Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

E já é Segunda-feira

E começo por desejar uma óptima semana de trabalho, se possível, com pouco trabalho.

E já que falo em trabalho, há pessoas que não cruzam os braços e arranjam sempre ocupação, uma forma de dar azo às ideias que afloram e porque se gosta de dar que fazer às mãos.

Por vezes, a criatividade fala mais alto e a profissão: Educação de Infância.

Todos nós sabemos que os educadores de infância  têm uma predisposição especial para trabalhar com as mãos e com as crianças.  
 Falo de um projecto da minha filha (a mãe das Pulgas).


"Uma ideia que estava a crescer há algum tempo é agora posta em prática. Passem a palavra, tragam os vossos petizes e os seus amigos. Serão momentos bem passados a brincar, a lanchar e a aprender." diz ela.

É um Workshop para crianças entre os 3 e os 7 anos. Uma forma lúdica de aprendizagem.

Por isso, deixo aqui a ideia e quem estiver interessado pode e deve pedir  informações: sabor_e_arte@sapo.pt.

8 comentários:

  1. Bem...pelo menos alguém com criatividade na família...

    Gosto de saber isso...Vou perguntar aos meus pais se me deixam frequentar o jardim de infância...

    ResponderEliminar
  2. Interessante, depois vou dar uma olhadinha.

    Bom dia!

    beijooo.

    ResponderEliminar
  3. Desejo o maior sucesso para as duas partes
    ( Educadora e alunos ).


    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Sucesso!!

    Se não fosse tão longe, mandava minha pulga...

    :)

    ResponderEliminar
  5. Fiquei imensamente feliz e só desejo todo o sucesso e se estivesse mais perto...para além de levar os netos, faria o que "M." disse:):):):)

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...