Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Cavalas com molho de vilhão e Frei João

Até rima.
 E, não é engano, é assim que se diz à boa maneira madeirense: vilhão. E não vilão. A acompanhar uma bela duma salada de alface e um bom dum tinto: Frei João, colheita de 2009.
E vivó velho! Caramba, vai-se uma garrafinha, assim (e eu dou estalinhos com os dedos...)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...