Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O mundo conspira para me deitar abaixo

Mas eu sou forte que nem um burro, mais teimosa que uma mula cambada.
Atão não é que já vejo tantas casas embelezadas com o pinheiro, tanto decoração, linda por sinal, em cima de mesas, e só me apetece dar chapada velha na minha cara!?
E perguntem-me porque razão estou com o diabo no corpo, perguntem?
Não, não é por causa dos preços das viagens, mas podia ser e isso ajudou a que eu ficasse mais possessa que o demo. Também não é por ter ido ao dentista e ficado de bico aberto e a engolir carradas de cuspo, mas até podia ter sido, é ...
Tenho de dizer tudo, não é? Seja, então.
Não tenho pinheiro. É isso. O outro que Deus o tenha já não funciona nem que eu passe o natal a montar galhos. O que eu peço é que dêem uma forcinha aqui à rapariga para levantar a cesta do sofá e dirigir-se à loja mais próxima comprar um raio d' um pinheiro.

2 comentários:

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...