Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta o meu bisalho. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta o meu bisalho. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

BenFica e faltava eu falar...

E fica bem estar no topo para alegria do sócio cá da casa. Pronto, eu também me manifesto calada, mas esta não podia deixar escapar. Deixem passar o Glorioso - o maior de Portugal.
Ser benfiquista, como é o mê Bisalho, é ter na alma a chama imensa...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Amanhã é o dia

Quase quase a dar aquele abraço a este bonitão. Aquele abraço que une corações, que quebra ossos. Saudades! Amanhã é dia de alegria.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O casamento do Bisalho...

...Foi há três anos e, foi o dia em que o entreguei a outra mulher. E chorei...chorei.
Chorei, também, por ter sido este dia (29 de Setembro) o escolhido para a boda. A minha mãe ficaria muito feliz se estivesse estre nós. É o dia dos seus anos.
Parabéns, mãe. Parabéns Bisalho e Projecto-nora.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Foi assim uma lufada de ar fresco

Este fim de semana foi repleto de actividades cá na urbe. O Primeiro de Maio, a Festa da Flor, o Dia da Mãe e a chegada do Bisalho.
O rapaz veio com a sua madame para um casamento. Ainda houve tempo de se fazer por cá um jantar e reunir os amigos de sempre. Um jantar que se prolongou até às cindo da manhã. Sim, que aqui na casa da AvoGi depois de se jantar começa-se nas ponchas e na dança e a noite adianta-se. É o Kuduro, é música sertaneja é ...olhem, é o que o Dj põe a rolar. Mas o que mais toca é música para ser acompanhado de coreografia. É tão bem interpretada que hoje até nem fui à minha ginástica porque tinha as pernas a doer. Mas doía mesmo, caramba!
E no Dia da Mãe, depois do almoço em família, lá regressou ao seu Porto de aconchego, de abrigo. E fiquei, novamente sem um membro do meu corpo. Porque ele vai mas leva uma parte de mim.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Maio traz-me uma coisa boa

O mê Bisalho. E, hoje, posso dizer que me sinto completa, porque tenho a minha família à roda e, para comemorar nada como um belo jantar na rua, uma bela picanha e já agora, porque não: uma bela família. Não é perfeita, mas é minha. Olhem, foi o que se pôde arranjar a baixo preço e em promoção.
Estou feliz. E quero gritar a todos.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Eu bem queria...

...mas...não há (ainda) bisalhinhos na forma. Ainda fui apelidada de mazinha e reles pelo mê bisalho que, sabendo de como queremos ter mais netos fui tocar no ponto sensível dele e meu.
Desculpa, Bisalho, mas sabes que, a idade está a avançar, para ti e para mim, e quero ter genica para saltar à corda e jogar à bola com ele, como faço com as Pulgas.
Daqui a nadinha faço sessenta anitos. E com este peso (da idade) poderá ser difícil agir como agora, mas de uma coisa podes ter a certeza se nao tiver agilidade, genica e força compro, nem que seja a prestações. Porque tempo é coisa que não me falta quando o assunto é...netos.

Mais um ano, diz ele. E eu digo: UM ANO? Ainda tenho de esperar um ano?
Ora deixa cá ver: Um ano para projectar, mais um ano que pode o projecto não estar aprovado, mais a empreitada....que demora nove meses, é uma coisa que estará pronta lá para dois mil e dezasseis, certo?

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Assim que ele foi...

...o aeroporto fechou. Um voo proveniente de Lisboa foi desviado para o Porto Santo, o avião da Easyjet proveniente de Londres, foi para Tenerife. Eu pergunto: porque razão quando estou a chegar de férias nunca vou "de férias" para outra freguesia?
Azarada eu, sem sorte também, pois sei de quem esteve três dias num hotel de luxo com todos os luxos próprios devido ao aeroporto, do Funchal, estar encerrado.
Só eu...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

As músicas do casamento

Já imaginaram entrar pela igreja em direcção ao altar de braço dado com o noivo ao som de uma música que gostam e da qual não esperavam (embora sabendo que ia haver música!), cantada por um coro, cuja interprete tinha uma voz tão linda, bem timbrada e acima de tudo expressiva? Não, não imaginam. Nem eu imaginava que ia começar com lágrimas assim que pusesse o sapato vermelho na porta da igreja. Mesmo sabendo, por mais que me contivesse, as comportas abriram e...
Foi um dilúvio!
Uma torrente de lágrimas! E, sem as poder conter por mais que me esforçasse! Sem as poder limpar. E funga e inspira e expira que isto ainda está no inicio.
Logo esta música! Que fala de amor, protecção, anjos...
A letra original e a tradução.


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Eu ainda não disse...

...E quase que ainda não falei do casamento do bisalho, mas com família e amigos por perto desejosos de conhecer o norte e com família para despachar no avião das duas foi a modos que correr para satisfazer a todos e isso foi sempre o lema do casamento: satisfazer todos.

Ora bem, como sabem somos madeirenses e o casamento realizou-se na terra da noiva ou seja Ponte de  Lima. Da ilha vieram quinze de entre tios, tias e primas, sim que o bisalho é o único neto por parte do pai (de resto e são três primas e a irmã).  De Londres veio a minha irmã e o seu companheiro, embora eu tenha mais dois irmãos mas esses...enfim, era tem de conversa para vinte e quatro horas seguidas e vou esquecer que já me atormentei.

Ficámos, portanto, quinze mais dois numa quintinha em Viana do Castelo emprestada por uma amiga (obrigada Su pelo gesto, agradeço em nome de todos) para albergar a família do noivo. Cada família num quarto (um com quatro outro com cinco pessoas: as Pulgas). Na rua, uma auto-caravana (dos padrinhos do noivo). Piscina, barbecue, quintal, animação, festança, jantar em família (comida madeirense: carne de vinho e alhos). Uma carrinha para nove pessoas, um carro alugado desde Lisboa, o Puntinho (de Moi-Même) mais o Qascailho (do noivo).
Foi um: "Ai-Deus-nos-acuda" para coordenar toda esta engrenagem, mas foi um regalo, um oásis no meio do deserto e lindo se de ver. Na casa havia de tudo: Crianças, adolescentes, adultos, pessoas de meia-idade e terceira idade.

Amanhã falo da cerimonia, sim?


terça-feira, 9 de outubro de 2012

Temos mordomo cá em casa

O Gaspar também se vestiu de gala para o casamento. Era o mordomo mas verdade seja dita, não gostou nada das mordomias.
Não simpatizou nada com o laço e fez com que eu e o bisalho andássemos aqui neste minúsculo casebre de rabo para o ar porque Dom Gaspar Canavial de Carvalho e Melllo de Noronha Menezes Bettencourt meteu-se debaixo da cama e soltava as garras assim que via estes meus olhinhos a brilhar por detrás da colcha da cama.
Ao estar apertado com o laço para a fotografia lançou as ditas garras ao dono o que fez com que levasse uma saraivada para aprender a ter modos (mas os aranhões ficam  até ao dia do casamento, deve ter dito o gato!)
O peste!

domingo, 7 de outubro de 2012

Hoje vou de qasqailho

Assim que acordei (e passava meia hora do meio dia horas da tarde, podem me chamar de calaceira que não oiço), dei  corda nos sapatos e pus-me a andar para Ponte de Lima.

 Eu cá não sei a razão de querer lá chegar, mas de uma coisa tenho a certeza, vou falar até doer os queixos,  pois espera-me uma boa semana de conversas; é o que acontece quando duas madeirenses se juntam num lugar alheio. E toca a dar volume na língua e desenferrujá-la que já estou calada há muito tempo (desde quinta feira, altura em que o bisalho foi pá lua. Lua de mel, se bem sabem).

Darlingues, vou sozinha, mai Deus já que Ele tá em todo o sítio, por essa A3 acima. Se virem um cascailho,  um qasqai por aí a subir lentamente na faixa da esquerda (é que sou canhota), podem businar, fazer gestos feios, mostrar o dedo do meio e seus parentes, mas vou como se fosse de tractor ou de carruagem, é cu carro não é meu, não senhora, é do bisalho, vai daí foram tantas as recomendações: "não subas passeios"," anda devagar", "não estaciones em lugares proibidos","tem cuidado", "não esfoles os pneus"...
Prontes, ele não disse, mas pelos olhos eu percebi, caté vou degavar degavarinho pela auto estrada.
Fujem da minha trás.

Fotografia: Rio Vez em Arcos de Valdevez Outubro, 2012

  

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

E depois...

...Há aqueles dias em que se dorme de tarde por ter sido levantada de manhã antes do galo cantar.
Mas  presenciar o nascer do sol no aeroporto é assim a modos que uma coisa única.
E ver rasgos no céu feito pelos aviões é como que sonhar acordada; tanto que só ainda há pouco é que me lembrei que amanhã é feriado. O último feriado de cinco de Outubro.
É um adquirido retirado que não volta mais. Por isso toca a apreciar, e repito, é agarrar como se fosse o último.
E é. Viva a Implantação da República.

Fotografia: Os noivos que já chegaram a Miami.

O casamento do ano

O caldo verde com pãozinho (servido aí pelas quatro da manhã), frutas com chocolate, um capcake do bolo, (sim o bolo foi um aglomerado de cupcakes), sushi, a caricatura dos noivos, a dança, a Pulga mais velha embasbacada a olhar os noivos (e quiçá a imaginar aquele conto de fadas), os noivinhos (em massa), o carro, o livro do evento do ano, o sapato (da mãe das Pulgas), as Pulgas e a prima (a dormirem cansados das tropelias do dia) e a mãe das Pulgas (minha filha, claro!).

Fotografia: Roubada do feicebuque de entre muitas publicadas no dia.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Só para que saibam que...

...Toda a  família já regressou ao aconchego do lar, eu é que continuo aqui no Porto.
Amanhã, vou novamente ao aeroporto desta feita deixar o casalinho para encetarem a lua de mel desde Miami num belo dum cruzeiro pelas Caraíbas a bordo do "Oasis of the Seas" (ai que inveja! E não é da boa é mesmo inveja, poça!).
E deixo aqui três de muitas fotografias do enlace que foi p´ra lá de excelente.

É que ainda não tenho fotografias, como disse estou a chegar agorita mesmo da quinta onde ficámos, lá pós lados de Viana (e não tinha internet). Estas forma gentilmente roubadas, perdão surripiadas, do facebook.

Fotografias: Primeira e terceira: Os noivos na quinta onde se realizou a festa; segunda: à saída da igreja com as Pulgas apanhando os confetis.

sábado, 29 de setembro de 2012

E agora vivós noivos que se vão casar

Mê Dês, é hoje o tal dia! Dia do casamento do mê bisalho.
Tenho uma grande responsabilidade: levar o noivo até ao altar e esperar que a noiva branca e radiante chegue.

Será que vai chegar a horas? Será que vai chover ? Será que vai correr tudo como planeado? Será que vão estar felizes? Será que...
Tantas perguntas! Tantas incertezas!
De uma coisa tenho a certeza: foi tudo planeado ao pormenor.
Eu estou feliz, além de nervosa, ansiosa, cheia de tiques, cheia de esperança, cheia de memórias!

E para acrescentar esta felicidade que me enche o peito o facto de terem escolhido este dia para o casamento. O dia de anos da minha mãe, que se fosse viva faria 93 anos. Enche-me de alegria.
Parabéns, Bisalho.
Parabéns, Mãe!

Fotografia :Os nubentes

domingo, 23 de setembro de 2012

Noivo que é noivo vai sem vinco

Noivo vai para despedida de solteiro. Noivo pede à mãe para dar boleia até ao outro lado do rio Douro. 
No elevador, mãe repara que a camisa tem um vinco ali perto do ombro, mas cala a boca. Prima que é desbocada abre a boca e diz :"tem aí um vinco. Fica feio!"
Noivo pede à mãe para tirar o carro da garagem.

Noivo vira as costas à mãe e prima e dá de frosques pelo elevador acima. Mãe pensa logo: "vai engomar a camisa." Prima pensa: "esqueceu-se de algo."


Entrementes, dentro carro, a levar uma seca está a mãe e a prima já em sufoco devido à demora.
Noivinho chega. Mãe dá de caras com o sítio a ver se está lá o vinco. Desapareceu. Como se eu não soubesse...
Vai-se todos. Atravessa-se o rio, à louca, passa-se o Dragão, nem se olha, forbiden, demora-se bué de tempo. Amália, a menina do Tom-Tom, avisa: "chegou ao seu destino."

Quando noivo sai do carro, mãe fica assim a modos que bico-aberto. Queixo cai-não cai. A camisa que outrora estava com um vinco, somente, está agora cheia deles. Toda enovelada. À frente, atrás devido ao cinto de segurança. Mas vincos de ferro, jamé!!
Valeu a pena?

sábado, 18 de agosto de 2012

Parabéns Bisalho


Este dia tão lembrado
Foi para mim de muito trabalho
Pois  há 28 anos
Nascia o “Mê Bisalho.”

Foi num sábado pela manhã
que disse ao mê senhor
“Leva-me já pó hospital
Tou a sentir aquela dor.”

Era uma dor tão forte
Que alastrava a todo corpo
Pensei cá comigo:
“É desta que morro!”

Ao hospital cheguei
Com uma mala de cartão
À saída trazia um busico
E a mana pela mão.

O bisalho tinha pressa
Deste mundo conhecer
Nem esperou que desse uma
Para nascer.
  
A sua mana sempre presente
Exclamou logo de que o viu
“ Há-de ser Bruno, mamã.”
E ele concordando, sorriu.

Lá cresceu o bisalho
Tornando-se  num galo palheiro
Quando começou a falar
Disse que ia ser engenheiro.

Hoje, vinte e oito anos depois
Estamos aqui a celebrar
O aniversário do rapaz
Que em Setembro vai casar.

Portanto, além desta festa
Vamos também fazer
A despedida de solteiro
… Caramba, isto é que vai ser!

A juntar aos Gregórios
E a dançar o vira
Veio  uma “madame” bonita
Que daqui ningém a tira. 

Só espero que agora
Me deêm muitos bisalhinhos
Porque as Pulgas já me pedem
Que venham uns priminhos.

Se já leram estas quadras
Feitas com coração
Vamilhá comer e beber
Com  alegria e satisfação.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

E ainda não parei

Verdade. Tenho a festa dos 28 anos do bisalho para preparar que ao mesmo tempo é despedida de solteiro; anda daqui, senta ali, mexe remexe e ainda a procissão vai no adro e já estou com a alma pela boca fora.É que o mê senhor lembrou de convidar os convivas para as 14:30 para jantar. Sim, para jantar, que ementes não se janta aí pelas oito da noite, há uns petiscos. E come-se. E depois ainda diz para virem mal almoçados.
Não é que não goste, pelo contrário, o problema é mesmo esse: eu gosto de ter gente em casa e de preparar festas de anos. Mas caramba, o lombo já não é o mesmo de antes.
Por isso, Sábado, grande festa no meu rural pelas catorze e trinta (até ponho por extenso para não chamar a atenção) para jantar.
 E o que será o jantar? Coisa boa muito boa.

Fotografia: Ermelo, Julho 2012

segunda-feira, 30 de abril de 2012

E hoje estou assim...

...A despachar comida para o bisalho levar para o Porto. Sim, que o rapaz na mala não leva roupa, não leva sapatos, mas leva broas de mel, de manteiga e de coco, salada russa, porco assado, frango (feito do cunhado/compadre), maionese de atum, massa guisada com chouriço, bolachinhas inglesas, poncha, brisa maracujá, laranjada e ...muitas saudades.
E, com a devida licença de vossas senhorias vou "caminhar" daqui para pegar na "abelha" e levá-lo ao "orioporto" que é como quem diz: sair daqui, meter-me no carro e ir para o aeroporto.


terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Acabei e já tenho...um pico novamente

Ontem deitei mãos à obra e consegui ver a luz ao fundo do túnel, bem, não era um túnel, nem era uma luz. Era mais uma caixa cúbica cheia de roupa do mê bisalho para engomar.
E se eu vos disser que novamente fiquei com os óculos embaciados tal era o vapor a sair do ferro, que mais parecia o Vapor do Cabo, acreditam?
Engomei e engomei camisas, camisolas, camisinhas (cuidado com esta  palavra), camisetas e mais camisolões. E mais ões e inhas e etas e olas.

Deixe-me por rendida! Cansada, "espojei-me" no sofá a fumar um cigarro! Mentira, deitei-me.
Depois...
Oiço um barulho. Trovões? Mas nao está inverno?! Ah, pois! Era a máquina da roupa que rodava sem parar,que parecia querer voar pela janela fora. Olho para o estendal, o "estapilha dum raio" cheio. Mais merda, perdão, mais roupa, disse cá pra mim, e penso na que está na casa de banho à espera...
Mas não há roupa de usar e deitar fora? Ou melhor, não se pode vestir sem engomar?

Fotografia: Cascata Rio Homem, Gerês. Fevereiro 2012