Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Mas só mesmo aqui

Mas digam lá minha gente, o que fizeram onte à noite?
É que por aqui no meu rural, ou seja na minha casa, fez-se um churrasco - peixe na brasa, bebeu-se vinho branco com acompanhamento de salada de alfaces, plantadas e colhidas por mim (e Moi-Même, a biche da empregada francesa, imigrante ilegal, que me atazana o juízo) depois, depois foi uma sessão  de cartas até às três da manhã, e para que saibam a razão do meu mau humor e desta cara de cão feroz,  bastou não ter ganho uma única rodada. Foi cá um azar! Olha lá se era a dinheiro!? Hoje andava a subir paredes!
Sozinha? perguntam vocês com essa cara de espanto franzindo os olhos que eu bem vejo daqui, e eu respondo logo de seguida. "Pensam que eu jogo sozinha?" Queredo, cá nada! Somos quatro, dois casais de meia idade mas com muita força no bicho.
Frio? Onde? Só se for no Polo Norte por aqui estava ameno.

2 comentários:

  1. Por aqui também se joga muito às cartas. Todos os dias. Mas ao Uno, com as crias!

    ResponderEliminar
  2. Que "inveja" do teu serão):):)Eu estive sozinha com um olho num filme e o outro numa boina que andava (acabei-a) a tricotar... mas também me soube bem (quem corre por gosto não cansa)!
    Já pensaste em dispensar a "tua empregada" por uns dias e ficares a "descansar na rede"?
    Chuac (imitando a Tite)

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...