Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 29 de abril de 2015

A falar é que nos entendemos

-Avô, se tiver pão de leite podes comprar um para mim? - pede o mê Gu-Gu, olhos vivos, à porta da padaria.
O avô, diz baixinho,  olhando para mim, assim a modos que a perguntar: "não sei se vai ter".
O gasguito que, está sempre atento, remata:
- Eu disse "se tiver"... Eu disse: "se tiver" repete silabando por via de dúvidas, com aquele dedo indicador, pronto a apontar para o céu, a modos que professor.

4 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...