Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

"Matar por amor" ou antes "não és minha não és de mais ninguém"

Um homem mata amulherrna via pública diz-se que "matou por amor", pois amava-a que não suportava a distância. Estavam separados diga-se, não sei os motivos mas para aqui pouco ou nada importa. Matou-a.
Por amor faz-se tudo até tirar a vida da outra pessoa.
Mas há algo que não entendo: este sujeito vivia com outra mulher. Como pode viver com alguém e ter estes pensamentos assassinos para com a antiga?
Eu, no meu fraco entender é mais numa de: "ai, não queres viver comigo que sou um violento (não sei se é, estou a hiperbolizar), e de mim não queres nada, é isso? Ai já andas a deitar a asa a outro? Ai é? Atão toma lá um balázio e vê se aprender que se "não és minha não és de mais ninguém".
Esta morte não foi por amor foi por despeito, ofendido por ter sido preterido.

2 comentários:

  1. Isso não é amor , isso é doença e essas pessoas precisam ser tratadas !

    ResponderEliminar
  2. É por isso que devíamos conhecer o histórico psiquiatra da pessoa com quem nos vamos relacionar antes de outra coisa qualquer ... se é maluco, passa-se para o próximo da lista :)
    Gulosoqb

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...