Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Credo! É que eu não páro!

Domingo à noite chegámos a Ponte de Lima para descarregar a encomenda (o projecto-nora).
Jantámos (uma feijoadinha, levezinha), depois de termos comido uma paella de marisco com entrada de camarão e sangria para arrefecer o calor das queixadas. Mas a comadre também tinha preparado para entrada uns camaroezinhos e mexilhões. Bem, não ficou nada.
Lá se fez o obséquio de comer já que a comadre tinha tido a maçada de fazer todo aquele manjar.
À chegada ao Porto, foi só nanar que o "João Pestana" tanbém veio com a gente.
Na segunda-feira telefonam uns amigos nossos (do rural) que estão cá no "Contenente" e que têm uma auto caravana.
- Venham cá. isto é linnnnndo! É Natureza pura. Vacas, casas de pedra- dizia ele , sabendo que é a paisagem que eu aprecio.- Venham e ficam cá.
- Não. Não. Podemos ir até aí, mas não ficamos.
-Pelo sim pelo não tragam roupa.- Continuava ele.
Estavam em Lamas de Olo, Vila Real, em plena serra do Alvão.
E lá fomos. Duas horas de viagem (ida) com paragens para fotografar. Com a promessa ao meu bisalho que regressaríamos.
Para abreviar....ficámos lá. Sem uma muda de roupa. Sem nada.

2 comentários:

  1. Já tou a imaginar quem são esses amigos... esses também não param. E ela agora está reformada, não é?
    Faço ideia...
    Olha compra uma auto-caravana e faz como eles...pois mas o teu senhor ainda não está reformado, não é?

    ResponderEliminar
  2. Deixa lá mulher o que interessa é teres disfrutado de tudo!

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...