Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 9 de agosto de 2015

Festa do Peixe Espada Preto

E que tal uma poncha de tangerina a olhar a baía de Câmara de Lobos, às duas da manhã, depois de dançar até cair ao som dos Abba, é bom não? Pois é, caiu que nem azeitonas!
E se acrescentarmos uma bela espetada no Estreito? Atão, cai que nem tordos.
Contra-senso, ir à festa com a barriga a rebentar de carne quando o mote era o peixe espada. Talvez! Mas a poncha estava divinal!

4 comentários:

  1. Maravilha :) Gosto de poncha, ontem bebi de laranja

    ResponderEliminar
  2. Isso é que é qualidade :D diverte-te!

    r: Muito, muito obrigada.
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Não está certo. São só provocações....E ainda por cima na minha terra.
    Xavelhinha

    ResponderEliminar
  4. Sou fã de peixe espada.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...