Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 8 de novembro de 2015

Não é bem mas é quase

Hoje, no carro, eu e mê senhor nos bancos da frente e logo atrás três Pulgas irrequietas além de atentas ao desenrolar da conversa de adultos.
A Baixinha, a mais mexida, a que mais se parece comigo no humor repentino, nas aluações, mete carta ao baralho dando continuidade ao assunto de adultos. Digo-lhe para imahinar que tem um reposteiro, ou cortina a separar a parte da frente da de trás. E com a mão esquerda imagino que corro o cortinado.
"Mas, ó avó, achas que isto é uma limusine, achas!?
E segue-se a explicação pormenorizada...
Palavra de honra, às vezes, não sei onde vai buscar estas ideias.

3 comentários:

  1. Eles saem-se com cada uma que até ficamos sem resposta :p ahahah

    r: São hábitos que nos aconchegam, não faz sentido perdê-los.
    Boa semana, beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Enchem-nos a alma, momentos desses.
    Boa semana.
    Um beijinho

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...