Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Esta sou eu e não tenho tempo para mudar. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Esta sou eu e não tenho tempo para mudar. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Vim de cesta cheia

Fui à horta (àquela que anda esquecida e que tenho descuidado a sua limpeza, rega e tratamento), e vim de coração cheio. Na cesta onde coloquei salsa, couve, pimpinela, tomate cacho, além dos que a foto reproduz: tomate cereja e tomate lagartixa, trouxe também uma certeza: mesmo que eu não cuide a natureza segue o seu ritmo. E eu agradeço...

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Tenho de falar com ela mais vezes. Ela levanta-me o ego

As avós de agora são as raparigas do meu tempo de menina e de escola. Não nos encontrámos como mães mas reencontramo-nos como avós. Olho para as minhas amigas e vejo o quanto estamos fofinhas, redondas, rugosas, esbranquiçadas ou com tinta castanha, preta e as mais extravagantes de vermelho, mas felizes claro, a correr atrás dos netos.

Ora estava eu a "meter na jaca" (o mesmo que enfardar/comer) e olho para uma - a mais redonda de todas - comendo do mesmo...não do mesmo mas igual ao que eu estava a comer e, em jeito de brincadeira, digo-lhe: "Hoje ninguém se pesa. Proibido. E não há-de fazer mal, não achas? É por eles."
- Ah, pois tu queixas-te! ? Tu podes comer de tudo que não engordas, estás magra; sempre te conheci assim, eu é que sou uma bola, sempre fui gorda.
- Ó rapariga tens falta de vista! Eu engordei 10 quilos.- digo-lhe.
- Engordaste o quê, onde é que está "essa gordura". E mirava-me de cima abaixo com ar de de que diz: "parva, depois de velha deu-lhe. Eu é que sou gorda. Vê-se que quer tirar-me o lugar! ".
Ora bem, ou ela tem falta de vista agora ou tinha na adolescência! É que engordei dez quilos que por mais que os esconda eles fazem questão de me lembrar que estão embutidos por este pedaço de corpo acima!

Depois disto, e como ela disse que não estou gorda (cegueta ela, caramba!) sabem o que fiz? Vinguei-me nas batatas fritas, por todas as vezes que me apeteceu devorar uma saca de quilo delas e não o fiz para não ganhar umas gramas. Sim, e também mostrar ao mê Gu-gu que sou mais rápida que ele na devoragem e, por isso, assentamos praça na mesa dos salgados.
Já agora vou ali buscar um saco daquelas de presunto...

Fotografia: Massaroco, planta endémica da região, no Pico do Areeiro.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Tudo o que desce sobe tudo o que entra sai

Nestes últimos dias tenho rido muito, foi um fim de semana recheado de boas energias, família reunida, passeios pela ilha, mas...
Tudo o que desce sobe tudo o que entra sai. O avião que desceu e pousou na quinta levantou hoje e os que entraram na minha mansão saíram. Entraram quatro numa assentada e hoje foi dia de despedida. Tudo o que entra sai e leva um pouco de nós.

É mais forte do que eu e ainda não consigo despedir-me sem derramar aquele líquido precioso que Nero guardava numa pipeta. Assim que o avião levanta baixa uma corrente delas.
Agora só, orgulhosamente, só vou entreter-me a limpar, sacudir, esfregar e resta-me pouco tempo para brincar. Só assim esqueço que durante uns dias fui mãe-pata com os patinhos atrás.

Fotografia: Ponta de São Lourenço, península a este da ilha da Madeira, onde se avista a sul as Desertas e a norte a ilha do Porto Santo

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Para onde é que ela vai?

Chego à lavandaria e vejo a máquina de lavar roupa - a tal que faz tudo desde esticar a encolher - a correr. Esperei para ver o jeito dela e pensei cá comigo: "deve ir à tasca do Bexiguento mas está, redondamente, enganada". Não que eu não permita, por mim até pode, mas ainda não a vi dar grandes passeios, só de aqui para ali e mainadinha".
Deixei um instante mais, sempre atenta a ela, não vá a estapilha da máquina meter-se a descer três lances de escadas.
Esperei. Enquanto pôde lá foi a toda a velocidade até que parou.
- Paraste? - Perguntei-lhe. - Tens medo. Ah, atão era isso!- Ainda lhe disse.
E voltei a chamar à atenção da menina e a ameaçar que é a última vez que vou buscá-la à porta da entrada e a dar-lhe a mão até ao sítio de onde nunca devia ter saído.
"Agora de castigo vais lavar enquanto não chega o dia do Juízo Final e sem sair do lugar, canão...."
Nem lhe disse que depois da afronta de borrar os meus lençóis brancos de rosa choque, de ter encolhido um casaco que eu estimava tanto e que nem nos nenucos das minhas Pulgas serve, além de ter perdido meia dúzia de meias e cuecas que estou a pensar em mandá-la a Marrocos que fica mesmo em frente à minha casa, numa viagem sem camebaque (em inglês, pelise).
Mas ela nem sonha!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Segunda volta. Outra vez os óculos! Ai vida minha!

Ontem foi a vez do passaporte pois daqui a dias vou precisar e o que tinha estava caducado.
Em chegando ao sítio a mesma coisa por causa dos óculos. Desta vez ripostei menos e convenci de que é um documento que não uso tanto que não faz diferença. Mas antes contei-lhe do sucedido e da minha pega de caras com o touro, perdão, com a simpática menina, rimo-nos e até acrescentei que nasci sem dentes e sem cabelo ...e que a resposta do "adereço" referente aos óculos não me caiu bem no estômago.
Desta vez tirei os óculos e com a recomendação que "pode sorrir não pode é mostrar os dentes".
Quer dizer uma p' ssoa gasta dinheiro para ter uns dentes lindos e não pode mostrar? Arranja o cabelo e pedem-me para afastar da cara? Que cena é esta?
Coloquei-me sem óculos, sem dentes e sem cabelo em frente à máquina.
- Tá a ver o círculo vermelho? Pergunta ela.
- Não senhora. - resposta seca.
- Não vê um círculo vermelho aí em cima!? - Já admirada.
- Não menina, não vejo. Como quer que veja sem óculos? - digo. Riu-se.
Depois...
- Veja se a foto está boa. E assine nesse papelinho que está por baixo. - Pede ela já a rir...
- Espere, vou pôr os óculos. Eu devia mazera assinar sem eles postos para verem o que acontece.
- Ah, senhora que coisa horrorosa! Parece que estou morta, desfalecida devia ter dado pó de arroz e umas rosas vermelhas nas cachadas.... Que horrível: sem óculos, sem dentes e sem cabelo....pareco uma morta! Credo, almas do céu!
- Tiramos outra, então?! - Pergunta a rir.
- Olhe deixe assim. Que pode piorar!
Olhei para a fotocópia do passaporte, caramba, aquela não sou eu: branca, arregalada, sem feição, lábios cerrados, esta pode figurar na minha campa, pois é assim que vou para a outra banda. Como sabeis, ir eu vou mas contrariada e aos empurrões.
Farta farta saí a rir com a minha Pulga - a Maiveilha que a saber com aparelho nos dentes está fora de questão uma fotografia para passaporte.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Usar óculos é um adereço e não uma necessidade

Quando precisei de renovar o cartão de cidadão dirigi-me à loja do cidadão ao balcão correspondente e  disse ao que ia. A menina pede para que me sente para a fotografia.
Ah, e tal, tem de tirar os óculos, diz a menina linda, olhando para mim.
"Comé?" pergunto em bom madeirense à simpática e adianto que não tiro, que uso desde sempre, que é a primeira e a última coisa que faço todos os dias é pôr e tirar do nariz, que identifica-me....
Ela mostrando desalento e tornando a dizer que "é sem óculos" e eu a ripostar que não tiro, chame quem quiser, os óculos para mim são uma necessidade, a minha vida é com eles, sempre usei....
Ela olha para mim e diz que "os óculos são um adereço, você não nasceu com eles."
Aí deu-me aquela volta no estrampalho e antes que vomitasse tal era o desejo que tinha disse-lhe serenamente.
- Também nasci nua, devo despir-me?
Calou e engoliu em seco pois tinha gasto a saliva a mastigar o "gâmesse" que dava voltas na boca.
Na foto do cartão de cidadão estou com óculos. É assim que sou.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Por falar em roubar...

Não sou rapariga de ver e não mexer no que toca a fruta, não sei, deve ser um trauma de pequena e não consigo me  curar. Já fui ao Brasil, Praia e Bissau, Angola, Moçambique, Goa e Macau já fui até Timor e em nenhum sítio houve alguém capaz de curar este vício de roubar figos também diospiros também cerejas entre outras que estejam na estrada.
Conhecem o Santuário de Nossa Senhora da Abadia e o Mosteiro de Santa Maria ambos em Amares? Já passaram por Tarouca por esta altura em que as cerejas estão vermelhas, apetitosas e caras?
"Vaiam" por lá em Junho e por Amares em Outubro e depois contem-me se resistem a tanto diospiro caída no chão e outros mais nas árvores, arreganhados, e em Tarouca tanta cerejeira em fila indiana com elas tristezinhas, de olhinhos cheios de ramelas de tanto chorarem de tristeza a pedir: "poramordedeus come-me, leva-me numa viagem da boca até ao estômago, quero conhecer o teu interior porque dizem que o interior da pessoa é que é o genuíno, quero descer até ao fundo do teu ser numa corrida louca às voltas dentro de ti".
Quem resiste? Eu não.

Fotografia: estes dois pousaram para o retrato antes de serem devorados sofregamente cumprindo o seu último desejo.

domingo, 11 de junho de 2017

Não roubei só surrupiei....oh diacho... gamei, prontus

Adoro figos (e bêberas e tabaibos e goliabas e pitangas...)
E por gostar tanto de figos ( e bêberas e voiabas e tabaibos) e por serem caros (8 euros), não resisti a roubar. Dizem que a ocasião faz o ladrão. Nada mais verdadeiro.
                                            
Passava eu debaixo de uma figueira quando olhei e vi aqueles malvados cheios de mel no bico. A escorrer.
Pensei: "Ai se era de noite!"
Mas eu sou uma mulher que quando se lhe mete algo na cabeça é o inferno.
Deixei anoitecer e...
Voltei à figueira.
Mas o que me sobrava em coragem para roubar, faltava-me em estatura.
Estavam altos, demasiados altos para o meu comprimento, por mais que me esticasse.
E como me estiquei!! Pus-me em ponta de pés, fazendo inveja à Margot Fonteyn. Nem ela conseguiu tanto!!
                                          
Apanhei um. Apenas um. Vim triste com um figo na mão! Um?! Não dá nem pá cova d´um dente.
Mas isto não fica assim...
Não, que eu não deixo que esses melosos se riam de mim.
                                       
Por isso, deixo aqui um aviso, um alerta vermelho: afastem as figueiras de mim. Tapem-nas. Com rede verde, se possível. A primeira que eu veja,  vou-me a ela. Ataco. E se não a vir vou pelo cheiro.
Estou disposta a roubar. Mas pagar oito euros por um quilo de figos, não. Jamé!!!

sábado, 10 de junho de 2017

Absolutamente imperdoável

Para quem não tem amor-próprio, para aqueles que não se prezam e esquecem a sua dignidade. Ninguém merece a perda de tempo. E há uma vida lá fora para quem quer viver.
Imperdoável esperar que alguém modifique as suas atitudes. Tempo perdido...

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Esta sou eu e não quero nem tenho tempo para mudar, caramba!

Sabem, estou preguiçosa e como tal a lida da casa está ali a um canto à espera de melhores dias e da pachorra para colocar a touca, o avental o espanador nas maos  e servir a casa.
Já pedi à minha empregada, Moi-Même, mas aquela biteche (cabra em português) vira o rabo, abana a saia e faz-me um manguito daqueles que faz inveja ao Zé Povinho.
Atão como o pó acumulava debaixo da cama quase a fazer de colchão, resolvi não tirar o pó, mas limpar as  casas de banho que se soubesse o que sei hoje em vez destas colocaria um buraco, talvez até dois, lado a lado, com caminho directo ao mar e assim evitava ter de limpar o cagatório. Hoje foi o dia!

Vesti um vestido velho, mas lindo, diga-se de verdade que eu em casa ando sempre como se estivesse à espera da bladi cuine (inglês silvu plé), e lá parti para a limpeza. Não tardou muito estava mais molhada que um bisalho e tive a brilhante ideia... (sim, que se há raparigas com ideias que brilham sou eu)...de despir o belo do vestido e meter-me na banheira. Lindo! Dois em um! Ao mesmo tempo que limpava a banheira tomei um banho tão, mas tão bom, com uma água quentinha e só me lembrava da chuva fria que não cai e vai daí vou ter de regar as hortaliças.
E ainda me chamam de princesa! Escrava, isso sim, sou eu!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Estava a morrer e ressuscitou

A minha filha tinha uma Phalaenopsis mais murcha que os dedos quando estão muito tempo na água. As quatro folhas que a compunham estavam a apontar para o chão de tristes e cansadas e, quiçá a precisarem de um alento para prosseguir.
Ela disse que a planta não dava nada assim naquele estado . Eu, como boa samaritana, livrei-a (a planta) de morte anunciada  e recolhia na minha humilde casa.
Prestei-lhe os cuidados paliativos, facultando-lhe: bem estar, apoio psicológico e emocional. Até música lhe dei. A planta, cujas folhas olhavam para o chão, aos poucos elevaram-se para o alto.

Eu estava satisfeita com a progressão da dita phanaenopsis, lenta, mas mesmo assim a arrebitar. Mudei de vaso, deitei terra fresca e quando a minha filha veio buscar as Pulgas, eu quis logo mostrar a evolução da planta.
 Ela olha para a planta e...
- Óh, mas não tem flor!
Ora agora! Já queria uma flor! Na próxima espeto-lhe uma de plástico do chinês.

E, depois, minha filha, aqui nesta casa tudo floresce, mas leva o seu tempo. É como o dinheiro, sempre vai aparecendo, demora é muito.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Agora a sério: vamos para a brincadeira...

Tendo em conta o anterior poste sugiro escrever numa frase o que querem que as pessoas digam, um dia, quando falarem de vocês.
Usando a letra da canção vencedora da Eurovisão, acrescentem agora...

"Se um dia alguém perguntar por mim digam que eu...."

Vamilhá...porque é importante deixar a nossa marca neste mundo.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Se um dia alguém perguntar por mim...

....digam que eu nasci para viajar. E que vivi a sonhar com isso.
Se um dia alguém perguntar por mim digam que eu extravasei, cansada de magicar numa forma de ser rica para poder viajar.
Digam que ninguém ouviu as minhas preces e o meu coração sofreu, sentiu paixão e cedeu...
Se um dia alguém perguntar por mim só têem de dizer que fiz muitos planos e, devagarinho, voltei a aprender que não se faz nada sozinho e nem com preces e oração o dinheiro chega.
Digam que sem nada para dar sou uma pobre rapariga com um desejo imenso de ser rica...
Meu bem, se um dia aqui não estiver é que sem fazer planos do que virá depois o meu coração sucumbiu por dois.

Hoje deu-me para isto: ser parvinha. Olhem se um dia alguém perguntar por mim digam que também era parvinha nalgumas horas...

Ando a sonhar com barcos...

....e dizem que "quem fala no barco é que quer embarcar". E eu quero. E muito.
Andei a ver fotografias de anos atrás (esperem, tenho de limpar o nariz devido ao pó é que faz comichão), e a última vez que me meti num barco foi há sete anos, exceptuando os dois cruzeiros no Douro no ano passado, pois refiro-me a um cruzeiro num navio grande.
Há sete anos fiz o cruzeiro pelas ilhas de Córsega, Sardenha, Palma saindo de Roma. Ora para mim é muito tempo em terra a olhar os barcos que chegam e saem desta ilha minúscula no Atlântico.
E como comsrumo dizer: "tanta terra, tanto mundo, tanto país imenso e vim nascer numa ilha - que para aparecer à vista num mapa qualquer é preciso ampliar - perdida no oceano que me dificulta e aprisiona os desejos de viajar! Que é necessário ter um fundo de maneio ou pé de meia sempre reservado para as passagens de e para o continente.
Se eu vissessse num continente seria rapariga de navegar todos os anos.

domingo, 4 de junho de 2017

Poncha de tangerina e torresmos coisa maiboa

Eu não sou o Quim Barreiros nem sou um mestre de culinária mas se há coisinhas fofas que eu sei fazer é a bela da poncha. Uma poncha por dia nem sabem a gripe para onde ia. Ia e não voltava.
Este belo exemplar não foi feito por mim. Eu simplesmente emborquei goela abaixo é que parece que vou ter gripe e como diz o outro "mais vale prevenir" e "mulher prevenida vele por duas", bebi, portanto, duas.
E soube-me tão bem, é que estive a queimar gordura na serra - uns chouriços, umas tiras de bacons, umas salsichas, porque a minha médica de família diz: "queimar gordura e beber muitos líquidos". Atão, depois de queimar a gordura, passei aos líquidos: Pera Doce, Capote Velho, Mula Velha, Piteira...e por fim a bela da poncha de tangerina. Estou satisfeita a dar saltinhos: cumpri na íntegra o conselho da médica de família.

Estou apaixonada. Perdidamente apaixonada

Vi-o e o meu coração acelerou de tal forma que saiu do peito e corri para o apanhar.
E depois, os meus olhos não viam mais nada a não ser ele. Uma audição de bandolins e nem conseguia ouvir a música só porque o som aos meus ouvidos não era tal qual o do meu coração apaixonado.

Mê Dês, que sufoco! Ainda disse em boca-pequena à minha filha, sem que nada ninguém ouvisse, se ela conhecia. Disse-me que  não. Pedi-lhe que perguntasse à professora, mas, certamente, era mais conveniente mandar mensagem para que ninguém ouvisse.
Lindo e estou completamente perdida de amores por ele...e sonho....e imagino-o aos meus pés rendidos a mim...
Dsejo há muito tempo uma lufada de ar fresco na minha vida...tem de ser meu....

Estou à espera que me diga. Por favor, por favor, pelise (e aqui colo as mãozinhas para o céu), diz-me se sabes onde posso comprar um par de sandálias iguais às que estavam nos pés da professora de bandolim, diz-me filha linda, canão a mami morre de desejo!

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Mas só a mim!? Porquê mas porquê?

Uma pessoa toma banho, está toda ensaboada, de repente apercebe-se que a água esfria. Chama pelo cabeça de casal, ele não ouve. Berra o nome dele "caté" os cachorros responderam, mas ele não.
Uma pessoa gela dentro do poliban, embrulha a toalha no corpo cheio de sabão. Chega à boca da escada volta a gritar pelo hôme, hôme responde, aleluia! Diz que estava longe, caramba, a casa é grande, mas...
Diz-me que provavelmente não há gás... Uma pessoa arregala os olhos ementes treme de frio...uma pessoa desespera enquanto o hôme arrasta a garrafa, muda a cabeça, encaixa, roda, guarda, fecha o espaço das garrafas entra em casa e grita que está pronto.
Valha-me Nossa Senhora do Banho Tomado e da Água Quente! Agora sim vou -me vingar! Não há  corpo que aguente este estado de congelação!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

É o início do fim...

Agora já posso voltar a ser adulta. É que neste dia fico assim  tonta, pó patética e desejando de ser (e como não posso ser por razões que a própria razão não me diz) posso pelo  menos parecer e tentar ser criança. É isso que faço.

Adoro este dia. E, devem estar a dizer: ah, que giro! É por ter netos, é por gostar de crianças, é por ser lembrar de quando era criança, é por ter estado sempre rodeada de crianças, é...

Não é não senhor. Estão quadradamente e alguns triangularmente enganados.
Gosto porque começa o mês de Junho. Tenho uma paixão por este mês. É o final do ano lectivo, é o início do verão, é o calor, as sandálias, os calções, o entardecer na praia, as lapas, as cervejas, os almoços tardios, os bailaricos ...
Mais razões? E você que me lê, porque gosta deste mês?

Eu também já fui criança

Falando da infância...
Eu também fui criança. Embora pareça que ainda sou e tenho um grande prazer em ser/parecer uma criança embora crescida - pois que, com o meu pequeno metro e noventa, ninguém diria - esta situação agrada-me, porque para as crianças há desculpa assim a mim desculpam-me nestes meus desvarios.

Adorei ser criança. Daí que não queira deixar de ser...ou parecer vá lá...
Como costumo dizer às minhas Pulgas quando tentam me passar a perna "sabem, eu já fui criança, também tentei enganar a minha avó, mas ela também tinha tentado enganar a avó dela e não conseguiu. Por isso não vale a pena porque quando vocês iam eu já vinha".

Fotografia: numa excursão pela ilha eu a dançar com a minha madrinha. Se há memórias que não fogem do pensamento esta é uma delas.