Nunca tive tanta pulga. Para qualquer lado que me vire lá está uma. É à frente, é atrás, mas no colo é onde mais as encontro. Todos os dias me perseguem, fujo, escondo-me mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Já não tenho sonhos

O último comi-o bem regado com mel.

Querem ver que fui pedófila?

Se antes tinha dúvidas agora tenho certezas. A confirmação chegou em forma de estudo.
Dizem que os homens só entram na idade adulta aos 54 anos, segundo um estudo realizado lá para Manchester com um grupo de mil cobaias, perdão, homens. Que só nesta idade escapam das inseguranças da adolescência que não os deixam crescer e amadurecer. Eu tinha a certeza de ter casado com um adolescente que ia crescer comigo, afinal casei com um bebé, grande, por sinal, sim, que segundo este estudo, aos cinquenta e tal são adultos, atão aos vinte são bebés, não?
Se não prescreveu, ainda vou ser acusada de assédio sexual...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Eu queria tanto!

Há quem se apaixone por roupa, há os que se deitam por comida e ainda quem não possa ver carro sem babar, eu sou apaixonada por cruzeiros. E hoje bateu uma saudade de cruzeirar. Queria ir lá dentro do Oriana quando, esta tarde, saiu da Pontinha.

Eu não mereço

Diz o mê senhor, homem prevenido e atento ao desenrolar da nossa vida que tenho uma vacina para levar.
Eu, rapariga de meia serra que quando vai levar uma vacina só não chora por ter idade de entender que são passos necessários para uma vida sã, assim que o hôme disse comecei a hiperventilar. E a minha cabeça prepara-se para a pica.
Mas mesmo assim quis saber quando, se estava próxima, se tinha de ser esta semana e tal e coisa...
- Em 2017 - responde ele.
Ah, relaxa, mulher, tens tempo de preparar, está quase...vai mazé escrever na agenda...mas espera lá, ainda estamos em 2015, não é?
Este homem mata-me antes do tempo!

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Só de ver cansei-me

Hoje, de tarde passei num ginásio para me indagar de preços, não é que não esteja satisfeita no sítio que frequento, mas preciso de inovar.
Chego-me perto da janela e, creiam, só de ver fiquei cansada. "Aquilho" é demais para mim. Não tenho pavio para tanta dinamite.
Vim para casa e de cada vez que imaginava toda aquela panóplia de movimentos, sentava-me, cansada.

Papá, o seu rebento é melhor que o meu?

Adoro aqueles papás, bem vestido,fato completo assim a modos que trabalham num banco, numa secretária e que na hora de irem buscar os seus rebentos sobem a estrada ao volante do seu carro de boa marca, alemão, param em frnte ao portão da escola, abrem a porta, alguns nem a fecham, e vão à sala do seu menino, que é mais especial que os outros, e trazem-no pela mão, ainda sobrando tempo para cumprimentar o coleguinha do seu rebento, filho de um senhor de fato igual ao dele e metem o menino no carro, não sem antes lhe tirar a mochila das costas, tadito, não sabe como fazer e, alheado às buzinadelas dos que estão na fila, alguns, certamente, para fazerem o mesmo, mete-se no seu alemão e, vrummmmmmm...
Onde está o encolher de ombros, ou aquela cara de "nada a fazer, tem de ser assim, paciência!" o "desculpe", onde? Já nem falo no " obrigada, por esperar..."
Vai vir de corça!

O rapaz do pijama às riscas

Um filme onde o pano de fundo é o Holocausto. Onde a curiosidade e inocência de uma criança leva a um fim trágico. Onde a lei do homem castiga quem mais ama.
Porque todos os dias a sociedade constrói vedações para separar as pessoas: porque são judeus, porque são ciganos, pobres, homossexuais, lésbicas, porque têm uma deficiência...
Setenta anos apenas uma coisa mudou: as vedações.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Quem não se sente não é filho de boa gente

Atão sentem-se todos porque, presumo, são filhos de boa gente. Eu estou sentada...
Vinde até mim que isto de ter anónimos dá uma canseira.
E opinam, e ofendem, ora por isto, ora por aquilo. Devias fazer assim, devias fazer assado e cozido e frito, o melhor é grelhado. É maizómenos como ter um cão...e não ter.

Relações no banco

Fui ao banco tratar de uns assuntos, tenho a dizer que fiquei feliz por ter outro gestor de conta, o anterior era uma pessoa altiva, arrogante. Mas o mais caricato é que foi promovido.
Promovido? perguntei ao gerente. O banco promove os arrogantes, os que tratam os clientes como se idiotas fossem, colocando-os num patamar inferior?
O gerente olhava para mim, incrédulo. Mas pensei que estava fudo bem, disse.
Aproveitei para perguntar ao senhor se o banco em questão faculta acções de formação aos gestores. Sim, são obrigatórias. E já houve alguma sobre relações inter-pessoais?  perguntei. Ao que repondeu afirmativamente.
Então, o meu gestor deve ter faltado nesse dia, porque ética e descrição é coisa que não tem, disse eu.

Tenham cuidado

Cuidado com o que partilham nas redes sociais. Um funcionário do hospital Hammersmith, zona oeste de Londres foi despedido devido a frases que colocou no feicebuque. Segundo ele, apoiante do Estado Islâmico, Alá pune com o virus HIV os homens que têm relações sexuais fora do casamento. Esta e outras frases de apoio a Jihadistas, publicadas no seu mural foi a razão do seu despedimento.
Meu pipol, eu sei que vocês não publicam frases deste calibre, lagarto-lagarto-lagarto, mas por aqui, neste país de treta, tudo será motivo para um despedimemto. Tomai cuidado, portamto.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Era suposto ser eu

Mas é o me Gu-Gu que açambarca a minha lambreta (o mesmo que tablete) e eu, avó permissiva fica ao lado a chuchar no dedo do pé.

Não acredito!

Segundo um estudo feito por cientistas do Canadá e Estados Unidos mas, segundo esta cientista que vos escreve, eles não percebem nada do assunto, fotos de casal na imagem de perfil das redes sociais, demonstra que a relação não está tão bem assim como aparenta.
Balelas, acho que por vezes se coloca a foto por aquilo que ela representa e não para demonstrar a relação.
Agora, meu pipol, ide às carreiras tirar a que têm no feicebuque, aquela em que estão agarradinhos ao bendito do companheiro/a antes que se saiba disto, não quero um bate-boca um diz que disse mas não disse por aqui, e se a relação acabar deitem a culpa aos cientistas, eu lavo as mãos.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Eu fui ao concerto da Violetta

É  o que diz as tichartes das Pulgas. E daqui a pouco chegam com as novidades frequinhas. E eu salto e pulo, olé, olé...

Elas cantam, elas dançam, elas tocam, elas mexem e depois...engravidam

Mas o que deu nas freiras? É o segundo caso do género num ano em Itália. Um freira entra no hospital queixando-se de dores de barriga e sai de lá com um filho nos braços. E mais, nem sabia que estava grávida. Aqui é que penso: ou é parva ou quer fazer dos outros parvos. Atão não sabe que quando o diabo entra no inferno todo o cuidado é pouco, principalmente, se o diabo não vai protegido com fato de amianto? As freiras não sabem o que o calor pode provocar combustão e pegar fogo?
Depois queixem-se e digam que são virgens que nunca coisa-e-tal, que é por obra do divino espírito santo, digam, e saiam do hopital com um bebé de três quilos e meio de nome Francisco em louvor ao Papa.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

É hoje, é hoje

Vejam bem, isto de viver numa ilha (rodeada por mar, como diz, e bem, o secretário da Educação), tem o seu quê de dispendioso.
As minhas Pulgas, as duas netas, bem queriam ir ao concerto da Violetta, por quem nutrem um apego, eu, velha e rica como só Deus sabe e o banco também, não lhes ofereci os bilhetes mas, os pais fizeram a surpresa. Atão, hoje lá foram. Viagem de avião para três, mais hotel e bilhete tudo a triplicar. Eu só digo: que bom viver numa ilha, rodeada de mar por todos os lados...