Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Crianças omnipotentes

Palavras santas! Há muito que digo: "as crianças têm direito a dar a sua opinião, mas a decisão compete aos adultos"
Detesto quando oiço pais ou avós a dizer" elas é que escolheram", "ele é que decidiu", ela quer..."
Não os tornem omnipotentes, a fazerem tudo à sua maneira. O mundo não é só das crianças, não lhes dêem o poder da decisão, deixem-nos brincar enquanto as responsabilidades da vida adulta não chegam, não tornem crianças em adultos frustrados e ditadores.
Crianças mandonas, egoístas é o que abunda e a culpa é de quem as deixou tornarem-se adultos à pressa, gerindo a vida deles e dos pais. Como se fossem o centro do mundo.

(Parte de um texto escrito por uma psicóloga. Artigo de opinião do JM)

4 comentários:

  1. Concordo contigo! E a educação das crianças tem-se tornado cada vez pior...

    ResponderEliminar
  2. Já há muito anos alguém (Paulo Portas) dizia que o que mais vê à sua volta é uma grande falta de pais.
    E esta acho que foi mesmo irrevogável.

    ResponderEliminar
  3. Também li esse texto no JM. Fiquei feliz por estar no caminho certo. Muitas vezes fico a pensar se sou demasiado "má" em relação às minhas filhas. Depois há aqueles momentos em que fico de coração cheio por ver que afinal a felicidade não é deixá-las fazer tudo o que querem, comer só o que querem, etc.

    Abraço

    Sandra / Funchal

    ResponderEliminar
  4. Pais e professores/educadores devem estabelecer limites, sim!

    Beijinhos, Avógi jovem. :)

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...