Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Quando eu for grande. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Quando eu for grande. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A melhor coisa do mundo é...

Numa conversa muito séria entre avós e netos Pulgas (a saber são três: uma de onze, uma de nove e um rapazinho de quase oito, todos irmãos), a do meio - a Baixinha, (porque está no percentil baixo) disse que não queria ter filhos.
Ora, eu, avó estremosa que teve dois filhos continuei a rebater que "os filhos é o que melhor se pode ter", que "é a continuação da família e que "filhos é a melhor coisa do mundo".
Continuava ela que não queria ter filhos quando crescesse e ripostou:
- Ó, avó, deixa-te disso "a melhor coisa do mundo" é comer batatas fritas.
Pronto, desta não ter bisnetos. Mas vou ter montes de batatas fritas.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Sonhos de menino

Quando somos crianças sonhamos em demasia. Bem, em demasia não, somente sonhamos na medida do imaginário. Vejo isso nas minhas Pulgas.
Elas sonham com o dia em que serão grandes, sonham com a profissão que vão ter, com marido, filhos e amigos.

Uma - a Maivelha quer ser mãe, mãe a tempo inteiro, ou como diz ela "só mãe". A outra - a Baixinha sonha com cabelos e laços e por isso quer ser cabeleireira.
O rapazinho quer ser igual ao tio quando tinha a mesma idade e só pensa em ser "o homem do carro do lixo". Que fascínio deve ter este carro!
Eu que também já fui criança, embora as Minhas Pulgas julguem que já nasci avó, sonhava com um cavaleiro que me ia dar um castelo e montes de criados....Afinal deu-me mas foi uma carga de trabalhos. Também não tinha cavalo, só um Mini de segunda ou terceira mão.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

E vai mudar o nome para Cristiano Ronaldo

Diz o mê Gugu que quando for grande vai ser jogador de futebol e homem do lixo. "Vou ter duas profissões, avó". Este meu neto sabe que a vida é dura!
O dilema é que não sabe se vai ser jogador durante a semana e trabalhar com o lixo aos fins de semana se ao contrário: homem do lixo na semana e jogador aos sábados e domimgos que, vendo bem, é isso que acontece.
Mas, como diz ele: "ainda é cedo para decidir".
Tão responsável e inteligente este busico!
E acrescento que trabalhar no carro do lixo está na massa do sangue. Já o tio Bisalho, e o padrinho/primo tinham esta pretensão.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Ora toma e vê lá com quem te metes!

Estava eu e a Pulga - a Maiveilha a cortar folhas velhas dos cântaros cá da quinta (cof cof), melhor dizendo: eu cortava e ela apanhava, quando o mê senhor que assistia às brincadeiras das outras Pulgas que andavam de bicicleta, diz que vai ao computador.
Pulga sem tirar os olhos da pá e da vassoura diz com ar de desalento, já prevendo a vida de casada...
- Ai - e dá aquele suspiro de desalento -  também quando eu for casada vou estar a trabalhar no quintal e o meu marido no computador.
Embrulha avô, disse eu. E mete um laço de papel que esta piada vai de encomenda.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Só peço a Deus, aos santos...

...aos arcanjos e a Nossa Senhora do Sabonete que as minhas Pulgas quando forem adolescentes não cheirem tanto a transpiração como a mocinha que veio na fila 13 lugar C. Eu vim no lugar B e quase que vomitava!
Ainda estou mal-disposta, caramba!

sábado, 15 de novembro de 2014

Mas que rica ideia!

A minha neta de seis anos, a Baixinha como eu a chamo, tem um humor fora do vulgar e umas ideias um tanto ou quanto espatafúrdias. Ainda há pouco numa conversa sobre carta de condução dizia-me ela.
"Quando eu for grande não vou tirar carta de condução".
"Mas porque razão" -  perguntei eu.
"Ora, avó, eu roubo uma carta de condução de alguém e colo a minha fotografia".

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Assim na terra como no céu


- Avó quando eu for grande tu já vais estar no céu. - Afirma a Pulguinha, a de quatro anos cheios de vida e espevitada comum raio, ao mesmo tempo que abana a cabeça e mordisca uma torrada, sem olhar dignamente para mim.
Mas que puxão de orelhas me apetecia dar-lhe! Daqueles bem puxados, retorcidos, esticados! Mas contive-me, não fosse ficar marcado e ter de justificar junto das autoridades superiores.

Mas será que esta peste quer que eu bata as botas, já? Será que me quer ver esticada com as mãos para o céu e os pés unidos? Será que lhe faço peso? Mas penso que não, ela é que se deita em cima de mim quando vamos para a cama.
A torrada até fez bola no estômago!
Mas depois...

Fiquei contente (e porque não?) e espero estar aqui alguns longos anos porque a minha sorte, vamos lá, é que esta peste tem propensão para ser baixinha (aliás, é como eu a chamo); e se assim continuar, certamente,  vai crescer mas não vai ser muito grande. 
E eu, avó extremosa dedicada, vou continuar a dar-lhe umas crocadas bem no alto da cabeça para não crescer muito. 
Ora o que se há-de ouvir da boca de um "inção"!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Quero ser como tu, mas nem tanto

Quando for velhinha (eu, velhinha!? uóte?) quero ser como tu, avó! - diz a Pulginha, quatro anos cheios de sabedoria.
- Ai sim? - digo eu com a crista no ar e inchada que nem um pavão por a rapariga ter bom gosto e faço aquele sorriso, o 43, de canto a canto, mas que logo desvanece ao concluir a frase...
- Sim, mas sem óculos e se aparelhos nos ouvidos - acrescenta ela.
Eu concluo que de resto fica tudo, a bóia na barriga, as rugas (de expressão  quiçá, por eu ser uma rapariga muito sorridente), os joanetes também podem ficar, a espondilose, a artrose e mais "oses" os bicos de papagaio, isto tudo pode ficar. Digo eu.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Mas será mesmo?

No dia dos meus anos, e já lá vai um mês, estava a vestir-me logo pela manhã sob o olhar atento da  Pulga, a maiveilha, e reparo que a Pulga, quiçá por me ver só de cuecas, mirava o meu esbelto corpo cheio de pregas, enrugado (ainda não o tinha passado a ferro) mas os seus olhos concentravam-se na minha barriga lisa como uma bola de catchu; e ao vê-la concentrada a olhar para o meu pneu digo-lhe.
- Quando tu tiveres a minha idade também vais ter a barriga grande.
- E as mamas descaídas - acrescenta ela.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Desejo profundo da Pulga - ser professora!

Disse à Pulga: - Se a avó se atrasar não fiques preocupada. A avó vai deitar o totoloto, a ver...
Interrompe-me. - O que é o totoloto?
Expliquei-lhe que eram cruzinhas em números num papel e sai dinheiro às pessoas.
- A ver se sai algum dinheiro à avó sem ter de trabalhar. Para ficarmos ricas. Não queres ser rica?
- Eu não quero ser rica. Eu quero ser professora.

Ai neta querida, mai lhinda e mais fofa neste mundo não há! Palavras certas as tuas. Se fores professora não serás rica.

Bem, tenho de começar a virar o miolo à rapariga! Basta de docentes aqui nesta família (e deve ser por isso que puxa esta profissão!) Antes sejas dona de casa, casada com um ricaço de um "venezulano", cheio de ouro nos dentes e corrente de diamantes a segurar as calças, mas por favor minha beleza, não vais para professora. Ou então mete-te na política ou...casa com um político, mas do partido maioritário que os outros...são uns bandidos, drogados, bêbedos, e desordeiros. Atenta no que diz esta velhinha. Não me dês esse desgosto. Enquanto a avó for viva tudo fará para te tirar essa ideia maluca da cabeça; deixa a avó fechar os olhos e só depois atão podes tirar esse curso.
Ma que eu não saiba, canão, vou puxar-te as canelas de noite. Tu!...Livra-te!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Que vai ser este Pulguito quando for grande?

Feitios de avó ou somente tentar perceber o caminho ou descaminho que este rapaz vai tomar!!!

Primeiro parece que vai ser delegado de propaganda médica.
E aqui que se sente bem dentro do armário a (des)arrumar.

Depois volta-se para os Tupperwares e poderá escolher vender estes plásticos!!!
Reuniões de senhoras, chazinhos de tília e de erva-cidreira.

Ainda poderá ser técnico de manutenção de exteriores ou seja varredor.
O rapaz gosta de vassourar e até tem queda, sim tem queda, e tem caído muito.

Neste momento, tem a cara negra... parece que levou uma batata no olho.

Mas parece-me a mim, digo parece pois tenho falta de vista e nem tudo o que parece é...
que vai dedicar-se à cerveja e amendoins.
Un bon vivant no futuro!!!
E um bom desarrumador...no presente!!

sábado, 6 de novembro de 2010

Desejo profundo da Pulga

Um outro desejo profundo da Pulga ( 4 anos) é ter o cabelo comprido (como o da avó).
E enquanto cresce e não cresce arranjou esta solução.

Uma fralda na cabeça que simboliza o cabelo comprido, um elástico para o amarrar. Acreditam se eu disser que eu ando sempre de cabelo amarrado assim com ela tem?
E claro não podia faltar a pose de modelo para a foto.

Mas pobre Pulga, o cabelo  está tão curto, tão curto que lá pró ano 2020 é que o tem comprido.

Amanhã vou à serra apanhar fedigoses e esfregar a cabeça a ver se o cabelo cresce mais rápido.

Também já me falaram em pupu de galinha ...mas, não sei não.. a minha filha não "havera" de gostar...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Desejo profundo da Pulga

Pulgas na Calheta Porto Santo
 Fiz uma pergunta daquelas idiotas que se fazem às crianças.
- Quando tu fores grande o que vais ser?
- Mãe.- Responde convicta da sua ideia.
- Mãe? Só mãe? E o que será que vai ser a  tua mana?

E ainda eu não tinha formulado a pergunta à Pulguinha (2 anos) já a mais velha respondia...
- Pai. Eu vou ser mãe e ela pai.

sábado, 19 de junho de 2010

Desejo profundo da Pulga

 Se antes a Pulga dizia que quando fosse grande queria ser: Mãe, agora vai ser icadoura (tal como a mãe).
Temos mais uma docente na família.
Ai rica Pulga faz outra coisa: crochet, tricot, ponto de cruz, bordado Madeira, bolos de mel, do caco, arranja bainha de calças, vestidos e camisas; ou pesca um rapaz rico que te dê tudo para que não tenhas de trabalhar, mas educadora...NÃO, não te metas em nada com a  tutela da Educação.

Pulga, neta querida, ouve a tua avó!!!! Olha que eu sei o que digo!!!
E digo. Tenho de lhe dar a volta ao miolo!!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Desejo profundo da Pulga

Quando eu for grande vou ter sempre batom nos lábios como tu.
Mas esta Pulga vai imita-me em tudo.
E a outra também já usa, bem, não usa correctamente, mas dá bâton: nas bochechas, nariz, em volta dos lábios.
Não importa, o que conta é a intenção!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Deseja mais das profundezas da Pulga

Pulga com colares da avó. Avogi
Quando eu for grande se calhar vou ser uma ... montra de bijutaria...ou manequim de pechisbeque...ou...

Vou continuar a usar os colares da minha avó todos ao mesmo tempo...ou... vou ter vergonha de ter sido fotografada com os "pendurilhos" todos.
Mas entretanto divirto-me!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

sábado, 16 de janeiro de 2010