Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Onde estavas tu no dia 25 de Abril de 1974?

Começo  por mim.
Era eu uma menina de dezassete anos....(pronto, já estão a contar pelos dedos para descobrirem que idade tenho), que estudava na Escola Industrial e Comercial do Funchal no antigo quinto ano (agora nono), e não percebia nada do que se passava, mas a palavra fascismo inquietou-me e aguçou a minha curiosidade ao ponto de na aula de História que, por sinal a tinha nesse dia, perguntar à professora o que queria dizer.
Ela explicou para a turma e continuámos nas aulas sem saber bem o que era uma revolução pois que em História aprenderamos que revolução tinha havido uma em França há muitos anos. E houvera também muitas guerras. De resto, nada.
E depois.....
Era muita areia para a minha bicicleta e eu queria era namorar.
E vocês meus amigos lindos, também eram assim como eu: burrinha, tapadinha dos olhos? Claro que não!
Um...Dois... Três...É a tua vez.

Fotografia: um hibisco ou cardeal da minha casa.

28 comentários:

  1. Nessa altura, eu nem sequer era um projeto para nascer :p ahah

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Eu estava em Luanda. Estava empregada no Colégio Cristo-Rei dos Irmãos Maristas. O marido era militar, estava no Comando Naval de Luanda. Já tinha tido um problema em Nampula por causa de um poema, já conhecia uma certa realidade que não interessava ao regime mostrar.
    Um abraço e viva a Liberdade

    ResponderEliminar
  3. Vim rapidinho ler o que andavas a fazer na altura! E olha que nem começaste nada mal! Aula de história e perguntar sobre um regime, foi um ótimo princípio para arregalar os olhos no que à política diz respeito!
    Bjinho :)

    ResponderEliminar
  4. Onde eu estava? Naquela madrugada? Roncava! Mas levantei-me cedo e fiz tudo o que não costumava fazer, ou melhor, fiz tudo o que costumava fazer mas de modo diferente e a correr. Costumava levantar a tempo de ir de carro e passar a ponte para o outro lado.
    Nesse dia, fui de comboio, e ia, bem ensonado.
    Cheguei a Alcântara e fui a correr apanhar o autocarro.
    E quando ia a chegar à Siderurgia, grita um passageiro ainda de rádio ao ouvido encostado: "Chegou o dia!"
    E fui-me à vida sem ter sequer percebido
    a que dia aquela alma se tinha referido.

    Hoje, passados 43 anos, sei.
    Sei bem!

    ResponderEliminar
  5. Eu estava a na casa de banho e em minha opinião, foi o melhor sitio em que poderia estar na altura e para a altura ahahahahah liberdade? foi isso que se conquistou? pois eu acho que se conquistou em demasia.
    Beijo

    ResponderEliminar
  6. A preparar-me para ir para o Colégio (tinha 10 anos e andava no 1º ano).
    Quando me disseram que podia voltar para a cama porque não havia aulas.
    Só muito mais tarde comecei a tomar consciência do porquê.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Estava em Luanda no meio do começo de uma guerra civil que veio a dar no que deu. Soube por uma rádio clandestina e só dois dias ou três é que se começou a falar/murmurar sobre dos acontecimentos porque a PIDE ainda estava activa.

    ResponderEliminar
  8. Tenho uma amiga belga que aquele périodo estava em Lisboa e tantos ,tantos anos depois ainda conta emocionada sobre esse 25 de Abril.
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Em 1974 eu ainda não fazia parte deste mundo! Mas agradeço a quem nesse dia lutou pela liberdade que hoje me é consentida.
    Beijinho e bom feriado

    ResponderEliminar
  10. Nesse ano estava a acabar o meu curso no Porto, fiquei radiante porque foi abolido o Exame de Estado para as professoras do Magistério Primário, nem pensei sequer no significado do que tinha acontecido, fui para a farra com as colegas, só mais tarde me apercebi do verdadeiro significado desse dia.

    Beijinhos Gi

    ResponderEliminar
  11. Olá, amiga, não se trata de burrice, trata-se do ambiente em que crescemos, eu, por exemplo cresci a ouvir falar de politica, meu avós, meus pais, meus tios só falavam de politica, era o tema obrigatório falar deste tema, foi a minha avó, mulher de armas que introduziu a politica na família, ainda hoje a minha família fala muito de politica, minha família é toda militante do PCP, expecto uma prima cagona,cheia de nove horas e de verniz.
    AG

    Abril de Sim Abril de Não

    Eu vi Abril por fora e Abril por dentro
    vi o Abril que foi e Abril de agora
    eu vi Abril em festa e Abril lamento
    Abril como quem ri como quem chora.

    Eu vi chorar Abril e Abril partir
    vi o Abril de sim e Abril de não
    Abril que já não é Abril por vir
    e como tudo o mais contradição.

    Vi o Abril que ganha e Abril que perde
    Abril que foi Abril e o que não foi
    eu vi Abril de ser e de não ser.

    Abril de Abril vestido (Abril tão verde)
    Abril de Abril despido (Abril que dói)
    Abril já feito. E ainda por fazer.

    Manuel Alegre

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António, (Toninho pós amigos)..!
      Eu era burra tapada sim, nunca se falou e política, vivíamos dia a dia com o esforço do trabalho. Família de emigrantes não por política,mas para fugir a pobreza.
      Sabia que havia polícia​ como hoje sei que há. Não. Sabia de presos politicos.
      Só depois é que me percebi da grandiosidade desse dia.
      Partidos, desconhecia. Só vim a saber o que acontecia antes no Depois..
      Kis :=}

      Eliminar
    2. Amiga!!!! ouvi que chovia muito por ai, a for verdade e se me permite, vou aconselhar para ter cuidado com a chuva, é que a roupa pode encolher.
      Kis

      Eliminar
  12. Nasci dois anos depois. Amigos meus, miúdos na altura, contaram-me que foi uma alegria porque nesse dia não foram à escola.


    Ms. Telita | Telita LifeStyleFacebookinstagram

    • novo grupo para divulgação de blogs: blogs Lifestyle Portugal

    ResponderEliminar
  13. Eu já era um "velhinho" (nos trintas), no 25 de Abril, casado, com 2 filhos e a trabalhar para a família ! Apesar de só eu trabalhar, o que ganhava (hoje seria utópico e impossível), chegava bem para todos) ... e com que enorme alegria vivi aqueles primeiros tempos de pura ilusão, que não chegaram a durar um ano ! :((
    Ao Mário Soares não foi permitida a entrada no Estádio 1º de Maio para comemorar o 1º de Maio de 75, porque era "fascista" e contra revolucionário ! :( ... Algo se começava a passar de muito anormal ! ... e uns 10 anos se passaram nesta situação ou semelhante ! :(
    Era "velhinho" e tinha perfeita noção das coisas e do que se passava nos bastidores, coisa que nos dias de hoje está muito deturpado, quer pelos interessados em passar uma outra ideia, quer pelo desconhecimento (natural) de todos os que hoje têm menos de 65, que jovens nessa altura, só sabem o que ouviam e não o resto !!! ... mas isto seria uma estória muito complicada que um dia será contada ! :((
    A Grande Verdade, é que continuamos hoje a ser dos países, financeira e economicamente, mais atrasados da Europa ! ... e que chatice ! ... Por acaso, não gosto de cravos ! :(

    ResponderEliminar
  14. Eu tinha 14 anos, vivia em Mocambique e lembro dos meus Pais falarem sobre a revolucao que tinha havido em Lisboa una dias depois dele acontecer. Para os que viviam nas Colonias muita coisa mudou pouco tempo depois...e tivemos que deixar o que era o nossa pais e emigrar para a Africa do Sul.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sami....
      É sempre triste regressará origem pior do que qualquer do saíram.
      Um desassossego
      Kis :=}

      Eliminar
  15. Há uma luz que refulge, sulcando as trevas
    Há um gesto que renasce, fazendo o dia
    Há um canto que se ouve, quase em murmúrio
    Há um despontar de vozes, quase melodia.

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e esse canto ainda se ouve em murmúrio
      Kis :=}

      Eliminar
  16. Ui... como se diz por estas bandas ainda devia andar nas costas do meu avô :)

    ResponderEliminar
  17. Porque, você AvoGi, eu acredito,
    ainda era uma menina há 43 anos
    não sabes o que foi a fascismo
    de quem nos governou com enganos!

    Tenha uma boa tarde do dia 25 de Abril, em liberdade!

    ResponderEliminar
  18. AvoGi, de historia eu não gostava nem da professora...Mas isso não era pessoal, ninguém gostava dela, falava cuspindo na gente affffffffffff credo!!! E eu com 17 estava como você so penando em namorar!

    ResponderEliminar
  19. Bem, se for nesta vida, eu não estava em lado nenhum porque não tinha nascido mas se acreditasse em reencarnação...podia estar em qualquer parte do mundo eheheh
    Kiss

    ResponderEliminar
  20. Eu andava na escola primária e lembro-me bem de não entender o que se passava, só sabia que era bom:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também era assim e de política nada percebia e cada vez percebo menos!!!
      Eu estava no primeiro ano do Magistério e numa aula de Lavores!
      Bjoca

      Eliminar
  21. Eu era muito pequenota... Lembro-me que o meu pai foi para o Alfeite, trabalhava lá, e não quis que a minha mãe e eu fossemos à rua nesse dia... e ele estava bem contente... dizia... nunca pensei estar vivo para presenciar este dia... já na altura está bastante doente... e saiu porta fora, nesse dia, feliz da vida...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...