Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sábado, 21 de novembro de 2015

Duas na Terra uma no Céu

O mê Gugu falava que temos duas mães: a Mãe do Céu que é de todos e a nossa mãe na Terra, e desenhava com o dedo um semi-círculo em frente das suas duas manas, indicando que a mãe era dos três.
A Maiveilha diz que até "pode haver quem tenha três".
- Como assim, mana?!
"Então, se duas mulheres casarem o filho terá duas mães na Terra e mais a do Céu".
Fiquei sensibilizada, como aos olhos de uma criança o amor não escolhe sexos e tudo é claro.
E ainda nesta semana foi assinado...

6 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...