Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Este ano há eleições, por isso tá explicado

Ao ler a notícia que as médias deste ano nas provas finais de ciclo, melhoraram e muito eu, rapariga que depois que lhe disseram ter visto um elefante a fazer o triplo salto mortal encarpado à retarguarda, já filtra toda a informação, ainda por pouco tempo achei que, realmente, algo melhorou e que as crianças mudaram as suas atitudes perante a escola e as metas curriculares, mas depois...
Não, AvoGi, acorda desse torpor, disse eu a falar comigo pois que Moi-Même está de visita à família lá pós lados do Caribe, as crianças não mudaram nem as metas nem o trapiche, o que mudou foi a forma de avaliação e toca a aproveitar todas as respostas mesmo erradas porque há eleições e se o menino passar sempre são dois votos. Poissssss, tá claro!

4 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...