Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Dia de folga

As Minhas Pulgas deram-me um dia de folga e aproveitei para as trocas de Natal.
Não sou apologia de trocar o que se oferece, costumo ficar com a prenda, mas quando já tenho, claro que troco, obviamente.

"Para a minha irmã", livro de leitura obrigatória para quem, como eu, adora um bom enredo. Mas já o tinha. Oferecido por alguém a quem muito estimo e que já não se encontra entre nós.

1 comentário:

  1. Não é ofensa trocar algo que já se tem.
    Ou que não nos serve.
    Fiz isso com uma camisola que a minha filha me deu e estava enorme.
    Fui trocá-la com ela.
    Escolhemos outra.
    Simples e prático.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...