Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sábado, 27 de fevereiro de 2016

E se a vossa casa fosse assaltada por crianças?

Eu nem digo o que faria, só escrevo! E ainda mais conhecendo as crianças como a palma das minhas mãos era logo chapada velha e uns murros e pontapés no rabo. Adoro quando os meus netos tomam de assalto o interior e despejam no exterior. Calha que, de seguida, arrumam tudo. "Uora" se arrumam!
Mas fazem-me cada surpresa, os pestes!

2 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...