Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Lugares de sonho. Londres para sempre




Sentada na minha cadeira de braços ao lado da Pulga, a Maiveilha, dou por mim absorta em pensamentos bons, de lugares por onde este corpo danoninho já andou.
Lugares esses cheios de memórias boas outras nem tanto.
Recordo-me da última vez que estive em Londres e foi precisamente em Novembro passado, para o funeral do meu irmão.
Oras, Londres, para mim, é a minha casa. É o sítio recorrente quando o dinheiro não abunda para acalmar o desejo de viajar. Quando uma vontade mórbida de arejar se instala no pensamento e fica a moer. Em banho-maria
Londres. Só a pronúncia da palavra me deixa de água na boca...

2 comentários:

  1. Já lá não vou há alguns anos.
    Está na altura de voltar.
    Bjs, bfds

    ResponderEliminar
  2. Olá, olá, já vi que estás de volta.
    Pinta

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...