Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta bilhardices que eu oiço. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta bilhardices que eu oiço. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Shite, para aqueles que se esqueceram do português

Como sabeis vou muito a Londres uma vez que tenho lá os meus irmãos e, a coisa que me faz saltar a brotoeja e coçar o carrrolo o dia todo é, precisamente, aqueles portugueses que saem do seu país e, assim que chegam a Gatuíque, sim que os portugueses usam as laucostes, começam logo a falar inglês. É o indergrounde, é o base, vão logo aos shopes, deixam de comer peixe e começam a comer fiche. Dizem camone em vez de vamos, todas as pessoas são uns sanofabiteche. Mas o melhor é deixar de levantar um dedo, o do meio, e passam a levantar dois em forma de v.
Se os filhos nascem lá, aí sim, a sua língua materna fica encostada na parede e dali para a frente só o inglês predomina.
O problema é que sem saber falar o inglês correcto deixam a sua língua arrumada na gaveta e só falam português na presença dos filhos quando brigam....Uma forma de poder mandar para  o alto do mastro do navio sem que as crianças entendam. Olhem que conheço e cumprimento este casal.
Ora, como pode uma família de quatro pessoas que saíram de Portugal todos juntos e que falavam português em casa, óbvio, assim que chegam à Inglaterra, tungas, agora só inglês...
Se me justificarem bem justificado não que eu sou assim a modos que estúpida neste assunto pode ser que a minha opinião mude enquanto isso acho uma estupidez obrigar os filhos a falar inglês em casa (não chega na escola?) E continuar a falar português em casa não era uma forma de as crianças saberem duas línguas?

sábado, 22 de abril de 2017

De que serve ter um amigo?

Vem isto a propósito de alguém que está a atravessar um momento crítico na sua vida e é quando mais precisa de desabafar para expurgar a alma, pedir conselhos e que as amigas comprovem a veracidade dos factos e as amigas, essas, não comparecem ao tribunal. Acobardam-se.
De que serve dizer-se amigo de alguém se na hora em que mais precisa lhe vira as costas? Por isto digo, minhas senhoras e meus senhores, ponham os olhos em vez do coração ao escolherem os amigos. E sabem?, falo com conhecimento de causa. Por isto, reforço a minha teoria que: amigos é uma palavra que muitos não conhecem o significado. Acreditem.

E, relendo a frase, digo que "há amigos que te ajudam a cair".

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ouvido de passagem entre dois que nada fazem

Dois vizinhos cá do burgo, ambos rapazes com mais de quarenta anos que adoram polir a esquina da rua como o seu rabo sempre encostado à parede e ainda vivem com os pais que trabalham até à exaustão para alimentar estes dois solteirões e restantes membros, dizia um para o outro:
- O melhor lugar para se trabalhar é aqui na Madeira.
Ora bem, meus senhores, aqui eu cocei-me toda desde a ponta do pé até ao couro cabeludo por achar que estão cobertos de razão.
Aqui é o melhor sítio para os "pais deles" trabalharem porque se um dia os pais emigram à procura de melhor trabalho eles vão avergar a giba porque a mama vai secar. E o leitinho quente e papinhas de bolacha Maria com banana esmagada vai faltar.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Por favor chame-me doutora

"Aquintrodia" (o mesmo que: aqui há dias, em madeirense), falei no meu vizinho venezuelano, proprietário do mini-mercado onde avio os legumes frescos e que trata os clientes por "vezeinha".
Ora, há dias estava ele meio encabrunhado e perguntei-lhe a razão.
-Vezeinha, a vezeinha fica chateada por eu a tratar por "vezeinha"?
Respondi-lhe que não e perguntei porquê.
Ah, sabe, vem cá um senhora e tratei-a por "vezeinha" e ela pediu-me para "tratar-ela" por "sinhora doutora", mas nunca por vezeinha.
Peneirices.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ai sim?! Ai pois é!



Ai pois, agora chupa essa manga, melhor dizendo, atão vocês autarcas da minha vida queriam roubar o erário público e era para manter segredo?
Mas vocês, autarcas do meu mundo, pensavam que essas voltas que iam dar...quando faziam as viagens à conta dos munícipes, usando não o da algibeira mas sim o do cofre...que ninguém ia saber?
Otários! Agora andam com as calças na mão a correr no tribunal!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Só quem vê é que entende!

Meus senhores (e minhas senhoras também) que falta de responsabilidade existe neste mundo redondo! Que falta de civismo, meu Deus! Mas anda tudo louco?!

Atão não é que alguém entra numa via rápida e bate em quem lá circula e arma-se em triste coitada?! Atão não é que para se armar em vítima diz que quem circulava é que tem de assumir a culpa!?
Onde já se viu entrar numa via-rápida, cruzar logo duas faixas arrastar quem lá circula até os rails de separação, encurralá-la e dizer que esta pessoa bateu atrás quando é o lado dianteiro que está amolgado!?
Haja civismo e responsabilidade...Admitir os erros custa, mas liberta a consciência!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Viver à conta do governo é tão bom!

Que o diga os meus vizinhos, um casal cá da urbe que nada faz a nível profissional, e que faz-me pensar que quem vive à sombra dos que trabalham (e por isso descontam para estes) é que são uns felizardos.
Além de não se apoquentarem com as tarefas inerentes ao trabalho que, como todos sabeis, dão cabo da saúde e desgastam o cérebro, além de não cumprirem horários, além de não terem tarefas de cozinha uma vez que os filhos passam o dia na escola e por lá almoçam têm dinheiro suficiente para ter um Iphone 7.
Iphone7 é uma careza, senhores! Há muita gente que trabalha e não pode comprar este equipamento!

Mas por outro lado penso que uma vez que vivem em casa do governo com renda baixa, ou sem pagar, nem sei!,  uma vez que por isso os filhos têm apoio social, uma vez que auferem um rendimento social, esse é para as futilidades e para comprar um telemóvel topo de gama e andar a fazer "ciganas" a quem não tem.
Por isso, digo e redigo: mais vale viver de esmola do governo do que trabalhar....
Burra, otária que sou em não ter pensado nisso!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Mulher traída

Falando com alguém cujo marido salta a cerca de casa e vai comprar cigarros ao quiosque lá da esquina, dizia-me ela que "todas as noites deito-me com o meu marido na mesma cama".
Oras, uma coisa é estar deitada com uma pessoa outra coisa é ter o espírito dessa pessoa, tê-la completamente não só o corpo presente.
Ela sabe que ele dá umas curvas e até sabe o nome da curva, mas perante a sociedade são uns queridos que socializam juntos que se apertam e se beijam e dizem frases amorosas.
Não sei não, mas a esta que vos escreve faz uma certa brotoeja. E que não consigo compactuar com cenas da sociedade. Nem consigo fingir que "vivemos num conto de fadas" quando afinal a vida trata de mostrar o oposto.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Língua galega e não me refiro a um prato típico!

Conheço alguém que diz que os galegos falam "portunhol". Por mais que se lhe diga que galego é um idioma juntamente com o catalão, o castelhano e o basco essa criatura continua a dizer, principalmente, quando ouve um galego a falar, que é portunhol.
Ora, eu se fosse galega mandava logo uma "parrillada à la plancha" com umas "patatas a murro ao estilo galego" acompanhado de uma "boteia" de vino da Rioja. Era dose!
Acho desagradável estar a falar com um galego e dizer-lhe que ele "está hablando portunhol".
Ele que experimente dizer isso a um catalão ou a um basco. O catalão era caso para um referendo um basco...bem,  nem quero pensar no que nos etarras...
A reter e não esquecer: galego é galego e não "portunhol".

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

"Matar por amor" ou antes "não és minha não és de mais ninguém"

Um homem mata amulherrna via pública diz-se que "matou por amor", pois amava-a que não suportava a distância. Estavam separados diga-se, não sei os motivos mas para aqui pouco ou nada importa. Matou-a.
Por amor faz-se tudo até tirar a vida da outra pessoa.
Mas há algo que não entendo: este sujeito vivia com outra mulher. Como pode viver com alguém e ter estes pensamentos assassinos para com a antiga?
Eu, no meu fraco entender é mais numa de: "ai, não queres viver comigo que sou um violento (não sei se é, estou a hiperbolizar), e de mim não queres nada, é isso? Ai já andas a deitar a asa a outro? Ai é? Atão toma lá um balázio e vê se aprender que se "não és minha não és de mais ninguém".
Esta morte não foi por amor foi por despeito, ofendido por ter sido preterido.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Que belo castigo! Olh' agora comes quarenta bananas p' aprenderes!

Não me perguntem onde foi, quem foi e a que horas foi que a minha cabeça não fixa tudo, sim?, só digo que ouvi de raspão e ri-me a bom rir enquanto imaginava a situação.
Ora bem, um ladrão rouba uns míseros anéis, colares e pulseiras de pedras preciosas, nada de muito valioso, coisa pouca portantus, mas foi descoberto quando estava c' a boca na botija, ou seja a desviar...
Assim que se viu descoberto teve a brilhante ideia de meter na boca e engolir. Rapaz esperto, ladrão brilhante no quadro de honra da Escola Profissional de Ladroagem. Foi logo metido no calabouço, obrigaram-no a comer de seguida 40 bananas, e não era banana madeirense que é pequena mas boa, era tipo plátano. Quarenta bananocas de enfiada e esperaram que lhe desse da chorrica, diarreia para os não são madeirenses, para que no produto líquido viesse o sólido. E veio. Recuperaram o roubo.
Agora não me perguntem quem esteve de plantão à obra, quem separou o líquido do sólido e se lavaram de seguida que eu não sei, não vi não estava lá, oquei?

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Quem diria!

Quem acredita que o povo holandês é plagiador, por favor, dê um passo em frente e ao mesmo tempo levanta o bracinho e diz: "eu" "eu"
Atão não é que plagiaram a cantiga do Quim Barreiros "A garagem da vizinha"?
Não sei se já viram o vídeo clip, mas até o boneco é uma réplica do cantor português.
Depois da música dos DAMA, não ficaram quietinhos lá no seu burgo, nada disso, ouviram a do Quim e acharam que ali havia produto para cópia. Se assim pensaram assim o fizeram.
Olha lá que agora descobriram Portugal...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Atenção autocaravanistas

Uma pergunta pa queijinho. É que desejo fazer um passeio de autocaravana mas há coisas que m' atormentam.
Ouvi dizer, e dito por alguém que é, ou julga-se ser, o sumo pontífice do autocaravanismo que, a sanita das auto caravanas é assim tipo bibelot, não é para sujar.
A solução? Ora tão fácil e higiénica.
Coloca-se um saco de plástico a forrar a dita e evacua-se lá para dentro. Sim, darlingues, para dentro do saco, convém verificar se as asas do saquito estão de fora pois vão precisar delas. Depois da evacuação, ata-se com um nó apertado, não vá o produto sair, e coloca-se na janela, por fora, entenda-se, para os outros cheirarem, ementes se toma o pequeno-almoço na paz do Senhor. Depois, atravessa-se o parque de auto caravanas com dois sacos de coisa-e-tal na não, dois sacos que "já agora, levas o meu também" e vamos deitar o produto evacuado, no primeiro balde de lixo que se encontra mesmo que esteja a mais de duzentos metros, cumprindo as regras de higiene e civismo, claro, nem para isso atravesse a cidade com um saco, ou dois de...posso dizer merda?, na mão.
É assim, queridos autocaravanistas de serviço, a sanita não é para ser usada? Também vocês fazem assim como relatei? Será comum?
Que nojo mê dês! Se é assim recuso-me, desde já, a compactuar com esta cena.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Sarna em Cascais?

?????????????????????
Ouvi dizer que sim...
Foram estas interrogações que fiz, aliada a uma cara de espanto que nem mostro quando ouvi a notícia, além de ter esbugalhado os olhos e franzido o sobrolho. Não pode ser!!!!!
E as tias também vão coçar!? Ou serão só os alunos e professores?
Sarna em Cascais!!?!?!? ? Isso não é coisa de pobre?

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Olha, ouvi dizer...

...que, hoje, é o dia mais triste do ano. É verdade, sim senhora. Já olhei para a conta do banco e ainda não caiu nada lá. Além de ser triste é um dia de tesos, de mal-humorados e ansiosos que caia lá no sítio do costume a dita coisa que faz os ânimos levantar, dá alegrias e faz sorrir.
Eu estou com um humor de cachorro, não por ser o dia depressivo mas por não ter cacau...
Ai como me sabia bem um cacau! Quente, espumoso e docinho!

domingo, 17 de janeiro de 2016

Pronto, está explicado

Diz que "filhos de mães mais chatas têm mais sucesso".
De acordo com um estudo feito pela Universidade de Essex, os filhos de mães mais rígidas e exigentes têm mais sucesso a nível profissional do que os educados por mães mais "macias".
Coitados dos meus filhos que foram educados por uma mãe déspota, malévola e autoritária. Pobres sim, mas com muito sucesso a nível profissional, e ricos de sentimentos. Só que com a genética não se brinca. Coitados dos meus netos!
Oladilha!

sábado, 16 de janeiro de 2016

Vai de mal a pior, agora é para trabalhar 35 horas?

Ora muito bom dia que esteja tudo bem, assim espero. Venho cá só mesmo para desabafar, aliás, acordei desabafada, com imenso frio e por isso vou continuar desabafada e com uma vontade mórbida de torcer o pescoço a uma galinha. E vou mostrar a minha indignação, se me permitem.
Ouvi dizer, que agora vamos trabalhar 35 horas? Mas, querem-me obrigar a trabalhar? E logo 35 horas!? Mas esclareçam-me: é por dia, por mês ou por ano?
É que por ano ainda "dou um jeitinho", como diz a dona Ana, a minha cabeleireira, sempre que vou lá, uma vez por ano, se tanto. Por mês já vai custar e por dia será impossível.
Eu estava bué de satisfeita por trabalhar, menos que isso e ouvi dizer com estas orelhas surdas com 'um poço sem água que retine por todo o lado c' agora é para trabalhar 35 horas?!
Mal-injusto! Eu que estava bem assim a modos que com pouca coisa... Entendam: não quero trabalhar 35 horas. Recusado. Entendido?

sábado, 2 de janeiro de 2016

Meu rico filho!

Certamente deve ter dito esta expressão a minha amiga Dolores Aveiro à sua moda madeirense quando recebeu no dia 31 de Dezembro, dia em que fez 61 anos, um Porsche Boxster oferecido pelo seu filho, com um valor calculado em cem mil euros.
Caramba, eu não sou invejosa, mas desde já digo que também no final deste ano vou fazer 61 anos e seria uma bela prenda para receber da mão do mê Bisalho. Como disse não sou invejosa, e não preciso de um Porsche de cem mil euros, mas um Mercedes caía bem na mão. Aliás, eu não o deixaria cair...

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Para que fique registado

De 1030 seguidores que tinha restam 961. O resto esfumou-se nas brumas da memória. Mas que raio de coisa aconteceu? Segundo o que ouvi dizer há mais blogues com esta cena de seguidores a desaparecer como Dom Sebastião no nevoeiro.
Alguém sabe, na realidade, o que se passa? Só numa de me "alucidarem"...

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Diz a viúva

"Eu queria tanto estar lá para me fazer explodir!"
Quem proferiu esta célebre frase foi a viúva do terrorista morto no Bataclan. E eu pergunto: ela não sabia ao que ele ia? Atão porque não foi ao seu lado com um cinto de explosivos? Olha sempre estariam ligados na vida e na morte e que Deus me perdoe por esta barbaridade que vou dizer, mas era uma terrorista a menos.
Deve ser uma sensação fixe para eles, os que espalham terror, esta de se fazer explodir! Pum, já fostes! Menos um!