Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

terça-feira, 19 de maio de 2009

Más emoções

Hoje foi um dia de (más) emoções.
Perdi uma amiga!
Logo pela manhã sou acordada com a notícia.
FALECEU.

Esta palavra tem estado no meu dicionário há uns tempos a esta parte.
Já é a terceira vez que sou acordada com esta palavra. Irra!
Teimosamente teima em não me deixar.
Que Deus te dê o conforto que não encontraste na Terra.
Pois assim que soubeste, nunca mais foste a mesma.
A tua gargalhada outrora tão sonante, deixou-se de a ouvir.
Já não tinhas força para lutar.
Deixaste-te ficar pela palavra de um único charlatão que se apelida de médico.
Médico?
Mais talhante do que médico.
Amiga, sempre que olhar para o céu ouvirei a tua gargalhada.
Sonora.
Como não há outra igual.
Descansa em Paz.

1 comentário:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...