Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sábado, 6 de fevereiro de 2016

A minha tia é que tinha razão

Há uns tempos tenho me lembrado da minha tia-velha que faleceu há quase cinco anos e que faz-me tanta falta.
Ela e o marido tinham um casamento à maneira antiga, ora o que é um casamento à maneira antiga, perguntam vocês meus amigos, e eu respondo com toda a sinceridade. É um casamento que prima pela longevidade, onde os intervenientes não se falam ou falam muito pouco. O meu tio era um homem reservado, de poucas falas, pouco comunicativo até mesmo para a mulher.
A minha tia dizia que se davam bem e eu, na brincadeira, dizia: "pudera, se vocês pouco ou nada falam!"
Hoje, acho que o segredo de um casamemto duradoiro não é a comunicação mas sim a falta dela. O silêncio. Quanto menos se falar um com o outro menos nos magoamos mutuamente.
Não sei se são as "minhas armonas", ou a falta delas, ou a entrada nos sessenta que me deixa nostálgica!

Língua galega e não me refiro a um prato típico!

Conheço alguém que diz que os galegos falam "portunhol". Por mais que se lhe diga que galego é um idioma juntamente com o catalão, o castelhano e o basco essa criatura continua a dizer, principalmente, quando ouve um galego a falar, que é portunhol.
Ora, eu se fosse galega mandava logo uma "parrillada à la plancha" com umas "patatas a murro ao estilo galego" acompanhado de uma "boteia" de vino da Rioja. Era dose!
Acho desagradável estar a falar com um galego e dizer-lhe que ele "está hablando portunhol".
Ele que experimente dizer isso a um catalão ou a um basco. O catalão era caso para um referendo um basco...bem,  nem quero pensar no que nos etarras...
A reter e não esquecer: galego é galego e não "portunhol".

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Mãos ao ar isto é um assalto

Hoje o meu primeiro assalto de carnaval. Por aqui, no meu rural, dizemos que é "um assalto" quando disfarçados chegamos à casa de alguém.
Por isso só passo aqui de raspão para deixar desejos de Bom Carnaval.
Espera-me uma bela jantarada...e como alguém há dias dizia-me: "ainda bem que gastas o que comes, canão rebolavas tipo bola de catchu."
Agradeci o elogio uma vez que sinto-me bem com aquilo que como e com o que desgasto.
Au revuárre, bai bai, saionara, ofedevidarzê para aqueles e aquelas que não hablam português...só portunhol...

Eis aqui a fotografia daquele amor

E perguntam vocês, meus aqueles e aquelas que me visitam: ainda falas nisso? Mas eu prometi, lembrai-vos? Eu prometi que assim que o galo m'acordasse ia eu a caminho do céu tirar a fotografia do dito.
E como se diz em madeirense: "eilhos", em cima, a encabeçar o poste. Os tais amores de Burro planta daninha que se prega à roupa.

Culpado até se provar inocência

Àcerca do monstro que meteu uma faca no coração do seu bebé de seis meses.
Antes de o fazer manda vídeo à mãe a mostrar como vai matar o bebé, uma forma de a castigar pela separação. Depois...vai à tasca e toma um vinho do Porto. E gaba-se do feito.
Um pai dá a vida não tira a vida de um filho. O papel dele é dar-lhes, amor, segurança e nunca fazer-lhe mal....
Qualquer réu merece advogado de defesa, aceito. Mas este já disse que o fez. Confessou, há dúvidas? Nem atenuantes.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Amor de Burro, ai não sabeis!?

Cunquentão, não sabeis o que é Amor de Burro!
Não estou a chamar burro ao amor nem a dizer que o amor é burro; somente fiquei cheia de amor de burro. Quiçá tem nome científico, eu não sei, mas no meu rural é assim que chamamos a uma erva daninha que por aqui abunda.
Quem sabe o que é estique o dedo, sim?
E digo, em boa verdade vos digo, se eu fosse boa pequena ia já agora tirar a fotografia, mas está escuro, estou de pijama, estou ca manta a aquecer os pés e não sou boa pequena, por isso, estejam atentas e atentos c' amanhã coloco aqui uma fotografia do dito.

Estou cheia dele

Meus aqueles e aquelas que andam por aqui, estou farta dele, ou melhor deles. Se um é terrível dois ou mais nem falo.
Subi na vida, mentira subi mas foi as escadas para chegar ao topo do céu, outra vez mentira, cheguei ao topo do terreno para apanhar umas couvinhas para o jantar e fiquei cheia deles. Era no casaco, nas calças, até nos pêlos do braços. Irra, que irritante. Desci as passadas a correr que quase caía, desejosa de me despir e poder arrancar esta praga que se cola à roupa.
Só sei que é o diabo para tirar, nem sacudi do! Só mesmo tirando um a um. Oras, eu sou uma rapariga ocupada e sem pachorra de me pôr a fazer este trabalho.
Tomei uma resolução: na próxima vez que suba para apanhar umas couves vou nua. Nuínha só com véu. E se mesmo assim esta coisa se colar ao véu?

Ele vai ser ouvido? Mais valia ser fuzilado!

O homem que matou com facadas o filho de seis meses vai ser ouvido hoje. Eu pergunto: para quê? Ele é que devia ouvir e das boas e levar também umas facadinhas.
Quando a equipa chegou ao locar o bebé ainda tinha uma faca espetada no coração. O pai fez uma vídeo chamada para a mãe a mostrar a faca e o bebé na cama. Logo de seguida esfaqueou-o até à morte. Tudo porque a mãe pediu a separação.
Masoquista, este mundo tornou-se um antro de masoquistas? Como pode um pai (acho que nem se deve chamar pai a esta criatura), pegar numa faca e ter a capacidade e a coragem de enfiá-la no coração de um bebé?
Por mim, colocava-o numa cela de criminosos que detestam assassinos de crianças pra que brinquem com ele como se fossem artistas de circo. Lançador de facas: ele no centro de uma roda e os outros a jogar facas tentando não acertar...fora da roda.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Casar com um morto

Estou ainda de boca aberta! E não consigo fechar! Não, não foi jeito, foi o que li e deixou-me, assim a modos, que parva!
Atão não é que na França o casamento póstumo é permitido? Pode-se casar com um morto e passar a ser viúva e se o morto fôr rico além de viúva, rica? Queredo, c' arrepio me dá!
Um mundo louco este onde vivo.
Confira AQUI a notícia.

Mê rico genro

Um genro violou a sogra de 88 anos até à morte. Dizem que, quando estava sério era boa pessoa, mas quando bebia ficava louco. Já tinha dado umas investidas à sogra que, certa vez, saiu nua para a rua, a fim de fugir dele.
As coisas que oiço! E como as pessoas ficam quietas no seu espaço sem acusar!
No meu rural, mais precisamente no Farrobo, São Jorge, no norte da ilha também há cenas destas.
Cada vez mais desmotivada com a humanidade.

Há quem não saiba o que fazer com a vagina

Por isso pergunta. Eu sugeria uma omolete. Ou um cozido. Não, esperem, vai bem com amêijoas...

De pé ainda vá que não vá

Detesto calças de pijama, e se tiveram pensamentos obtusos acerca do título isso deve-se à vossa mente que logo salta para outras paragens. Não me peçam desculpa.
Mazé, minhas e meus aqueles que andam por aqui, de pé ainda sou capaz de dar-lhes o prazer de se colarem às minhas pernas ao mesmo tempo que fazem a sua função: aquecer; agora, quando me coloco na horizontal e, geralmente é na cama, aí a coisa muda de figura. Elas que deviam mantem-se esticadas até ao tornozelo enrolam-se e transformam-se numas bermudas. E ficam ali a roçar os joelhos. Irrita-me. Só me apetece estraçalhá-las, transformá-las em mini calções.
Que shite.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Descalça a bota

Estava eu falando de um avô que leva a neta à natação, e que paciência para a vestir e despir, sempre sozinho, um homem mais velho que eu, quiçá, com mais de sessenta e cinco anos embora tenha um físico de fazer inveja a muita gente mais nova.
Mas dizia eu que falava da sua netinha de apenas quatro anos, criança engraçada, mas um pouco tímida...
E aquele avô que sempre sozinho vai buscar a netinha à escola, vai à natação, despe, veste, lava, enxuga e vai pô-la a casa... Ainda há dias estava com dificuldade em lhe vestir os collants...
Quando a pessoa com quem falava me pergunta se me referia ao senhor que acabara de passar por nós com a criança pela mão. Respondo que sim; era a ele. Admiro-o, sempre com a neta...
Neta!? Neta!? Não. É filha. Filha dele e de uma jovem brasileira que o deixou com a menina...
Há um buraco onde me meter, há?

Animal é honroso

Um padastro tomava conta da enteada de 35 anos enquanto a mãe trabalhava. Bom homem, um coração de ouro, uma vez que a enteada estava confinada a uma cadeira de rodas - era deficiente motora além de deficiente mental.
Numa cadeira sem sem mexer e este animal violou-a repetidamente até que a engravidou.
Poderei chamar-lhe animal que não soube respeitar uma deficiente motora e mental?
Cadeia é pouco, mutilação dos genitais com uma lima afiada era o ideal.

As pessoas andam confusas

Que grande confusão! Mas digo, dei o primeiro sorriso ao mundo quando vi e li.
E ainda o tenho, na cara.
Bom dia, minhas aquelas e meus aqueles que por aqui andam.