Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A receita da Poncha. Cuidado, beber pouco

Desculpem meus candidatos aos caralhinhos, utensílio muito usado cá na RAM (Madeira).
Não há casa que não tenha um!! Até quem emigra leva o seu!
Foi por esquecimento e por pensar que toda a gente já sabia para que serve, mas afinal ainda há quem não saiba a que se propõe o uso e abuso (ui, abusar é que não) deste tão querido e tão regional aparato. 
                                  
Vou cá deixar a receita da Poncha que é ele o imprescindível pau para mexer os ingredientes da referida bebida.

Deitar limões às rodelas num jarro.
Juntar mel de abelhas. 
Mexer bem com o caralhinho.
Deitar a aguardente de cana ou vodka.
Novamente mexer bem. Depois deitar nos copos. Servir e beber, não muito que isto sobe logo à cabeça e desce ao estômago e faz dar muitas voltas ao corpo até...cair.

Há outras variantes da poncha: laranja, maracujá, absinto, pitanga, tangerina e de qualquer outro fruto. Também se pode adicionar cubos de gelo, mas desta feita serve-se em copos altos. Quando é só poncha serve-se no copo  pequeno.

Esta que aqui deixei a receita é: Poncha à Pescador. A mais forte, a mais usada pelos pescadores antes de irem para a faina.
Poncha (clicar na palavra)

As quantidade? Bem, o melhor é fazer e ir provando. E ver o que precisa de mais: se mel (para ficar doce), limão (mais amargo) ou aguardente (mais forte de álcool).




14 comentários:

  1. Sim há outras formas de fazer ciúmes, mas o melhor é que não os queria fazer e fiz :))
    aha

    ResponderEliminar
  2. É só conversa, AVOGI.

    Venha de lá uma (garrafa de) poncha.

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Ai, Avogi, que essa poncha é um must!!! Há que aprontar, de facto, o caralhinho!!!
    Bjsss, boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  4. Pois então, Giselda, por aqui, ao invés do mel, colocamos açucar, e o nome é "caipirinha".
    Como já comentei no espaço do amigo João, não sou muito chegada, pois não gosto de aguardente de cana (a nossa famosa cachaça). Mas, pensando bem, essa de maracujá até que deve ficar interessante. Qualquer dia experimento...:)

    Não entendi como é que os pescadores bebem a poncha antes de ir para o mar (???) Eu, no lugar deles, cairia direto na água, antes mesmo de começar a trabalhar!...rsrsrs

    Beijinhos, e te cuida.
    Ando a curtir a neta, que veio passar uns dias, aproveitando que amanhã é feriado por aqui)

    Cid@

    ResponderEliminar
  5. Pode tomar-se na cama? É que é mais seguro...

    ResponderEliminar
  6. AVOGI, pois então varia o doce ou a quantidade de alcool, conforme a vontade do freguês! Interessante, gostei :)

    ResponderEliminar
  7. isso é tão bom! mas tão bom! que já me estou a babar!!

    ResponderEliminar
  8. Ora muito obrigado pela partilha, a ver no fim-de-semana consigo fazer uma :)

    ResponderEliminar
  9. Se cá vieres de verdade
    Traz-me bolo de mel à maneira
    Não me tragas um c........
    Porque é feito de madeira

    Vem que ainda chegas a tempo
    Da invernia local
    Teremos uma lareira
    Chegadinhos à braseira
    Vai ser bom etc e tal

    Temos vinho Alentejano
    Temos pão e linguiça
    Também temos a chouriça
    Pois é comida todo o ano
    Verás que não te engano

    Serás muito bem recebida
    Roupa cama e comida
    Não é necessário a bebida
    Para que a festa seja vivida
    Basta a promessa cumprida

    Promete que não te esqueces
    Promete que passas por cá
    Vem ver com quem te metes
    Pois se te esqueceres
    Verás o que te acontecerá

    Faltam poucos dias, estamos a contá-los.

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...