Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Há 35 anos atrás era eu uma mocinha com vinte e quatro anos...

...quando pelas treze horas e dez minutos do dia dezassete de Abril tornei-me mãe.
Ah, vai ter o cabelo da mãe e os olhos do pai, diziam (porque o mê senhor tem uma cor de olhos invulgar e, bonitos, eu tinha cabelo louro).
Enganou a todos a peste da piquena. Nasceu com cabelo negro, como o pai e olhos castanhos como a mãe.
Hoje, celebra as suas trinta e cinco primaveras. A minha filha, a mãe das Minhas Pulgas.
Parabéns e nunca deixes de sorrir mesmo que a vida te atraiçoe.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Baseado numa história verídica

Era uma vez um casal com duas filhas lindas de morrer que no dia dezasseis de Abril de 2009, há seis anos atrás, na véspera de fazer 28 anos, enquanto a mãe das lindas meninas comia um iogurte encostada ao balcão da cozinha, o marido repara na sua linda barriga redonda, empinada que fazia lembrar a última gravidez, a da sua menina que completara um ano a 10 de Março. Pensando que ainda estava gorda devido à gravidez e porque a Páscoa tinha sido na semana anterior, era, ainda, umas gorduras acumuladas...sim, era isso, ainda estava gorda...
Porque gravidez não podia ser, não, pois que, amamentava a menina e, como fértil que era, prevenira-se com a pílula que a médica lhe havia recomendado.
Mesmo assim, uma dúvida assolava-lhe o espírito. Dirigiu-se à farmácia mais próxima, adquiriu um teste e correndo para casa mte-se na casa de banho a fim de dissipar as dúvidas que pairavam no seu espírito. Não, não pode ser, estou bem prevenida. Engano dele. Não acreditando no que via, vai à medica que recomenda uma eco.
Tem duas meninas, não é? Sim, responde a rapariga. Mas porque pergunta?
É que o rapaz nasce em Setembro.
O quê? Mas...?! Rapaz? Setembro? Estamos em Abril?! Grávida, eu? E a amamentação... A pílula... Não sabia....
Sim, o rapaz já tem dezoito semanas...Dezoito semanas? Como?! Eu nem estou preparada...
E, a dez de Setembro desse ano, no dia em que a Baixinha fez dezoito meses nasce o mê Gu-Gu.

Sinto como que...

...estivesse a transportar o mundo aos ombros, tal é o peso que sinto no coração. E em todo o corpo. Estou a precisar de massagens, a começar pelo pescoço acabando na sola dos pés. Alguém disponível? Dou casa, comerinho, roupa lavada na cama, passeios pela ilha, não pelas levadas, e só têm de pagar as viagens de ida e volta.
Vá dedinhos no ar para a contagem... Um...vejo dois...três ali ao canto...mais um vindo de oriente...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Ora bolas mas que careza!

Hoje fui tomar um cafézinho, ementes esperava pelas minhas Pulgas, a um centro comercial cá na cidade. Peço uma bica cheia e, quando pergunto quanto é, até me ia dando um colapso. "Setenta cêntimos", diz a empregada. Eu, pensando ter ouvido mal, digo: "desculpe, quanto disse que era?", ela repete: setenta cêntimos.
Afinal ouvi bem. Pensei que teria de aumentar o volume dos aparelhos auditivos.
Setenta cêntimos? Mas onde já se viu tal preço por uma nica de café?
Como o açucar era tirado da cesta que estava em cima do balcão, e, como a vida por si só já é amarga como fel e, como eu preciso de açucar para deitar nos bolos de mel que vendo numa barraca por altura das Festas de São Vicente (mentira generosa, não acreditem, às vezes dá-me pra isto), trouxe cinco pacotes. Sim, amigos, eu bebo café sem açucar e como pago o mesmo que com açucar geralmente trago, na carteira, o pacote a que tenho direito, mas desta feita servi-me à discrição. E não medigam que não devia!
Setenta cêntimos nem com pepitas de ouro...

Mas esta gente não se dá conta?

Estes turistas pensam que a Madeira não tem perigos? Pensam que as levadas são auto-estradas?
Amigos, as levadas são lindas, mas o espaço para andar é mais coisa menos coisa de uns cinquenta centímetros de expessura. Aventuram-se, por vezes, sozinhos por essas levadas, escorregadias, e eles com reflexos reduzidos devido à idade que não lamenta o sucedido.
Com oitenta anos não seria melhor andar só pelo alcatrão? Olhem que não é o primeiro a cair por essas ribanças abaixo. Alguns safam-se outros nem tanto. Velhos teimosos que se acham na flor da idade e não olham aos riscos, caramba!

E daqui para a frente é olhar...

Sabiam que a cor da urina pode indicar se tem cancro? Segundo um estudo e, abro parêntesis para dizer que hoje em dia só se fazem estrudos, demasiados até, fecha parêntesis, é possível detectar esta maldita, se tiver atenção e olhar para quando urina e, claro, identificar a cor. Depois vai a este sítio e tira as dúvidas.
Olhem, e agora um aparte deste assunto, fiquei assustada porque tenho este terrível hábito de olhar para os produtos que faço e a minha urina estava roxa. Pus logo a mão na boca para reprimir um grito e, com a outra puxava, insistentemente, pela saia de Moi-Même, para que olhasse o buraco e só acalmei quando ela, Moi-Même - a empregada que me acompanha sempre nestes obras, me disse:
- já tavas a hiperventilar, não? Não te lembras que comeste paletes de beterraba, não?
Só ela para me acalmar!
E só eu para vos indicar o caminho da luz...

terça-feira, 14 de abril de 2015

Proibido beber, o quê? Água, só se fôr!

Deixem-me rir. Acham mesmo que vai resultar a proibição de vender bebidas alcoólicas a menores de dezoito anos?
E o que é que vão beber os adolescentes quando saem à noite? É que água não dá pica...
E que dizem os pais que autorizam que os seus rebentos saiam à noite sabendo que vão beber até cair, e que lhes financiam as saídas e, segundo o que sei, cada bebida custa mais que dois euros. E, uma não dá bebedeira. Beber é uma forma de estar em sociedade, de ser admitido no grupo.
Mas, situem-me no tempo e no espaçco...Já não era proibido? É que vê-se nas tascas este cartaz
 

Quem é amiga quem é?

Respondam em uníssono: tu, AvoGi.
Sabem que dormir com uma cebola cortada às rodelas nos pés é saudável e só faz bem ao corpinho? O problema é o cheiro, mas para isso calça-se as meias. Sabiam que a cebola purifica o ar? Eu duvido, que com aquele cheiro há-de cá purificar, mas isto sou eu que não percebo nada de purificadores. mas isso que importa se é para nosso bem?
Sabiam que as plantas dos pés é a porta de entrada no corpo? Ai não? Ai sim, a medicina chinesa chama de meridianos e eles - os meridianos - estáo ligados ao sistema nervoso. E todos nós temos sistema nervoso, correcto? Correcto. É por isso que dizemos que "estamos nervosas", "tenho um nervoso miudinho", e quando estamos com cara de enterro dizem : :" ah, não ligues isso é nervos".
Ora, uma maneira excelente de estimular esse meridianos é colocar cebola cortada às rodelas (pode ser alho se não houver cebola), e durmam com essas rodelinhas na sola dos pés. Faz cócegas? Cá nada! Ah, e nunca em tempo algum reciclem na cozinha essas rodelas, nem tentem fazer espada de cebolada, entendido?
Bem, com licença vou ali já cortar uma cebola às rodelas para à noite colocar nos pés. E mê senhor que se livre de dizer que cheiro a cebola, é que, desta vez, tem motivo.

A vida é feita de escolhas

Muitas vezes, nesta pequena passagem pela Terra, sentimo-nos como a sair de um buraco e entrar noutro, sem reparar na perspectiva que nos aparece à saída de cada um. Pode parecer que não tem fim, cabe a nós escolher, procurar a saída ou continuar metida nele. A vida é feita de escolhas. É uma escolha contante, é um cair/ficar ou cair/levantar.

Fotografia: Furados que ligam a Madalena do Mar à Ponta de Sol.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A começar pelo tempo e a acabar nas mentalidades distorcidas...

...anda tudo louco.
É o tempo, é a vida, é a sociedade, é o civismo, e aqui até me coço na verruga que tenho na cachada ao lado da hemorróida, é o IRS, é a conta da água, da luz, do gaz, é a chuva que não dá tréguas, é a violência contra os indefesos...
Mas, também, são as mentes assassinas, são os ódios, os desamores e, acima de tudo a crise. A de de Valores. Aqueles que fundamentam a sociedade.

Sinceramente quero que sinceramente...

...com toda a sinceridade me digam: por aí onde cada um de vocês se encontram também chove desmesuradamente? E também, como eu, já têm luzes acesas às duas da tarde? Vocês, digam lá, sinceramente, não apetece mandar o tempo para aquele lugar, aquele que não digo, mas está encravado na ponta da língua como um pico?
E se fizessemos assim um abaixo-assinado para sanear quem manda? E se...eu me calasse e fosse apagar a luz que deixei acesa no quarto onde não está ninguém, em vez de estar aqui a mandar papaias?

domingo, 12 de abril de 2015

O que leva uma pessoa a matar outra?

Ou neste caso: o que leva uma mãe a matar os filhos?
Uma mulher mata à facada três dos seus quatro filhos, em França. O marido também ficou ferido, mas está livre de perigo.
Sinceramente, não entendo o que impulsiona uma mãe a pegar numa faca e disferir golpes como se o corpo dos filhos fosse uma almofada de penas. Será o quê Raiva? Recusa em aceitar um não? Achar que pode fazer aos filhos o que bem quer porque "quem dá o comer dá o ensino", ou como se diz por aqui "fui eu que os fiz", e por isso pode dar e tirar a vida?
Mentes assassinas! Não há perdão para estas atitudes, mas há a forca. Porque o pelotão de fuzilamento é pouco. Ou morte às postas...

Esta não lembra ao diabo

Quando eu penso que já tinha visto de tudo sou surpreendida com esta...

Alguém sabe e se sabe diga...

...o significado de sonhos?
Sonhei com gatos, muitos mesmo. Dentro de casa, a saltar por cima de mim, a tentar entrar em casa por estarem famintos. Alguns mortos, e como abomino ver...não é bem... é mais medo de animais mortos, excepto se estiverem temperados e prontos a comer, refiro-me a galinhas, vacas, porcos, atão passei a noite a fugir deles, dos mortos. Conseguem imaginar o tormento que foi a minha noite? Não? Imaginam o desassossego, a aflição de querer fugir e não poder, por estar na cama, claro.
O que quererá dizer? Algo bom? Se não for bom presságio, evitem de me dizer. Abanem só a cabecinha...