Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta genro-homem beirão. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta genro-homem beirão. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Hoje é a Noite da Conso(l)ada

E, porque o mê genro é um homem beirão fiel às suas raízes hoje é dia de bacalhau com couves, filhós, sonhos, fatias paridas, arroz doce... E porque madame (anterior projecto)-nora também é do Norte há que satisfazer todos os intervenientes nesta família.
É a Noite da Conso(l)ada e podem ter a certeza que (me) vou conso(l)ar com estas iguarias de Portugal Continental e manter a tradição de comer e cair pó lado.
E sei que vocês, pessoas da minha vida também vão conso(l)ar bem...
Por isso bom apetite e cuidado com a balança que está atrás da porta.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Uma surpresa muito boa

E logo eu que dou um rim por uma boa surpresa, entenda-se surpresa agradável.
Estava eu a viajar nas asas de Morfeu, deitada a lastro, cansada da vida e, porque os pais das PULGAS tinham um jantar, elas ficaram a dormir na "azavó", eu, rapariga dada a ver televisão, ontem fui mais cedo para a cama.
Estava já sem aparelhos nos ouvidos, sem dentes, sem a perna postiça, mas com os óculos enfiados no nariz porque estava a ler as notícias, quando acendem a luz do quarto no mais intenso. Olho e vejo filha à minha frente, isto já era quase uma da manhã, a dizer que vão levar as PULGAS que o jantar acabou e assim levava a canalha. "Ai não faças isso. Eles estão a dormir tão bem!", disse. "Ah, mas têm de ser. Vou levá-los".
Levanto-me para falar melhor ver melhor e ouvir melhor quando....
Entra o mê Bisalho e Madame (projecto)-nora!
Ai que me dá uma aflição! Ai qué desta que salta o coração! Ai que coisa maiboa é ter no mesmo espaço filha, genro, filho, nora, marido e as PULGAS no quarto ao lado. A minha família, a coisa que mais preservo, que mais estimo, aquela que eu me propus a constituir quando há quase quarenta anos me casei.
Família - um bem essencial à vida. O ar que respiramos...

sábado, 28 de março de 2015

É mais ou menos isto

Aos que me visitam sirvam-se do belo de um tinto, que ofereci ao meu genro no seu dia de anos, é assim a modos que uma pomadinha para a garganta.
Bem, mas desta já não há "foice" toda nesse dia...Mais houvesse...

segunda-feira, 23 de março de 2015

Por muito que me custe lá terá que ser

Hoje é dia de festa por aqui, o pai das Minhas Pulgas faz nada mais nada menos que trinta e seis anos (poça, e eu a pensar que era trinta e cinco!).
Reza a lenda que aquele rapazinho que nasceu numa aldeia da serra da Estrela, mais perto de Espanha que da capital, tão cheio de cabelo e tão louro, iria se transformar num homem barbudo e careca. Reza ainda a lenda que quando nasceu uma fada leu-lhe a mão e disse que num futuro próximo ele iria ser cambiado para uma ilha paradisíaca no meio do oceano, e aqui toda a gente olhou admirada para a fada pois desconheciam essa ilha que ficava lá nos confins do sul, para estudar e por lá ficaria, para desgosto dos seus familiares mas, encontraria uma princesa linda de cabelo escuro com ondas como as da sua ilha e seria o pai de três lindas Pulgas que tornariam a vida de uma triste rapariga já entradota na idade e seria estimado como um filho. Ora, a lenda não fala se este lindo rapazinho de cabelos loiros nascido numa aldeia da Beira viverá feliz para sempre pois esta parte a fada só lhe disse ao ouvido, embora os seus pais estivesse de pescoço esticado para ouvir.
Por isso reza a lenda que joje à noite soprará as trinta e seis velas.
Parabéns genro jomem das beiras.
E por isso por muito que me custe lá terei de ajudar o rapazinho, hoje, careca barbudo, outrora cheio de cabelos loiros a comemorar as suas primaveras e a comer aqueles manjares de rei próprios da sua terra-natal.
Digo "por muito que me custe" porque não consigo resistir aos seus pitéus e assim nunca mais eu tiro aquele rolo embutido na barriga.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Não restam dúvidas de que...

...o melhor da Festa é esperar por ela, lá dizia o meu sogro e dou-lhe razão porque até este dia - dia de Natal, os preparativos é o motor que faz a máquina trabalhar.
O dia de Natal é passado em família, não completa como seria o meu ideal, pois sou uma rapariga que leva a peito a união da família e a presença nos dias assinalados,  mas, infelizmente, o mê bisalho, não picou o ponto na mesa de almoço de natal. Por isso, falta-me sempre algo...

De qualquer forma, este dia - de natal, já está a acabar e, neste momento, só a pasmaceira própria de quem teve um bom repasto se apoderou desta família.
Amanhã, aqui no meu rural é feriado pois que nós festejamos a primeira oitava do natal. Por isso, e como diz o senhor meu genro, beirão de gema: "na Madeira são três semanas de festa".
E que venha mais...


quarta-feira, 20 de março de 2013

Dia do Pai...das Pulgas

Dia do Pai e este foi o postal feito pela Pulga - a maiveilha na escola. O pai e os irmãos.
Dai do Pai das Pulgas, dia do pai da mãe das Pulgas que é o mê senhor.
O meu pai, bem, é um caso perdido, enfim, nem vale a pena falar dele porque nunca tive pai.

sexta-feira, 23 de março de 2012

33 - A idade de Cristo

Cristo, como se sabe, morreu com 33 anos e por aqui quando alguém faz 33 anos dizemos que tem a idade de Cristo.
É o caso do rapazinho - meu genro. Natural da Beira Baixa para cá veio estudar (na Universidade da Madeira) e por cá foi adoptado, por mim.
E, porque  hoje é o seu dia de anos, não posso deixar de expressar aqui os meus sinceros parabéns.
Por isso, Parabéns, pai das Pulgas, pelas 33 primaveras (e são mesmo primaveras!).

Fotografia: Pai e Gu-Gu na brincadeira, na festa dos 31 anos. E pensava ele que se livrava de ter um 31 na sua vida!

quarta-feira, 23 de março de 2011

É dia de festa na quinta ...e no Sábado

Por que hoje o pai das Pulgas faz anos, (somente 32 anos) é dia de jantar na casa da família Pulguedo.
Sábado é aqui no meu rural. Sim, que o rapaz não queria nada (é sempre assim), mas vai ter, "uora" se vai. No ano passado foi surpresa e ele ficou assim como que...sem palavras...sem jeito e: caramba rapaz, não é sempre que se faz um 31!

Mas este rapazinho (como às vezes o chamo) faz mais do que um 31 à vida dele para ajudar a minha vida e nunca me diz que não a nada...nada.
Ele trata da tia-velha quando vou de férias. E que grande responsabilidade! Vem cá buscá-la para a levar a jantar a casa das Pulgas volta para pô-la. Ajuda-a...mais do que...eu possa sequer imaginar! Isto sem falar da paciência para a aturar. E ele é sobrinho-neto por afinidade. Esta é... uma forma singela de lhe dizer: Obrigada.
"Atão"  sábado a festa é por minha conta. E venham todos que há lugar. E já sabem: "Barriga cheia e oferta debaixo do braço." 

Não, não é hoje..É Sábado. Dá tempo a comprar a prenda. E a encher a barriga! (Aceitem o convite, vá lá!)

terça-feira, 23 de março de 2010

Parabéns

Pulgão, genro da AVOGI

Faz 31 anos que nasceu este rapazinho numa aldeia do concelho de Belmonte. Ao fim de alguns anos imigrou para a Madeira a fim de prosseguir os estudos.
 Por cá ficou.
Pela ilha se apaixonou.

Na Universidade da Madeira conheceu uma jovem.
Com o andar do tempo foi apresentado aos seus pais.
Na casa deles foi aceite como um filho (mais um).
E... como diz a canção: "daqui não saio daqui ninguém me tira".
E ninguém o tira do lugar onde está. Bem junto ao coração.

Parabéns ...ó piqueno.

sexta-feira, 19 de março de 2010

O dia está a acabar, mas.....

...Quero aqui deixar um abraço especial aos pais neste Dia do Pai. Àqueles que são verdadeiros e que sabem o significado da palavra PAI. Neste grupo incluo o pai dos meus netos.
Um beijo sentido e sincero para ti...ó pequeno grande homem.

sábado, 6 de março de 2010

Então...

...Não é que eu falei e afinal tenho uma quinta virtual? "Quem fala, paga" e eu paguei e bem caro a ofensa de ouvir dizer:" Afinal aquele post da fazenda virtual, falou e também tem?
- Quem tem? Eu? Não sei...Não tenho não.-Digo com cara de estúpida, arregalando os olhos.
- Tem tem. Uma fazenda e um café.
- O quê? Uma fazenda e um café? Deves estar enganado! Eu não tenho nada disso.
E continuava o pai Pulguedo a dizer a mesma coisa: que tinha uma fazenda e um café e .. blá blá blá.

E que lhe apeteceu desmascarar-me... (ria-se e ficava vermelho como um pimento. Ele fica corado quando fala comigo. Deve ser medo, muito medo. Ou vergonha. Deixa-me rir...)
- Impossível! -Digo eu com a certeza daquilo que dizia.
- Deve ter aceite algum pedido da quinta e de um café e por isso tem.
E deve ter sido. Como aquilo é tudo em inglês; eu aceitei e bimba, paguei por falar demais.
Afinal está abandonado. E vai continuar assim...
Olarilha

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Depois...

...De um dia de sol, manga curta e roupa no estendal a secar a chuva regressou.
E a roupa continua no estendal a ...molhar, a manga voltou a tapar o braço, o sol sem aparecer e litros de água a cair do céu.
(E o meu genro dizia ontem que não viria mais chuva! Que boletim meteorológico leste? O do Brasil?)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CPMERDLUP

No carro olho para trás vejo a Pulguinha já sem as tiras da cadeira colocada nos ombros. Zanguei-me e disse-lhe para colocar se não o carro não andava. Ela olhava para mim e continuava já não tinha as tiras e estva em posição de sair da cadeira. Levantada, pronta para descer.
Depois de muito blá blá blá lá se convenceu a estar sentada. Ao chegar a casa dela perguntei à mãe se era hábito ela tirar as tiras e levantar-se.
- Sim. Ainda há dias ela fez isso na via rápida e o pai deu-lhe umas palmadas.
- O quê?
- Sim deu-lhe e chegou a dentro. E se acontecer dá-lhe uma para ela não fazer isso.
Meu Deus! Eu? Dar umas palmadas naquele rabinho fofinho? Nunca. Coitadinha do meu "inção".
Vou mas é fazer queixar à CPMERDLUP (Comissão de Protecção de Menores Em Risco de Levar Umas Palmadas). A "gorgomilha" só tem 20 meses, e já provou?

sábado, 10 de outubro de 2009

A avó Ginja

A avó Ginja é a bisavó das Pulgas (avó do pai). É uma velhota simpática. Nunca saiu do seu meio nem de carro nem de avião. Tem medo, diz ela.
Sempre que vou lá "tiro-a a terreiro" (brinco com ela). E passamos bons momentos a rir.
Hoje estivemos a conversar e o tema era doenças, médicos.
Ela nunca adoeceu e nunca foi ao médico. Não toma medicação.
Dizia ela.- Quando eu disser que tenho de ir ao médico é que estou p´ra morrer.
Como nunca foi ao médico naturalmente também não vai ao dentista.
Tem os dentes estragados, mas tem medo de tratar, principalmente por causa das injecções..
A filha diz-lhe: - Oh minha mãe, vossemecê que veja as outras da sua idade. Têm dentes postiços e são bons.
E diz ela:
-Para que quero dentes postiços? Elas tiram os dentes para comer!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Este pai de Pulga...

O pai das Pulgas é muito brincalhão. E gosta de "tirar minha tia a terreiro".
Dizia ela, referindo-se à tal festa de anos da Pulga.
- Amanhã vai haver festa?
- Vai - responde ele .-  Eu faço anos.
- Ah sim.... é de Julho. Não estamos em Julho?
- Sim. Mas faço anos em Março.

Esquecida e mentirosa

O meu genro perguntou a minha tia:
- E agora? Quando vai ser o outro olho?
- Para Agosto. - E virando-se para mim:
- Não é?
Risos. É que eu não me contenho com tantas "argoladas".
Para Agosto é a consulta.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Rétorica (arte de bem falar)

Telefona-me o pai das Pulgas, pela manhã e pergunta:
- Tá acordada?
- Sim- respondo. - Se não estivesse como podia atender o telefone?
- Podia estar a dormir!
- Como? Ia atender o telefone a dormir?
Risos do outro lado.

sábado, 23 de maio de 2009

Escrever um livro

Quando me reformei o meu genro, pai das Pulgas, impulsionou-me a escrever um livro.
- Agora tem tempo para escrever um livro. - Disse-me ele.

Bem, tempo tenho, não tenho é dinheiro para editar um livro.
Por isso decidi criar um blogue.
Não dá dinheiro, mas dá prazer.
Obrigada piqueno pelo "empurrãozinho".