E pode? Uma filha proibir uma avó de ir ver a neta?
Será que vou resistir? Será que vou obedecer? Será que vou só deitar o olhinho? Será que resistirei?
(A que tempo eu cheguei!)
Ninguém sabe a que tempo chega senão depois de chegar. Já dizia minha avó.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Pedido de ajuda

Hoje recebi esta mensagem:
Tens o contacto de alguma bruxa? É que em 10 dias já vim três vezes às urgências.
Tou cá com o Pulguito. Tem febre e expectoração.
Vou só ali me benzer e já volto.

ADENDA
Esta mensagem foi mandada pela minha filha.
É que bruxas eu conheço muitas...mas estão todas ocupadas.
Se alguém tem uma boa que faça serviços ao domicilio, diga.