Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Da Rússia com amor


Desenganem-se aqueles e aquelas que ao ler o título julgavam que eu ia falar do filme: "From Rússia with love"
Não. Não me refiro a um filme...
Trata-se de Justiça. A Rússia prepara-se para descriminalizar violência doméstica se esta acontecer uma vez por ano no seio da família.

Ora bem, vamos por partes: maridos, mulheres, filhos, avós e netos podem aquecer o pêlo (sim que por lá é frio, caramba), à família uma vez por ano, se for duas já dá cadeia. Até arrancar os dentes, desde que não vá para o hospital (faça o tratamento em casa, ora!).
Tanta coisa por causa de umas chapadas entre marido e mulher, uns puxões de orelha e castiguinhos de dormir ao relento na neve aos filhos e uns abanões ao pai e mãe. Até mesmo um neto lindo de sua avó dar uma martelada nos dedos gelados é violência? Nada disso. É para aquecer os dedos! É carinho, é amor é acima de tudo respeito.
Que mundo! Num país onde a cada 40 minutos morre uma mulher vítima de violência doméstica é um absurdo. Uma cultura onde o machismo faz parte da tradição.
Vamos à notícia...

"De acordo com a nova legislação, que tem vindo a ser debatida no parlamento russo, bater num filho, mulher ou avô - provocando-lhe hematomas e arranhões - deixa de ser crime punível com prisão, desde que o agressor não repita o ataque, e ao mesmo familiar, no prazo de um ano.
"Temos de diferenciar claramente as relações familiares dos casos de reincidência". 

Os deputados russos aprovaram esta quarta-feira, em segunda leitura, a nova legislação. A partir dessa data, as agressões ocasionais contra familiares na Rússia apenas incorrerão em responsabilidade administrativa, desde que não ocorram mais do que uma vez por ano.

"A descarada ingerência na família" pela justiça "é intolerável", considerou Vladimir Putin recentemente, ao responder a um ativista que o questionou sobre a conveniência de acabar com uma lei que permite "prender um pai só porque deu umas palmadas num filho porque o mereceu".
No entanto, o artigo 116 do Código Penal - que o governo russo quer agora despenalizar - não menciona bofetadas ou palmadas, mas sim "tareias", que podem deixar lesões como hematomas, arranhões e feridas superficiais.

1 comentário:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...