Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Eu e as minhas manias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Eu e as minhas manias. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Logo eu que as adoro

Com a idade as doenças crescem como cogumelos no inverno. É a artrite, a tensão alta, a osteoporose, a perda de audição, da visão, do olfacto, das faculdades mentais e outras que tais.
O que nunca pensei adquirir com o avançar da idade é...um conjunto de moscas. Sim, moscas nos olhos e que vão acompanhar estes belos olhos azuis, tipo Liz Taylor (mentira, são castanhos - terra, mas eu queria tanto!), até serem comidos pelos bichinhos. Bem queria que fossem incomodar outra velha como eu, mas não. Estas moscas são minhas. Eu que as adoro e mato as que se cruzam no meu caminho. Castigo.
O que não vem em pacote "terceira idade" é o dinheiro. Esse malandro escasseia e é tão necessário para, com dignidade, gerir os cuidados de saúde que merecemos.
Os idosos assemelham-se a uma ave, um condor creio. Com dor aqui, com dor ali...

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Shite, para aqueles que se esqueceram do português

Como sabeis vou muito a Londres uma vez que tenho lá os meus irmãos e, a coisa que me faz saltar a brotoeja e coçar o carrrolo o dia todo é, precisamente, aqueles portugueses que saem do seu país e, assim que chegam a Gatuíque, sim que os portugueses usam as laucostes, começam logo a falar inglês. É o indergrounde, é o base, vão logo aos shopes, deixam de comer peixe e começam a comer fiche. Dizem camone em vez de vamos, todas as pessoas são uns sanofabiteche. Mas o melhor é deixar de levantar um dedo, o do meio, e passam a levantar dois em forma de v.
Se os filhos nascem lá, aí sim, a sua língua materna fica encostada na parede e dali para a frente só o inglês predomina.
O problema é que sem saber falar o inglês correcto deixam a sua língua arrumada na gaveta e só falam português na presença dos filhos quando brigam....Uma forma de poder mandar para  o alto do mastro do navio sem que as crianças entendam. Olhem que conheço e cumprimento este casal.
Ora, como pode uma família de quatro pessoas que saíram de Portugal todos juntos e que falavam português em casa, óbvio, assim que chegam à Inglaterra, tungas, agora só inglês...
Se me justificarem bem justificado não que eu sou assim a modos que estúpida neste assunto pode ser que a minha opinião mude enquanto isso acho uma estupidez obrigar os filhos a falar inglês em casa (não chega na escola?) E continuar a falar português em casa não era uma forma de as crianças saberem duas línguas?

domingo, 23 de abril de 2017

Hoje é domingo dia de cruzar as pernas

Domingo...
Se antes detestava este dia é só a pronúncia do seu nome dava-me uma brotoeja no corpo e ficava de trombas o dia inteiro: por ser véspera de semana preenchida de aulas, dia de preparar as lições, programar, projectar a semana, presentemente, só a pronúncia do seu nome faz aparecer um sorriso rasgado na cara.
Domingo, na actualidade, é um dia para relaxar. Nao que não faça planos semanais, mesmo sem ser profissional o hábito ficou, mas agora aproveito para passear pela minha ilha, captar bons momentos, brincar com os netos e retomar energias positivas. Uma leveza portanto.

À noite mostro alguns sítios bonitos do meu rural.
A todos um excelente domingo, força para iniciar a semana de trabalho. Custa, eu sei, mas no fim é compensador. Palavra de avoGi, Técnica Superior de Lazer.

sábado, 22 de abril de 2017

De que serve ter um amigo?

Vem isto a propósito de alguém que está a atravessar um momento crítico na sua vida e é quando mais precisa de desabafar para expurgar a alma, pedir conselhos e que as amigas comprovem a veracidade dos factos e as amigas, essas, não comparecem ao tribunal. Acobardam-se.
De que serve dizer-se amigo de alguém se na hora em que mais precisa lhe vira as costas? Por isto digo, minhas senhoras e meus senhores, ponham os olhos em vez do coração ao escolherem os amigos. E sabem?, falo com conhecimento de causa. Por isto, reforço a minha teoria que: amigos é uma palavra que muitos não conhecem o significado. Acreditem.

E, relendo a frase, digo que "há amigos que te ajudam a cair".

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Muitas vezes nem damos conta o quanto é reconfortante

Um banco, um jardim, relva, uma paisagem outonal, e eu que procurava um lugar para descansar, encontro-o ali, ao virar da esquina, onde o vento faz a curva. Tão perto e nem sabia o quanto é apaziguadora esta quietude.
Não é preciso muito para ser feliz

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Só quem já a teve na boca é que entende

Pequenina, saborosa, exótica, ácida, fonte de vitamina e, pasmem-se, ajuda a emagrecer por ser pouco calórica.
Na mesma árvore o fruto pode ter várias cores: verde, amarelo, alaranjado e vermelho-vivo. Tem um caroço que ao ser jogado ou cuspido para a terra faz nascer uma árvore.
Eu, ao comer umas tantas, cuspi uns tantos caroços que agora ando aqui com uma quantidade de árvores a nascer.
Vai um suminho desta fruta para ajudar a emagrecer? E, já agora, levante o dedo, o indicador só para efeitos de logística, aqueles que já meteram uma na boca.

sábado, 8 de abril de 2017

Também faço parte desta estranha confraria

E não restam dúvidas que os professores são do piorio, basicamente existem para tornar num inferno a cabeça dos alunos. E fazer​-lhes a vida negra, como me disse a tia do grande CR7, quando o seu filho - primo legítimo do craque - era meu aluno.
Reles profissão...

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Correr atrás dos sonhos e se possível espezinhando os que se atravessam no caminho

Desde pequenos ouvimos dizer que devemos correr atrás dos nossos sonhos e nunca desistir deles pois só assim alcançaremos a felicidade, certo?
Presentemente a felicidade é entendida como o hipotético resultado de ter podido satisfazer o maior número de desejos ou sonhos num curto espaço de tempo. Para isso implica sonhar enquanto houver ar nos pulmões.
Mas nem sempre os nossos sonhos se realizam. Quando a vida que sonhávamos não se apresenta como no sonho é o sofrimento!

Muita gente na ânsia de realizar os seus sonhos entra numa espiral de mesquinhez e faz do dorso das pessoas trampolim. A ambição desenfreada de realizar o seu objectivo de vida - a realização dos seus sonhos - faz algumas pessoas serem capazes de tudo sem conta e medida. Os desejos são realizados através de atitudes mesquinhas de quem não olha a meios para atingir os fins. Com uma certeza porém para elas: os seus sonhos são realizados. Não importa a custo de quê.
Realizar sonhos uma tarefa difícil para quem tem nobreza de carácter!

Fotografia: Outono em Londres. Novembro de 2016

quinta-feira, 30 de março de 2017

Entenderam, homens? Espero ter ajudado

Afinal eu nasci para vos ensinar o caminho da felicidade.

Ouviram-me dizer que ia à Primark?

E ouviram-me dizer que ia atestar a cesta com umas coisinhas que precisava, não foi?
Acreditem, era só uma brincadeira e...sou mentirosa. Meia mentirosa, pois que, entrei naquela loja do diacho, agarrei no cesto, percorri o espaço, levei pisadelas, encontrões. Era um carrinho de bebé tão grande que parecia um autocarro, era um catraio que chorava e gritava que tinha fome e a mãe continuava a ver vestidos sem valorizar a birra, e os outros que se amofinem. Irritei-me. Larguei o cesto. Deixei as roupinhas. Cumássim era tudo supérfluo que roupa tenho que chegue. E meia-louca da vida por ter perdido um bocado do meu precioso tempo saí e nem olhei para trás.

terça-feira, 28 de março de 2017

Acordei de olhos abertos. É um bom presságio


Vamilhá a ver se a boa disposição e os olhos abertos - sinal que estou viva e a mexer o dedo do pé, se mantêm até à noite ou se ainda mato alguém antes do adormecer por me ter tirado este sorriso, o 75 - o da satisfação - da cara.
Bom dia, minhas amigas e amigos. Que o vosso dia seja prenhe de alegria. E façam como eu: matem que lhes infernizar a vida, por que hoje é dia de ser feliz.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Há momentos em que preciso de cinco litros de café

Hoje é um desses momentos.

Mulheres e homens da minha vida e do meu coração, vocês sabem lá o medo que tenho de viajar de avião. Vocês nem sabem quantas vezes vou ao WC tal é a sensação de desconforto e o nervosismo que se instala nas tripas​!
Vocês meus amigos não acham que tenho razão quando digo que num mundo tão grande com tanta terra eu, rapariga dada a medos de avionar, nasce num pedaço que quase não figura no planisfério de tão pequeno que é, e ainda para piorar rodeado de mar todos os lados que é como dizer que para qualquer lado que me vire é sempre mar?

Vocês meus amigos e amigas a sorte que têm de poder meter as unhas no guiador do carro e comer alcatrão, que é como quem diz: andar sem parar, por essa estrada fora, porque eu se quiser sair da minha zona só de avião, de barco ou a nado mas já experimentei - a nado - e só avancei um bocadinho como daqui ali...e olhem, estou a apontar com o indicador de onde até onde...

Fotografia: Santa Cruz, vendo-se, ao fundo, o orioporto, arioporto, aroporto, araporte ou orioporto, qualquer uma quer dizer: aeroporto

terça-feira, 21 de março de 2017

E, pronto, estalou o verniz

Eu não queria acreditar no que os meus olhos viam! Eu que perdi tempo da minha vida, da minha vida que é a modos que um carrocel, vai acima vem abaixo...
Não mereço, vocês sabem, pois conto aqui passo a passo a minha vida!
Julguei e mal aquilo que pensei ser a coisa certa, era o que esperava e digo que esperei tanto e agora acontece isto!?
Queria ser como aquelas mães de antigos alunos que tinham umas unhas de causar inveja até aos roedores. E, depois de muito pensar comprei o catalisador ou forno ou máquina de unhas de gel, como queiram chamar.
Mas as minhas unhas, malvadas do diacho, lascam. Leio sobre mulheres cujas aguentam quinze dias. Eu pergunto: não usam as mãos para trabalhar? Ou o defeito é das minhas. Será?
Se assim for não há volta a dar estas são as minhas unhas e não há tempo para mudar. Teria de renascer.
"Dilhemas", como se diz em madeirense puro, "dilhemas" de quem gosta e quer ter umas unhas como as que passam na televisão e baba só de ver!

sábado, 18 de março de 2017

Vá lá, perguntem-me por que estou tão feliz

Eu respondo a dar saltinhos de contente e a bater palmas que nem bebé quando vê um frasco de Nutella. Que felicidade em mim parece que o coração quer sair do peito e gritar: "finalmente!"
O ferro de engomar avariou-se. Aleluia. Agora tenho desculpa. A resposta vai ser: "querido, amor de mi bida, por supuesto, no hay fierro, tienes de esperar que se lo compre, si carinho mio?
Alegria! Finalmente, um descanso.
Olarilha!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Versão moderna do Capuchinho Vermelho

 Vai uma rapariga de cesta metida no braço qual Capuchinho Vermelho pela estrada fora, olha para a melhor e mais bonita couve do poio: fechada, em forma de coração de boi, de um verde que satisfaz, apanha-a e assim que a vira descobre que alguém chegou antes dela - da rapariga de cesto no braço que alegremente cantava.
Mas que coisa é esta! (desculpem, eu não disse "coisa", mas imaginam o que eu disse, não, ou tenho de dizer tudo?).
Um lagarto. Um lagarto estuporado comera toda a parte que estava junto à terra, numa de me enganar. Ai se eu te pego...ai ai se eu te pego, lagarto, deito-te as mãos ao pescoço, aperto-o, morres esganado com falta de ar e de papo cheio, mas nunca mais na vida comes as minhas couves.
"Aquilho" (como se diz por aqui) é que foi um verdadeiro repasto. Comeu até ao olho. Seria só um? Se foi já anda há muito tempo. E eu à espera que a bendita da couve crescesse! Crescia de um lado diminuía do outro.
Deve ter sido uma família de famintos.
Dúvidas, só dúvidas nesta linda cabeça loira de caracóis ou de lagartos que ainda mantém o barrete, perdão, quero dizer o capuchinho enfiado na cabeça.

Fotografia: Hortaliças do meu quintal, plantadas e cuidadas por mim.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Cuidado, eu sou uma mulher que mata

 O meu vizinho deve pensar que eu sou assim, a modos que tontinha quando ouve-me dar palmas sem haver festa. E sem estar o Quim Barreiros a tocar. Sim, que aqui quando há festa os pimbas vêm todos que até ficam roucos de tanto cantar.

Mas, voltemos...Por aqui, no meu rural, há uma epidemia de mosquitos, não há casa que se gabe de não ter pelo menos um. Eu, que nem sempre tenho o Dum Dum (passe a publicidade e não recebo nada por dizer isto), à mão e, como tenho as mãos à mão, bato palmas numa de acertar no demo do mosquito, e posso até me gabar que sou certeira, devia receber um louvor ou uma menção honrosa.
Adiante, ainda há pouco um desses atormentava-me. Batia palmas e não acertava e o estapor fugia, quiçá conhece os meus tiques e truques. Tive de me valer do insecticida. Dei tanto que até não preciso de colocar perfume em mim. E, certamente, hoje, não há mosca que resista ao meu charme. Morre logo.
Mas o pobre mosquito de perna longa e peito cheio jaz aqui ao meu lado e eu cheia de pena fico a pensar que o traste do triste mosquito tem um papel no ambiente.. Agora, paciência! Bem-feito, para não te cruzares na minha vida.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Bom dia sol

Adoro pela manhã abrir a janela e dar de caras com ele, ali, à minha frente desejando de entrar. Afasto as cortinas e deixo-o beijar todo o quarto.
Não gosto é de olhar para o chão e ver a poeira que o vento que fez nestes dias aqui, no meu rural. Mas ele não tem culpa de brilhar com tamanha intensidade que na presença dele tudo se vê. Bem me apetecia voltar a fechar os tapa-sóis para não me lembrar que a vassoura ou o aspirador também esperam por mim, não para desejar bom-dia mas para lembrar que domingo - dia de preguiça foi ontem.
Mas bom-dia a quem por aqui passa e boa semana, sim?

quinta-feira, 9 de março de 2017

Eu, ele e ela - a outra

Esta noite éramos três na cama. Eu, ele e ela - a outra - a que de vez em quando aparece para partilhar o leito conjugal.
Assim que me deitei percebi logo que ela viria aninhar-se entre nós dois. Lentamente, meteu uma perna, depois um braço quando dei por ela já se instalara e, depois, é ela quem toma as rédeas.
Eu sabia que um dia ela voltava. Há muito tempo que não aparecia. Esteve ausente em parte incerta, perdida nos braços de um outro qualquer, mas esta noite veio para ficar.
Quando não é uma é outra. Perdi a conta de quantas vezes somos três na cama.
E se viessem as duas ao mesmo tempo? Impossível quatro às voltas na cama!
Na semana passada "a outra" veio enroscar-se no mê senhor, que noite, mês dês, que noite!, Memorável! Hoje, esta agarrou-se a mim.
Não há quem durma com esta insónia e "a  outra" a enxaqueca.

Atão mulheres da minha vida...

...contem tudo, não se acanhem. Os vossos amores trataram-nas bem no dia de ontem? Sim, no dia da Mulher, claro (esquecidas!). Fizeram a comidinha, da boa, enquanto vocês descansavam a canela e o corpo no sofá? Não me digam que foi um dia normal!

Por aqui, houve muito marido (companheiro, amante, noivo, juntado) que deitou as mãozinhas à comida e saciaram as mulheres. E digo...
Sorte têm vocês, mulheres da minha vida, de terem um homem assim que arregaça as mangas e faz-se à cozinha.
Coisa boa é ver as mulheres sentadas, com um copo de vinho na mão e os homens de avental, empoleirados, à roda do fogão.
Ponham as mãozinhas para o céu e benzam-se que maridos desses não há em stock. Esgotou-se o fabrico antes do mê senhor nascer.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Isto não vai só com flores...






Porque
Enquanto houver uma mulher morta às mãos de um homem..
Uma menina violada...
Uma jovem mutilada...

Enquanto houver mães a matar as filhas a fim de evitar violações...
Enquanto houver uma mulher apedrejada em hasta pública por um grupo de homens na presença de outras mulheres que riem da situação...
Muito há para ser feito.

Porque nós, mulheres, ainda somos quem carrega o futuro no ventre

Feliz Dia para todas as mulheres da minha vida e para aquelas que me visitam.
E para os homens vai daqui um abraço.