Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 15 de novembro de 2015

É sempre com muita dor...

...que assistimos à partida de um jovem.
Esse doença malvada que ceifa vidas a todo o momento, um guerreiro numa luta durante um ano e cinco meses. Já sem forças mas com esperança de melhoras submete-se a mais um tratamento. Elimina num lado aparece no outro. Mas Ela espreitava na esquina da Vida sem dar tréguas. Partiu ontem ao final da tarde, calmamente. Deixa uma mulher e duas crianças destroçadas que tudo fizeram para que permanecesse junto da família.
Amigo muito querido cá da casa, amigo muito querido há anos, desde que ainda era um adolescente à procura de adolescente. Fui testemunha deste amor desde o início, e tanto que lutou para o conseguir.
Descansa nas asas de um anjo, meu amigo.

5 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...