Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 17 de março de 2016

Sapatos novos pés antigos

E, hoje, levei os meus sapatos novos a passear e eles portaram-se tão bem. Assim que cheguei a casa dei-lhes um beijo e agradeci por não terem atrofiado os meus ricos pezinhos de cinderela número 39.
Umas pantufinhas estes queridos! Foi como se tivesse saído descalça a pisar, com os meus finos pés, as pedras da calçada.
Obrigada a quem me proporcionou a compra de uns sapatos tão quiduxos, tão fofos tão queridos. Eu e Moi-Même. Porque se há coisas na vida que para mim é um tormento é, precisamente, ter sapatos a martirizar os pés.

quinta-feira, 10 de março de 2016

quarta-feira, 9 de março de 2016

Pai Mãe e Filho

Estas são as datas que aprecio: Dia do Pai, Dia da Mãe e Dia da Criança.
Embora o Dia do Pai a mim não me diga nada, em virtude de não ter tido pai, mas tive um tio e irmãos que me estimavam e, diria que, podia até riscar do calendário, mas tenho filhos que têm pai. Dia da Mãe porque sou mãe, tive uma mãe biológica e uma de coração, a minha tia-velha, e é um dia em que relembro todas as mães que conheço, mesmo aquelas que não tendo parido são mães ( novamente aqui incluo a minha tia-velha), Dia da Criança porque já fui criança muito amada e querida por duas mães e irmãs e em mim existirá sempre uma criança e na minha casa houve e haverá sempre crianças - as Minhas lindas Pulgas.

Quantos estúpidos existem...

Ou são estúpidos ou não vêem a lua, mas querem ver a cor do verniz ou o tamanho do dedo.

terça-feira, 8 de março de 2016

segunda-feira, 7 de março de 2016

Não sei porquê!

Coloco as meias casadas, ou seja aos pares na máquina de lavar e ao tirar coloco no estendal, quando estão secas faço o que se faz: juntá-las ou casá-las duas a duas, o pior é que há sempre meias a mais (ou a menos depende da perspectiva).
Isto leva-me a pensar que dentro da máquina elas zangam-se e na rua descasam-se. Divorciam-se. Só pode ser por esta razão que ao dobrá-las há sempre meias solteiras.
Ou divorciadas. Ou viúvas, credo em cruz, sim se calhar morrem afogadas, coitadas! Ou então desintegram-se tipo "Missão Impossível"! Mas que sobram ou faltam lá isso é verdade! E eu juro: meto-as aos pares...

Tal qual eu

O mê Gugu, neto de seis anos, esperto que nem um alho (não percebo a lógica desta frase, mas adiante), disse-me que tinha um cromo do Cristiano Ronaldo, contente que estava (afinal este craque move corações), e que ia escondê-lo "bem escondido para ninguém roubar, tão bem escondido que passados dez dias nem eu vou saber onde o escondi, avó".
Ri-me porque, afinal isto toca a todos: novos e velhos, está mania de esconder e passados "dez dias", como diz o meu Gugu, não saber onde se escondeu o dito.

sábado, 5 de março de 2016

Já vos aconteceu certamente

Hoje, chego aqui ao meu humilde casebre para poisar a modos que passarinho num galho e dizer alguma coisa, mas não sai nada. Estou sem cérebro. Perdi-o, não sei onde o deixei, certamente algures entre o dia de ontem e o de hoje.
Por isso meus e minhas darlingues nada a dizer. Aliás, digo que a minha cabeça já não é uma boa cabeça. Outrora sim, ó se era, muito boa mesmo, redondinha como uma bola de catchu, e rodava como um pião! Hoje não! Que pena!

quinta-feira, 3 de março de 2016

Eu ponho-me a jeito para isso...

Adoro fazer-me de inculta e, por vezes, tonta para atinar e brincar com as minhas Pulgas quando me fazem perguntas. Para constatar se elas sabem a resposta, digo que não sei, muitas vezes são assuntos de escola, por exemplo: contas de somar, sons de letras, reis, rios, metade dobro e por aí adiante...
Há dias o mê Gugu, na mesa, ao almoço, dizia ao avô ao mesmo templo que saboreava o lombo de porco com nozes que: "a avó é boa a fazer comidas não não é boa da inteligência" e com o dedo indicador fazia círculos na têmpora.
Burra sim, mas com mãozinhas de fada para as tarefas domésticas. Ao ponto que cheguei! Mas pronto, pus-me a jeito de ouvir...

Ou o síndroma da pergunta/resposta

Infelizmente, é um mal desgastante no dia a dia. Ouvimos e no preciso momento já estamos desejosos que o outro acabe de falar para responder. Será tido como um direito de resposta?

quarta-feira, 2 de março de 2016

Nem todos nós reagimos com a mesma emotividade

Há pessoas que, perante uma fatalidade choram copiosamente, há quem tenha a lágrima fácil, como eu. Mas há os que tentam não mostrar a sua emoção perante um público e tentam a todo o custo reprimir ass suas emoções e as lágrimas. Eu também já fui assim. Tentava morder os lábios, fazia um esforço sobrenatural para não mostrá-las na presença de pessoas.
Hoje, choro em público, se fôr o caso, deixo as lágrimas rolarem quando elas afloram aos olhos, não me importo mininamnente que as vejam, embora guarde para mim o motivo e, se me fazem aquela pergunta retórica "estiveste a chorar?" digo que sim.
Isto a propósito das mães que, quando os filhos desaparecem, mantém-se sem emoção. Eu não as julgo porque eu, dependendo do meu estado de alma tanto choro como rio. Desalmadamente.

terça-feira, 1 de março de 2016

Dez anos é muito tempo

Dizem os cientistas da Universidade do Porto que, "parar dez anos para que a sardinha seja reposta em stoque".
Ora bem, eu que até gosto de sardinhas, embora deteste o cheiro que prevalece durante dias no corpo, nos lençóis, na casa, acho que não aguento dez anos sem comer uma boa sardinhada.
Entendo que se pescarmos desenfreadamente como tem acontecido nem daqui a cinquenta anos se come uma bela pratada delas e, adeus são João e todas as festividades onde a sardinha é rainha. Mas dez anos é muito tempo.

Ele entrou de mansinho na minha casa

Acordei com o toque da campainha. Pensei: " ah, é o carteiro. Que deixe as contas a pagar na caixa, não me levanto". Continuei na sorna do calor da cama mas a campainha voltou a tocar desta vez com mais persistência. Levanto-me admirada pois que não esperava ninguém e o carteiro não toca duas vezes.
Vou à janela e assim sem a abrir olho para a rua. "Mê Dês, é ele! Não pode ser! Eu que lhe pedi para não me acordar quando chegasse, pois tem a chave da porta. Porque não entrou de mansinho!?"
Fiquei atónita. O mê senhor acabara de sair e quase que se cruzavam! "Será que se cruzaram?!", não parava de pensar!
Passo pelo espelho ajeito o cabelo, com os dedos polegar e indicador limpo o excesso de baton e comprovou se a roupa é adequada para o receber. Desço as escadas de dois em dois degraus, sem cair, e corro para lhe abrir a porta. Há uns tempos que não nos víamos, a saudade apertava...
Chego perto dele e de braços abertos disse: "entra, estava à tua espera. Entra meu querido mês de Março"

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Mas que grande mentiroso!

Se há defeitos que me transcendem e me deixam com a brotoeja à flor da pele é, sem sombra de dúvidas, a mentira. É assim um estado que me faz ficar com os nervos à flor da pele e a transpirar ...
Atão não dá que o antigo primeiro ministro o falecido, perdão o deposto PPC disse que "nunca convidou ninguém a procurar emprego fora de Portugal"?
Ora, ou o senhor gajo é mentiroso ou sofre da doença da mentira, porque se bem me lembro o senhor dos passos disse com todos os dentes arreganhados que era uma opção para os muitos desempregados em Portugal.
Realmente ele não empurrou ninguém nem obrigou mas a sua governação sugeriu e eu, avoGi da Costa Coelho e Herédia Passos de Coelho ouvi, li e vi muito bem.
Grandessíssimo filho de uma senhora virtuosa, vá mazé mentir para as Caraíbas!

Um dia extra ou a menos?

Hoje é o dia a mais no calendário diz o Feicebuque. Pois eu que sou do contra acho que é um dia a menos, uma vez que o calendario está cheio de meses a 30 e 31 dias, e Fevereiro é a excepção à regra. Mas não importa e vamos ao que praqui vim.
Tenho uma festa de anos de uma jovem que faz vinte anos ou melhor vinte vezes quatro. Isto de fazer anos de quatro em quatro é deveras aborrecido.
Eu, por mim, não permitiria que filho ou filha minha fosse registado neste dia, uma vez que, presentemente, se pode acelerar o parto (até nem sei se se regista ainda neste dia). É traumatizante para uma criança não festejar o seu dia de anos cada ano.
Não se justifica registar um bebe no dia 29 de Fevereiro. Que se antecipe o parto que se prolongue umas horas, tão mais fácil e evita-se que um ser fique triste e, já que os pais optam por festejar a um de Março que fique com este dia como sendo o do seu aniversário.
Mas enfim, está sou eu que como disse sou manienta.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Corto cabelo e pinto

Hoje tirei a tarde para cortar e pintar. Sim, minha e meus aqueles que pululam por aqui, eu corto cabelo e pinto em casa.
Assim c' as Pulgas foram para casa meti mãos ao cabelo. Ao cabelo e à tesoura ementes fazia a mistura da tinta para pintar o cabelo de vermelho, mentira foi de verde.
Agora repouso com a cabeça dentro da touca à espera c' coisa se mescle e ó depois vou mter-me na banheira de espuma para um banho relaxado, perdão relaxante.
Hoje tirei o dia para estar comigo. Hoje eu comigo fiz miminhos a mim em vez de mimar outros.
E querem que diga a verdade? Adoro-me!

À noite no museu

Um filme com legendas passado no canal Disney e que pôs as Pulgas sossegadas durante uma hora e meia.
Não percebem inglês mas a animação e fantasia é perceptível tornando o filme num espectáculo, porque à noite as estátuas e figuras de cera ganham vida transformando o museu numa euforia épica cheia de magia.
Até eu adorei.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

E se a vossa casa fosse assaltada por crianças?

Eu nem digo o que faria, só escrevo! E ainda mais conhecendo as crianças como a palma das minhas mãos era logo chapada velha e uns murros e pontapés no rabo. Adoro quando os meus netos tomam de assalto o interior e despejam no exterior. Calha que, de seguida, arrumam tudo. "Uora" se arrumam!
Mas fazem-me cada surpresa, os pestes!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O que faria se visse um homem de 65 anos a casar com uma menina de doze?

É o vídeo que está a circular nas redes sociais,como forma de consciencialização para o casamento de crianças com homens adultos e idosos acrescento.
Em pleno praça em Nova Iorque um homem passeia de braço dado com uma menina de doze anos vestida de noiva mas, com cara de quem está a ser obrigada ao acto.
As pessoas olham incrédulas e há até quem se intrometa fazendo perguntas.
Assistam ao video (aqui).
"De acordo com as estimativas mais recentes, a cada dia que passa há 33 mil meninas a serem casadas contra a vontade, perdendo a hipótese de serem crianças e vendo negados os seus direitos à educação e a toda uma vida em liberdade."

E isso quer dizer o quê?

Sonhei com aspiradores. Estava a escolher de entre tantos um adequado para casa. Isto significa o quê? Que o meu subconsciente sabe que hoje é sexta, dia de limpezas!? O que ele não sabe é que todos os dias luto (com ele) para não me lembrar cenas e trabalhos a executar. O que ele não sabe é que já fiz o que ainda não tinha feito embora não inclua aspirações. Por isso meu subconsciente aquieta-te que como se dizia antigamente "o que é para ti os ratos não roem" e, agora, pára de me lembrar que ainda não aspirei a casa. Pára, já! É uma ordem não há lugar a negociação!
"Dilhemas", como se diz em bom madeirense, cheia de " dilhemas" esta minha vida!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Eu sempre disse que o pepino não era bom

Uma mulher alemã morreu depois de ter-se engasgado com um pepino. Era hábito o casal depois de fazer sexo, não satisfeitos, usavam legumes para brincarem. Que querem?!, há quem seja fiel às cenouras, garrafas, bananas, eles variavam, pelo menos; só que, desta vez, algo correu mal e ela engasgou-se.
Eu adoro pepino (mas não inteiro e com casca), cortado longitudinalmente e com uma pitada de sal.
Há cada uma! Conseguem imaginar até que ponto as fantasias sexuais vão? Eu sempre disse que pepino com casca e inteiro não servia para o efeito. Mais vale uma banana da Madeira: pequena, saborosa e ligeiramente curva.

Enquanto não chega...

...à idade de trabalhar e fazer escolhas vai esfolando joelhos e cotovelos a fazer aquilo que mais gosta: brincar.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

E vai mudar o nome para Cristiano Ronaldo

Diz o mê Gugu que quando for grande vai ser jogador de futebol e homem do lixo. "Vou ter duas profissões, avó". Este meu neto sabe que a vida é dura!
O dilema é que não sabe se vai ser jogador durante a semana e trabalhar com o lixo aos fins de semana se ao contrário: homem do lixo na semana e jogador aos sábados e domimgos que, vendo bem, é isso que acontece.
Mas, como diz ele: "ainda é cedo para decidir".
Tão responsável e inteligente este busico!
E acrescento que trabalhar no carro do lixo está na massa do sangue. Já o tio Bisalho, e o padrinho/primo tinham esta pretensão.

Se há gente com medo eu chego-me à frente

Meus e minhas se há uma pessoa neste mundo redondo com medo de andar de avião essa sou eu. Tenho medo e pavor e sofro por antecipação. Semanas antes ao mesmo tempo que arrumo a valise vou às carreiras visitar a "casinha". É aquela volta nas tripas que faz-me correr...
Ora bem, isto para dizer que também gosto de ver uma série no Discovery sobre desastres aéreos. Isto acontece basicamente antes de viajar. E já vi de corrida uns tantos episódios. É o medo a aumentar juntamente com corridas à casinha de banho e as unhas é que pagam. Já lá vão três!

Implicâncias

Havia um lindo casal, ela dizia ser "o homem da sua vida" bem como toda a família assim achava. Foram namorados, acabaram, cada um seguiu a sua vida e voltaram a reencontrar-se passados uns anos já maduros, com vidas passadas, com filhos.
Mas tudo mudou. Ele que era "uma jóia" tornou-se numa jóia mas não preciosa. Começaram os maus-tratos, as ofensas mútuas, as mãos pelo ar, as vigias a ela e pior as perseguições.
A bebida. Quando ele bebe torna-se violento, dizia ela numa de tentar levar o casamento, como se fosse um barco, até a um bom porto. Não, não havia maneira de ele mudar!
Tomou uma iniciativa e, numa noite de inverno, fugiu. Ele andou perdido à procura dela. Perguntava a todos os amigos se a viram. Ninguém sabia, aliás alguém sabia. Eu sabia, mas guardarei este segredo até ao céu.
Ela está feliz longe dele, pelo menos assim demonstra. Ele continua perdido pelos caminhos à procura dela.
Implicâncias quem não as tem. Implicar com o outro é uma forma de sentir-se superior. E de inferioriar o elo mais fraco.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Por falar em piolhos...

Diz que vão à escola todos os dias. E só por isso crescem fortes e saudáveis além de inteligentes. Quiçá mais inteligentes que algumas cabeças...
"Aquintrodia" apanhei uns mafiosos... Há "canos" não via estes "estapores" a passear numa cabeça! Há canos não me coçava só de pensar neles...
Diz que houve epidemia...

É normal ter sexo aos 11 anos?

Pois, meus e minhas ou eu sou retrógrada ou otária.
Normal ter sexo aos onze anos, diz o juiz; pis para mim, que sou retrógrada e otária, normal é brincar ao pai e à mãe mas sem sexo. Brincar às casinhas, aos coubóis, aos médicos isso sim é normal.
E se...
E se fosse a filha do juíz ele acharia normal?

Às vezes penso qual será a melhor maneira de morrer

Embora fique assente aqui neste pedaço de céu que toda a gente lê, não é bem "toda a gente" mas é meio mundo que eu, AvoGi Bettencourt da Silveira Mortágua e Passos de Coelho Costa não quero morrer e quando isso acontecer vou contrariada, com uma cara de poucos amigos e com o esgar 48, aquele de raiva, na minha linda face rosada mas, por vezes, estes pensamentos saltam-me da cabeça. E porquê estes pensamentos a ferver devem estar a pensar vocês meus e minhas...
Ora porque eu assim que me deito ferro no sono e pode cair pedras, podem tocar bateria acompanhada de tampas de panela bem ao meu lado que não há forma de acordar. Atão pensei que realmente a melhor maneira de partir, já que tenho de partir arrastada pela Morte embora contrariada, é a dormir. Assim a modos que acordar morta lá nas bandas de cima.
Ai queredo, Zazuze, estes pensamentos matam-me! E logo eu que "não quero morrer nem morta".
Trágico!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Mais de 24 horas a jogar

Por aqui, no meu rural há um certame que se intitula "24 a bailar" mas não é sempre o mesmo bailarino, mas adiante...
 Um taiwanês morreu depois de, num cibercafé, ter estado a jogar, ininterruptamente, um jogo de combate. Como era de hábito jogar dias inteiros sem parar, os empregados julgavam que dormia. Também os colegas da jogatina. Só passadas 36 horas é que acharam de acordá-lo quando reparam que, em vez de quentinho do calor do café, estava frio e rígido.
É o segundo do caso que leio de homens que nem para ir à casa de banho se intervalam, e para isso usam fraldas...
Há cada louco...

A Polícia também faz milagres

Lá nas terras das américas do sul a polícia opera milagres que nem Deus nem os Santos conseguem.
Um amputado consegue andar. Um mudo falar...
Vejam o vídeo, (aqui) do cambado (como se diz em madeirense), a andar. Que milagre, Mê Dês!

Dormir nua além de saudável emagrece

Ora aqui está a razão de eu ser gorda. Se há coisas que detesto é dormir nua, com o lençol a sarrafar no corpo, a sentir o desconforto da falta (principalmente das cuecas) da roupa no corpo, nos ombros. Sei de quem é "obrigada" a dormir nua, uma exigência do marido, nas é gorda como um texugo. Portanto deve ser a excepção à regra.
Nunca serei magra, é uma certeza que tenho, não vale a pena fazer exercício, correr, pedalar quando a solução é tão simples, mas sem sucesso para mim.
E juro vou experimentar dormir como nasci, dou o prazo de uma semana ao corpo e, se não emagrecer, volto aos meus lindos pijamas.
E vocês meus e minhas são magrinhos? Em vez de perguntar se dormem nus...

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Palavras santas

Este homem é realmente fora de série.
É o problema de quem sobe um degrau, ignorando os que ficam para trás.

Pensamento meu

Verdade! Infelizmente não se pode evitar que passam por nós e, ainda bem que passam e não ficam. Mas deixam a certeza de que não queremos ser como elas.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Eu também fui à neve

Há quem viaje milhas para ir até à neve, há quem faça férias na neve todos os anos, pois eu, meus e minhas, nunca gastaria um cêntimo para sair da minha zona de conforto para ver branco mais branco. Detesto neve e frio já sabem, mas é agradável subir aos píncaros da Madeira para tocar no granizo. Apanhar frio e regressar ao calor...
Por isso também fui à neve numa de: "veja a neve cá dentro".

Eu sofro deste mal

E não há cura. Caramba, sinto como se tivesse sido eu a escrever este pensamento.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Sou só eu que reparo nestas coisas?

Salta-me aos olhos, estes meus olhos que vêem mais do que é permitido, a beiça insuflada das mulheres que esticam o maxilar superior, numa de atenuar as rugas, Que coisa!, parece que levaram um murro na boca e inchou de seguida,até querem falar e não conseguem, lembro-me daqueles rolinhos de algodão que o dentista collca na nossa boca, parece que têm isso. Pois, é isso! E, atão de lado é mesmo desagradável de ver, aquela protuberância...
Mas se elas acham que ficam lindas deixá-las, tomara eu ter carcanhol e retirava era estas rugas de expressão (pois rio-me muito), dos olhos, mas inchar o maxilar nunca. Jamé!

No Texas é que é!

Atão não dá que no Texas os alunos podem, agora, levar armas para a escola?
"Aquilo" à que vai ser! A modos que os alunos vão trocar armas como trocam cromos e medir perícia. Houve uma altura em que mediam contas bancárias do género: "eu sou mais rico que tu".
Mas digam-me uma coisinha que não entendo: é normal? Será normal uma criança levar uma arma para a escola? Serei eu a tonta parva que está situação vai trazer muitos dissabores aos professores?

Só hoje

Meus e minhas, só hoje é que deitei o edredon na cama. Só está noite é que senti frio, sabem que caiu neve na serra, não sabem?, sabem também que sou friorenta, não sabem?, e sabem que frio e eu não pertencemos ao mesmo círculo de amizades, vai daí só agora pus o dito na cama. Ele até olhou para mim com aqueles olhos ramelosos e quase a perguntar "só agora?!". Antes que dissesse algo expliiquei-lhe como se explica a uma criança de dois anos que "a mamã tem frio, a mamã detesta o frio, atão a mamã permite que ele se estenda ao comprido na cama de casal.
Ele entendeu. Este meu edredon é tão esperto.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Saí de casa

Meus e minhas...saí de casa hoje para ver a neve, coisa rara aqui no meu rural (e, por isso, vai toda a gente até aos píncaros da serra para ver a branca mais branca não há). Cheguei lá ela não estava aliás estava mas não se podia ver. A bófia não permitia.
Olha, de raiva tomei uma poncha de frutos vermelhos, uma canja, e um picado de carne acompanhado por um Dom Ermelinda divinal. Ah, e pão com manteiga d' alho, "quilhos" empastados nele.
Não houve remédio. Fui de balde e vim de ceira ou seja neve cad' ela? Vocês viram? É que eu também não. Aquela coisiquita no lado da estrada, não conta, pois não?!

E, depois, não digam que não avisei

No espaço de uma semana encontrei dois telemóveis da marca Samsung ", ambos foram entregues ao seu legítimo proprietário. Mas, desde já, fica o aviso: o próximo não entrego, aliás, entrego sim, a alguém que sempre desejou ter um Samsung: Moi-Même, a minha empregada doméstica emigrante do Caribe a trabalhar, ilegalmente, na minha mansão. Se ela não quiser ofereço à Euzinha, a outra empregada, brasileira, com um bumbum do tamanho do mundo que às vezes substitui Moi-Même nas tarefas.
Por favor, não percam nenhum ao meu lado. Fica o aviso.

Mundo do avesso: pessoa tratada como cachorro e cachorro tratado como pessoa

Que palavras sábias! Que pérolas de sabedoria! Quem disse isto é realmente conhecedor deste mundo virado do avesso. Estou plenamente de acordo principalmente com a última frase, nunca se assistiu a tanto cachorro tratado como pessoa e pessoa tratada como cachorro. Crianças a decidir o seu dia a dia como se fossem adultos de plenos direitos.
Já os idosos, eles tornam- se por inerência da idade crianças.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Noras: aquelas que tiram a água do poço e as outras as que põem a cabeça a andar à nora

Bem, hoje foi dia de falar através do Feicebuque, com uma amiga de infância. O tema só podia ser: filhos, noras, netos. Não se falou de genros pois que esta minha amiga tem filhos, daí que lhe entrou pela porta dentro, mulheres.
E rásparta o demo, mulheres são complicadas como o catano! E noras..bem, nora é aquela coisa que nos leva o filho e molda-o, transforma-o, embrulha-o, e no final de temporada ainda o devolve já gasto, sem cabelo, sem dentes e com o dobro do tamanho.
Mas continua a ser nosso filho.

A escolher o destino das próximas férias

Porque no ano passado estava aqui.
O feicebuque, esse eterno malandro, fez questão de me lembrar. E hei-de voltar sempre aos lugares que me fazem feliz.

Mais uma prova de que sou inteligente

Rir de mim comigo mesma é o meu lema de vida. E passo a vida nisto. E que seja assim para toda a vida.
Como detesto gente que ri dos outros! E dos que compactuam com as suas gargalhadas!

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Poupe água, ela não cai do céu

Eis a prova de que não é bem assim...
Ela cai do céu ali para os lados da Madalena do Mar. É lindo, não? E tem dupla função: lava o carro e a alma!